DS – Capítulo 279

Dando rédea solta para sua montaria, Dastan gargalhou alto enquanto o vento passava pelo seu cabelo, saboreando a sensação quase esquecida de velocidade pura e livre. Apesar de roosequins oferecerem mais versatilidade e leões ou ursos de batalha podem parecer mais majestosos e inspirador na mente de Dastan, nenhum deles podia se comparar com a força de uma cavalaria avançando. Os cascos trovejantes um presságio para a aproximação do fim enquanto lanças com pontas de aço reluzentes iam em direção ao inimigo com a promessa de morte para qualquer um que estivessem em seu caminho. Em mundo de elites e peritos, um cavalo e uma lança era o grande compensador para o homem comum. Nem mesmo o maior dos guerreiros ousaria encarar de frente uma investida para que não fosse lançado voando por duas toneladas de carne de cavalo e soldado. 

Desde que o Chefe não conseguiria roosequins o bastante para toda sua comitiva, citando o processo longo necessário para treiná-los, isso significava que sua comitiva necessitaria outros métodos para viajar. Deixando os roosequins disponíveis para seus arqueiros e escoltas, ele decidiu na escolha óbvia de usar cavalos como o modo de transporte deles. Não sabendo nada sobre eles, o Chefe pediu para Dastan lidar com os detalhes que então foi pedir ajuda para sua irmã mais nova Dahlia, uma mulher cujo amor por cavalos era quase obsessivo, quase tanto quanto o Chefe amava seus roosequins. Depois de relatar as necessidades deles, Dahlia respondeu com um relatório detalhado descrevendo várias combinações apropriadas junto com estimativas detalhadas sobre custos e manutenção. Mal piscando com os custos substanciais, o Chefe decidiu escolher a melhor recomendação de Dahlia e meses depois, os cavalos estavam finalmente treinados e prontos. 

Intoxicado com visões de esmagar seus inimigos, Dastan desacelerou sua montaria até um galope, então um trote até finalmente andar um circuito completo da pista antes de desmontar da besta cansada, terminado com sua corrida solitária por diversão. Com altura média de dois metros de altura nos ombros, esses Guonei de Batalha eram criados para ter poder e treinados para guerra, apesar de não serem tão rápidos e ter menos estamina que Acasian Trotadores. Eles compensam suas falhas com pura resiliência teimosa, dispostos a andar por um exército de milhares até as Garras do Pai contanto que fossem guiados por um soldado capaz. Pondo sua mão na carne musculosa, Dastan afagou o pescoço da besta com orgulho, agradado com as sugestões e treinamento de sua irmã mais nova. Acasian Trotadores para viagem e Guoneis de Batalha para combate, uma combinação perfeita, mesmo que cara, sendo importadas ambas as raças da Província Central. Qualquer um com olho para cavalo ficaria apropriadamente impressionado e mesmo aqueles sem ficariam intimidados quando o Chefe enchesse sua comitiva com soldados recrutados, uma mostra inspiradora de poder e riqueza dignos do Filho Escolhido da Mãe. 

Dastan mal podia esperar para ir para o campo de batalha nas planícies com essa criatura, mas além de viajar para lutar com Corrompidos no norte da Ponte, havia pouca chance de ver combate montado. A escassez de terreno aberto e nivelado significava que cavalos eram delegados a ser um método de viagem do que uma vantagem esmagadora na batalha. Encontrar espaço o bastante para esse cavalo de guerra durão era um desafio em si, forçando Dastan a depender das conexões do Chefe para conseguir esse pedaço de estrada abandonada para exercitar seu cavalo com quase ninguém por perto. Aqui no Norte, os Corrompidos lutavam com espada e escudo em cima de suas ameias ou dentro de florestas densas. Se a Coalizão não tivesse ficado do lado de Yo Ling ou se Dastan tivesse sido esperto o bastante para recusar suas ordens e vir a limpo com a Marechal Yuzhen, as ruas de Sanshu teriam sido perfeitas para uma investida de cavalaria. Ele imaginava que teria sido glorioso, atirar setas nos flancos do Inimigo para amaciá-los antes de levantar suas lanças para uma investida, esmagando os Algozes Corrompidos sob a prensa imparável de aço e cascos. 

