Arifureta – Volume 2 – Capítulo 1 (Parte 16 de 18)

— Então é por isso que me deixaram entrar… — Após a explicação de Ulfric, Hajime finalmente entendeu por que ele fora convidado até Verbergen. Contudo, nem todos os homens-fera estavam a par do conhecimento que Ulfric possuía, então provavelmente seria necessário explicar a presença dele mais tarde.

Em algum momento durante a conversa de Hajime e Ulfric, uma agitação começou no piso inferior. Ambos estavam no maior piso dessa árvore em particular, enquanto Shea e os outros Haulia esperavam lá embaixo. Pelos sons, eles entraram em uma discussão com alguém. Hajime e Ulfric trocaram olhares antes de ficarem de pé ao mesmo tempo.

Escada abaixo, um homem-urso, um homem-tigre, um homem-raposa, alguma espécie de homem-fera alado, e um pequeno homem-fera nanico coberto de pelo estavam todos encarando furiosamente a tribo Haulia. Todos os Haulia estavam encolhidos em um canto, com Cam tentando proteger Shea desesperadamente. Ambas as suas bochechas estavam vermelhas e inchadas, significando que elas já haviam sido atingidas pelo menos uma vez.

Quando Hajime e Yue desceram os últimos degraus, todo mundo se virou para encará-los. O homem-urso foi o primeiro a falar.

— Maldito seja, Ulfric… O que estava pensando, trazendo um humano até aqui!? E esses coelhos malditos também! Você até mesmo permitiu que a garota amaldiçoada pisasse em nossa terra… Dependendo de sua resposta, talvez tenha que falar para que você seja executado em nossa próxima reunião dos anciões. — Ele quase não estava se contendo para avançar neles. As suas duas mãos estavam fechadas em punhos, e seus braços estavam tremendo com a raiva mal reprimida. Então a maioria dos homens-fera realmente veem os humanos como inimigos mortais. A situação foi agravada pelo fato de que Ulfric convidou a detestada tribo Haulia também. Todos os outros homens-fera olhavam furiosamente para Ulfric, não apenas o homem-urso. Contudo, Ulfric pareceu completamente imperturbado com suas demonstrações de raiva.

— Eu apenas me ative às nossas tradições antigas. Vocês todos são anciões de seus vários clãs, então certamente vocês devem entender minhas razões.

— Quais tradições antigas!? Isso não passa de besteira! Nós nunca tivemos qualquer uso para essas leis antigas desde a fundação de Verbergen!

— Então essa se tornará a primeira. Tenham calma. Todos vocês são anciões, sabem que devem respeitar as leis. Se não darmos o exemplo como líderes de nosso povo, então qual a utilidade das nossas regras ou tradições?

— Está tentando dizer que esse pirralho realmente conseguiu atravessar um labirinto!? Que ele é forte demais para que lutemos!?

— Isso está correto. — Ulfric falou indiferentemente todo o tempo, como se estivesse apenas comentando sobre o tempo. Os olhares incrédulos do homem-urso se mudaram de Ulfric para Hajime.

Dentro de Verbergen, todas as proeminentes raças poderosas elegiam um dos seus para ser seu ancião, e aquele indivíduo representava uma raça inteira no conselho dos anciões. O conselho dos anciões acontecia regularmente para discutir os assuntos de Estado, e as leis e os impostos eram decididos por voto entre eles. Eles eram, de fato, os governantes do país. Eles também atuavam como os juízes do país. Aparentemente os membros aqui reunidos eram todos anciões do país. Todavia, nem todos estavam de acordo quanto às leis antigas.

Apesar de que Ulfric pudesse ter a tradição em grande estima, os outros anciões aparentemente não. Elfos como Ulfric eram conhecidos por viverem mais do que a maioria dos homens-fera. Daquilo que Hajime lembrava dos livros que leu, eles geralmente viviam cerca de 200 anos em média. Isso significava que as posições de Ulfric e dos outros anciões eram diferentes provavelmente devido às diferenças enormes de idade entre eles. A maioria dos outros homens-fera viviam apenas cerca de 100 anos.

Todos os outros anciões não suportavam a ideia de um humano e um grupo de criminosos errantes sendo autorizados em seu santuário.

— …Ótimo, por que não testamos se ele é mesmo qualificado, aqui e agora!?

O homem-urso finalmente surtou e investiu em Hajime. Foi tão repentino que mais ninguém teve tempo de reagir. Nem mesmo Ulfric esperava que ele avançasse, então seus olhos se arregalaram de surpresa.

Em um instante, a massa enorme de 2,5 metros de gordura e músculo foi em direção a Hajime, com um dos braços indo direto em seu rosto.

Os homens-urso eram conhecidos pelo seu vigor impressionante e força esmagadora nos braços. E esse homem-urso específico era o chefe de seu clã. Um golpe de seu braço era o suficiente para derrubar uma árvore. Todos exceto Yue e os Haulia achavam que Hajime era um caso perdido de certo.

Contudo, todos congelaram de medo quando viram o que aconteceu a seguir. Hajime apanhou vagarosamente a pata do homem-urso com seu braço esquerdo protético.

