Arifureta – Volume 2 – Capítulo 1 (Parte 2 de 18)

— …Vai se dispersar. Mas isso não deve ser um problema — respondeu Yue. A razão das pessoas não conseguirem usar magia no Desfiladeiro Reisen era porque a mana que ia para a formação de um feitiço era dispersada antes do feitiço poder se ativar. A magia de Yue também não era uma exceção.

Todavia, Yue ainda era uma princesa vampira anciã que outrora fora temida como uma das criaturas mais fortes do mundo. Ela possuía uma quantidade enorme de mana, e agora tinha a série de acessórios de pedra mágica à sua disposição. Tudo o que ela tinha a fazer era lançar um feitiço tão grande e poderoso que o desfiladeiro não seria capaz de dispersar a mana a tempo. Hajime sorriu jocosamente quando ouviu quão confiante ela parecia.

— Quanto mais é necessário?

— Hummm… Cerca de dez vezes mais.

Então precisarei de mana suficiente para um feitiço de classe avançada só para algo simples assim, hum? Isso afetaria consideravelmente seu alcance.

— Ah, nesse caso eu lidarei com esse pessoal. Yue, se concentre apenas em se manter segura.

— Ahh… Mas…

— Esse é o pior lugar para uma maga como você. Você está em uma enorme desvantagem aqui, então deixa isso comigo.

— Certo… Se você diz. — Yue recuou relutantemente. Ela estava com dificuldades em aceitar ser deixada de fora de sua primeira batalha na superfície. Provavelmente feriu um pouco o seu orgulho também. Ela estava claramente fazendo beicinho, afinal.

Embora doesse dizer isso, Hajime ainda assim retirou Yue de sua mente por um momento e disparou com Donner. Ele nem sequer olhou quando levantou Donner suavemente e mirou perfeitamente no alvo. Seus movimentos eram tão fluidos que os monstros nem perceberam que estavam sob ataque. No momento em que eles finalmente perceberam, um dos seus camaradas já tivera sua cabeça arrancada. Os outros congelaram, incapazes de compreender o que tinha acontecido. Apenas o eco do tiro quebrou o silêncio.

Desde que ele usasse dez vezes mais mana, Hajime ainda poderia ativar Campo Elétrico, o feitiço essencial para usar seus canhões eletromagnéticos. Ele sorriu destemidamente enquanto vistoriava seus adversários.

— Bem, não sei se vocês são melhores que os inimigos que enfrentei lá embaixo… Vamos descobrir então? — Ele moveu o pé direito para trás e abaixou lentamente a cintura enquanto cruzava as armas em frente ao peito. Seu braço esquerdo artificial foi posicionado um pouco mais à frente, e Schlag estava empunhada um pouco mais abaixo de Donner. Com suas duas armas, agora ele poderia cobrir simultaneamente suas costas e frente. Hajime pôs seu membro protético um pouco mais espaçado do resto do corpo a fim de lidar com quaisquer situações inesperadas. Essa postura era o aspecto fundamental do gun fu em que ele moldou seu corpo após longas horas gastas treinando no abismo.

Havia um vislumbre assassino nos olhos de Hajime quando ele terminou de se colocar em posição. Suas pupilas eram poças frias e sem emoção, temperadas pelas condições severas que viveu.

Esse olhar arrepiante por si só foi o suficiente para fazer todos os monstros presentes darem um passo involuntário para trás. Todos eles podiam sentir isso instintivamente. A pessoa com quem eles brigavam era uma “fera” cruel. A pressão era tão grande que uma pessoa normal teria desmaiado meramente com a intensidade do olhar. Por fim, um dos monstros não conseguiu suportar e deu um rugido selvagem antes de avançar.

— Graaaaaaaah! — Todavia, nem mesmo um segundo se passou e houve outro estrondo alto, e o segundo monstro teve sua cabeça explodida sem nem uma chance de reagir. O monstro decapitado deslizou até parar, espatifando sem vida no chão onde parou. Um fio fraco de fumaça se ergueu da boca de Donner. Hajime nem sequer deu um olhar para o cadáver lamentável. Sua torrente agitada de sede de sangue já estava direcionada ao bando restante. O que se seguiu foi mais um massacre do que uma batalha.

Hajime não deixou nenhum deles fugirem. Sim, cada um deles teve sua cabeça explodida. Enquanto os tiros ecoaram cada vez mais alto, os gritos desesperados dos monstros ficaram cada vez mais baixo. Em apenas cinco minutos, o chão ficou cheio de cadáveres de monstros.

Ele girou os tambores de Donner e Schlag, recarregando os dois antes de retornarem aos coldres presos em suas pernas. Depois disso, ele inclinou um pouco a cabeça enquanto vistoriava a montanha de corpos.

Yue andou rapidamente até ele.

— …O que foi?

— Nada, só parece que isso foi fácil demais… Ouvi dizer que os monstros no Desfiladeiro Reisen eram ferozes e brutais, então talvez nós tenhamos saído em outro lugar?