Não importa. Falling Rain era um Herói do Império, ou perto disso, e um homem como ele fazia inimigos meramente por existir. Mas já, uma facção misteriosa fez um atentado contra a vida dele e sem sombra de dúvidas mais estariam por vir. Essa era a vida, mas quando eles descobrissem quem eram os responsáveis, Dastan esperava liderar a investida contra os inimigos deles pretendendo plantar o estandarte do Chefe por todas as ruínas que restarem do domínio deles para mostrar o que esperava todos que cruzassem o caminho do Filho Escolhido da Mãe. 

Agora se apenas o Chefe o trocasse por um brasão mais apropriado como um desenho estilizado de suas Armas Espirituais ou um sinal idiomático como “Inigualável sob os Céus”. 

Até Falling Rain acharia difícil inspirar medo ou reverência usando o perfil lateral de um coelho usando arco. 

— Dastan jovi, o homem que eu estava procurando. — Quase deslizando no chão com cada passo, Vichear se movia com uma facilidade que contrastava com seu físico massivo e musculoso. Um dos instrutores escolhido a dedo pelo Chefe, o ex-Major meio-urso era do tipo afável, mas ele nunca se referiu a Dastan de forma tão familiar antes, reservando o “jovi” para o Chefe e alguns poucos de seus compatriotas. O que ele queria? Sentindo a apreensão de Dastan, o homem grande deu um sorriso tímido antes de Enviar, — Eu ouvi que você é o homem da vez para se falar sobre a formação de um Palácio Natal.

— Eu sinto que não posso te ajudar. — Dastan respondeu automaticamente, sua mente correndo enquanto ele dava seu melhor para parecer natural. Enquanto Vichear não era um dos Khishigs top de linha de Akanai, ele era a pessoa perfeita para se enviar se ela quisesse buscar o vazamento na comitiva de Rain. Apesar dele pretender só disseminar o método com aqueles que ele achava que eram mais confiáveis, os ex-membros Jurados de sua Comitiva, Dastan logo aprendeu que seu método não era, de fato, perfeito na formação de um Palácio Natal. Depois do primeiro dia, apenas Sahb teve sucesso na formação de um Palácio Natal enquanto todos os outros falharam por razões ainda desconhecidas. Desencorajado por sua falha e com fome de mais sucessos, Dastan gastou uma noite longe e sem dormir debatendo as vantagens e desvantagens até finalmente passar o método para frente para os líderes dos esquadrões. Se nenhum deles obtivesse sucesso, então ele pretendia disseminar a informação para o restante da comitiva, mas quem diria, dessa vez os resultados foram chamativos demais. Das sete pessoas, duas formaram seus Palácios Natais, Ulfsaar e Wang Bao. E para piorar, Ulfsaar ignorou os avisos de Dastan e contou para sua esposa Neera sobre o método e ela estava prestes a formar um Palácio Natal.

Com quatro membros da comitiva de Rain formando seus Palácios Natais em uma única decana, não é surpresa que outros peritos finalmente notaram. O maior problema era o próprio Chefe, reportando seus sucessos com alegria para Akanai sem uma preocupação no mundo. Por que ele não o faria? Depois de tudo, ele provavelmente não lembrava do que ele havia dito sem querer quando estava bêbado, verdadeiramente acreditando que o grupo de bandidos dele estavam realmente alcançando o potencial deles. 

— O Chefe pediu para você ajudar ele. — De algum modo escondido pelo torso gigante de Vichear, o menor, mas ainda impressionante meio-urso Ulfsaar pegou Dastan de surpresa. Olhando de trás de seu provável meio-irmão, o antigo bandido deu de ombros em comiseração antes de Enviar, — Você devia ter para o Filho Escolhido antes de espalhar os segredos Bekhai. Nosso líder estimado genuinamente espera que você irá ajudar o Vichear.

