CdMD – Capítulo 50

Do Meio-dia até o Amanhacer – parte 1

Levou um tempo para Leona sair do túnel das formigas da caverna. Ela extraiu as lascas da formiga rainha, assim como dos corpos das formigas. Foi a razão dela ter demorado um pouco mais para sair do túnel.

*Poof* *Poof*

— Véi… achei que eu ia morrer.

Leona fedia muito, já que estava coberta com fluídos das formigas da caverna e poeira em todo seu corpo.

— Você parece uma vagabunda.

— O quê. Você achou que eu ia sair depois de tomar um banho? — Leona respondeu sarcasticamente Zin que estava zombando dela. Leona respirou fundo várias vezes, já que era bom sentir o ar fresco.

— Espere, segure o cabochão até você limpar seu corpo.

— Certo.

Por precaução, Zin pediu para Leona segurar o cabochão e recebeu a arma e o equipamento de volta. Zin olhou para a Saiga cheia de lama e ficou sério. E depois de olhar para o carregador que estava vazio, ele ficou ainda mais sério.

— … você usou toda a munição?

— Sim, a rainha ainda estava viva.

— …

A espingarda que Zin limpou antes em Jule agora estava suja, mas ele não estava muito chateado com isso. Leona pegou a caixa de lasca e passou para Zin.

— Total de 928 lascas. A formiga rainha cuspiu umas 400 lascas.

Leona pegou uma quantidade gigante de lascas depois de extrair as lascas da formiga rainha e das formigas da caverna. Enquanto Zin continuava encarando a caixa de lasca, Leona empurrou a caixa de lasca em sua direção.

— Você pode pensar nisso como taxa de ensino até eu me tornar uma caçadora de verdade. Não vou te dar uma única lasca depois que eu me tornar uma caçadora.

Leona não foi nos túneis para pegar mais lascas para si. Ela passou pelo incômodo para dar mais lascas para Zin. Ele guardou a caixa de lasca em seu casaco e Leona deitou na rede. Ela caiu no sono logo depois, já que estava bem cansada.

Zin pensou que Leona estava agindo de maneira irracional, mas ele ficou surpreso que ela foi capaz de extrair lascas da formiga rainha. Apesar da possibilidade de não haver qualquer ameaça, não foi uma tarefa fácil. Zin teria passado pelos túneis relutantemente mesmo se fosse pequeno como ela.

Passar pelos túneis escuros das formigas da caverna não era algo que qualquer um conseguia fazer com facilidade.

Zin não se sentia confortável em receber lascas que ele não ganhou por si mesmo. Ele começou a fechar o buraco que Leona saiu. Ele não queria que a epidemia se espalhasse para fora dos túneis e causasse problemas terríveis.

— Agora que parei para pensar, nós não acabamos de roubar as lascas que  as pessoas de Jule iriam excavar? — Leona perguntou enquanto os dois viajavam na manhã seguinte.

— Bom, mais ou menos. Mas ainda há toneladas de formigas no subsolo, então sem problemas.

Zin se perguntou se as pessoas de Jule iriam começar a cavar o chão. Eles não seriam capazes de localizar onde as formigas da caverna estariam.

Zin e Leona não desperdiçaram mais tempo e partiram da vizinhança do castelo de Jule.

— Nós acabamos de confirmar a destruição da colônia das formigas das cavernas, então nós não precisamos nos preocupar mais.

— Verdade.

A feitiçaria se mostrou efetiva e Zin e Leona foram capazes de verificar que a colônia inteira de formigas foi exterminada. Isso significava que a área estava a salvo das formigas da caverna.

— Então, essa área é segura daqui em diante.

— Bom, quando um grupo de predadores é exterminado, ouro grupo aparece. Então, nós não podemos dizer com certeza.

— Oh, sério?

Era difícil predizer como o ecossistema iria mudar e era especialmente difícil predizer o ecossistema com monstros. Remover um predador não necessariamente tornava o ambiente seguro. As formigas da caverna não eram o predador mais perigoso, mas elas criavam um ambiente difícil para os outros monstro porque elas roubavam as presas deles.

