Arifureta Zero – Volume 1 – Capítulo 3 (Parte 1 de 16)

A luz batia contra um par de viajantes. O calor ardente fisgava as suas peles, miragens apareciam ao longe, areia estava em todos os lugares e o ar estava tão seco que respirar doía.

— Ele… ele está tentando nos matar, O-kun.

— Personifique o sol o quanto quiser, isso não vai fazer o Sr. Ensolarado menos quente.

Um par de passos se arrastava através da areia escaldante.

— Está tão queeeeeente. Queeeeeeeeente. Estou suando tanto que vou secar.

— Pelo menos você está com o meu casaco, então você está na melhor.

A areia se estendia até onde a vista podia enxergar. Oscar e Miledi estavam caminhando pelo Deserto Carmesim, localizado na parte oeste do continente do norte. Ele fora nomeado assim por causa de quão impressionante a areia vermelha do deserto era. Os grãos eram todos tão finos que até mesmo uma brisa suave os levava pelo ar, deixando até o céu carmesim.

Oscar estava carregando Miledi nas costas enquanto andava pelo calor implacável do deserto.

— Meu rosto está quente, meu pescoço está quente, meus braços estão quentes. Tudo parece queeeeeente.

— ……

Miledi se curvou contra Oscar e agitou seus braços como uma criança mimada. O casaco preto-azeviche de Oscar parecia ser o tipo de coisa que poderia absorver calor, não refletir. Mas, claro, era um artefato com fios de metal trançado. Não só ele refletia calor, mas existia uma magia de refrigeração incorporada em sua concepção, assim mantinha seu portador com uma temperatura confortável.

Miledi parecia que estava realmente sofrendo com o calor, então Oscar lhe dera seu casaco e decidiu carregá-la nas costas.

Em outras palavras, não só Oscar estava vestindo uma camisa encharcada de suor, ele foi forçado a carregar algo pesado também.

— Estou com seeeeeede. Se continuarmos assim eu vou secar.

— ……

— Eu odeio ficar toda suada assim.

— ……

— E a areia está por todo lado.

— ……

— O-kun. O-kun. Ei, O-kun. O-kun de óculos. Digo…

— Gaaaaaah, cale a boca! — Oscar finalmente surtou. Ele pegou Miledi pelos tornozelos e começou a girar. Parecia que ele estava a balançando como um morcego gigante. O par girava em círculos no meio do deserto.

— Hyowaaaaaaaaah! — A saia de Miledi se levantou, e sua calcinha ficou claramente visível enquanto ela girava pela areia, com as mãos estendidas atrás de si.

— Tome iiiiiiiiiiiisso! — Com um grito espirituoso, Oscar arremessou sua parceira. Miledi gritou enquanto voava pelo ar. Ela caiu a uma pequena distância, e levantou uma nuvem de poeira quando acertou a areia.

Oscar limpou o suor de seu rosto e sorriu.

— Blá… Puah… Entrou areia na minha boca! Por que fez isso, O-kun!? Seu bruto! Demônio! Quatro-olhos!

— Pode parar de zombar dos meus óculos!? — Oscar ajustou seus óculos e foi até Miledi.

— Mas que diabos, a areia e o calor são ruins o bastante sem você reclamando disso a cada cinco segundos. Se está realmente com tanto calor, então por que não faz um bloco de gelo ou algo assim com sua magia?

— Ah… — Miledi olhou para Oscar, com sua boca formando um pequeno oh de surpresa. Depois de algum tempo, ela voltou ao seu juízo e olhou feio para ele.

— Eu poderia dizer o mesmo para você, O-kun. Você poderia usar esse seu guarda-chuva para bloquear o sol e fazer água também, não é?

— Ah…

Os dois se entreolharam sob o sol escaldante.

Uma nuvem de poeira soprou por eles. Eles ficaram calados por uns bons dez minutos.

Miledi invocou um torrão gigante de gelo, o qual flutuou acima deles com magia de gravidade, e invocou uma brisa para espalhar por eles.

Ao mesmo tempo, Oscar abriu seu guarda-chuva e ergueu sobre eles. O tecido se expandiu muitas vezes além de seu tamanho normal. Depois, ele ativou a nova habilidade que instalou no guarda-chuva com a ajuda de Miledi. Com a combinação da pedra espiritual e a magia de gravidade de Miledi, ele foi capaz de fazer o guarda-chuva flutuar acima deles. Um véu de vento os cobriu, protegendo a dupla da areia. Os dois agora estavam agradavelmente frescos e livres da areia.