Uma virada de eventos preocupante. Um homem devoto e fiel, Ulfsaar não mentiria para machucar o Chefe o que deixou Dastan sem saber como proceder. Ele não podia mentir para ajudar Vichear já que ele só sabia de um único método de formação de um Palácio Natal. Tais segredos eram bem guardados e se a verdade se espalhasse, então Dastan temia que Falling Rain seria punido severamente. Criança de ouro dos Bekhai ou não, Akanai não ia poupá-lo da vara e mimar a criança. No pior dos casos, a comitiva inteira do Chefe poderia ser forçada a fazer o juramento de Escravidão, algo que Dastan queria de coração evitar. 

Vendo a hesitação de Dastan, os olhos de Vichear se encheram de pesar e arrependimento. — Ah, eu sabia que as coisas não poderiam ser tão simples.

Explodindo em ação, Vichear bateu com as costas de sua mão no rosto de Ulfsaar, mandando o antigo chefe bandido voando pelo ar parado e inconsciente. O estômago de Dastan explodiu com dor enquanto ele assistia as nuvens passarem, seu cérebro alcançou a realidade e o informou que ele levou um chute na barriga. 

Como um homem tão grande quanto Vichear podia se mover com tal velocidade e graça? Desafiava a lógica. 

O mundo misericordiosamente ficou escuro por um instante, mas Dastan acordou rápido de mais, arfando por ar enquanto jazia deitado nas pedras geladas com uma espada em sua garganta e uma bota em seu peito. A voz calma e dura de Vichear ecoou em sua mente enquanto o meio-urso Enviava. — Eu quero a verdade agora. Isso é algo que os seus mestres Corrompidos te ensinaram? É por isso que você não pode compartilhar? Seja sincero e eu prometo te dar uma morte limpa e indolor, mais do que imundice Corrompida como você merece. 

— Não. — Dastan falou agonizadamente, tentando focar seus pensamentos. — Não Corrompido.

— Seus lábios se movem, mas tudo que eu ouço são mentiras. — Vichear Enviou, seu olhos normalmente gentis agora cheios com fúria contida por pouco. —Rain jovi é um moleque gentil, mas ingênuo. Ele ainda não aprendeu que há algumas almas tão sombrias que nun vale a pena salvar. Eu não vou aceitar você tirando vantagem da natureza boa dele para espalhar seus segredos Corrompidos.

— Sem… segredos Corrompidos. — Cada palavra fazia os pulmões arderem conforme a bota de Vichear apertava mais e mais eu peito. — Segredo Bekhai… causar problema. Enviar… preciso tocar pele. Por favor.

Atrás dos olhos assassinos de Vichear, esperança lutava contra pragmatismo e Dastan entendeu sua relutância em abrir sua mente para uma ameaça Corrompida, especialmente levando em conta que Ulfsaar ainda estava vivo. Ou pelo menos, ele esperava que Ulfsaar estivesse vivo, o homem era quieto e bem comportado, mas uma força a se reconhecer junto com seu esquadrão de “crianças” meio-bestas adotadas. Depois de uma eternidade, Vichear resmungou algo ininteligível baixinho antes de se ajoelhar pesadamente no peito de Dastan, fazendo seus ossos estalarem em protesto. — Tente algo idiota — Vichear avisou enquanto estendia uma mão. — e você vai viver por tempo o bastante para se arrepender. 

Nunca nos sonhos de Dastan ele teria imaginado que esse guerreiro corpulento e alegre poderia ser tão intimidante. 

Depois de explicar o que o Chefe disse sem querer quando estava bêbado e o que aconteceu depois, Vichear ainda não estava totalmente convencido. — Você disse que esse lance de Alma Natal é um segredo Bekhai, mas Rain jovi me olhou nos olhos e me disse outra coisa. Ele disse que não há segredo Bekhai e ele nunca contou uma mentira direito na vida, então eu acredito nele. — Lábios franzidos em pensamento, ele finalmente aliviou o peso no peito de Dastan e se levantou, apesar de sua espada ainda estar pronta. — Vá e cheque Ulfsaar. — Ele Enviou, gesticulando para o corpo caído do gigante. — Acertei ele mais forte do que eu precisava, pensei que ele era mais durão. Hmph, bandidos alcançando o potencial total deles, lixo é o que eles são. Se eles tivessem potencial, seriam soldados apropriados e bons.

