Arifureta – Volume 2 – Capítulo 2 (Parte 10 de 18)

Regin olhou confuso para Hajime. Como ele foi sem dúvida aquele que transformou os Haulia em monstros sanguinários, Regin não esperava que ele mostrasse qualquer misericórdia.

— Como assim? Está disposto a nos deixar viver?

— Sim, se é isso que quer. Mas tenho uma condição.

— Uma condição? — Todos os outros homens-urso começaram a clamar vigorosamente com a perspectiva de salvação.

— Se eu bater nele de novo, talvez ele conserte… — murmurou Shea surpreendentemente séria enquanto olhava para a parte de trás da cabeça de Hajime e seu martelo. Cam e os outros concordaram energicamente.

Acho que eles precisarão de um pouco de disciplina muito rigorosa quando voltarmos. Mas por agora, ele os ignorou.

— Aham, uma condição. Quando voltar para Verbergen, quero que entregue uma mensagem aos anciões.

— Uma mensagem? — Regin estava preocupado por ele pedir alguma coisa ultrajante deles, então ficou um pouco aliviado em ouvir que seriam apenas mensageiros. Contudo, o conteúdo dessa mensagem fez o seu sangue gelar.

— Vocês me devem.

— …Ah!? Você não quer dizer…

— Então? O que vai ser? Sim ou não?

Regin não conseguiu reprimir a voz quando percebeu o que Hajime pretendia. Hajime esperou pacientemente pela resposta de Regin.

Ao entregar essa mensagem, isso significaria que Verbergen um dia teria que pagar a dívida com ele. Os anciões perderam um deles, e até mesmo derrubaram uma decisão do conselho para manter Hajime longe de sua cidade, mas se Regin entregasse essa mensagem, depois eles seriam forçados a aceitar incondicionalmente qualquer pedido dele. Olhando objetivamente, Regin e Jin foram aqueles a atacar primeiro, então deixar Regin vivo significaria que eles seriam obrigados pela honra a concordar. Ignorar essa dívida os fariam parecer vergonhosos. Além disso, se eles não aceitassem, Hajime realmente poderia atacá-los. Em outras palavras, se Regin escolhesse viver ele exporia seu país ao perigo. Não só eles ignoraram o aviso dos anciões, como perderam, com metade dos homens mortos. Depois de tudo o que fizeram quanto a serem os mais fortes, também… Como Hajime dissera, realmente significaria viver em desgraça. Enquanto Regin se desesperava com as escolhas, Hajime desferiu o golpe final.

— Oh, e é melhor dizer que a morte de todos os seus subordinados foi totalmente culpa sua. E que foram derrotados pelas mãos dos Haulia, ainda por cima.

— Ugh. — Havia uma razão para Hajime estar disposto a deixar seu adversário ir. Misericórdia não pesou em nada em sua decisão. Verbergen lhe interditara completamente, mas era possível para ele ter que voltar lá em algum momento se sua busca por outros labirintos alguma vez apontasse nesse sentido. Afinal de contas, um dos Libertadores deixara pessoalmente um édito para o povo de seu país. Ele sentia que a situação com os anciões poderia ter sido tratada um pouco mais diplomaticamente, e se arrependeu só um pouquinho por ser expulso. Então, agora que um golpe de sorte inesperado caiu em seu colo, ele pretendia aproveitar ao máximo. Regin parecia inseguro do que fazer, mas Hajime não possuía paciência para que ele pensasse bem.

— Você tem cinco segundos. Se não responder até lá, vou começar a matar seus homens um por um. Sua espécie valoriza decisões rápidas, certo? — Hajime começou lentamente a contagem regressiva, e Regin deu sua resposta em pânico.

— E-está bem. Escolhemos viver!

— Entendi. Então suma da minha vista. E é melhor retransmitir a minha mensagem, ouviu? Se eu voltar e descobrir que não o fez, bem… — A sede de sangue tão densa que era palpável pressionando contra Regin. Ele engoliu em seco apavorado.

— Vamos apenas dizer que Verbergen pode não existir mais. — A forma como Hajime expressou suas ameaças o fez parecer como um agiota da yakuza, ou melhor, um terrorista. Suspiros de alívio puderam ser ouvidos atrás dele.

“Aah, ainda bem que temos o velho Hajime de volta”, “O chefe voltou ao normal” e coisas assim podiam ser ouvidas do grupo dos homens-coelho. Contudo, Hajime ignorou sugestivamente seus comentários. Mas isso ainda assim serviu para arruinar o clima de tensão que ele construiu. Ah, sim, eles precisam de muita disciplina severa quando voltarmos.

Nenhum dos homens-urso contestaram sua decisão de implorar por suas vidas, e Regin levou tristemente o que restou de suas tropas de volta para casa. O fato de que tantos dos seus soldados eram jovens provavelmente contribuiu para o desespero de Regin. Ele nunca mais seria capaz de andar emproado por Verbergen como o dono do lugar. Na verdade, era provável que ele fosse ostracizado por todo mundo. Ele pensava que seria uma punição branda, no entanto, considerando que ele foi aquele quem iniciou as hostilidades. Dentro de minutos, todos os homens-urso foram engolidos pelo nevoeiro.

