ALdCS – Capítulo 42

Oitavo Dever Diário do Cavaleiro Sol: Faça a Política da Boa Vizinhança (Parte 1)

Esperei até a noite cair e depois bati em cada uma das portas dos Doze Cavaleiros Sagrados. Minha primeira frase para cada um deles foi “Preciso de um favor”.

Eu bati até mesmo na porta do quarto de Julgamento e disse a mesma coisa depois que ele abriu a porta.

— Preciso de um favor.

— Que favor? — Cavaleiro Julgamento perguntou, fingindo ignorância — Comprar torta de mirtilo? Peça ao Gelo para fazer gelo raspado com morango.

Pedi sem rodeios:

— Empreste-me dez membros do Pelotão do Cavaleiro Julgamento.

— Por uma missão ou por vingança? — Julgamento suspirou.

— Para uma missão… — Vendo o olhar duvidoso no rosto de Julgamento, eu rapidamente confessei — Mas eu admito que há um pensamento delicado de vingança pessoal.

Julgamento ficou perplexo e perguntou:

— Isso seria o suficiente para você?

— É claro. — Eu dei de ombros — Eu só quero obter mais fiéis, não começar uma guerra com o Monastério do Deus da Guerra.

Embora eu tenha dito isso, Julgamento ainda levou algum tempo para pensar antes de responder com relutância:

— Só posso emprestar cinco para você, caso seu temperamento cause alguma confusão. Você sempre estragou seu Pelotão do Cavaleiro Sol. Desde que foram espancados e humilhados em público, eu realmente acho difícil acreditar que você vai se conter e não punir severamente os guerreiros do Monastério do Deus da Guerra.

— Muito bem, cinco está bom. — Eu prontamente concordei.

Vendo como eu havia concordado tão facilmente, Julgamento franziu a testa novamente. A fim de evitar dar a ele uma chance de se arrepender de suas palavras, eu rapidamente mudei de assunto.

— Como está o treinamento de Elijah?

— Muito bem, ele é um bom aprendiz e aprende rápido. Nuvem modificou seus passos anuviados para melhorar as habilidades de esquiva dele. Ele deve ser capaz de parar subitamente e desviar em duas semanas.

— Muito bem. — Eu assenti. — Não deve haver problemas então.

— Você poderia me dizer quais são seus planos para aumentar o número de fiéis?

— Não! — Se Julgamento soubesse de todo o meu plano, não haveria garantia de que ele não me mataria imediatamente com a sua espada para me castigar por deixar meu próprio pelotão se ferir no passado, impedir-me de arriscar uma guerra com o Monastério do Deus da Guerra no presente, e me impedir de pôr o mundo em perigo no futuro.

— Você realmente está pronto para o mal… — Tsc. Então é melhor não me contar.

Julgamento balançou a cabeça e abandonou decididamente a ideia de conhecer meus planos, salvando-o do dilema de ter de decidir se me mataria ou não. Ele fechou a porta lentamente, resmungando:

— É melhor eu ir para a cama cedo essa noite para não sentir remorso por emprestar os cavaleiros a você depois de saber o que meus cinco membros do pelotão serão forçados a fazer. Falando nisso, toda vez que eu concordo em te fazer um favor, eu sempre lamento depois! — Ele suspirou pesadamente.

Eu avisei:

— Suspirar encurta sua vida em três segundos.

Atrás da porta veio uma voz fraca:

— E concordar com seus pedidos encurta minha vida em três anos…

Eu retruquei:

— Se realmente reduzisse sua expectativa de vida em três anos, você estaria morto após um mês desde que nos conhecemos.

— Então você está ciente disso?

Depois de visitar Julgamento, espiei a posição da lua pela janela. Agora eram aproximadamente dez horas, quase na hora. Eu rapidamente caminhei em direção à cozinha do Templo Sagrado. Naquele momento, não havia uma alma viva, e nem morta, ali, mas algumas cestas de pão e leite já haviam sido postas na mesa.

Eu peguei as cestas e me aproximei silenciosamente do lado de fora da sala de detenção onde o Pelotão do Cavaleiro Sol estava trancado. Não fui até a única porta da sala de detenção, mas ao invés disso me aproximei de uma parede.

Eu agachei contra a parede e estava prestes a abrir uma porta secreta quando ouvi ruídos vindos de dentro.

— Dessa vez o capitão foi longe demais, nos proibindo de curar, vários de nós estão gravemente feridos!

— Também não temos nada para comer… será que o capitão realmente nos abandonou?

Uma voz emocionada interrompeu as reclamações de todos.

