DNG – Capítulo 236

 

Aquela coisa parecia com os ossos da mão de uma pessoa. Os dedos e articulações estavam todos lá. Não parecia feita de ossos, mas sim de um cristal negro.

Han ficou muito animado, porque ele já havia absorvido dois cristais parecidos com aquele, o Coração das Trevas e a Rótula das Trevas.

— Isso poderia ser a Mão das Trevas? O terceiro item dos sete deixados pelo Rei das Trevas? — Han murmurou para si mesmo, emocionado.

Ele rapidamente se virou para o diário de Sha Emperor e encontrou o conteúdo relevante.

Descobriu-se que isso era realmente a Mão das Trevas, algo que o Sha Emperor obteve enquanto viajava pelo Sistema Memphis. Dizem que dois cristais apareceram no Sistema Memphis, e o Sha Emperor matou muitas pessoas para obter a Mão das Trevas.

O Coração das Trevas permitiu que o olho direito de Han funcionasse como uma visão especial e deu a Han a possibilidade de mesclar o poder das trevas em seus ataques. Por outro lado, a Rótula das Trevas aumentou a velocidade e resistência de Han.

É claro que Han agora sabia muito bem que os sete cristais deixados pelo Rei das Trevas tinham um enorme efeito de fortalecimento sobre ele. Depois que Han usou a Rótula das Trevas, a visão de seu olho direito também se tornou mais poderosa do que antes.

Em outras palavras, o aprimoramento em um indivíduo pelos cristais das trevas deveria ser avaliado a partir de um nível geral, e a absorção de cristais adicionais aumentaria as habilidades obtidas com outros cristais.

Pensando por um segundo, Han tirou um par de luvas pretas da Marca Lunar que tinham uma textura metálica.

Este par de luvas foi encontrado junto com a Rótula das Trevas, mas Han tentou várias vezes usá-las, sem nenhum efeito. Elas não melhorariam seu ataque nem aumentariam sua defesa, como se o par de luvas simplesmente não tivesse sido ativado ou algo assim.

Agora que Han tinha a Mão das Trevas, talvez depois de absorvê-la, o par, que se suspeitava ter vindo do Rei das Trevas, poderia finalmente ser útil.

Pensando nisso, Han guardou a mão e as luvas de volta em sua Marca Lunar.

Ele começou aquilo tudo simplesmente porque tinha a impressão de quem alguém estava o espionando e acabou pegando um peixe grande, matando um dos Reis do Clã dos Bruxos e obtendo um benefício enorme.

A Mão das Trevas, uma técnica de marionete parasitária, e até a localização do próximo cristal das trevas.

Memphis era um sistema estelar distante, em outra área da Aliança Via Láctea, na direção oposta do Domínio Oblívio.

De acordo com informações gerais, o Sistema Memphis mantinha uma religião primitiva rara na Via Láctea e, consequentemente, os crentes mais fanáticos dessa religião primitiva. Era lá que o Clã dos Bruxos tinha sua origem, e como o clã era leal a todos as principais nações da Via Láctea, sua base não era muito alvejada.

Estimando com o mapa estelar, levaria mais de um mês de viagem para Han chegar até lá, então já não havia tempo suficiente neste momento. Han ainda precisava participar da Arena de Julgamento que decidiria seu destino.

Quanto à Mão das Trevas, ele não planejou usá-la imediatamente. As estatísticas provaram que cada utilização dos cristais era algo que exigia um esforço dos infernos, e por isso uma decisão cautelosa deveria ser tomada.

Han rapidamente retornou à Terra. A ideia de usar marionetes parasitárias para controlar as bestas de fusão já havia deixado ele muito animado.

Ele começou a estudar técnicas de marionetes em seu próprio laboratório na Base de Nazca, se isolando do resto do mundo e fazendo experimentos constante quanto àqueles métodos.

Claro, Han não deixava de praticar artes marciais na estação de transição. No geral, ele estava ocupado o tempo todo.

Aprender e praticar continuamente, passando muito tempo melhorando a si mesmo. Essa era a vida de Han.

O tempo passou dia a dia, e um certo momento Han finalmente saiu do laboratório, indo diretamente para o andar de baixo da base, onde a cápsula molecular estava armazenada.

Era hora de ir para a Arena de Julgamento, e o sucesso ou fracasso dependia de suas habilidades. Se Han vencesse, ele teria a oportunidade de ser promovido para a última etapa, ou até mesmo de obter o título de Lorde Estelar, tornando-se um membro oficial da Corporação Dark Net, tendo acesso a benefícios inimagináveis.

Se ele perdesse, ele poderia morrer, ou talvez perder a chance de entrar no nível profundo da Dark Net para sempre.

Han soltou um longo suspiro, abriu a cápsula molecular e entrou nela.

