DS – Capítulo 204

Apesar da posição de Magistrado ser sublime, possuída por apenas alguns poucos escolhidos e desejadas por muitos, havia muitas vezes em que Chu Tongzu teria renunciado o título com alegria. Nos últimos dias, ele gastou muitos momentos de descanso imaginando quão doce seria a vida como um viajante ou mercenário, passeando pelo mundo livre. Não era a ameaça dos Corrompidos ou o medo da morte que alimentava essas fantasias. Não, era a enorme quantidade de pequenas inconveniências que vinham com essa posição sublime. Normalmente, os benefícios eram muito maiores do que as desvantagens, mas durante este tempo de dificuldades, era difícil lembrar quais eram aqueles benefícios.

Por exemplo, apesar dele querer correr em direção ao seu destino com toda a força que suas pernas podiam exercer, um Magistrado nunca deveria ser visto correndo, especialmente longe das linhas de batalha. Fazer isso iria diminuir o status de sua presença dominadora, sem mencionar a perda de honra por usar e arfar como um porteiro comum. Era simples parecer sem pressa e indiferente em tempos de paz, mas no momento, seu coração corria enquanto sua mente protestava contra esse passo calmo, desesperadamente desejando que ele pudesse aparecer instantaneamente em seu destino por pura força de vontade.

Levou uma eternidade para chegar no prédio e assim que ele estava fora de vista, ele correu escada acima. Sem esperar por Vichear e seus guardas limpar o caminho, Tongzu empurrou as portas duplas pesadas, talvez com mais força do que o pretendido. Com um baque retumbante, as portas se abriram para revelar quase vinte Bekhai arranjados na frente dele com armas sacadas, prontos para atacar os intrusos. Tendo calafrios em sua espinha com a visão de tantas armas, ele abandonou seu comentário ultrajado antes dele alcançar sua língua enquanto um dilúvio de Auras poderosas o acertavam em conjunto. Sangue se drenando do seu rosto, ele ficou na soleira da porta com uma boca meia aberta, congelado como um coelho preso nas garras de uma águia, penosamente resignado ao seu destino.

Indo a frente dele, Vichear se ele elevou a toda sua altura imponente, mas ainda parecendo deferente com seus ombros para trás e palmas vazias mostradas para os Bekhai. — Ei, ei, calma gente. Somos todos amigos aqui. — Mesmo em seu choque, Tongzu notou a apreensão na voz do antigo soldado, aparentemente não inteiramente confiante da segurança deles. — Isso é minha culpa, o Magistrado nun está acostumado em bater, só isso.

— Recuem, nós ainda somos convidados em sua cidade depois de tudo. — Um coaxo rouco soou de dentro do quarto e os Bekhai reunidos relutantemente se dividiram, a pressão gradualmente desaparecendo. Apesar de nenhuma arma ter sido guardada, ele estava grato pela misericórdia deles. Com tantos experts, se todos tivessem removido suas Auras em um instante, ele podia ter cambaleando ou pior caído com a liberdade repentina. Olhando ao redor do quarto, ele assentiu em agradecimento enquanto memorizava cada um de seus rostos, determinados a aprender o nome desses guerreiros, facilmente do mesmo nível de qualquer elite que ele tenha visto antes.

Exalando para acalmar seus nervos, ele congelou mais uma vez quando olhou para a forma espancada e pálida de Gerel. Um olhar superficial foi o bastante para roubar o fôlego de Tongzu, o guerreiro experto jazia em uma mesa, quebrado e espancado como se tivesse sido atropelado por um rebanho de bois. Um médico estava ao seu lado com olhos fechados em concentração, o corpo de Gerel mole e relaxado, seu rosto torcido em agonia enquanto ele lutava para permanecer consciente. Fixado no pedaço do tamanho de um punho sumido do pescoço do guerreiro, Tongzu lambeu seus lábios para molhar sua boca, mentalmente detalhando todas as feridas que teriam matado um homem menor. Foi necessário várias tentativas para encontrar sua voz, finalmente proferindo, — Cada língua lá fora está comentando sobre suas feridas. O que aconteceu?

