Arifureta – Volume 2 – Capítulo 1 (Parte 12 de 18)

Ela continuou chorando por um tempo, mas depois formou repentinamente um punho e olhou para cima com determinação.

— Hajime-san! Yue-san! Eu decidi! Me permitam acompanhá-los em sua jornada! Serei o raio de luz brilhante que ilumina a escuridão em suas vidas! Não é preciso ter vergonha, nós três somos todos camaradas ligados por um vínculo comum. Vamos superar juntos as provações pela frente e alcançar seus sonhos! — Tanto Yue quanto Hajime lhe deram um olhar frio enquanto Shea se entusiasmava com seus delírios.

— E o que te dá o direito de dizer isso, sua coelha fracote? Preciso te lembrar que ainda estamos te protegendo? Você só iria atrapalhar.

— …E nós já passamos de pessoas que “pareciam camaradas” para verdadeiros camaradas… Que coelha sem vergonha.

— V-vocês não precisam me olhar tão friamente… Vocês vão despedaçar meu coração… Além disso, poderiam por favor me chamar pelo meu nome? — Ela ficou um pouco abalada com o quão friamente eles recusaram sua proposta sincera. No entanto, eles não haviam terminado.

— …Você só quer camaradas para viajar, não é?

— O qu…!?

Parecia que Hajime tinha acertado em cheio, pois Shea se surpreendeu.

— Quando você acabasse de ter certeza de que sua família estivesse segura, estava planejando abandoná-los, não estava? E já que dois “camaradas” por acaso apareceram no mesmo tempo que decidiu sair, você decidiu viajar junto com eles, não é? Duvido que uma coelhinha bonitinha duraria muito tempo sozinha.

— …Hmm, isso é verdade, mas… eu também quero realmente ajudar vocês… — Nervosa, Shea tentou encobrir o fato de que Hajime estava certo. Na verdade, Shea já se decidira. Faça chuva ou faça sol, ela ia fazer Hajime salvar sua família, e após isso ela iria deixar sua tribo. Enquanto estivesse com eles, eles sempre estariam em perigo. Nesse incidente, também, ela perdeu muitos membros preciosos de sua família. A próxima vez que ela os metesse em problemas, todos eles poderiam realmente morrer. E essa era a única coisa que ela queria evitar a todo custo.

É claro, isso ia contra os desejos expressos de seu clã, e em certo sentido até podia ser chamado de traição. Contudo, ela estava decidida.

No pior caso, ela teria saído por conta própria, mas ela tinha certeza de que se fizesse isso sua família ficaria preocupada e iria atrás dela. Mas, se ela dissesse que iria ajudar o invencível Hajime em sua viajem como agradecimento por salvar sua família, eles certamente a deixariam ir. Apesar de tudo, Shea era séria e bastante ansiosa quanto às coisas que queria fazer.

Isso não era dizer que ela também não estava profundamente interessada em Yue e Hajime, porque estava. Como Hajime dissera, ela estava feliz por finalmente encontrar camaradas, razão pela qual se sentia inexplicavelmente próxima deles. Considerando tudo isso, seu encontro com Hajime parecia honestamente o destino.

— Não estou tentando te culpar nem nada. Mas recomendo jogar fora essa sua esperança equivocada. Nosso objetivo é conquistar os Sete Grandes Labirintos. Assim como o abismo que saímos, provavelmente estarão repletos de monstros que são tão fortes quanto nós. Você seria morta em um instante. É por isso que não podemos te levar junto.

— ……

Shea ficou calada com a explicação direta e impiedosa de Hajime. Todavia, a forma indiferente que Yue e Hajime pareceram expor esse raciocínio, a deprimiram ainda mais. Ela ficou em silêncio por algum tempo, se afundando no pensamento, com uma expressão complicada estampada no rosto.

Algumas horas depois, o grupo chegou na entrada da Floresta Haltina. Do lado de fora parecia nada mais do que uma floresta normal, mas quando alguém pusesse os pés lá dentro, eles seriam rodeados instantaneamente por um nevoeiro denso.

— Agora, Hajime-dono, Yue-dono. Por favor, fiquem bem próximos de nós quando entrarmos. Vocês irão viajar no centro de nosso grupo, mas ainda assim é possível que possam se separar, por isso tomem cuidado. Além disso, vocês só querem que nós os guiemos até o centro, onde está a Grande Árvore, certo?

— É, até onde sei, essa é provavelmente a entrada do labirinto.

Cam lembrou Hajime dos perigos ao mesmo tempo que reiterava seu destino.

A Grande Árvore que Cam mencionou era uma árvore enorme que ficava na região mais profunda da floresta. Os homens-fera a chamavam de Árvore Sagrada Uralt, e a área ao seu redor era considerada sagrada. Era raro algum deles se aproximar. Hajime ouvira tudo isso de Cam após terem escapado do desfiladeiro.