— Isso é tudo culpa do sol por ser quente demais!

— Sério. Ele deveria aprender um pouco de humildade com a lua e deixar de tentar se exibir tanto!

— É, ninguém se importa com o quão brilhante você brilha! É por isso que ninguém gosta de caras como você!

— Você não é um bandido de rua de Velnika, então pare de agir assim, seu sol maldito!

A dupla soltou suas frustrações no sol. Eles subestimaram o calor do deserto, o qual tomou um preço de sua firmeza mental maior do que esperavam. Eles ficaram muito envergonhados por contramedidas tão simples não terem passado antes por suas cabeças, então descontaram no pobre sol.

Como resposta, era quase como se parecesse mais quente. Era como se o sol estivesse com raiva.

Eles caminharam em frente por mais uma hora, repreendendo o sol o tempo inteiro.

— Hum? Miledi. Olhe, há um pequeno oásis ali. Acho que deve ser uma área de descanso no caminho da cidade. Devemos parar um pouco?

— Sim, vamos lá! Estava começando a ficar cansada também. — Miledi saltou para frente alegremente, com seu cabelo preso se agitando atrás dela.

— Você possui olhos muito bons, sabia disso? Nem consigo ver daqui. — Oscar sorriu orgulhosamente enquanto via Miledi olhar ao redor.

— Acha que esses óculos são só para se exibir?

— Digo, eles de fato são, não são? Eu sei que você é o tipo de cara que os usaria para se passar como mais inteligente. Quero dizer, mesmo em Velnika percebi que você só estava empurrando seus óculos o tempo todo porque sabia que as garotas achavam que era legal. Você está almejando completamente uma aparência de cavalheiro inteligente, não é?

— Precisamos mesmo ter uma conversa sobre como você me vê.

Oscar olhou feio para Miledi. As palavras dela machucaram ainda mais já que disse todas elas com uma expressão séria.

Oscar aclarou a garganta.

— Esses óculos também é um artefato. Eu os encantei com muitos feitiços diferentes. As lentes podem emitir um clarão de luz poderoso, e elas me tornam imune a magia negra… Eu também as encantei com Vistálem. — Ele deu o seu melhor para explicar que eles não eram apenas uma ferramenta para ele ser popular entre as damas.

Miledi olhou para ele em choque.

— Heh, sabia que ficaria surpresa. Mas agora que sabe que esses óculos não são apenas…

— Seus óculos brilham!? Eles podem brilhar!?

— Espera, é por isso que está espantada?

Os olhos de Miledi cintilaram de entusiasmo. Por alguma razão, o fato de seus óculos poderem brilhar realmente a impressionou. — Quero ver!

— Tenho a sensação de que está tentando gozar de mim de alguma forma, então não.

— Por que não? Eu quero ver O-kun Cintilante!

— O-kun Cintilante? Agora sei que está brincando comigo.

Miledi continuou implorando, mas Oscar a ignorou e continuou andando.

— Qual é, O-kun. Faça seus óculos brilharem para mim. Por favooor, O-kun! — Um vento gelado soprou contra o rosto de Oscar, o que fez o aro dos seus óculos congelar. Contudo, Oscar não respondeu, e o vento ficou ainda mais frio em contrapartida.

Não posso me deixar ficar com raiva. Eu estaria jogando o jogo dela se eu ficar. Preciso manter a calma e a compost…

— Se lembra de quando foi visitar Aisha-chan antes de partir, O-kun? Ela chorava e se agarrava em você e lhe disse que… — Feixe Vítreo!

— Higyaaaaaah!? Meus olhos! Meus oooooolhos! — Miledi fechou os olhos quando o clarão lhe atingiu a queima-roupa.

Como uma nota à parte, a continuação daquela frase seria “ouvira de um aventureiro que O-kun gostava de garotas de aventais”.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

4 Comentários

  1. Como usuário de óculos estou oficialmente apaixonado pelo óculos de Oscar 😅

    Muito obrigado pelo capítulo 🙇🏻‍♂️😁

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!