— Como integrante do Pelotão do Cavaleiro Sol, como você pode achar que o capitão nos abandonaria? Não basta os de fora pensar assim? Se fosse esse o caso, quem você acha que sempre nos mandou comida que estávamos em detenção? Quem teria enviado aqueles cobertores quentes para nós? Por fim, quem teria aberto aquela porta secreta para a sala de detenção?

Essa voz pertencia a Adair, como esperado do meu vice-capitão que me melhor compreendia!

Uma voz rapidamente explicou:

— Adair, não seja muito emotivo! Eu, claro, entendo que nosso capitão não nos abandonaria. É só que o capitão sempre nos pede para realizar missões quase impossíveis…

Aquela voz parecer ser do Ed. Tsc…. Eu realmente pensei que poderia indicá-lo para algumas tarefas, mas parecia que que só o Adair dá conta!

— Mas o capitão sempre nos deu alguma ajuda! — Adair endureceu sua atitude.

— Sim, mas o capitão às vezes pode ser bem… completamente… fora de sua cadeira de balanço. Da última vez ele queria que escondêssemos nossa identidade para bater em Cavaleiro-Capitão Terra. Mas ele só nos deu vinte e cinco conjuntos de trajes de assassinos, esqueceu de nos dar armas, e vamos ser espancados por Cavaleiro-Capitão Terra …

A voz de Adair já não passava pela parede; parecia que ele não podia refutar isso.

Mas isso é um ultraje! Como eu poderia ter esquecido a tentativa de punir Terra? — O problema foi que… depois de comprar roupas noturnas com fundos públicos, o Papa me encontrou! Então, ele pegou de volta o resto do dinheiro. Não havia dinheiro para comprar armas, mas havia vinte e poucas pessoas para dar a surra, então eu pensei que eles poderiam pelo menos aguentar um ou dois socos…

Nunca passou pela minha cabeça que esses infelizes fossem tão ruins a ponto de nem conseguir sobrepujar o escudo protetor do Terra, e pior, ainda voltaram mais machucados que gato de rua no cio. Fiquei possesso de raiva!

Abri furiosamente a porta secreta e joguei a cesta pela abertura com tanta força que pude ouvir o som da cesta atingindo a outra parede.

De repente o quarto inteiro ficou em silêncio, até que Adair explicou:

— Capitão, todo mundo estava apenas reclamando, eles realmente não quiseram dizer isso.

Contei até 10 na minha mente e peguei umas doze gemas rosas, ignorando a explicação de Adair, e disse ressentido:

— Aqueles com ferimentos graves só podem usar uma e não devem estar totalmente curados. Cada um de vocês deve ter algum tipo de lesão. Isso é uma ordem!

Ed soou como se estivesse prestes a chorar:

— Capitão… os caras do Monastério do Deus da Guerra eram muito ousados e ficamos muito bravos com eles, por isso falamos bobagens. Por favor, não fique com raiva.

— Capitão!

— Desculpe, capitão!

— Estávamos errados, capitão!

Meu coração se suavizou com “capitão” pra lá e pra cá. Aqueles idiotas já devem saber da minha fraqueza. Toda vez que cometiam um erro, cada um deles chorava desesperadamente “capitão, capitão”!

Eu rosnei:

— Já chega! Calem-se! Aqueles com ferimentos sérios, apressem-se e tratem suas feridas. Aqueles com ferimentos leves, apressem-se e comam. Vocês têm uma tarefa pra fazer. — Os gritos de “capitão” atrás do muro de lamentações cessaram imediatamente e eu gritei — Adair!

— Sim, senhor.

— Reúna todos no local habitual depois. Eu enviarei pessoas para ajudar a todos vocês. Você também precisará de algumas ferramentas.

— Sim.

— Capitão, você vai nos acompanhar? — Ed perguntou de repente.

— O Cavaleiro Sol não estará com você.

— Entendi.

Por volta da meia-noite, Adair levou todos os membros pela porta secreta. Eu me escondi atrás de uma árvore e espiei silenciosamente quando eles saíram, então segui eles furtivamente por trás. Embora Adair fosse muito competente, eu não tinha certeza se ele realmente entendeu meu plano.

É melhor segui-los apenas para estar seguro.

— Adair, será que essa sombra atrás de nós é o capitão? — Ed estava constantemente olhando para trás.

— Não, o capitão disse que não iria nos seguir. — Adair respondeu, nem mesmo olhando para trás.

Ouvindo essa resposta, Ed então disse:

— Não me admira que o capitão te favoreça, Adair.

De repente, Adair parou. Ed não conseguiu reagir rápido o suficiente e seu nariz teve um contato íntimo e severo com a cabeça de Adair.

