Arifureta Zero – Volume 1 – Capítulo 3 (Parte 2 de 16)

Oscar era apenas um humano. Ele também bebia com seus conhecidos às vezes. Naturalmente, garotas eram uma das coisas que falavam enquanto bêbados. E parecia que Aisha interrogara um de seus conhecidos para lhe contar mais sobre Oscar. Depois disso ela solicitou uma última tarefa de Oscar e montou uma festa surpresa regada a álcool para ele. No fim, Oscar se tornou aterrorizado com mulheres.

Havia algumas coisas no mundo que era melhor não saber.

— Olhe, Miledi. Tem até uma choupana no oásis. Podemos muito bem parar lá para almoçar.

— Sabe, O-kun. Ainda não consigo ver nada. — Miledi ainda estava gemendo de dor e apalpando o ar às cegas. Ela experimentou em primeira mão o temível poder dos óculos de Oscar. Com toda a honestidade, eles a assustaram um pouco.

Oscar comandou seu guarda-chuva a se aproximar e o usou para lançar uma magia de cura nela. Essa era a décima primeira capacidade de seu guarda-chuva, Aura de Bendição. Luz de cura surgiu das varetas do guarda-chuva.

— Aaah, consigo enxergar de novo. O mundo não está preto!

— Haaah… Pare de brincar, Miledi. Vamos.

Miledi ergueu os braços para a luz, como se oferecendo uma oração aos céus. Oscar suspirou e a levou em seus braços.

O oásis possuía várias árvores crescendo em volta, e a sombra era agradavelmente fresca. A choupana parecia em bom estado também. Provavelmente alguém vem e limpa regularmente. Embora estivesse limpa, ainda era apenas uma choupana vazia. Ela mantinha o sol e a areia afastados, mas ainda era quente dentro.

De fato, era mais confortável sob o guarda-chuva de Oscar do que na choupana. E assim, os dois decidiram ficar do lado de fora sentados próximos a costa.

Oscar trouxe seu guarda-chuva de volta ao chão, só para o caso de alguém aparecer. Ele não queria que as pessoas suspeitassem sobre qual magia eles eram capazes de utilizar.

— Todo mundo precisa de um O-kun em suas casas. — Miledi lavou seu rosto e mãos no oásis enquanto dizia isso.

— Você podia ao menos fazer parecer que sou uma pessoa, não um objeto. Além do mais, não estou aqui para fazer a vida de todos mais cômoda. — Oscar se abaixou e começou a lavar seu rosto também.

Eles ficaram bem sujos durante o tempo em que não se mantiveram confortáveis com magia. A água refrescante era ótima em suas peles quentes e suadas.

Oscar se sentiu revigorado, mas isso não foi o suficiente para Miledi.

— Ugh, ela ficou em meu cabelo também. — Ela soltou o cabelo preso e passou os dedos por ele. Eles voltaram arenosos. Suas roupas, também, estavam cheias de areia. Seu suor as fez grudar desagradavelmente na pele.

— Teremos que lidar com ela até chegarmos à cidade. Chegaremos lá até o fim do dia, e você poderá tomar um banho. Me pergunto se consigo encantar minhas roupas para repelir areia… Será que uma coisa dessas é possível? Hmm… — Oscar pausou e Miledi falou:

— Não posso simplesmente me despir e pular no oásis?

— Bwah!? Está brincando comigo!? Esse é um local público! E se alguém vier!? Na verdade, esqueça isso, eu estou aqui! Você não tem vergonha!? — Oscar se apressou em impedir Miledi de se despir.

Normalmente essa seria a parte onde Miledi começaria a provocá-lo para ficar nervoso, mas ela ainda olhava fixamente para o oásis em vez disso, com um olhar perigoso em seus olhos.

Ela ainda era uma menina afinal de contas. Eles poderiam estar no meio de uma jornada, mas ela ainda queria estar limpa.

Nesse ritmo, ela provavelmente vai saltar completamente vestida se precisar.

— Se acalme, Miledi. Pense nisso racionalmente.

— Tenho que saltar lá dentro para começar a pensar racionalmente de novo. Uma pessoa famosa uma vez disse algo como: “Por que eu pulo em oásis? Porque estão aí”.

