DS – Capítulo 166

Assistindo as árvores passarem enquanto ele se firmava dentro de sua carruagem, Situ Jia Zian refletiu sobre as guinadas horríveis do destino que o trouxeram tão baixo, amaldiçoando seu azar e sonhos tolos. Aquele bastardo maldito do Nian Zu, convencendo ele a aceitar a Insígnia de Oficial contra os desejos de sua Mãe. Dado a chance, Zian iria enfiar essa maldita Insígnia dentro da goela dela. Então, havia o Marechal velhote, astuto e sua meia-besta vadia, enganando ele a pensar que fama e fortuna esperavam ele aqui em Sanshu. Um mês inteiro perseguindo sombras na selva, e o que ele tinha para mostrar por isso? Nada além de  picadas de carrapatos e feridas de sela, os bandidos covardes se esconderam ao primeiro sinal de perigo, nenhum fio de cabelo sequer dos Corsários dos Ossos Cruzados para ser encontrado.

Era tudo culpa de sua Mãe. Se não fosse pelos seus mimos superprotetores, ele não teria encontrado a necessidade de escapar de seu abraço sufocante. Mesmo aqui no meio do nada, sua presença podia ser sentida nos guarda-costas iminentes fincando raízes em sua carruagem ao invés de suas cortesãs de costume. Sua Mãe não tinha toda a culpa, Tio Yang também tinha uma mão nisso, mas ter quatro homens musculosos tão perto dele toda hora era menos do que o ideal. Deixando o fedor horrível de lado, como ele iria crescer como um guerreiro sem experimentar perigo?

Olhando para o sol pendendo alto no céu, seus estômago se rebelou com o pensamento de outra refeição de carne fria e pão seco. Pedindo uma parada, sua carruagem parou de repente, quase arremessando ele de seu assento. Normalmente, ele teria ido com o momento e pousado suavemente nos seios de uma jovem atendente adorável, mas ele preferia morrer do que pousar no peito dos seus guarda costas. “Disciplina e moderação”, as duas palavras favoritas de Tio Yang, indo longe ao ponto de se certificar que a comitiva de Zian se constituía apenas de homens. Homens musculosos, feios ainda por cima, como se estivesse preocupado que Zian iria tão longe. Solidão e auto-disciplina, tal era o caminho árduo em direção a excelência marcial de acordo com Tio Yang. Sem flores para olhar, sem música para apreciar, sem poesia para analisar, Zian desejava estímulo, ambos mental e físico.

Indo até a janela da carruagem, seu segundo em comando Jukai juntou suas mãos e se curvou em seu cavalo, seu cabelo grisalho emitindo uma nuvem de poeira e caspa. — Jovem Mestre, esse mero soldado espera seu comando.

— Eu te disse antes, você irá me chamar de Oficial Zian. — Era um argumento inútil, mas Zian era teimoso.

— Jovem Mestre, este mero soldado não pode atender a esse pedido, pois ele serve o Jovem Mestre, não um mero Subtenente. — Com a cabeça ainda curvada, o tom não continha remorso e se não fosse pela patente do homem e sua proeza marcial, Zian teria ordenado que ele fosse chicoteado por insubordinação. Um soldado de carreira com a patente de Coronel, o homem era perfeito, o soldado perfeito exceto pela sua necessidade bajuladora de chamar Zian de “Jovem Mestre”.

O velho era completamente transparente, se voluntariando para a comitiva de Zian esperando inspirar simpatia com o herdeiro do Clã Situ. Uma escolha estranha para um homem tão perto de seus anos de crepúsculo, ele provavelmente estaria morto antes de Zian assumir o poder, mas seria tolice dispensar uma posse como Jukai. — Pausa para o almoço, faz dias desde que eu comi uma refeição quente.

— Como você deseja, Jovem Mestre.