O programa foi tão preciso quanto de costume. Depois de alguns minutos, quando Han abriu a cápsula molecular, o teleporte de hiperespaço já o havia enviado para a Arena de Julgamento.

Em um terreno aberto, algumas pessoas se encontravam. Elas haviam chegado ali da mesma forma que ele e estavam guardando suas cápsulas moleculares e seguindo as placas para entrar na arena principal.

Han viu muitas pessoas estranhas ali. Havia um cara cujo corpo todo era azul que emanava uma luz fria, como uma criatura do fundo do mar, e ele inclusive tinha duas orelhas que pareciam caracóis.

Havia também outro sujeito estranho cujo rosto parecia um polvo, com tentáculos no lugar da barba.

Todos eram membros de outras espécies inteligentes que vieram do mesmo setor que Han.

De acordo com o que Han sabia, o universo estava dividido em um número desconhecido de macrossetores, e então havia setores abaixo deles, e por último microssetores.

A razão pela qual Han sempre encontrava pessoas da raça divina era porque os seres humanos e a raça divina eram as raças inteligentes mais populosas em seu microssetor, e outras raças alienígenas eram realmente raras.

Porém, desta vez, o julgamento estava no nível dos setores, então também havia muitos oponentes de outros microssetores que participariam dele.

Em suma, no microssetor ao qual Han pertencia, todas as vidas inteligentes eram criaturas humanoides, mas todas tinham características diferentes.

De acordo com a informação que Han conseguiu obter, todas as criaturas inteligentes provavelmente vieram do mesmo tipo de esporos e, por alguma razão, esses esporos foram espalhados pelo universo, e depois de milhões de anos de evolução, eles formaram os grupos de seres inteligentes vistos agora.

Justamente porque todos eles vieram do mesmo ancestral comum é que todas os seres inteligentes pareciam semelhantes, todos andando eretos, com dois braços e duas pernas, mas as diferenças cresciam à medida que progrediam na inevitável evolução. Foi exatamente o que aconteceu com a raça divina, onde a mutação genética que sofreram durante tal evolução abriu uma sutura em sua testa.

Quanto a essas pessoas de aparência estranha que Han estava observando agora, algumas de suas mutações genéticas eram ainda mais proeminentes do que as da raça divina, mas algumas outras pessoas pareciam apenas humanos, não passando por quaisquer mutações genéticas extravagantes.

Foi um evento bastante interessante reunir todos esses diferentes tipos de formas de vida inteligentes humanoides em um só lugar.

Han também descobriu que não era apenas a aparência dessas pessoas que não era tão diferente, mas até mesmo seus temperamentos eram bastante parecidos. Todos eles chegaram ali porque quebraram as regras da Senda de Todos os Deuses, então a maioria deles era realmente rebelde e impaciente.

Porém, eles sabiam que logo seriam expulsos se não mudassem seu comportamento, então todos se esforçaram para se conter.

Han também guardou sua cápsula molecular, seguiu os sinais e passou por uma selva, finalmente chegando a uma planície aparentemente sem fim.

As pessoas que chegaram ali não puderam deixar de suspirar em choque, porque havia um grande lago nessa planície. Era sem fim, como o oceano, com água cor de esmeralda, cristalina, dando às pessoas uma sensação muito surreal. Han até suspeitava que não fosse verdadeiramente água o que havia naquele lago, mas uma solução especialmente preparada.

Caso contrário, não havia explicação para aquele lago ser tão atraente, tão cristalino, e ainda por cima exalar um aroma perfumado.

Todos se reuniram perto do lago e olharam para ele, surpresos.

Alguém estendeu a mão e pegou um pouco do líquido. Pela textura, parecia óleo, muito escorregadio e denso.

O alienígena então tomou um gole, antes de começar a vomitar imediatamente, constantemente tossindo na grama.

Han ficou junto ao lago e fez uma careta, franzindo levemente a testa.

A sensação inicial incrível que teve quando viu o lago imediatamente desapareceu, porque Han achava que, embora o lago fosse muito bonito, estava desprovido de vida.

Não muito tempo depois, quando todos os participantes do julgamento apareceram, o lago cor de esmeralda de repente começou a borbulhar, e do centro dele, um buraco negro apareceu.

Foi revelado que era a boca de um monstro gigante, com uma língua rosa e fileiras de dentes brancos pálidos.

A boca da fera estava aberta e um homem usando roupas pretas estava de pé na língua rosada. Ele limpou a garganta e começou a falar.

Título do capítulo: Mão das Trevas

 

Vermillion
Primeiro de seu nome, Nascido do Caos, o Que a Tudo Lê, Spymaster nas horas vagas, Father of Fakes, Professor de Inglês, Um dos Três, Editor do Qidian, Tradutor de TA, Soberania e DNG, Marido Raiz.

2 Comentários

  1. kkk eu tava mesmo estranhando a falta do titulo mas ta no final ainda bem porque esse titulo e um spoiler em si

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!