— Patético. Chama isso de soco? Mas bem, você ainda assim me atacou com a intenção de matar. Espero que esteja preparado para o que isso significa. — Hajime intensificou seu aperto. Houve um estalo agudo no braço do homem-urso. O pânico superou rapidamente seu choque, e o homem-urso tentou desesperadamente se desvencilhar da mão de Hajime.

— Gaaah! Largue! — Ele puxou com toda sua força, mas Hajime, que mal chegava ao seu peito, não cedeu nem um centímetro. Na verdade, Hajime apenas transmutou as placas metálicas que colocara em suas botas em espigões para se manter arraigado, mas o homem-urso não sabia disso. Para ele, Hajime era tão imóvel quanto uma rocha.

Hajime verteu mais mana em seu braço esquerdo, fortalecendo sua mão ainda mais.

— Ah!? — Com outro estalo agudo, o braço do homem-urso quebrou. Todavia, ele não gritou. Ele ainda possuía seu orgulho como ancião para preservar. Isso não o impediu de se paralisar de dor e surpresa, no entanto. Tirando vantagem de sua imobilidade, Hajime trouxe a mão para trás. Enquanto o homem-urso ainda estava desequilibrado, Hajime se inclinou em sua guarda e deu um murro.

— Desapareça da minha frente. — Ele ativou sua habilidade Braços de Aço quando o fez, e queimou por garantia um cartucho de pedraplosão integrado ao cotovelo para acrescentar ainda mais força ao seu golpe. Seus punhos eram mortais naturalmente, mas naquele momento foram apoiados pela força de uma explosão de pólvora.

Seu punho duplamente empoderado afundou impiedosamente no abdômen do homem-urso, o mandando voando para trás. Ele nem teve tempo suficiente para gritar enquanto se chocava diretamente na parede de árvores e caía no chão. Só quando ele acertou o chão os gritos finalmente começaram.

O que Hajime realmente ativara foi a escopeta instalada em seu braço. Contudo, os cartuchos de escopeta dispararam atrás de si. A lógica era que ele poderia usar o coice para potencializar seus golpes, e se estivesse lutando com Donner e Schlag, ele poderia disparar nos inimigos atrás de si sem ter que se virar. Ele usou isso como efeito fortificador do soco dessa vez. Combinado com Braços de Aço, tornava uma baita arma formidável.

Todos ficaram completamente perdidos. Houve um estalido quando Hajime despendeu o cartucho utilizado. Por padrão não precisava fazer som, mas ele adicionara isso como uma engenhoca divertida. Depois disso, ele passou seu olhar assassino sobre o resto dos anciões.

— Então? Vocês ainda são meus inimigos?

Ninguém assentiu. As ações de Hajime evitaram de a situação ter se tornado um banho de sangue, e Ulfric conseguiu acalmar as coisas depois disso. O homem-urso teve danos sérios em seus órgãos internos e fraturou quase todos os ossos do corpo, mas permaneceu vivo milagrosamente. Contudo, eles tiveram que usar grandes quantidades de medicamentos raros e caros para impedi-lo de sucumbir aos ferimentos. E enquanto ele estivesse se recuperando, seus dias de luta acabaram. Assim que sua condição estabilizou, o ancião Zel um homem-tigre, o ancião Mao um homem-fera alado, o ancião Lua um homem-raposa, o ancião Guze um homem-toupeira ou anão, e por último o ancião Ulfric um elfo, todos se sentaram juntamente com Hajime. Yue, Shea e Cam estavam todos sentados ao lado dele com o resto da tribo Haulia encolhidos atrás deles.

Além de Ulfric, todos os anciões estavam claramente nervosos. O homem-urso, Jin, fora um dos seus lutadores mais fortes, mas Hajime lidou com ele em um instante.

— Então? O que vocês querem comigo? Só quero ir até a Grande Árvore. Se não pensam em se meter no meu caminho, não tenho razão para lutar com vocês, mas… se os homens-fera não estiverem unidos em sua decisão, não vou saber quem matar e quem poupar se chegar nesse ponto. E isso só é ruim para vocês. Não tenho o coração tão mole para que me importe com quem estou matando se alguém ficar contra mim.

Os anciões se endureceram com o tom descontraído de Hajime. Eles perceberam que ele estava disposto a ir para a guerra contra toda a raça de homem-fera se fosse preciso.

— Você quase mata um dos nossos camaradas, usa esse tom conosco… e espera que nós o chamemos de amigo? — Guze meio que sussurrou, meio que gritou essas poucas palavras, com sua expressão alterada de angústia.

— Ei, aquele cara de urso foi quem me atacou primeiro. Só estava me defendendo. Se ele não pode lutar mais por causa disso, isso não é minha culpa.

— S-seu desgraçado! Jin… Jin só pensava no que era melhor para o seu país!

— E isso faz com que esteja tudo bem tentar matar o cara que acabou de conhecer?

— Is-isso… Mas…

— No mínimo, eu sou a vítima aqui. Aquele cara de urso começou isso. Os anciões não deveriam ser juízes também? Não acha que deveriam ser um pouco mais imparciais?

Guze provavelmente era muito amigo de Jin, razão pela qual mesmo que Hajime estivesse correto, Guze ainda não podia aceitar. Contudo, Hajime não possuía interesse nos sentimentos de estranhos.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

5 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!