Ninguém sabia qual predador viria para essa área. Enquanto Leona estava balançando sua cabeça, Zin teve um pensamento aleatório.

Então, a região sul da Península Coreana…

Os monstros na região sul foram provavelmente exterminados quando a protótipo os trouxe para atacar a fortaleza de Seoul.

Como resultado, era bem provável que a região sul da Coreia se tornou uma região livre de monstros. A península Coreana provavelmente se tornou um lugar melhor de se viver.

Mas ao mesmo tempo, muitas pessoas foram mortas quando os monstros foram para o norte.

A região sul da Coreia vai ser sem vida por um tempo.

A região sul permaneceria quieta e pacífica até que novos refugiados se estabelecerem na área. Era um paraíso que estava esperando novas pessoas chegarem. Quando Zin pensou sobre isso, ele olhou para Leona.

— Você não…

— O quê?

A região sul da Coreia seria o lugar perfeito para Leona viver, que era odiada por ambos humanos e monstros. Ele pensava que seria um bom lugar para Leona se estabelecer. Os arredores não seriam perigosos e havia muitas cidades vazias. Entretanto, depois de olhar para a expressão no rosto de Leona, Zin parou de falar.

— O que você ia dizer?

— Não, nada.

Zin não achava que Leona iria para o sul por vontade própria. Ele teria sorte se Leona não ficasse irritada com ele por quebrar sua promessa de treiná-la como caçadora.

— Vamos. Nós temos um longo caminho.

— Mas que porra? — Leona deu de ombros e começou a andar e Zin seguiu ela.

— Se você não sabe para onde está indo, fale logo.

— Essa é a direção certa.

— Você está certo, mas…

— Então, só me siga.

— Eu não deveria me incomodar em falar contigo.

A criancinha com uma atitude que não parecia estar cansada e continuava a andar na frente dele.

xxxxxxxxxxxxxxxx

Zin e Leona andaram por muitos dias.

O castelo do Poder Celestial ainda estava a muitos dias de distância e estava localizado perto da área previamente conhecida como cidade de Yichun na província de Heilongjiang. Zin e Leona ainda tinha um longo caminho.

Zin não parecia estar tomando seu tempo, como ele era um caçador que viajava pelo mundo a pé e precisava caçar maligno. Mas ao mesmo tempo, ele não estava andando rápido demais.

Não era porque ele precisava acompanhar Leona, mas sim porque não estava com pressa.

Quando Leona perguntou o motivo, Zin respondeu.

— Ela vai estar viva em algum lugar. Se está morta, melhor ainda.

A maligno estava provavelmente viva e andando por aí e era óbvio que ela apareceria de novo. Zin estava pronto para caçar o maligno e ele iria viajar pelo mundo até o maligno aparecer de novo no mundo.

Nada mudou muito. Com acesso limitado aos dados, Zin só podia viajar ao redor da selva e com esperança de encontrar a localização do maligno.

— Nós vamos encontrar a Bruxa um dia.

Não havia motivo para pressa, já que seria impossível procurar continuamente pelo maligno. Ele ficaria cansado de fazer isso. Zin viveu como um caçador por muito tempo e ele sabia que tinha que esperar pacientemente.

Zin estava certo de que a Bruxa Branca não iria se esconder por muito tempo e ele sabia que tinha de se focar em se preparar para a caça.

— Onde estamos agora?

— Hmm… nós estamos quase fora da Península Coreana. Depois que nós cruzarmos o rio na nossa frente, estaremos no continente.

— Continente?

Leona não sabia onde a Península Coreana estava e não entendia totalmente o que Zin quis dizer. Ele parou e começou a desenhar o mapa do continente asiático com seus dedos. Ele desenhou a Península Coreana no canto.

— Não andamos até essa área e nós estamos bem aqui.

— O que, nós chegamos só até aqui?

Zin suspirou enquanto ela percebia quão grande o continente asiático era se comparado com a Coreia. E quando Zin apontou para o destino deles, ela ficou ainda mais atônita. Ela temia ter que andar tanto assim.