Saindo da carruagem, Zian sacudiu suas mangas e juntou suas mãos atrás de suas costas, cabeça erguida enquanto seus soldados erigiam uma tenda. Se sentando em uma sombra, ele mentalmente compôs um poema enquanto sua comida era cozinhada, aproveitando a paz e solidão. Um esforço impotente, já que poetria era para ser compartilhada e discutida com comida fina e vinho. Ao invés, ele tinha quatro idiotas sem educação vigiando cada movimento dele, longe das sutilezas do seu lar. Ele desejava o gosto de caranguejos de casca macia, frescos do Oceano Indígo, ou um pato tenro, marinado em soja e alho, assado a perfeição. Ao invés, ele comia alguns pássaros comuns salgados e macarrão de trigo mourisco em caldo aguado, a epítome da luxúria aqui na mata.

Depois de terminar sua refeição, Zian viu Jukai já montado, sua comitiva pronta para partir. Balançando para ele, Zian ordenou:

— Venha, lute comigo, eu estou cansado de viajar. — Não apenas ele era um expert que lutava no mesmo estilo, ele era um dos poucos homens que Zian comandava com coragem de arriscar ferir o herdeiro do Clã Situ.

Se inclinando, Jukai falou suavemente. — Jovem Mestre, por mais que seria um prazer para mim guiar seu progresso no Caminho Marcial, Major Yuzhen exigiu que nós chegássemos com toda a pressa. Nós já estamos muito atrás dos outros Subtenentes e seremos os últimos a chegar.

Algo estalou dentro dele, e ele agarrou o homem mais velho pela lapela. — Velho tolo trêmulo, alguém tem que ser o último, quem liga se somos nós? A vadia arrogante me mandou para o Norte para acertar grama enquanto ela ganha favor com os Bekhai, e agora ela pensa que pode assobiar e me fazer vir correndo como algum cachorro treinado? Ela pode comer merda, isso é um abuso da autoridade dela! Agora, eu estou ordenando você, desça e lute comigo.

Rosto vermelho com sua explosão, sua raiva rapidamente se transformando em vergonha, sua voz pouco mais que um sussurro. — Jovem Mestre, a razão é irrelevante. Major Yuzhen enviou uma ordem apoiada pela autoridade do Marechal Shing Du Yi. Nós somos apenas soldados, seguir ordens é nosso fardo na vida. O mesmo pode ser dito para os membros do Clã e Aderentes da Sociedade, então se algum dia você achar que o fardo de patente, clã, ou sociedade oneroso demais para os seus gostos, então renuncie eles. Até tal tempo chegar, nossas ordens tem que ser obedecidas, mas o que quer que o Jovem Mestre escolha, esse mero soldado irá servir ao seu lado.

Deixado sem escolha e desonrado, Zian voltou para sua carruagem e sofreu em silêncio. Uma mostra vergonhosa, permitindo sua raiva e frustração vencerem ele, fazendo pirraça como uma criança. Ele podia apenas agradecer Jukai em silêncio por lidar com as coisas tão silenciosamente, sem zombaria ou desdém. Talvez ele estava certo, talvez estava na hora de Zian renunciar sua patente. Aceitar isso foi um erro para começo de conversa, outra pirraça infantil nascida do desejo de se aventurar e escapar de sua vergonha.

Quanto a abandonar o Clã e a Sociedade… Impossível. O Clã Situ pagou caro pela sua falha e sua vida, em mais jeitos do que um. Desonra, perda de status, perda de reputação, apesar de sua Mãe esconder essas notícias dele, Zian sabia que eles estavam cambaleando da derrota deles. Agora, com Nian Zu e Du Yi declaram publicamente Baatar e Yuzhen seus respectivos sucessores, a Sociedade estava cheia de discórdia e caos, lutando entre eles mesmos ao invés de se unirem para encarar seus inimigos.

Tudo porque Zian perdeu para Falling Rain.