Ed segurou seu nariz com uma expressão de dor, rapidamente lançou uma Cura Menor em si mesmo e depois se queixou ruidosamente:

— Adair, por que você parou de repente?

Adair gesticulou em direção à frente, e todos os membros do Pelotão do Cavaleiro Sol olharam para a frente em uníssono… um membro vestido de preto do Pelotão do Cavaleiro Julgamento apareceu e relatou a Adair:

— Dez membros do Pelotão do Cavaleiro Tempestade, dez membros do Pelotão do Cavaleiro Labareda, dez membros do Pelotão do Cavaleiro Folha, dez membros do Pelotão do Cavaleiro Terra, dez membros do Pelotão do Cavaleiro Gelo, dez membros do Pelotão do Cavaleiro Lua, dez membros do Pelotão do Cavaleiro Nuvem, cinco membros do Pelotão do Cavaleiro Julgamento, todos os membros presentes e contabilizados. Sob as ordens do Cavaleiro-Capitão Sol, obedecemos às ordens do vice-capitão do Pelotão do Cavaleiro Sol, Adair.

Ed, com um rosto estupidamente chocado, puxou o canto da camisa de Adair e sussurrou:

— Adair… Você acha que o capitão está nos pedindo para espancar aquelas caras do Monastério do Deus da Guerra, ou obliterá-los?

— Hã… Não estou bem certo. — Adair respondeu, ligeiramente perplexo vendo duas caixas colocadas no meio do local de encontro, e murmurando em voz alta — Estas devem ser as ferramentas que o capitão falou.

Eu balancei a cabeça na escuridão, mesmo sabendo que Adair não seria capaz de me ver.

Ele se aproximou, abriu as duas caixas e franziu as sobrancelhas com um semblante pensativo.

Ed veio e curiosamente pegou os itens da caixa. Havia dezenas de peças de roupa do mesmo estilo. Ele disse surpreso:

— Esses são uniformes dos cavaleiros reais não são? Há também suas armas designadas… E não são esses uniformes dos guerreiros do Monastério do Deus da Guerra? O que são estas?

Como de costume, todos os membros do Pelotão do Cavaleiro Sol olharam para Adair, que acabara de pensar. Ele murmurou em voz alta:

— Oh! Parece que temos que nos dividir em dois grupos para a missão, não me admire que precisemos de tantas pessoas.

Ouvindo o anúncio de Adair, dei um aceno de satisfação. Parecia que ele sabia o que fazer, e direi novamente, como esperado do vice-capitão que eu havia escolhido. Eu tive um gosto tão bom quando escolhi!

Cavaleiro Julgamento estava ocupado treinando Elijah, e Elijah estava ocupado sendo treinado por Cavaleiro Julgamento.

Adair e o Pelotão do Cavaleiro Sol estavam ocupados fazendo o que eu lhes pedira durante a noite. De dia, eles voltaram para a sala de detenção e deitaram em uma pilha, dormindo como uma vala comum de cadáveres. Eles eram tão parecidos com cadáveres que, mesmo que alguém andasse sobre aqueles cadáveres, nenhum grito de dor poderia ser ouvido, apenas o som de ronco rítmico.

Até mesmo Rosa e Roland estavam ocupados preparando o que eu lhes pedira. O processo de pedir favores de Rosa transcorreu suavemente. Seus olhos brilharam imediatamente quando expliquei o meu pedido e ela não mencionou querer nenhum pagamento, então é claro que não mencionei pagar.

Por outro lado, Roland ficou tão chocado que seu rosto ficou pálido… Mas seu rosto sempre estava branco acinzentado, então realmente não havia muita diferença.

Eu bocejei alto, peguei um biscoito de mirtilo do meu prato e enfiei na boca, depois continuei folheando o livro que Nuvem me emprestara Como escolher os acessórios da sorte certos para usar em um duelo”.

Sentei-me e saboreei a sensação de que todos estavam ocupados, menos eu. Parecia indescritivelmente bom.

Houve um som de arranhão e depois a porta foi aberta. A luz do sol se derramava do lado de fora, preenchendo o espaço em que eu estava com sua luz, mas não fiquei perturbado. Acendi uma pequena esfera de luz sagrada para fazer minha leitura (embora nos quadrinhos colocaram uma vela, como se duvidassem do meu poder).

— Se Nuvem não tivesse me dito, eu realmente não ousaria acreditar que você estava se escondendo aqui… Não é o hábito do Nuvem se esconder dentro de um armário de livros? Além disso, você realmente pretende contar com este livro para a próxima batalha?

