CdMD – Capítulo 58

Territorialidade – parte 3

O longo alcance do fuzil laser entregou uma morte rápida. O Salteador cuja cabeça foi perfurada com o laser morreu na hora. 

— É um fuzil laser!

— Porra!

Os Salteadores subestimaram seus oponentes já que eles estavam enfurnados em um veículo armado surrado. Eles não esperavam um executor Armígero dentro do veículo. 

*Ratatatat!*

Os Salteadores começaram a atirar em Ramphil, mas ele estava ciente de todos os movimentos deles. Ele sabia quem estava recarregando  uma arma, mirando e atirando. Ramphil rapidamente abateu os Salteadores que jogaram coquetéis molotov no veículo armado e se esconderam em um beco.

Os atiradores estavam todos abaixados, se escondendo dos tiros de fuzil laser. Assim que os tiros cessaram, Zin saiu do veículo armado. 

Enquanto se escondia no caminho estreito, Ramphil marcou os Salteadores que estavam se escondendo. Zin rapidamente se moveu para ficar em posição no topo de um prédio para bancar o atirador de elite e abater os inimigos de lá.

Apesar de Ramphil ter se exposto para atacar os Salteadores, ele estava simplesmente marcando os Salteadores no chão. Zin também estava se movendo agilmente no beco. Não havia razão para se mover em silêncio já que ele já foi avistado pelos Salteadores. 

*Boom!* *Boom!*

Zin pulou contra a parede do prédio e depois contra mais duas e chegou enfim ao telhado de um prédio de três andares. 

— Ah merda…

No telhado, havia dois Salteadores que estavam se escondendo do tiros de fuzil laser. Assim que Zin chegou no telhado, eles atiraram com espingarda automática. 

*Pow!* *Pow!*

— Ngaaaargh! — Um tiro pegou no peito e o outro na cabeça que morreu na hora. Zin rapidamente rolou para as paredes do prédio para se proteger. 

Os prédios ao redor da área tinham alturas similares. Zin tinha de chegar em um prédio mais alto para avistar os inimigos se escondendo nos telhados e becos. 

Os Salteadores que estavam escondidos estavam desesperados. Eles não esperavam encarar inimigos tão poderosos. Um era um soldado ciborgue Armígero e o outro  rapidamente abateu dois Salteadores ao chegar no telhado de um prédio. 

Era claro para os Salteadores que eles escolheram o inimigo errado, eles eram pessoas que não deveriam ser provocadas. Ramphil estava controlando o chão e Zin estava prestes a controlar o terreno mais alto. Os Salteadores eram espertos o bastante para entender a situação e eles não eram burros o bastante para continuar uma batalha que iam perder. 

— Vamos nos dividir e correr!

Assim que alguém gritou, os Salteadores começaram a se mover. Eles abaixaram seus corpos e começaram a fugir pelos becos. Em uma luta urbana, visibilidade era limitada por causa dos prédios. Muitos Salteadores rapidamente saíram do alcance. 

Entretanto, Zin não ia deixar alguém sair em pune depois de atacá-lo. Então, ele pegou sua AKM e começou a atirar. 

*Bang!* *Bang!* *Bang!* *Bang!*

Salteadores que se moviam se expunham e eram atacados por Zin. Quatro tiros soaram e quatro Salteadores foram abatidos. 

Zin mirava e atirava. E fazia isso parecer tão fácil. 

Ramphil também estava a solta. Ele corria em um beco e perseguia os Salteadores usando os sons de seus passos. Ajustava o modo de saída de sua L-20, trocando para o modo de tiro espalhado. Ela perdia no alcance, mas era capaz de atacar uma área maior. 

Ela basicamente se transformava numa espingarda laser.

Ramphil virou uma curva e rapidamente atirou nas costas de um Salteador fugindo. 

*Flash!* *Booom!* 

Assim que a luz azul foi emitida, a parte superior do corpo do Salteador explodiu em pedaços em chamas. Ao longe, o ataque de laser perfurou um buraco, mas a arma de laser no modo espalhado estraçalhou o alvo. Era uma cena aterrorizante e Ramphil continuou caçando os Salteadores fugindo um de cada vez. 