Apesar de suas feridas sérias, Gerel sorriu sombriamente enquanto sangue escorria de sua orelha. — Escorreguei em uma telha solta e caí de um telhado. Você deveria manter sua cidade melhor, a maldita queda quase quebrou minhas costas. Eu espero reparações e uma desculpa dos seus pedreiros. — Algumas risadas seguiram a piada, mas o clima rapidamente escureceu novamente quando Gerel continuou. — Eu planejava esperar até a Major Yuzhen chegar para cortar a rota de fuga deles, então, matar o máximo de comandantes possível e deixar o Império abismado. Depois disso, seria uma questão simples de limpar as coisas. — Um plano… otimista, para não dizer o contrário. — Mais cedo, eu recebi palavra dos experts top de linha deles se reunindo para uma refeição, incluindo Yo Ling, a primeira vez que qualquer um de nós pôs os olhos nele. Eu vi a chance de me aproximar e tomar a cabeça e seus experts em um golpe, então eu prossegui.

Com medo demais de perguntar, Tongzu levantou uma única sobrancelha. Imediatamente suas esperanças foram esmagadas com um balançar de cabeça pesaroso, Gerel se deitou de novo com um baque, arrependimento gravado em seu rosto. — Eu não sei como, mas o velho maldito me viu chegando. Nos atraiu para uma armadilha perfeitamente também. Continuou se movendo no quarto para que meus arqueiros não pudessem acertá-lo, então, ele enviou seus experts para longe e apagou as luzes. Eu quase abandonei a tentativa, mas ele ficou no quarto sozinho, no escuro. Esperei por um quarto de hora antes de me sentir confiante o bastante para me mover e ainda mal acertei. — Determinação queimava em seus olhos, um guerreiro quebrado só no corpo. — Yo Ling é um oponente formidável, rompeu meus tímpanos com um grito do caralho e acabou. Eu subestimei ele seriamente e esse é o preço.

Tongzu não ofereceu condolências vazias nem qualquer um dos Bekhai o fez. Pausando por um instante, ele perguntou, — E Gen, o Emissário? Se você consegue chegar perto do Yo Ling, então matar o menino deve ser fácil o bastante. Deixando as chamas dele de lado, seus discursos estão causando inquietação entre os soldados, os sussurros crescendo a cada hora.

Sua testa franzida, Gerel balançou sua cabeça. — Eu pensei nisso, mas alguém ou algo está guardando ele, tão bem escondido que nem minhas melhores escoltas consegue encontrar. Risco excessivo sem recompensa apropriada, eu preferiria lutar com ele em combate aberto e forçar seu protetor a se revelar. — Todo mundo ficou em silêncio até que Gerel sorriu e adicionou, — Nunca pensei que fosse dizer isso, mas eu queria que Rain estivesse aqui. O enjeitado assassino iria provavelmente pegar algumas ervas e fazer um veneno, ou desafiar o Emissário em combate único sem parecer um valentão. Jovenzinho distorcido, mas muito útil às vezes.

As risadas morreram rapidamente enquanto Gerel lutava com exaustão, o médico trabalhando para juntar os ossos e costurar a carne. Apesar de armas laminadas matarem facilmente com uma estocada, qualquer ferida não fatal eram negligenciável para um expert como Gerel, facilmente curadas em uma questão de horas no máximo. Um golpe que quebrava ossos era outro assunto totalmente diferente. Uma ferida fatal se deixada sem tratamento, iria matar qualquer um, exceto o mais expert dos médicos em dias, se não horas. Faça dano o bastante no músculo e osso e o resultado é sempre o mesmo, falha múltipla de órgãos não importa onde a ferida estivesse localizada. Tão fatal que de fato, o tratamento padrão no campo de batalha era amputação, removendo a carne morta antes que pudesse envenenar o sangue. Manter Gerel vivo iria tomar todos os esforços do médico nos próximos dias, o que significaria que Sanshu iria enfrentar a maior tribulação de sua história sem a ajuda do Ceifador Demoníaco.

Saindo de seu estupor, Tongzu tomou controle da situação. — Quem é o próximo na linha de comando? — Silêncio foi sua única resposta, o clima ficando mais escuro enquanto cada expert no quarto fazia careta. Preocupado que ele invadiu algum tabu Bekhai sobre status, ele se preparou para mediar a disputa que viria. Depois de vários segundos, ele continuou a esperar enquanto os Bekhai reunidos silenciosamente discutiam entre si, apesar de não ser para tomar controle. Na verdade, todos eles pareciam recusar o manto de liderança, um guerreiro depois do outro balançando sua cabeça ou dando um passo para trás, o desconforto deles a plena vista.