No início, Hajime pensou que toda a Floresta Haltina em si era o labirinto, mas, pensando melhor, ele se deu conta de que isso significaria que monstros do nível do abismo estariam perambulando por toda floresta, a tornando completamente inabitável para os homens-fera. Então, assim como o Grande Labirinto Orcus, era lógico que a entrada para o verdadeiro labirinto ficasse em outro lugar. E pelo que Cam dissera, a Grande Árvore parecia um bom lugar para começar. Cam assentiu e deu um sinal ao resto de seu clã, ao qual todos começaram a se juntar ao redor de Hajime e Yue.

— Hajime-dono, se importaria de apagar sua presença tanto quanto possível? A Grande Árvore é considerada um solo sagrado, então as pessoas geralmente não se aproximam, mas não é exatamente uma terra proibida ou algo assim, portanto, é possível que possamos encontrar pessoas de Verbergen ou de outros assentamentos periféricos. Já que somos todos procurados, preferimos evitar ser encontrados por alguém.

— Está bem, entendo. Eu e Yue somos muito bons em realizar ações secretas, então podem contar conosco.

Quando disse isso, Hajime ativou Ocultar Presença. Yue usou seus talentos inatos que cultivou no abismo para se esconder.

— Ah!? Isso é bastante… Hajime-dono, seria possível você se esconder no nível de Yue-dono?

— Assim está bom?

— Sim, está perfeito. Se você apagar completamente sua presença como fez antes, nós mesmos poderíamos perder você de vista. Na verdade, tenho certeza de que iríamos. Você é realmente extraordinário.

Embora as estatísticas dos homens-coelho fossem medianas, sua audição extremamente sensível tornava fácil para eles apanhar quase todas as presenças próximas, e eles também eram hábeis em se esconder. O fato de eles conseguirem sentir até mesmo a presença de Yue, apesar das habilidades que aperfeiçoara no abismo, atestava suas capacidades. Eles eram mestres rastreadores.

Contudo, Ocultar Presença de Hajime era de um nível ainda maior do que o dela. Normalmente, os homens-coelho nunca perderiam de vista alguém que marcavam, até mesmo nesse vasto mar de árvores, mas a habilidade de Hajime era tão absoluta que mesmo eles não conseguiriam senti-lo.

Cam sorriu amargamente ao perceber que esse humano ultrapassara ele no único campo em que achava que sua raça não podia ser derrotada. Por alguma razão, Yue estava estufando seu peito orgulhosamente. Shea, por outro lado, tinha uma expressão estranhamente aflita no rosto. Ela finalmente percebia a diferença de capacidade que Hajime insinuara mais cedo.

— Muito bem, vamos partir.

Com seus preparativos assim completos, o grupo foi para a floresta, com Cam e Shea liderando o grupo. Eles continuaram por uma trilha sinuosa que dificilmente poderia ser chamada de caminho. O nevoeiro denso apareceu quase que instantaneamente, limitando a visibilidade de todos. Contudo, Cam ia em frente com confiança. Ele sabia exatamente onde estavam, e precisamente qual era sua direção. Hajime não entendia a razão fundamental por trás disso, mas parecia que cada homem-fera nascia com a capacidade inata para atravessar esse mar denso de árvores.

Passado um bom tempo de progresso, Cam parou subitamente, inspecionando cautelosamente seu arredor. Ele sentira a presença de monstros. Hajime e Yue sentiram também. Parecia que eles estavam cercados por um bom número deles.

Todos os Haulia sacaram as facas que Hajime fornecera quando entraram na floresta. Normalmente, eles apenas teriam usado suas habilidades furtivas superiores para escapar, mas parecia que não funcionaria. Todos estavam com expressões igualmente nervosas no rosto.

De repente, Hajime esticou o braço esquerdo. Houve um assobio fraco, e o som de múltiplas coisas sendo ejetadas puderam ser ouvidas. Um segundo depois, Tum. Tum. Tum. — Kiiiiiiiiiii!?

Três monstros de aparência desconhecida puderam ser ouvidos caindo no chão, gritando de dor. Momentos depois, três macacos de quatro braços avançaram repentinamente do nevoeiro, cada um deles com cerca de sessenta centímetros de altura.

Yue levantou a mão em direção a um deles e sussurrou o nome de seu feitiço:

— Lâmina de Vento. — Uma lâmina afiada de vento passou pelo ar, cortando um dos macacos ao meio. As duas metades caíram no chão, com o macaco morrendo antes de sequer ter tempo de gritar.

Os dois restantes se separaram e tentaram flanquear o grupo. Um deles foi para uma criança próxima, enquanto o outro mostrou suas garras para Shea. Ambos se paralisaram de medo, se tornando alvos fáceis para os macacos. Os adultos próximos tentaram cobrir os dois… mas suas preocupações eram desnecessárias.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

6 Comentários

    1. Infelizmente por enquanto sim, mas estou na reta final com o quarto volume de MdG, então logo estarei postando mais Arifureta ocasionalmente. 😉😉😉

  1. O quão denso é esse nevoeiro para ser possivel se perder mesmo estando no meio do grupo? Deve ser quase impossível andar sem guia por ela…

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!