Dos telhados, um caçador os abatia de longe e no chão, um executor Armígero estava atirando com uma espingarda laser. 

É óbvio para onde eles estão fugindo.

Apesar dos Salteadores terem se dividido e fugido, eles iriam para um ponto de encontro. Ramphil caçava principalmente monstros, mas Zin lutou contra Salteadores e monstros várias vezes. 

Mais de dez Salteadores emboscaram Zin e Ramphil. Este continuava a persegui-los quanto aquele se movia em direção ao ponto de encontro para exterminar todos eles, pulando sobre os prédios. 

Zin não planejava ser bonzinho com os Salteadores que ousaram atacá-lo!

E bem naquele momento…

*Bang!*

Zin congelou com o som de um tiro atrás dele.

Leona!

Zin se virou rapidamente e começou a correr em direção ao veículo armado. Ele estava entre os prédios e não era capaz de ver o que estava acontecendo perto do veículo armado.

*Bang!* *Bang!*

O segundo e terceiro tiros soaram.

E Leona estava dentro do veículo armado!

Zin tinha esquecido completamente que Leona ainda estava por perto. Se sentindo inquieto, ele se moveu rapidamente. 

*Bang!* *Bang!* *Bang!*

O quarto, quinto e sexto tiros soaram. Próximo do veículo, havia um Salteador que foi baleado. 

Zin pulou do telhado e gritou. — Leona! — Desesperado e olhou dentro do veículo.

— Argg… uh…

— Huff… huff…

Leona apontou o revólver para a cabeça do Salteador que estava deitado e puxou o gatilho. 

*Bang!*

E atirou mais uma vez na cabeça de outro Salteador.

*Bang!*

Assim que Leona matou os Salteadores, ela olhou para Zin. Ele parecia desesperado, mas ela parecia calma. 

— Qual o problema? Alguém morreu? Não, quero dizer… sim, alguém agora. — Leona deu de ombros enquanto olhava os Salteadores mortos no chão. — Mas não eu. 

Leona estava calma como se nada tivesse acontecido.

Pensando que o veículo armado estava sem pessoas, os três Salteadores correram em direção a ele para roubá-lo. Leona atirou em um dos Salteadores que entrou no veículo e se escondeu atrás do banco da frente. 

O Salteador que levou um tiro gritou que havia uma criancinha armada com um fuzil bruto que precisava ser recarregado e os outros dois Salteadores entraram no veículo para se aproveitar do tempo de carregamento da arma. Leona se escondeu atrás do banco da frente para se proteger de tiros. 

Quando ela ouviu os tiros ricochetearem contra a armadura do veículo, ela atirou neles com seu revólver. 

Foi uma luta bem breve, mas Leona atraiu seus tiros enquanto se escondia. Enquanto os Salteadores estavam recarregando, ela se aproveitou do momento para abatê-los, já que eles não sabia que o fuzil bruto não era sua única arma. 

Leona entregou um contra-ataque perfeito no momento certo.

Ela manteve sua compostura apesar de estar sendo atacada por vários Salteadores e foi capaz de abater todos. 

Ela tinha uma habilidade ótima de tomada de decisões e foi capaz de sobreviver a muitos perigos enquanto vivia na selva. Agora que tinha uma arma, ela era capaz de lutar de forma bem diferente de antes. 

Zin ficou pasmo que Leona matou três Salteadores calmamente e estava se sentindo culpado por não lembrar de dela enquanto estava perseguindo os Salteadores.

— Me desculpe. Eu brevemente….

— O quê? — Enquanto Zin tentava falar, Leona encarou-o. 

“Me desculpe por não te proteger”. Leona não queria ouvir tais palavras. Ela não queria ser tratada como uma criança. Ela encarou Zin bem nos olhos e disse. 

— Eu entendo que sou um fardo para você, mas não gosto de ser tratada como um fardo toda a hora. 

Ser tratada como um fardo significava que ela tinha que ser protegida. Leona sabia que precisava da proteção de Zin, mas não queria que ele sentisse pena dela. 

