Arifureta – Volume 1 – Capítulo Extra (Parte 2 de 5)

— Você não vai me atacar, vai? — Ainda havia sempre essa preocupação. Hajime estava nesse momento exausto pelas longas horas de treinamento. Se ela caísse em cima dele, ele estaria indefeso. Era normal ele ser tão cauteloso já que morava com um lobo como Yue. Embora normalmente a posição de lobo seria inversa.

— …Tão malvado. Você faz parecer como se eu estivesse te forçando.

— Você meio que fez isso quando tirou minha… mas, bem, vou parar aí. Mais um pouco e vou ficar louco. — Hajime balançou a cabeça depois de dizer isso, então colocou gratamente a cabeça no colo de Yue. Felicidade se espalhou por todo seu corpo enquanto Yue acariciava suavemente seu cabelo. Isso é o que é felicidade.

Yue sorria enquanto observava Hajime relaxar, mas ela ainda sentia um pouco de desconforto com o que ele tinha acabado de falar.

— …Não gosta disso?

— Está brincando? Se não gostasse, eu teria te parado. Só estou preocupado com coisas estúpidas como orgulho masculino e coisas assim. Não precisa se preocupar com isso.

A inquietação desapareceu dos olhos de Yue, e ela respondeu com um simples “É”. Ela então levou gentilmente seus lábios à testa de Hajime. Seus lábios desceram lentamente da cabeça dele para o nariz, depois para as bochechas e finalmente a boca. Qualquer homem sem namorada iria querer explodir Hajime com um fuzil antimatéria se tivessem avistado essa cena.

Hajime corou e evitou o olhar dela. Yue sorriu alegremente quando o viu se retrair.

— …Então você gostou?

— Ei, Yue, podemos esquecer já esse assunto?

— Então você não gostou? — Hajime tentou mudar de assunto, mas Yue lamentou tristemente sua própria falta de experiência e soltou um suspiro deprimido.

— Hmm, bem… Eu gostei. — Hajime parecia não estar acreditando nas palavras que acabaram de sair de sua boca, porém, o fato de ele não poder vê-la triste era prova suficiente de que já estava perdidamente apaixonado.

Yue pareceu aliviada e olhou para longe enquanto murmurava baixinho seus pensamentos.

— Hmm… Eu deveria agradecer à Mestra, então.

— Não sei se devo agradecê-la pessoalmente ou não.

A “Mestra” que Yue estava se referindo era quem lhe tinha ensinado sobre o mundo quando ela ainda era uma princesa. Yue não sabia o que aconteceu com ela depois de ter sido selada, mas sua mestra tinha tomado conta de Yue até o dia em que foi aprisionada.

A razão de Yue querer lhe agradecer agora era porque ela também lhe tinha ensinado, aparentemente, sobre como seduzir um homem. Como era da realeza, ela tinha, é claro, protegido sua castidade para o casamento. Sendo assim, como realeza, ela ainda tinha o dever de produzir um herdeiro. Por isso que sua mestra lhe tinha ensinado como agradar um homem devidamente. O motivo de Yue sempre fazer de tudo com Hajime à noite, era, sem dúvida, graças as suas lições.

A propósito, essa discussão havia começado porque Hajime tinha pensando inicialmente que Yue poderia não ser uma virgem. Graças à autorregeneração dela, ele tinha considerado a possibilidade de que até seu hímen tinha se recuperado, mas… Hajime nunca esqueceria a expressão de Yue quando ele levantou esse assunto com ela. Mesmo o monstro do abismo, a Hidra, não fora capaz de causar medo no coração de Hajime, mas a expressão de Yue naquele momento o tinha aterrorizado além da imaginação.

O resultado é que, evidentemente, ele se desculpou. O que aconteceu depois de ele ter se ajoelhado e implorado por perdão por ter duvidado de Yue, quem tinha oferecido sua castidade a ele, foi naturalmente mais daquilo que tinha ocorrido antes.

— Muito bem, vamos fazer mais uma batalha simulada. Podemos ir jantar depois disso.

— …Certo. Mas você está bem?

— Nem tanto, mas se eu não me esforçar além dos meus limites, não existe sentido em treinar, não é? Me desculpe por te arrastar junto comigo, Yue.

— Está tudo bem.