— O mundo é grande demais… — Zin só desenhou o continente asiático e Leona estava maravilhada com o tamanho da Terra.

— Na verdade é maior. Há a Europa, África e outros continentes também.

— Outros continentes? Você está me dizendo que há outros continentes que são grandes assim? — Leona ficou maravilhada que o mundo em que ela vivia era tão vasto.

— Como eu chego em outros continentes?

— Bom, nós não podemos mais ir lá.

— Por que não?

— Não há mais barcos para nos levar lá.

Leona continuou fazendo perguntas diferentes já que estava animada em aprender coisas novas.

— Moço, você esteve em outros continentes?

— Sim, a muito tempo atrás.

— Uou, isso é incrível. Eu quero ir também!

Zin riu com o comentário de Leona. Era engraçado ouvir uma criancinha que mal andou pela Coreia querer visitar o continente americano.

— Não é tão diferente daqui.

— Mas eu ainda quero ir.

— Bom, tecnicamente, há um jeito de ir lá.

— Como?

— Nós precisaríamos roubar um navio dos Armígeros. Há uma base naval Armígera perto de Vladivostok e nós precisaríamos roubar um. E, claro, você precisaria controlar o navio sozinha.

— Moço, você sempre fala sobre coisas sem sentidos, hein?

Enquanto Leona resmungava, Zin ria. Na verdade, Armígero tinha uma pequena frota naval. Mas era maluquice ao menos pensar em roubar um navio.

Então Leona perguntou de repente.

— Há pessoas vivendo lá?

— Eu não sei agora… mas costumava ter pessoas vivendo lá. — Zin respondeu e Leona assentia enquanto escutava…

xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Depois de uma caminhada longa, Zin e Leona alcançaram o Rio Doo-man. Se eles cruzassem esse rio, estariam fora da Península Coreana. Zin e Leona escalaram a colina, e de lá, eles foram capazes de ver o rio curvado e o campo que estava no lado oposto do rio. Leona assistiu a cena boquiaberta.

Sem se maravilhar, Zin começou a olhar ao redor para observar os arredores. Logo depois, Zin e Leona avistaram algumas coisas estranhas.

— … mas que porra?

— Eh… coisas como essa sempre acontecem.

No outro lado do rio, havia vários tanques e veículos armados destruídos. Havia vários tanques que pareciam ter sido destruídos a pouco tempo atrás e havia corpos mortos espalhados por todo o lugar.

E as pessoas mortas eram soldados Armígeros. Leona avistou alguma coisa e apontou.

— Eu vejo alguma coisa lá.

— Vamos nos esconder por agora.

Zin e Leona se esconderam atrás de alguns arbustos na colina. Havia um grupo de pessoas vasculhando os tanques destruídos na área que Leona apontou. Eles estavam muito longe, mas era óbvio o que estavam fazendo.

Eles estavam vasculhando os veículos destruídos para roubar armas ou partes. Eram varredores ou Matadores. Eles seriam inimigos se fossem Matadores, e varredores também eram perigosos de se lidar. Na selva, era esperto estar atento contra estranhos e Zin observava eles com cuidado.

Zin pegou seu telescópio e começou a observar as pessoas.

— Alguém esmagou o reator.

— Bah, só pedaços de metal.

— Bom, pelo menos nós pegamos um único reator. Essa coisa é uma besta. O que nós estamos usando agora é lixo.

— Tudo parece destruído… eu estava esperando conseguir algumas armas.

— Como eles foram destruídos dessa forma?

— Como eu saberia?

— Esses pedaços de metal ainda podem ser úteis. Aço usado pelos Armígeros é muito bom. Nós deveríamos ficar satisfeitos com o que temos.

— Eu sei, mas ainda. Nós poderíamos ter ganhado muito hoje.

Os varredores que ouviram sobre a derrota das tropas Armígeras. Eles estavam vasculhando todos os tanques para ver se havia algo valioso.

Zin considerou suas opções enquanto observava os varredores.