— Então não me diga que você sente muito.

Aceitar a desculpa de Zin significaria que Leona esperava ser protegida por Zin toda a hora. Apesar dela saber que precisava a ajuda dele, ela não queria que ele se sentisse obrigado a protegê-la toda a hora. 

Ela queria ser tratada como uma adulta.  

— Tá. — Zin assentiu, ele entendeu o que Leona queria. — Então, me desculpe por dizer que me desculpo. 

— Cê tá de zuera?

— Claro.

— Você é um cuzão!

Leona roeu seus dentes e Zin continuou rindo. Os dois não pareciam pessoas que estavam em uma luta mortal a momentos atrás. 

Ramphil também voltou ao veículo armado depois de ouvir os tiros. 

Era bem improvável que Salteadores atacariam novamente, já que eles levaram uma bela surra. Zin e Ramphil roubaram os mortos. Eles encontraram 30 cartuchos de munição 5.56 mm e fuzis feitos a mão, mas não encontraram lascas. Depois de remover o arame de ferro perto da ponte, todos voltaram ao veículo.

Leona estava olhando com carinho para o fuzil bruto que salvou sua vida. Zin recarregou o revólver com munição calibre .38 e o entregou de volta para Leona. 

— Essa coisinha consegue acabar com qualquer um. Ela é tão foda!

Leona colocou o revólver em seu quadril, escondido debaixo de sua bolsa.

Zin disse. 

— Aqueles Salteadores foram bem agressivos. Eu não esperava que eles fossem atacar um veículo armado Armígero.

— Eu também achei isso estranho. — Ramphil  concordou com os pensamentos de Zin. Baseado na discussão prévia dos dois, aqueles Salteadores estavam utilizando a presença da fortaleza Armígera para atacar os civis locais. Seria suicídio da parte deles atacar algo pertencente ao Armígero. Mesmo se conseguissem roubar o veículo, estaria em perigo porque o Armígero iria retaliar. 

Ramphil e Zin não conseguiam descobrir o motivo dos Salteadores fazerem tal coisa. Eles não seriam capazes de usar o veículo armado por causa da presença Armígera e sofreriam casualidades durante a emboscada.

— De qualquer jeito, vou ter que escrever um relatório. 

A fortaleza tomaria conta das coisas quando Ramphil entregasse um relatório. Ramphil não sabia dos motivos dos Salteadores, mas a única coisa que tinha que fazer era escrever um simples relatório. O Armígero não ligava muito contanto que não fossem atacados, mas exterminariam quaisquer forças que os atacassem. 

De qualquer jeito, isso não importava muito para Zin. 

O trio saiu do veículo armado quando estavam ainda bem longe do portão da fortaleza.

— Uou, que foda.

Leona viu uma fortaleza pela segunda vez e ficou maravilhada com a altura da muralha da fortaleza. A muralha era cinza e limpa. Parecia representar o jeito recluso Armígero. 

Conforme o trio se aproximava da fortaleza, um alarme alto soou perto das muralhas da fortaleza. 

[Fiquem longe. Aqui é uma Fortaleza Armígera. Invasão é proibida!]

[Se vocês não voltarem agora, nós iremos abrir fogo baseados nos nossos protocolos de segurança!]

[Fiquem longe!]

O Armígero não abriu fogo de primeira. Ramphil começou a murmurar perto da muralha da fortaleza. 

— Código-349-9756-9954.

Assim que Ramphil falou, o som do alarme parou. O processo para entrar na fortaleza era simples. Havia câmeras e dispositivos de reconhecimento de voz instalados ao redor da muralha e Ramphil falou seu número de identificação militar. O computador central então iria verificar o rosto e número de identificação militar para checar se a pessoa era mesmo um soldado Armígero.

Parecia complexo, mas na verdade era um procedimento de verificação simples.

[Número de identificação verificado]

[Acesso garantido]

As metralhadoras automáticas foram brevementes colocadas em modo de espera. Ramphil foi até o portão e usando um interfone, ele ligou para o porteiro.

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!