— Quem quer que fosse essa pessoa, provavelmente só se tornou famosa porque todos pensavam que era um pervertido. Ou é isso ou você pegou a citação errada.

Miledi se aproximou mais da água. Mais um pouco e ela realmente cairia no oásis.

Oscar suspirou.

— Está bem, está bem. Você quer se lavar, não é? Vou fazer um balneário nos arbustos ali, então use ele.

— Eu te amo, O-kun!

— É, é. — Oscar conteve Miledi que tentava lhe abraçar e retirou um de seus artefatos de seu bolso.

Era a sua Ficha Prateada. Só fora inicialmente feita para localizar pessoas, mas ele adicionou uma segunda função a ela. Ela agora poderia detectar a presença de mana dentro de um determinado raio.

Eles estavam caçando outras pessoas com magia antiga. Era provável que tais pessoas pudessem ter reservas de mana tão grandes quanto a de Miledi e a sua própria. Além disso, conseguia sentir a aproximação de qualquer ameaça, ou qualquer um com força anormal.

Como homens-fera não possuíam qualquer mana ela não poderia senti-los, mas ele achava que era bom o bastante por hora. Oscar definitivamente queria melhorá-la antes de chegarem em Haltina, no entanto.

Mesmo assim, era um bom alarme para Miledi.

— Ninguém em torno de trezentos metros no raio. Perfeito. — Havia apenas dois pontos na placa. Miledi e ele mesmo. Ambos estavam brilhando tanto quanto podiam.

Oscar foi até um matagal surpreendentemente denso e transmutou. Ele fez o melhor para não prejudicar a flora local enquanto procurava materiais do subsolo para criar um chuveiro improvisado.

Um sinergista comum teria desmaiado de admiração com as habilidades inacreditáveis de Oscar. Contudo, ele não desperdiçou a chance. Esse era um balneário para sua querida parceira!

— Miledi, isso é só para garantir sua privacidade, então as paredes não são tão duras. Não enlouqueça lá dentro, está bem?

— Uau, você realmente pôs um box ali!

Antes que Oscar pudesse sequer lhe dizer para trazer a própria água, ela pegou uma enorme quantidade dela com magia de gravidade e despejou no tanque que ele preparou. Ele deixou o teto aberto, assim ela poderia trazer mais se precisasse.

O chuveiro possuía uma torneira e tudo mais, mas antes que pudesse explicar como é que funcionava, Miledi pulou no balneário.

— O-kuuun!

— Pois?

— Obrigaaada~

— Ah, sim. De nada. — Oscar coçou a bochecha desajeitadamente e saiu andando.

— Não ficarei tão distante, então se precisar de alguma coisa é só gritar por mim. Embora eu ache que vamos ficar bem já que tenho a minha Ficha Prateada.

— Hmm, entendi. Não espie~

— Não se preocupe, não vou.

— É melhor não. Tipo absolutamente e definitivamente, é melhor não. Estou falando sério, O-kun. Não se atreva…

— Está tentando sugerir alguma coisa!? Ou que você na verdade não confia mesmo em mim!? — Oscar conseguia ouvir os risos de Miledi através das paredes. Momentos depois, o som de água espatifando os substituiu. Miledi parecia estar de bom humor.

— Sério… — Oscar ajustou seus óculos, irritado.

— Pensando bem, estou muito suado também. Além disso, há areia em minhas roupas… — Ele acabou percebendo que estava tão sujo quanto Miledi. Ele olhou para sua Ficha Prateada. Verificou-se que ainda não existiam ninguém nas proximidades.

— Hmm… Acho que poderia me lavar também… — Ele não planejava se despir e tomar um banho completo, apenas tirar a camisa e se limpar. Além disso, uma vez que era um homem, ele não precisava fazer uma cabine separada para si.

Oscar tirou a camisa, encharcou uma toalha, e começou a se limpar. Ele esfregou com força, se garantindo de retirar toda a poeira e suor.

Nesse momento, ele notou alguém o olhando. Instantaneamente cauteloso, ele se virou para ver quem estava olhando.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

2 Comentários

  1. Acho que sei quem está olhando para Oscar 🤭

    Muito obrigado pelo capítulo 🙇🏻‍♂️😁

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!