Caso ele tivesse perdido para um guerreiro melhor então Zian não seria tão atormentado pela culpa, mas enquanto totalmente descansado e armado, ele foi derrotado por uma criança magricela cinco anos mais novo, ainda por cima vestindo nada mais além de trapos e exausto por seus três duelos até a morte anteriores. Deveria ter sido uma vitória fácil para Zian e a Sociedade, mas a chuva fria minou suas forças, pedras soltas impediram seu progresso, e telhas lisas o desequilibraram, tudo enquanto o Selvagem Imortal continuava seu ataque implacável com um sorriso sedento de sangue. Seu braço se contorcia com a memória da perda e o tratamento tortuoso que se seguiu, incapaz de compreender como Falling Rain reconectou seu pé durante uma partida e continuou a lutar logo depois. Ele era um monstro do caralho, mas um que Zian deveria ter derrotado nove vezes de dez sob as mesmas circunstâncias.

Por causa de sua fraqueza, sua falha, a Sociedade era agora uma piada, mil anos de história esquecidos pelas pessoas. Talvez em alguns séculos, eruditos iriam identificar sua derrota como o exato momento em que a estrela da Sociedade começou a decair e ele seria conhecido no futuro como a queda da Sociedade. Um mulherengo degenerado e almofadinha, um soldadinho nascido com uma colher de prata em sua boca,  um vagabundo bom para nada, era isso tudo que podia ser dito de Situ Jia Zian.

Ignorando honra, Zian buscou Jukai no momento que a viagem do dia acabou, lutando por horas antes de cair em um sono exausto. Na próxima manhã, ele ordenou que Jukai viajasse na carruagem a fim de mantê-lo fresco para lutar mais tarde, os dois sofreram pela viagem na viagem desconfortável em silêncio pedregoso.

Dias se passaram da mesma maneira, com uma corrente crescente de peregrinos indo e vindo do Arvoredo Sagrado. Sua comitiva fez em bom tempo e com apenas meio dia de viagem eles chegaram ao seu destino, alcançando os outros Oficiais da Sociedade. Apesar da noite não ter chegado ainda, ele passou por seus iguais montando acampamento e ordenou seus homens a fazerem o mesmo. Apesar dele ter o status mais alto, ele era o menos experiente do grupo e escolheu seguir sua liderança.

Sang Ryong da Seita das Sete Estrelas foi o primeiro a se aproximar, usando um sorriso repugnante enquanto ele juntou suas mãos em cumprimento. — Bom te ver Oficial Jia Zian. — Um urso de homem com um pescoço tão grosso quanto a maioria das pernas, Sang Ryong era indiscutivelmente o segundo mais forte de sua geração. Entre seu físico gigantesco e martelo de duas cabeças colossal, Ryong era uma força a ser reconhecida, apenas sua falta de Aura o impedia de tomar a posição de primeiro de Zian. Infelizmente, a Seita das Sete Estrelas estava ostensivamente aliada com o Clã Situ, o que significava que cortar a garganta de Ryong para impedi-lo de se tornar uma ameaça estava fora de cogitação.

Por agora.

Pulando a conversa fiada, Zian foi direto ao ponto. — Por que vocês pararam aqui? Se nós prosseguirmos, nós podemos chegar no Arvoredo Sagrado ao cair da noite.

— Éee… — O sorriso de Sang Ryong vacilou enquanto ele lutava para encontrar uma resposta, exercitando um músculo que ele raramente usava. — Bem, nós a…

— Estávamos esperando por você, seu tolo. — Escárnio gotejando de sua voz, Han BoShui foi a frente com nariz apontado em direção ao céus, insuportavelmente arrogante desde o desastre de julgamento na Ponte. — O grande Situ Jia Zian se perdeu na floresta? Nós desaceleramos nosso passo por dias te esperando. Se eu for sancionado por isso, você vai pagar caro.