Levantei a cabeça e observei Cavaleiro Julgamento enfiar a cabeça no armário de livros, olhando o livro em minhas mãos com um sorriso fantasmagórico. Eu levantei minhas sobrancelhas e exclamei:

— Não subestime este livro, é realmente útil! Além disso, finalmente entendi porque Nuvem adora se esconder dentro de estantes de livros, é um refúgio perfeito depois de iluminar com uma esfera de luz sagrada.

Este também era um pequeno refúgio onde ninguém me perturbaria e eu poderia espreguiçar a vontade. No passado, mesmo quando eu estava na sala de oração, sempre haveria alguém procurando o Cavaleiro Sol, mas ninguém pensaria em encontrar o Cavaleiro Sol em um armário de livros!

Julgamento indiferente disse:

— Se você terminou de ler e se cansou do armário de livros, por favor, pelo menos, vá encontrar o Cavaleiro-Capitão Inferno.

— O que houve com ele? Ele não conseguiu aprender os passos anuviados modificados por Nuvem? — Eu franzi minhas sobrancelhas. Isso seria ruim, pois, de acordo com meu plano, Elijah precisava fazer a luta com o Filho do Deus da Guerra durar por pelo menos dez minutos.

Julgamento balançou a cabeça e disse:

— Ele aprendeu bem, mas parece estar deprimido. Depois de sondagens leves, parece que a pressão dos colegas, ter um caso com a princesa e atrapalhar os planos do rei fizeram com que os cavaleiros reais o desprezassem.

Eu balancei a cabeça e enfaticamente respondi:

— Oh, então é isso! Não se preocupe, isso deve ser resolvido nos próximos dias.

Julgamento pensou por um momento, mas ainda balançou a cabeça e disse:

— Eu já te informei da situação do Cavaleiro-Capitão Inferno, mas se você acha que isso não é um problema, então não pensarei mais nisso.

Isso animou minha curiosidade. Normalmente Julgamento poderia facilmente deduzir que a situação do Inferno seria resolvida em questão de dias, então por que ele propositalmente se aproximaria e me informaria da situação do Inferno? Haha!

Será que… e repente me endireitei e deixei escapar:

— Será que os cinco integrantes do Pelotão do Cavaleiro Julgamento não lhe contaram o que eu havia pedido?

— Eu disse a eles para não se reportarem a mim. — Julgamento fechou o armário, um murmúrio passou pela porta — Eu não quero saber nada disso.

Julgamento parecia saber que meu “dano” não seria algo pequeno, então ele decidiu não saber nada sobre toda a situação. Era melhor assim, caso contrário, eu poderia ser assassinado pelo Julgamento algum dia. Eu não seria capaz de culpá-lo por isso, e pode até ter que me desculpar por ser tão incômodo.

Eu olhei para o livro em minhas mãos, pensando se eu deveria verificar a situação de Elijah ou não. Peguei o último biscoito de mirtilo do prato e enfiei-o na boca, desdenhosamente virando uma página do livro.

Coloque o lenço de seu amado no bolso esquerdo do peito e seu amor protegerá seu coração de danos.

Hummm… isso seria inútil para mim, mas Elijah poderia usá-lo. É melhor que eu diga a ele que se lembre de pedir a princesa pelo lenço e coloque-a no bolso esquerdo!

Eu terminei de comer os biscoitos de mirtilo rapidamente.

Limpei minha boca, arrumei minhas roupas e saí do armário de livros.

— Saudações, Cavaleiro-Capitão Nu…. Ca-Cavaleiro-Capitão Sol?

Voltei-me para olhar e vi alguns cavaleiros sagrados, todos com uma expressão estupefata parecida com alguém que teve a cabeça atingida por algo pesado. Depois de me ver virar para olhá-los, alguns ficaram tão chocados que se pareciam ter se tornado estátuas ao confirmar minha identidade como Cavaleiro Sol.

— A luz de Sua Santidade brilha sobre a terra, enchendo-a de sua excelsa compaixão. Pois ao perceber que até o armário de livros está cheio de uma atmosfera tão agradável, não pude deixar de entrar e comungar com a compaixão do Deus da Luz…

Depois de vomitar minha explicação absurda, eu rapidamente fugi. Parecia que não era adequado ao Cavaleiro Sol se esconder dentro de armários de livros. Se eu me escondesse mais algumas vezes, o número de estátuas aumentaria no corredor a ponto de obstruir o tráfego humano.

Para evitar problemas, vesti uma capa, puxei o capuz e saí do Templo Sagrado para procurar Elijah.

Deodoro
Tradutor nas horas vagas. Só joga no hard.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!