Em todos seus anos, ele nunca encontrou pessoas tão estranhas quanto os Bekhai. Apesar da dificuldade da situação, que guerreiro não sonhava com glória e renome? Aqui estava a chance para ser conhecido como o guerreiro que salvou Sanshu e nenhum deles queria a honra. Era medo da falha? Um pensamento ridículo, a determinação Bekhai de lado, qualquer culpa iria descansar nos ombros de Tongzu. Incapaz de pensar em outra razão para a hesitação deles, ele ofereceu uma solução. — Guerreiros, se nenhum de você está disposto, então talvez fosse melhor se todos vocês servissem sob meu humilde eu? — Com elites como eles reforçando seus homens, ele estava confiante em segurar as pontes por dias a fim, mas sob o comando de Gerel, os Bekhai preferiam atacar por conta própria.

O sonho florescente que ele tinha de comandar esses membro de tribo de elite morreu em sua infância conforme eles coletivamente fizeram careta com a sugestão. Educados demais para recusar diretamente, mas ainda sem as graças sociais para recusar amigavelmente, todos eles fingiram que ele nunca falou, retornando para o debate silencioso, e Tonguz aceitou a recusa deles silenciosamente, se ofendendo só um pouco.

Pessoas estranhas. Antes de hoje, ele acreditou que os Bekhai, ou pelo menos Akanai, tinha grandes aspirações a grandeza. Se escondendo nas montanhas por décadas para acumular as forças deles e temperar seus guerreiros, todos assumiam que foi o talento prodigioso de Falling Rain que estimulou Akanai a entrar em ação. O desafio Bekhai contra a Sociedade trouxe eles para os olhos do público, enquanto os quatro duelos consecutivos de Rain acenderam a paixão das pessoas. Todo mundo adorava ver um azarão vencer e o jovem de aparência sem graça, atrapalhado se encaixava no papel perfeitamente. Ainda melhor, suas ações implacáveis e comportamento cruel polarizaram todos que ouviam sobre elas, causando um número nenhum pouco pequeno de conversas de bar debatendo se ele era um herói ou vilão.

Independente de onde eles estavam, cada indivíduo oprimido no Norte falavam com alegria como a Sociedade finalmente tiveram um gosto do próprio veneno deles. Seguindo suas vitórias, as histórias da proeza de Rain se espalharam como fogo em mato seco enquanto sua reputação se elevava. O que mais preocupava Tongzu e seus conterrâneos era a história do papel de Rain na luta para a posição de Magistrado de Shen Huo. Gelou seu sangue ouvir como Rain encarou DuGu Tian Yi, uma figura chave nos duelos a seguir. Na tenra idade de dezesseis, ele provocou os filhos de TianYi e os enganaram a fim deles o provocarem na frente dos guardas da cidade. Então, ele prosseguiu e matou o filho mais velho como um cachorro, deixando o mais jovem ferido e assustado. Um plano brilhante para desequilibrar um guerreiro antes de uma partida importante, mas as ações de Rain não terminaram lá. Arriscando sua vida, Rain encarou o pai de luto em um duelo, o provocando sobre a morte de seu filho antes deles começarem. Uma armadilha óbvia, mas ainda TianYi não conseguiu não pisar dentro dela, tentando matar Rain no meio do desafio e selando o destino dele.

Magistralmente feito, a história enchia Tongzu com apreensão cada vez maior. Com Akanai, Baatar e Falling Rain juntos, os Bekhai tinham uma composição formidável para duelos sancionados e competições por Ofício, com Falling Rain praticamente garantindo uma vitória de três. Com tal força, eles tinham a liberdade de escolher qualquer cidade no Norte para se estabeleceram, facilmente instaurando qualquer um que eles quisessem como Magistrado, muito como eles fizeram com Tong Da Hai em Shen Huo. Pior de tudo, o menino só tinha dezoito anos de idade, ou seja, tornando impossível que qualquer jovem milagroso aparecesse de só a Mãe sabe onde, Rain iria manter sua posição como talento com menos de vinte cinco anos por mais sete anos. Uma posição dominadora por um poder em ascensão, todos concordavam que os Bekhai iriam se tornar uma força a ser reconhecida. Na verdade, ele estava certo de que as ações de Rain em Sanshu eram um precursor para uma tomada dos Bekhai.