Desdenhando para o oficial mais velho, Zian ignorou sua ameaça direta. — E como você pretende coletar? Mijar na minha tenda enquanto eu durmo? Você não tem a coragem para me enfrentar em um duelo, mesmo depois do seu tio ter gasto todos o seus esforços para te ajudar a condensar sua Aura pífia.

— Calma garotos, chega de discutir. Nós não estamos mais sozinhos e devemos mostrar uma frente unida. — Chegando por trás de BoShui estava Jin ZhiLan, a única Subtenente do grupo, uma marionete humana para seus mestres meio-bestas na Seita da Harmoniosa Unidade. — Por favor se juntem a mim no meu pavilhão para chá e petiscos, nós temos assuntos importantes para discutir.

Depois de confirmar com Sang Ryong, Zian seguiu a mulher mais velha enquanto ela liderava o caminho, sentindo seu cheiro doce e o balançar sedutivo de seus quadris, seu pescoço sedutoramente a mostra. Normalmente, ele não olharia duas vezes para ZhiLan, o relacionamento deles tão tenso quanto o que ele tinha com BoShui, mas os últimos dois meses de celibato corroeram seu auto-controle. Desde sua primeira experiência dos prazeres da carne, ele nunca tinha ficado tanto tempo sem a companhia de uma mulher, sua mente enevoando com a menor mostra de carne.

Sentado em cima de uma colina, o pavilhão estava em uma posição pouco defensável, uma que oferecia completa privacidade  a menos que algum supremo expert entediado esteja se escondendo por perto. Observando a mínima das cortesias, Zian se sentou na mesa de quatro pessoas e molhou seus lábios com o chá antes de prosseguir. — Delicioso, agora para que estamos aqui?

— Tão impaciente Zian, tão diferente do que eu ouvi falar da sua… proeza. — ZhiLan sorria com doçura enquanto esperava os serventes se disperçarem, seu olhar se focando quando ela se inclinou para pegar um biscoito. A vadia não deixava nada passar e sabia que ele estava sofrendo, esperando conseguir uma vantagem usando seus charmes femininos. — Primeiro de tudo, meus informantes dentro do acampamento da Major Yuzhen. Eu estou certo que todos vocês conseguiram esse tanto, mas eu agora tenho prova do envolvimento dela com a Milícia da Mãe. Com Falling Rain como seu provável intermediário, ela esteve roubando entregas do Conselho e reenviando elas ao redor de Shen Yun até a Ponte.

Isso tudo era novo para Zian, mas ele não se importava com os problemas do Conselho. Matar o Carrasco Jorani era contraprodutivo para a reputação da Sociedade, o bandido era adorado demais pela população em geral. Até matar o Dragão Sorridente iria levantar menos revolta. Estranhamente, por que a Major Yuzhen não pediu por sua ajuda? — Por que dar a volta em Shen Yun? Minha Mãe poderia facilmente ajudar na transferência dos bens.

Ryong e ZhiLan olharam para ele desconfortáveis enquanto BoShui ria em silêncio. — Um idiota que só sabe balançar suas espadas. Ela evita Shen Yun, porque não confia em você ou sua Mãe.

— Chega. — ZhiLan cortou antes que Zian pudesse responder. — Ela não confia em nenhum de nós, que é o motivo dela ter nos enviado para a Prosperidade Oriental. Era a escolha correta na hora, sem apoio exceto o do Marechal. As coisas mudaram agora.

— E daí? Nós ameaçamos ela? Eu estive sonhando em tirar a rainha gélida de seu cavalo, vadia arrogante. — O olhar lascivo nojento de Ryong mostrava suas verdadeiras intenções, quase babando com o pensamento.

— Não seja tolo. — Zian pôs um fim nessa linha de pensamento. — Vocês acham que o Marechal é um tigre de papel? Sem apoio do Clã e Sociedade, ele tomou e segurou a posição de maior autoridade no Norte por quase trinta anos. Não é um homem para ser provocado, não menos perigoso do que Nian Zu.