Yue havia usado uma grande quantidade de mana também, mas ela ainda poderia continuar graças aos seus acessórios mágicos. Hajime era quem estava mais exausto, já que o uso contínuo de Romper Limite e Andar da Fenda tinha desgastado imensamente seu corpo, mas Yue não teve coragem de tentar impedi-lo depois de ver quão determinado estava.

Ele se levantou do colo de Yue e se afastou uma boa distância. Ele então puxou Donner e Schlag, e se colocou em posição.

— Não se segure! Me dê tudo o que tiver, sua maga monstra maldita!

— Está bem. Tome isso: Muitas Bolas de Fogo!

Isso não pode ser o nome real do feitiço!, pensou Hajime, extremamente confuso. No entanto, embora tosco, o nome era bastante adequado, pois inúmeras bolas de fogo começaram a perseguir Hajime. O motivo dela não usar suas bolas de água, relativamente mais inofensivas, era porque Hajime lhe havia dito que não conseguiria se envolver se o perigo não fosse real.

A salva de bolas de fogo se aproximava como uma parede de fogo, e ele ativou rapidamente Andar da Fenda. O mundo começou a perder toda a cor enquanto as coisas começaram a se mover em câmera lenta. Seu Olho Demoníaco compreendia claramente a localização de cada núcleo das bolas.

Cada uma das suas balas perfurou com precisão o centro de cada núcleo de feitiço. Ele teleportou bala atrás de bala no ar, girando sua câmara para ter certeza de que cada uma cairia perfeitamente no lugar. Ele disparava e recarregava tão rápido que os movimentos se misturavam em uma mesma imagem borrada. Quando ele terminava de ejetar uma salva de cápsulas vazias, o próximo conjunto de balas já estaria a caminho.

Os tambores de Donner e de Schlag estavam girando quase que constantemente, dando uma ilusão de que Hajime estava segurando um escudo redondo no meio deles.

Tanto o número quanto a velocidade das bolas de fogo começaram a aumentar gradualmente. Hajime ficou internamente maravilhado com o quanto de mana Yue possuía, mas não perdeu a concentração nem por um segundo. Ele ignorou sua cabeça e olhos latejando e aumentou a intensidade do seu Andar da Fenda.

— Yue, posso te perguntar uma coisa?

— Claro.

Os dois não abrandaram nada quando começaram a falar. Hajime estava ficando lentamente com dor de cabeça que não tinha nada a ver com seu corpo sobrecarregado, mas parecia que Yue não percebeu genuinamente que estava fazendo algo errado.

— Por que exatamente todas as suas bolas de fogo estão em forma de coração?

— …… — Sim, por alguma razão, todas as bolas de fogo voando até Hajime tinham um formato de coração. Enquanto estava as acelerando, ela também alterou suas aparências. Cada uma foi elaborada com a máxima precisão, e era uma demonstração maravilhosa de habilidade inútil. Quando questionada sobre sua proclividade, a resposta de Yue foi bastante inesperada.

— Ahh… Você as abateu. — Ela manipulou as centenas de bolas de fogo estranhas com apenas uma mão, enquanto esfregava estranhamente seu rosto com a outra. Hajime abateu, naturalmente, as bolas de fogo. Cada bola de fogo em forma de coração soltou um crepitar deprimido de faíscas antes de serem ceifadas.

— Estou levando esse treinamento a sério, sabe?

— …Eu também. Falei sério sobre te lev… Uhum… Te derrotar.

— Você estava realmente prestes a dizer me levar para cama, não é!?

— …Seu corpo está no limite de todo esse treinamento interminável, Hajime. Você precisa descansar. Mas sei que não irá parar até cair inconsciente.

— …Entendi. Você vai ignorar minha última observação, então? Hein?

— …É. É por isso que vou te derrotar e te fazer descansar… Na cama.

— Pare de lamber os lábios assim! Acho que não vou conseguir descansar na cama essa noite!

Parecia que Yue estava falando sério sobre derrotar Hajime dessa vez, a fim de forçá-lo a descansar. Ela ainda não tinha respondido por que estava moldando suas bolas de fogo em corações, e a maneira como ela estava lambendo seus lábios sugeria a Hajime que, embora ela quisesse colocá-lo na cama, ela não tinha nenhuma intenção de deixar ele descansar.


KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

11 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!