Assim que eles haviam desaparecidos, Hajime se aproximou de Shea e Cam. Sua cabeça estava abaixada, então ninguém conseguia ver sua expressão, e havia uma aura estranha ao seu redor. Todos os homens-coelho ainda estavam se recuperando da vergonha por ter quase caído na loucura, assim eles foram até ele como se nada estivesse errado. Apenas Shea começou a suar frio quando percebeu que existia uma aura perigosa emanando ao redor dele.

Tremendo levemente, ele ergueu a cabeça para olhar para eles. Havia um sorriso satisfeito em seu rosto, mas que não alcançava os seus olhos. Finalmente, Cam e os outros perceberam que havia algo errado com Hajime também.

— C-chefe? — questionou timidamente Cam.

— Hein? Sabe, realmente me senti mal pelo que fiz com vocês. Ainda que eu estivesse os treinando tão rapidamente quanto possível no pouco tempo que tivemos, eu deveria ter posto um fim nisso depois de um tempo.

— N-não, chefe, foi… tudo porque fomos muito imaturos…

— Então, estou perfeitamente disposto a admitir meus próprios erros. Mas… mas sabe, embora eu tenha me desculpado tão sinceramente… a maneira como vocês reagiram foi demais. Digo, já entendi. É culpa minha por ser tão mau todos os dias… eu sei. Eu sei disso, mas ainda tenho que fazer algo sobre toda essa raiva crescendo dentro de mim… Vocês entendem, não é?

— N-não, senhor. Não posso dizer que sim… — Suor frio começou a escorrer pelas costas de Cam. Oh merda, ele está irritado. Cam começou a recuar lentamente. A atitude de Hajime trouxe de volta memórias de seu treino infernal, e mais do que alguns Haulia começaram a chorar.

— Agora é a minha chance! — gritou Shea, depois tentou aproveitar a hesitação momentânea de Hajime para fugir. Ela usou até mesmo os outros Haulia como escudos de carne enquanto corria. Todavia… Bum! A bala de Hajime passou entre as pernas de um Haulia, ricocheteou em uma raiz próxima e acertou Shea na bunda.

— Hakyun! — Essa era apenas uma das muitas habilidades de atirador de Hajime. Ao ricochetear as balas em várias superfícies, ele poderia atacar de qualquer ângulo. E assim, ele poderia apontar com precisão para a bunda de Shea não importando onde ela se escondesse. Era uma habilidade com arma completamente sem sentido que não possuía movimentos ineficientes.

Shea saltou de dor ao redor enquanto segurava as nádegas. Ela então tropeçou em uma raiz, expondo sua bunda para todos verem. Um leve fio de fumaça se levantava de onde a bala a atingiu. Ela não mostrava sinais de se levantar, e simplesmente se contorcia impotente no chão.

Cam e os outros observaram com horror enquanto Shea espasmava no chão. O homem cuja bala passou entre suas pernas estava segurando a virilha de forma protetora e chorava incontrolavelmente. A onda de choque que a bala de Hajime deixou para trás tocou um pouco suas bolas.

Hajime coldreou casualmente Donner e sorriu endiabradamente. Sua voz alta alcançou cada um dos Haulia.

— Todos vocês irão tomar um tiro antes de eu acabar!

— Waaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah! — Todos os Haulia correram para longe como aranhas, mas Hajime não deixou nem um único deles escapar ileso. Durante um bom tempo os gritos aterrorizados de coelhinhos ecoaram pela floresta. Até que só Shea permanecesse, com fumaça ainda se levantando de seu traseiro.

— …Então, quando podemos ir até a Grande Árvore? — Yue, que ficara calada esse tempo todo, finalmente falou.

Algumas horas mais tarde, depois de Hajime ter descarregado cuidadosamente toda a sua frustração, Cam e os outros os conduziram pelo nevoeiro até a Árvore Sagrada, Uralt.

Cam estava liderando, enquanto outros Haulia, agora muito mais inteligentes graças ao treinamento, se espalhavam para explorar a área circundante. A ideia de que o descuido levava à morte fora minuciosamente enraizada na cabeça de cada um deles, então, todos levavam seu trabalho a sério. Os caroços aparecendo em várias partes de seus corpos quebravam um pouco a tensão, no entanto…

— Gaah, ainda dói. — Shea reclamou enquanto esfregava amargamente sua bunda. Ela olhou furiosamente para Hajime.

— Pare de olhar assim para mim, é irritante.

— Isso é tudo o que tem a dizer em sua defesa? Inacreditável. Não consigo acreditar que atirou na bunda de uma garota. Também com uma habilidade tão inutilmente avançada.

— Diz a garota que estava considerando seriamente me golpear na cabeça. E até mesmo tentou usar o cara próximo a você como um escudo quando correu… Não acho que tenha o direito de falar.

O cara que ela usara para se esconder assentiu vigorosamente. Ele andava alguns passos atrás deles.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

8 Comentários

  1. Ele ferrou geral hauahuahauhauh
    Coitado do Haulia que foi usado como escudo por Shea, imagina a dor que ele não sentiu! Imagina se acertar então! hauahuaauhauhu

  2. Eu não aguento essa Novel! Esse autor é muito bom! 😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂

    Muito obrigado pelo capítulo Kaka 🙇🏻‍♂️😁

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!