— Sábias palavras. — Zhilan deu piscadelas para ele em provocação. — E quem vai dizer se precisarmos de algo? Suas ações foram brilhantes, custando apenas para o Conselho. Mais ainda, desde sua chegada em Sanshu, atividades de bandidos exceto a Milícia da Mãe pararam, ganhando a Sociedade o respeito muito necessário dos cidadãos.

— Muito necessário depois da falha do seu clã na Ponte. — Nunca sendo alguém de perder uma chance, BoShui deleitado em trazer a derrota de Zian. — O grande Zian, derrotado por um selvagem sem nome. Que vergonha.

Respirando fundo, Zian se sentou em silêncio enquanto Zhilan e Ryong se inclinaram para trás, removendo eles mesmos do assunto em mãos. Percebendo que ele exagerou, BoShui empalideceu e se sentou reto, fingindo confiança enquanto ele tentava resistir o olhar gélido de Zian e Aura sufocante. Sua própria Aura estilhaçando debaixo do ataque de Zian, BoShui desviou o olhar, tremendo de medo enquanto Zian falou calmamente, escolhendo o caminho difícil. — Selvagem sem nome não mais. Já que você pensa tão pouco dele, eu vou esperar seu desafio para o Imortal Falling Rain. Eu vou ser o primeiro a agradecer você por reganhar a honra que eu perdi. — O moleque ia estraçalhar BoShui, rindo durante todo o processo. Mesmo Ryong pode não ser páreo para o guerreiro feroz, quem dirá Zhilan e BoShui.

Deixando sua Aura suprimindo BoShui, Zian pegou seu copo de chá e bebeu lentamente, pondo o de volta com um tinido audível antes de soltar sua Aura. — Então, nós concordamos, o assunto de Yuzhen e suas indiscrições serão ignoradas. — Seu tom não deixava espaço para discussão. — O que mais?

Se recompondo, ZhiLan respondeu com pressa. — Isso deve ficar em segredo sob pena de execução sumária. — Olhando ao redor da mesa buscando concordância, ela respirou fundo antes de continuar, sua voz mal um sussurro. — Houve avistamento de um Demônio junto com um grupo de Corrompidos. Nosso propósito aqui é para ajudar na Purificação vindoura.

Suando frio, o estômago de Zian caiu enquanto sua boca secava. — Quão confiável é seu relatório?

— Além da reprovação. Eu recebi uma carta selada do meu Líder de Seita me informando que a Purificação foi chamada e a Sociedade tinha de enviar a Picanço. Todos nós devemos tomar cuidado.

A Picanço, a Sacerdotisa Sangrenta, a Inquisidora Pintada, a Louca da Sociedade, independente do que a chamassem, isso trazia a tona das histórias de derramamento de sangue brutal e atrocidades chocantes. Responsável por cuidar das três Purificações na última década, quando estivesse na trilha dos Corrompidos ela nunca parava até as mortes chegassem aos milhares, vociferando durante todo o processo sobre a vontade da Mãe. Seu grito de guerra, “Melhor Mortos do que Corrompidos”, era frequentemente seguido por um massacre, não se importando com pequenas nuances como o apoio e as alianças da vítima. Escondendo suas mãos tremendo, Zian acalmou seus nervos o melhor que pode, limpando sua garganta antes de falar. — Eu poderia deixar por conta da Irmã ZhiLan um drink? Algo mais forte que chá talvez.

Pronta para o pedido, ZhiLan despejou quatro copos medidos por ela mesma, o cheiro forte enchendo o pavilhão e ardendo seus olhos. Levantando seu copo brevemente, ele engoliu a bebida de uma só vez antes de enchê-lo de novo, dizendo uma breve oração para os cidadãos a Oeste do Lago do Tesouro.

 

Pobres almas, não guardem rancor, pois vocês só podem culpar o destino. Que vocês encontrem alegria e riquezas na próxima vida.

 

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!