— Parece que os Armígeros montaram uma linha de defesa no rio Doo-man e ela foi destruída. Parece que todas as forças recuaram.  Para que era a linha de defesa? Eles poderiam ter feito isso para impedir a Bruxa Branca de se mover para o norte, ou eles estavam tentando prevenir Charlotte de voltar para o QG. Ou era por ambas as razões?

Eu vejo que as superfícies dos tanques foram derretidas e os tanques foram fisicamente destruídos. Parece que uma laser de arma foi usada. A Bruxa escapou com um falcão negro, então eu não acho que a Bruxa esteve aqui.

É bem possível que a linha de defesa foi montada no Rio Ak-Rock também. Mas as tropas receberam danos massivos e a linha de defesa foi quebrada…

Faz no máximo quinze dias desde que a batalha aconteceu. Eu não consigo imaginar que os tanques Armígeros foram roubados dentro de quinze dias. Unidades de transporte seriam necessárias para carregar as partes roubadas.

Eu vejo que os tanques e as armas foram destruídas por ataques separados… houve explosões adicionais depois dos tanques serem imobilizados. Possível que os Armígeros destruíram os tanques porque eles não querem que a tecnologia vazem…

Se a linha de defesa foi quebrada e as tropas de reforço foram enviadas para recuperar o equipamento, eles teriam recuperado as partes incluindo os reatores.

Conforme Zin pensava sobre muitas coisas, ele continuava a monitorar os varredores. Eles estavam passando pelos tanques destruídos, mas eram incapazes de recolher algo útil. Era possível que as tropas Armígeras recuperaram todas as partes enquanto recuavam. Mas Zin pensava que as tropas foram quase aniquiladas.

Zin começou a pensar baseado em suas observações.

A Divisão da Ásia Central dos Armígeros organizou uma linha de defesa perto da área de Doo-man e do Ap-Rock.

O objetivo deles era matar ambas a Bruxa Branca e a tenente disfarçada, Charl.

Charlotte passou da linha de defesa e continuou a ir para o norte. Ou é bem possível que ela foi ao redor destruindo todos os tanques.

Uma guerra entre o QG e a Divisão da Área Central é iminente. Ela provavelmente destruiu os tanques para enfraquecer a Divisão da Ásia Central.

Charlotte não destruiu as armas dos Armígeros, nem reforçou as tropas. Um terceiro grupo estava envolvido nisso.

Eu vou deixar os varredores sozinhos por agora. Não sei quantos deles estão aqui. Sem necessidade de alertá-los ao atirar.

Na opinião de Zin, os varredores não estavam armados com armas mortais e ele era capaz de acertar primeiro. Zin estava planejando esperar até eles passarem. Ele olhou para Leona e fez sinais de mãos. Zin ensinou para ela sinais de mãos em caso de emergência e ela dominou todos os sinais.

Zin enviou um sinal para ficar em espera e ela assentiu.

Só por precaução, Zin tirou uma M700 Remington e pôs o silenciador no fuzil, agindo agilmente enquanto continuava deitado no chão.

Zin não estava muito longe de Leona, mas ele pensou que seria bom para ela se acostumar com sinais de mãos.

Os varredores vasculhavam os corpos dos soldados, mas eram incapazes de encontrar algo útil. Todas as armas Armígeras, de pistolas até artilharia pesada, todas foram destruídas.

— Merda, nada mesmo.

De longe, os varredores estavam murmurando. E, logo, os varredores pararam de se mover e Zin ficou quieto também.

*Vrrrrrrooooom*

Um som áspero de motor começou a rugir ao longe. Os varredores ficaram assustados brevemente e, então, começaram a se espalhar em busca de um lugar para se esconder. Todas as pessoas na área sabiam o que o som de motor se tratava.

Tranqueirão. Os Matadores estavam se aproximando. A Área perto da linha de defesa era um campo aberto e os varredores não tinham lugar para correr. O único lugar que eles podiam se esconder eram os tanques destruídos ou veículos armados.

Logo, o grupo de Matadores com seus tranqueirões começaram a se aproximar ao longo do leito do rio.

— Waaaaaaaaang!

Um Matador maluco que estava imitando o som do motor estava liderando o grupo na direção deles.

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!