Com todos esses experts se atropelando para escapar de possível fama e fortuna, Tongzu não estava mais certo de que esse era o caso. Ele notou uma objeção genuína em cada expert presente, mas ainda nem uma gota de medo, mais aborrecimento do que tudo. Nenhum deles queria tomar o comando porque eles achavam isso… enfadonho, pela falta de uma palavra melhor. A maioria dos soldados sonhariam com uma chance de se tornarem famosos por todo o Império da noite para o dia, enquanto esses experts fugiam disso.

O impasse continuou por vários minutos até os olhos de um expert se acenderem, seus lábios se contorcendo em um sorriso enquanto ele falava alto. — Vichear costumava ser um Major. Patente mais alta do que a de todos nós.

Com aquelas duas frases curtas, o status quo foi quebrado enquanto todos os membros dos Bekhai concordavam unanimemente. Sorrindo com alívio, eles ecoaram seu apoio pelo antigo soldado para que este tomasse conta, ele parecia tão confuso com a atitude dos Bekhai quanto Tongzu. — É… vocês estão certos, mas eu fui despachado sem patente, por causa das minhas feridas e tudo mais. Eles deixaram bem claro que eu não deveria me chamar de “Antigo Major” como um oficial aposentado apropriado, disseram que seria uma ofensa criminal.

— Não se preocupe com isso Vichear. — Gerel disse, seus olhos ainda fechados. — Você é a escolha certa para isso. Eu vou estar apto a lutar em no máximo 24 horas. Até lá, recuem, enrolem e segurem as pontes pelo máximo de tempo que conseguirem, mas não tenham medo de destruí-las. Yuzhen vai chegar aqui até lá e nós vamos ter um ótimo tempo varrendo os Corrompidos. Fácil como virar sua mão.

Tongzu mal conseguia acreditar na confiança de Gerel. 24 horas? Ele era louco? A menos que esse médico fosse outro Médico Celestial ou Gerel fosse outro Selvagem Imortal como Rain, isso era impossível. Era os olhos âmbar que alguns dos Bekhai compartilhavam? Isso os oferecia poderes de cura? E se tivesse algo a ver com a linhagem deles ou o exílio auto imposto nas Montanhas da Tribulação do Santo? Tantas perguntas e nenhuma resposta a ser encontrada, ele anotou tudo em sua mente para referência futura. Não que isso importasse, caso Sanshu aguente a tempestade vindoura, ele teria um débito tremendo de gratidão com os Bekhai por todos os esforços deles. Yo Ling de lado, se eles conseguissem matar a maioria dos Demônios e experts entre os Algozes, então seria muito mais fácil para seus soldados lutarem contra os Corrompidos. Não importa o quão poderoso o Espectro fosse, um homem não poderia tomar e segurar uma cidade por si só.

— Com a licença docê Magistrado, mas eu trago notícias que todos cês vão querer ouvir. — A sotaque encantador de Sovanna soou em sua mente enquanto ele recebia o Envio dela.

— Relate.

— Os Algozes começaram o ataque deles. Todas as cinco pontes estão sob ataque pesado, mas sem sinal de Demônios ainda. Meus homi vão segurar o máximo que puderem, mas está ficando pior. Portão do Rio Oriental foi aberto e uma frota de barcos e jangadas estão remando para cá, uns cinco mil homi. Eu não tenho ninguém em posição para impedi-los a tempo. Malditos espertos abriram uma comporta para criar uma corrente, empurrando eles para a gente. Não vai demorar até eles chegarem para acertar meus homi dos dois lados. Não posso dizer que eu gosto muito disso.

Recebendo as notícias com calma majestosa, Tongzu suavizou seus robes, seu coração pesado e resignado. Parecia que o destino estava conspirando contra Sanshu, os Corrompidos tão bem escondidos entre seus soldados que eles iam e vinham como queriam. Apesar dele saber que cada segundo contava, ele desperdiçou instantes preciosos se acalmando antes de repetir o relatório de Sovanna para todos, tendo que aceitar a realidade dura. Com uma frota de navios e jangadas, destruir as pontes era algo inútil. Sanshu estava condenada.

Que a Mãe tenha misericórdia de todos nós.

— Segure por quanto tempo puderem. Eu vou chegar em breve para ajudar. Que a Mãe cuide de você, Sovanna.

