Arifureta – Volume 1 – Capítulo Extra (Parte 1 de 5)

Uma grande caverna subterrânea. Duas figuras eram iluminadas vagamente pela luminopedra verde que inundava o local com uma luz tênue.

Pilares enormes gravados com entalhes de baixo-relevo estavam presentes em intervalos regulares, formando uma passagem à volta de duas figuras.

Quando as duas figuras saíram de trás das sombras dos pilares, uma delas arremessou uma lança de fogo ardente na outra. A lança ardente iluminou o cômodo e fez seu curso como um míssil teleguiado indo em direção à segunda figura.

Instantes depois… Bum! Um clarão vermelho se adicionou brevemente à iluminação quando um estrondo explosivo ecoou por todo o cômodo. Um único raio de luz passou através da lança, impactando contra o núcleo do feitiço e desaparecendo no teto. A lança se dispersou em milhares de brasas minúsculas e desapareceu.

Despreocupada, a primeira figura elaborou rapidamente uma segunda lança — dessa vez de gelo — e a lançou ao lado. A lança se curvou em um lindo arco, rumando à segunda figura ao redor do outro lado dos pilares.

Essa, também, foi destruída por uma só bala.

— …Hm. Então não consigo mais te apanhar com ataques únicos. Nesse caso…

A primeira figura foi para trás de um pilar, sua voz encantadora, cabelo loiro-dourado e olhos carmesins lembravam uma linda boneca de porcelana. A figura era, claro, Yue, que criava inúmeras bolas de fogo. Uma, duas, quatro, oito; por fim, ela parou em sessenta e quatro bolas de fogo.

Demorou meros dois segundos para ela formar esse tanto. Se algum mago moderno tivesse visto o quão facilmente ela exerceu tal magia, seu queixo teria caído até o chão. Ser capaz de liberar tanta mana instantaneamente sem qualquer encantamento ou círculo mágico estava além do senso comum.

Yue nem sequer moveu uma pálpebra quando performou tal feito divino. Então, como uma maestrina, ela começou a agitar seu dedo esbelto pelo ar. Seguindo os movimentos do seu dedo, a barragem de bolas de fogo se dirigiu diretamente à segunda figura. Uma chuva de meteoros de fogo trilhou um oceano de faíscas enquanto ia em direção do seu alvo, Hajime.

— Tsc. Não acha que é um pouco exagerado?

Ele se queixou alto o suficiente para que Yue pudesse ouvir. Houve uma barragem súbita de tiros, e as bolas de fogo de Yue começaram a ser derrubadas uma após outra. Ela havia espaçado um pouco suas bolas de fogo para que elas não fossem acertadas todas de uma vez, mesmo assim, era uma diferença de milissegundos.

O fato de que Hajime estava abatendo com precisão cada uma significava que ele também era decentemente habilidoso. Ou melhor, excepcionalmente habilidoso.

Cerca de um mês tinha se passado desde o dia que Hajime e Yue tinham conquistado o Grande Labirinto Orcus e juraram nunca mais perder para ninguém de novo. Eles passaram esse tempo preparando equipamentos melhores e treinando suas habilidades. Durante esse tempo, Hajime tinha praticado ver através do núcleo de um feitiço com seu Olho Demoníaco, dominar o combate com uma arma de fogo em cada mão, a arte da recarga aérea e a precisão do disparo necessário para destruir o núcleo do feitiço.

Ele estava treinando com Yue, fazendo ela lançar feitiço atrás de feitiço contra ele para que pudesse praticar abatê-los. No início, ele mal conseguia acertar um feitiço parado, mas agora, ele tinha alcançado o nível onde podia abater feitiços em movimento em batalhas simuladas. Se ele se focasse em apenas um único ataque, ele poderia abatê-lo com quase 100% de precisão, e ele era capaz de acertar com sucesso na metade das vezes quando tentava abater uma barragem.

Suas estatísticas melhoradas e a habilidade Andar da Fenda para aumentar sua velocidade e tempo de reação dúzias de vezes eram o que tornava isso possível no fim, mas a razão principal para ele ser capaz de adquirir tal habilidade desumana foi devido a sua atenção dedicada no treinamento dessa única habilidade sem parar por um mês inteiro.