Uma checagem costumeira mostrou que Ulfsaar ainda respirava, mas vai desejar o contrário quando ele acordar com uma dor de cabeça lancinante. Com um crânio rachado ou quebrado, o homem grande iria precisar de um Médico para olhar ele. Sem nada melhor para fazer, Dastan timidamente tocou suas costelas feridas e se encolheu de dor. Uma coisa boa que Vichear queria falar com ele, caso contrário ele teria morrido com um só golpe, seu estômago empurrado para dentro quase sem esforço. Apesar de pegar eles desprevenidos, para Vichear subjugar ambos Dastan e Ulfsaar em um único movimento fluido era de fato aterrorizante. Mesmo depois de lutar por meses com o homem e ouvir histórias de seus esforços em Sanshu, Dastan subestimou o ex-Major amigável severamente, subestimando este “mero” elite. 

— Essa Alma Natal — Vichear Enviou, quebrando o silêncio prolongado. — Você diz que a ideia veio de algo que Rain disse sem querer. O que ele disse exatamente?

Se levantando para pegar na mão de Vichear, Dastan respondeu, — Suas palavras exatas foram “é fácil dividir o foco com duas mentes”. Então ele disse que era um segredo. 

— … ele disse que era um segredo Bekhai?

— O que você quer dizer?

Estando acima da forma curvada de Dastan, Vichear tirou um momento antes de responder. — Havia esse mendigo em Feng Huang que era meio ruim da cachola. Todo dia, ele virava uma pessoa diferente reclamando em uma voz diferente, na maior parte eram coisas inofensivas sobre como a água tinha gosto estranho ou as nuvens olharam para ele engraçado, mas era mais do que isso. Sua postura, sotaque, maneirismos, até o olhar em seus olhos mudavam, te faziam acreditar que você estava falando com uma alma diferente no mesmo corpo. Só os seus trapos permaneciam os mesmos, caso contrário você teria pensado que eram dúzias de irmãos insanos reclamando nas ruas. — Dando de ombros impotente, Vichear continuou, — Vendo Rain ir de um menino doce e sorridente para um assassino sanguinolento sempre me fazia pensar naquele mendigo louco. E se esse lance de duas mentes não for um segredo dos Bekhai, mas um segredo de Rain? Isso explicaria muita coisa. 

— … mas a Alma Natal funciona. — Dastan Enviou, incapaz de refutar. — Ela mantém o Palácio Natal existindo, me libertando para focar em outras coisas.

— Você já a deixou tomar o controle ou passou por uma transformação como a do Rain?

Não, mas Dastan não queria admitir isso. — Minha Alma Natal é pura e inocente, tudo que ela faz é se divertir. Ela conjura comida ou jogos para brincar, feliz em dormir e brincar até se cansar. Ulfsaar chama isso de uma “alma primal”, mais em sincronia com as necessidades e desejos básicos. 

— Isso parece para mim — Vichear Enviou, suas palavras lentas e cuidadosas, — que sobrevivência se encaixa nessa categoria. Talvez o menino mude para lutar e sobreviver. Não seria o primeiro a se esconder em sua cabeça e não vai ser o último, ele só tem outra pessoa para tomar conta das coisas para ele. — Dando de ombros, ele adicionou, — Além disso, sua Alma Natal foi recém formada e pela sua própria descrição, é minúscula e fraca. Rain tem a dele por anos agora e se o que ele falou quando estava bêbado pode ser acreditado. Talvez precise de tempo para ela crescer?

Não… a Alma Natal de Dastan parecia tão pura e inocente, como ela poderia estar armando algo para tomar sua vida? — O que aconteceu com o velho mendigo? — Dastan perguntou, temendo a resposta. 