O Envio do Magistrado foi curto, sucinto e não fez nada para assegurar ela. Respirando profundamente, Sovanna levantou sua maça e gritou, — Melhor parecerem animados meus homi, o Magistrado tá vindo e eu tô a fim de uma pescaria. — Sua piada foi grandemente perdida no barulho da batalha, mas isso não a impediu de repetí-la enquanto ela descia até as linhas. A área diante dela estava rapidamente se transformando em um poço afunilado enquanto os Algozes mostravam o motivo deles terem esse nome, talhando a linha defensiva dela em um esforço frenético para alcançar a ponte atrás dela. Marchando sobre os cadáveres de seus companheiros, os Corrompidos avançavam em ondas, rotacionando os guerreiros deles enquanto não davam seus homi tempo para respirar.

Balançando sua maça sempre que um alvo se apresentava, ela se perguntava ociosamente o motivo de Yo Ling estar tão determinado a quebrar as linhas dela dessa maneira. Se ele se incomodasse em esperar alguns minutos a mais pelos navios chegarem, então ele tomaria facilmente a ponte com menos casualidades, capaz de transportar seus Algozes para onde ele quisesse.

Tanto faz. Sovanna não tinha nenhum treinamento em táticas de guerra, então talvez havia alguma nuância que ela não entendia. Talvez Yo Ling estava sangrando as tropas dele, ou depois de dias parados, os Corrompidos famosos sedentos de sangue tomaram conta. Não importava, seus homi eram durões, mas eles não eram páreos para os ataques sem fim dos Corrompidos. Com cada colisão de corpos, seus homi quebravam pouco a pouco e, em minutos, sua linha quebraria enquanto seus homi fugiriam, os Corrompidos segurando a ponte a fim de se consolidarem.

Se virando para se juntar ao êxodo de seus guardas, Sovanna lacrimejava quando avistou os barcos chegando bem a tempo para selar a rota de fuga deles. Empurrando seu caminho até o fronte, ela elevou sua voz, facilmente ouvida entre os seus homi em silêncio. — Em formação seu bando de imprestáveis, eu nun vou cair sem uma briga. Nós vamos mostrar a esses Algozes do que os guardas de Sanshu são feitos. — Pelo menos ela iria morrer como a Capitã da Guarda de Sanshu.

Era algo para se orgulhar.

Estudando a nova ameaça, ela fez careta com a aparência esfarrapada deles. Os Algozes atrás dela, eles eram os elites ela supôs, armados como um exército de verdade. Esses novos Algozes estavam bem longe. Poucos vestiam armadura, apesar de nada mais que um peitoral. A maioria vestia couro ruim ou trapos sujos, com ninguém vestido igual. Ainda um grupo de aparência temível, e morto era morto, então, no fim, o que isso importava?

Desembarcando de seus barcos, eles marcharam em direção à linha dela em uma ralé desorganizada, do jeitinho que ela imaginava que bandidos se comportavam. Se preparando para lutar, suas pernas tremiam quando o bandido líder rugiu, sua voz crescendo enquanto ela ecoava das muralhas para todos ouvirem. — Abram caminho! — Seu cabelo branco selvagem e barba rala o fazia parecer um mendigo, mas seu machado de batalha foi reconhecido instantaneamente por todos que viviam na região, seu nome usado por décadas para assustar crianças choronas para ficarem em silêncio. Canalizando Energias Celestiais o bastante ao ponto de até Sovanna conseguir, Gao Qiu rugiu mais uma vez. — Se movam para o lado ou vão ser movidos sua escória imprestável! Os Corsários dos Ossos Cruzados estão aqui para caçar os Algozes!

Mais por desespero do que por lógica, Sovanna empurrou seus homi para o lado, pressionando eles contra as paredes da mansão enquanto um exército de Corsários dando vivas corriam. — YO LING! Seu cachorro maldito, venha e encontre seu destino. O Demônio Vermelho de Sanshu veio aqui para tomar sua cabeça!

A onda de bandidos logo acabou e Sovanna encarou suas costas em incredulidade. Olhando para seus soldados, ela viu seu espanto espelhado nos olhos deles. Dando de ombros, ela reuniu seus homi antes de se recompor para criar outro Envio. — Éee, Magistrado. Boas notícias dessa vez. Eu acho.

 

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!