Seu zelo incansável com o treinamento provinha, é claro, do seu desejo ardente de voltar para casa. Juntamente com seu desejo de ficar com Yue para sempre. Yue viu de perto o quão dedicadamente Hajime esteve se preparando, e o fato de que parte do motivo dele estar fazendo isso era por causa dela a deixou perdidamente feliz.

— …Hajime, aqui vai outro. — Yue murmurou amorosamente o nome de Hajime enquanto preparava o próximo ataque. Todavia, deixar tais emoções levar a melhor sobre ela durante uma batalha simulada foi um erro grave. Não por ela ter abaixado a guarda, mas porque ela esqueceu de controlar a força da sua magia quando suas emoções se elevaram.

— E-Espere! Isso é demais!

— …Hã?

As palavras de Hajime trouxeram Yue de volta à realidade. Foi então que ela percebeu subitamente que enviara centenas de bolas de fogo zunindo na direção dele. Elas estavam dançando ao redor de Hajime enquanto o cercava, avançando ocasionalmente nele de todas as direções simultaneamente.

Parecia que ela tinha ficado um bocado entretida com sua prática enquanto pensava em Hajime. Ela havia criado inconscientemente ainda mais bolas de fogo, e sua felicidade as colocou dançando em volta dele. Antes que percebesse, os ataques que deveriam fazer parte do treinamento, haviam se tornado uma verdadeira barragem destinada a acertá-lo.

Liberar inconscientemente magia assim não era exatamente o mesmo que ser incapaz de a controlar devidamente, mas estava perto. E Yue, que tinha passado a vida sendo chamada de gênio da magia, não podia suportar que tinha cometido um erro. Mas até isso foi porque ela queria ser mais útil para Hajime.

— …É difícil te amar tanto, Hajime.

— De onde raios veio isso? Além disso, é muito mais difícil desviar de tantas bolas de fogo!

Hajime estava abatendo desesperadamente as chamas que estavam se aproximando dele. Ele não conseguia abater todas elas, e teve de recorrer a esquiva e desviá-las com Donner e Schlag. Isso deveria ser um treinamento que incorporava destruir núcleos mágicos com o resto dos seus hábitos de combate padrão, em certo sentido, fazia uma prática muito boa, mas…

— Droga… — Ele estava nisso há mais de dez horas, e os movimentos dançantes e irregulares das chamas estavam destinadas a fazer com que ele eventualmente errasse.

O som de seis disparos ecoou pelo cômodo, e seis bolas de fogo se dispersaram em nada. Hajime girou Donner em suas mãos, planejando recarregar sua câmara agora vazia. Mas ele se atrapalhou no movimento de recarga.

Outra barragem de bolas de fogo se aproximou de Hajime, e ele não tinha como as interceptar. Devido ele estar planejando abatê-las e não desviar, ele estava um passo atrasado em torcer o corpo para desviar, e teve que recorrer ao uso de Pele de Diamante.

Mas antes mesmo de chegar a ele…

— Está bem. Hora de uma pausa — murmurou Yue suavemente. Ela então estalou os dedos, dispensando seu exército de bolas de fogo.

— Haaah… Haaah… Droga, ainda não consigo fazer isso perfeitamente. — Hajime coldreou Donner e Schlag, depois repousou as mãos em seus joelhos enquanto ofegava bastante. Ele rangeu os dentes de frustração. Seu olho real estava avermelhado, e veias protuberavam proeminentemente em sua testa debaixo da sua franja branca.

Yue queria felicitar Hajime por tamanho esforço, mas ela sabia que palavras de elogio não era o que ele queria ouvir. Em vez disso, ela foi até Hajime, se sentou ao lado dele e acariciou gentilmente suas coxas.

No momento, ela estava vestida com uma camisa com babado, uma minissaia e meias até o joelho. Em outras palavras, sua roupa estava exibindo atualmente o famoso zettai ryouiki. Suas meias até os joelhos apertavam firmemente a carne macia de suas coxas.

Desde que ele teve sua castidade tomada no banho, Hajime havia se acostumado com o corpo de uma mulher — ou ao menos de Yue — e já não ficava nervoso por algo tão inocente quanto um colo de travesseiro. No entanto, posto isso…


KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

7 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!