— …É só porque você é ainda mais monstruoso, Hajime.

— Essa é uma forma muito cruel de colocar a questão. Bem, acho que isso quer dizer que os monstros no abismo eram muito mais fortes.

Hajime deu de ombros indiferentemente e mudou seu olhar dos monstros para as paredes do cânion.

— Então, provavelmente poderíamos escalar essas paredes facilmente, mas… o que acha? Dizem que um dos sete grandes labirintos está no Desfiladeiro Reisen. Já que estamos aqui, quer olhar por aí um pouco enquanto vamos para a floresta?

— …Por que a floresta?

— Quero dizer, quem iria querer ir a um deserto depois de tanto tempo rodeado por rochas? Além disso, aposto que há mais cidades do lado da floresta.

— …Tudo bem. Você tem razão. — Yue assentiu. A julgar por quão fracos os monstros eram, estava claro que o desfiladeiro não era o próprio labirinto. O que queria dizer que devia haver uma entrada adequada em algum lugar. O feitiço Aerodinâmica de Hajime e a magia de vento de Yue seriam mais que o suficiente para escalar as paredes, mas eles teriam que vasculhar o desfiladeiro eventualmente, então não havia razão para não fazer isso agora.

Hajime verteu uma gota de mana na Arca do Tesouro que estava usando no dedo do meio e retirou Steiff. Era um veículo grande ao estilo americano, com a carroceria preta. Ao contrário das motos da Terra, não usava gasolina como combustível para andar: era alimentada puramente por mana. Graças a isso, ela andava mais silenciosamente que um carro elétrico.

Ele na verdade desejava pôr um motor mais forte, já que para Hajime era muito mais legal, mas ele só sabia fazer motores simples, então não era capaz de fazer um de combustão mais complicada. Ele podia controlar a velocidade de Steiff ajustando a saída de mana. Devido as propriedades dispersivas de mana do Desfiladeiro Reisen, ele não conseguiria mantê-lo funcionando por muito tempo.

Hajime montou elegantemente na moto. Yue pulou atrás dele, sentada de lado. Ela envolveu seus braços firmemente ao redor da cintura de Hajime. Uma vez que se posicionou, ela deu um tapinha na barriga dele levemente e ele começou rapidamente a verter mana em Steiff.

O Desfiladeiro Reisen se estendia de leste a oeste com quase nenhuma variação norte-sul. Quase não havia rotas secundárias também, então era bastante difícil se perder.

Como não precisava se preocupar em se perder, Hajime conduziu Steiff com um ritmo prazeroso enquanto procuravam por qualquer coisa parecida com uma entrada de labirinto. Ele havia transmutado uma máquina embaixo da moto que endireitava o terreno antes das rodas tocarem. Normalmente, uma moto ao estilo americano teria dificuldade em lidar com esses terrenos acidentados, mas graças a sua transmutação eles eram capazes de dirigir pelo fundo do vale sem problemas.

— É agradável andar assim, não é, Yue?

— …É. Realmente.

Eles cortavam através do vento, sentindo a luz do sol e inalando os odores da superfície do mundo. Para eles, isso era mais do que o suficiente para tornar sua viagem agradável. Yue encostou alegremente a cabeça nas costas de Hajime. Durante toda a sua condução prazerosa, as mãos de Hajime se mantiveram mexendo. Ele não errava um único tiro enquanto despachava continuamente grupos de monstros que vinha atacá-los.

Depois de um tempo, ele ouviu um rugido feroz ao longe. Foi mais intimidante do que os outros. No mínimo, era mais forte que os monstros que enfrentaram até agora no desfiladeiro. Com seu ritmo atual, eles foram a ele em cerca de trinta segundos.

Hajime verteu mais mana em Steiff, fez uma curva ampla e encontrou um monstro enorme esperando por ele no fim da curva. Era semelhante aos dinossauros que Hajime havia encontrado no labirinto, mas esse tinha duas cabeças. Era um T. rex de duas cabeças. Mas o que era mais surpreendente era a garota com orelhas de coelho saltando para lá e para cá debaixo dele, tentando desesperadamente escapar de suas garras.

Assustado, Hajime parou Steiff e fitou a garota com curiosidade.

— Que diabos é aquilo?

— …Uma garota coelhinha?

— Eu percebi, mas por que ela está aqui? O povo coelhinho são do tipo que vivem em desfiladeiros?

— …Não que eu saiba.

— Então ela é um desses criminosos que são jogados aqui como punição? Eu li que o Desfiladeiro Reisen é um campo de execução famoso.

— …Hmm. Talvez ela seja uma coelha malvada?


KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

10 Comentários

    1. Tem que dar um pouco de leite pra ela ( ͡° ͜ʖ ͡° ) quem sabe assim ela vira uma coelhinha baozinha (se é que mim entende 🐣🍼+🕳️🐇=👪)

  1. Os monstros de fora nem fazem Hajime suar!

    Muito obrigado pelo capítulo, Kaka 🙇🏻‍♂️😁

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!