Soltando a mão de Dastan, Vichear começou a ir embora. Pelo que parecia uma eternidade, ele pensou que o ex-Major não responderia até que ele finalmente Enviou, — Uma noite, o velho maluco decidiu que uma jovem estava roubando as emoções dele e concluiu que ele tinha que abrir a cabeça dela para pegar elas de volta. Foi para a forca gritando que era inocente, alternando entre reclamar sobre como o outro eu dele cometeu o crime e como a mulher merecia a morte por roubar as emoções dele. 

Bom… Isso não inspirava muita confiança. Quietamente apagando seu plano de criar dúzias de Almas Natais dentro de si, Dastan gritou, — E o que você vai fazer?

Parando no meio do caminho, Vichear se virou e deu de ombros antes de Enviar, — Eu vou formar meu Palácio Natal. Não se preocupe, eu vou manter o segredo do Rain jovi. Meu palpite é que a família dele já sabe, é difícil esconder algo como isso das pessoa que você ama. Se alguém perguntar, você bolou a ideia por conta própria, entendeu? 

— Espera, só isso? Você não está preocupado?

Outro dar de ombros seguido por um Envio. — Por que isso importa? Se preocupar não vai ajudar, ou algo acontece ou não. O mendigo viveu por décadas até ele finalmente pirar e até que era funcional na maioria deles de acordo com os relatos. Nun é garantido que Rain jovi ou o resto de nós vai acabar do mesmo jeito, só mais uma coisa para vigiar. Além disso, vale muito a pena o risco se eu puder me tornar um perito, certeza. — Parecendo animado e despreocupado, Vichear foi embora cantarolando alegremente, esperando se juntar em breve ao Rol de Peritos do Império. 

Estupefato e confuso, Dastan se sentou no chão e alcançou Equilíbrio. Entrando seu Palácio Natal, ele encontrou sua Alma Natal reclinada em um divã luxuoso e comendo todo tipo de luxúrias exóticas com alegria antes de voar para puxar o bigode de Dastan. “Bem-vindo de volta”, ele parecia dizer, suas emoções transmitidas mentalmente para Dastan. Conjurando um machadinho, ele o balançou em uma imitação adorável da prática de Dastan, ansioso para ter alguém para brincar. 

Essa Alma Natal era uma extensão da vontade de Dastan ou era sua própria pessoa? Era tão pequenina, pouco maior que a palma de Dastan e incapaz de falar, mas aprendia rápido. Quando ela foi formada pela primeira vez, tudo que ela fazia era andar sem rumo pelo Palácio, mas logo ela começou a criar todo tipo de coisas do mundo real, de camas a luxúrias a cursos de obstáculos até campos de treinamento, todos do tamanho perfeito para seu corpo deformado. Era difícil de imaginar que essa criatura indulgente e alegre tomando a vida de Dastan ou até se tornar algo selvagem e sedento por sangue como a persona do Chefe. 

Espera…

E se o Rain “real” foi substituído e o Rain que eles conheciam e amavam era a Alma Natal, com seu eu original saindo em tempos de batalha? E se, no processo de se tornar Maculado ou algo Corrompido, o Rain real se retraiu dentro de si e a Alma Natal tomou conta?

… 

A cabeça de Dastan estava girando considerando os “e se” repetidamente até que ele jogou seus braços para o alto em desistência. Agonizar sobre detalhes não importantes era idiotice. Abrindo seus olhos, Dastan colocou Ulfsaar no Guonei, ignorando a dor das suas costelas recém curadas. Essa Panaceia era algo maravilhoso, era um segredinho pouco conhecido que também foi descoberto pelo Chefe. Se Rain conseguiu bolar uma técnica milagrosa, então por que não uma segunda? Era só isso, uma descoberta nova, e todos esses medos infundados era só Dastan transformando montinhos de toupeira em montanhas. 

O que importava era: Falling Rain era um bom homem e Dastan o seguiria até as Garras do Pai se preciso fosse. Não, não meramente seguir, Dastan lideraria a investida, massacrando todos que estavam em seu caminho.

 

Porque Dastan tinha fé que o Filho Escolhido da Mãe não o guiaria para o erro. 


Arte do martelo do Pran

 

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!