DS – Capítulo 318

De pé na antesala, Yuzhen fechou seus olhos e desejou que suas têmporas parassem de doer, mas era inútil. Se forçando a respirar profunda e lentamente, ela resistiu a vontade de lamber seus lábios ou mexer em suas roupas, dois tiques nervosos que ela ainda não se livrou totalmente. “Complacência é a maior falha que um diplomata pode ter, porque quando um diplomata parar de melhorar, eles começam a decair”. Palavras sábias de seu pai, Shing DuYi, um homem grande cujos passos ela mal conseguia seguir. Fosse ele no lugar dela, ele saberia exatamente o que fazer e como fazer. Não, ela se corrigiu, se seu pai estivesse aqui, então nada disso teria acontecido para começo de conversa.

Ela foi uma tola por deixar Rain sem educação e uma tola maior ainda por deixá-lo sem supervisão. Apesar dela ter outros assuntos para resolver como atrair possíveis aliados, agindo como uma intermediária entre inimigos antigos e criticar seus novos colaboradores entusiasmados Yo Shi Wu e Ru Minsu, não era desculpa para deixar Rain sozinho. Uma vez um erro, duas vezes um padrão e três vezes um hábito, o menino era uma fonte sem fim de estresse e ansiedade. Seus modos eram inexistentes e ele tinha a propensão de encontrar problemas, mas já que ele sempre conseguia manter sua reputação mesmo com todo o problema que ele se metia e suas palhaçadas a divertiam, ela ignorou tolamente seus comportamentos problemáticos.

E agora eles pagavam o preço do erro dela.

— Puxe mais forte a sua trança e você vai ficar mais careca do que eu. — O Envio de Gerel pegou ela desprevenida e Yuzhen o encarou enquanto soltava sua pegada firme em seu cabelo. — Eu ainda vou te amar, careca ou não, mas se eu tiver opção, prefiro a segunda. 

Se disciplinando a ficar séria, parada, ela Enviou, — Isso significa que eu também posso ter opinião quanto ao seu corte de cabelo? Ou melhor, a falta dele? — Verdadeiramente, ela amava sua cabeça macia e careca, mas ele pareceria muito mais “apropriado” se ele usasse uma trança, onde a frente e os lados permaneciam raspados enquanto a parte de trás ficava longa e trançada. Apesar de não estar mais na moda, um homem com uma trança parecia heróico em armadura militar completa, um estilo que ela sentia que ficaria ótimo no seu futuro marido e amante. Apesar dela amá-lo muito como ele é, ela era uma política primeiro e seria esperado que seu marido tivesse boa aparência. Por mais que ela amasse sua aparência rústica e tribal, ela não podia trazer um guerreiro vestido em couro rústico em um jantar formal com dignitários. Um soldado quieto e estóico entretanto, isso aí era um homem que ela podia mostrar por aí, jogando insinuações sobre o quanto ele a amava e até que ponto ele iria, e por extensão, os Bekhai iriam se ela se ferisse…

— Fale, e este aqui obedecerá. — Gerel respondeu, seu Envio cheio de calidez e bom humor. Era uma das muitas razões dela amar ele, tão solidário em relação sua carreira, mas ainda confortável com sua independência. Ele estava lá para ajudar se ela precisasse, mas não fazia pirraça ou fazia beicinho quando ela não precisava. Contendo suas bençãos, Yuzhen queria tanto pegar a mão dele ou talvez ir um pouco além, mas com Nian Zu, Baatar, Akanai e Tokta esperando ao lado deles, isso seria inapropriado.

Especialmente quando se considerava a situação atual deles.

Era quase inevitável. Aqui estavam eles, os oficiais de maior patente de cada ramo na Província Norte, invocados diante do Embaixador como crianças que se comportaram mal na escola para responder pela última palhaçada de Falling Rain. Ela quase caiu de raiva quando ela ouviu sobre seu encontro com o Grupo Comercial Canston, mas antes que ela pudesse conseguir uma audiência com o Embaixador, ele já se encontrou com Rain e o exilou da cidade. Não era o pior resultado possível e o Embaixador parecia adorar o jovem herói, então ela se convenceu de que Rain não poderia possivelmente se meter em mais problemas enquanto nadava nas praias da Baía de Nan Ping.

Obviamente, ela errou feio em fazer isso. De novo.

Não é que ela não simpatizava com a situação de Rain. Alguém tentou matar ele e chegou bem perto de conseguir, mas em vez dele confiar nas pessoas esperando nesta antesala para resolver as coisas, Rain foi de cabeça no problema do seu jeito idiota e teimoso. Enquanto ela não tinha provas de que ele era responsável por isso, rumores de jogo sujo por trás do ataque de tubarão se espalharam como fogo em questão de horas depois do ataque e não importa o quanto ela buscasse, Yuzhen não encontrava outros suspeitos.

O que significava que provavelmente o Embaixador também não encontrou.

Com “evidência” de lutas internas entre a classe dominante, os cidadãos de Nan Ping se puseram em um estado de quase pânico, exigindo que algo fosse feito quanto a nobreza corrupta e egoísta. Para mostrar solidariedade com o representante deles Falling Rain, as pessoas começaram a expor os crimes dos seus empregadores e os processaram em corte da opinião pública. Em tempos menos voláteis, Yuzhen teria pulado de alegria e recrutado com alegria todo tipo de servos desapontados ou guardas pouco apreciados para ser os olhos e ouvidos dela, mas com o Império prestes a entrar numa guerra total contra os Corrompidos, uma insurreição civil era a última coisa que eles precisavam. Por que eles se aliaram com a causa de Rain, Yuzhen só poderia imaginar, mas seu nome era a raiz de todos os relatórios dela. De exigir justiça pela tentativa de assassinato até clamar que Rain iria pessoalmente salvar o Império se apenas os nobres “corruptos” parassem de se meter no caminho dele, discórdia e ansiedade corriam soltos por Nan Ping, tudo porque tentaram matar um jovem herói do Norte.

Nada disso ajudava Rain, já que todo esse pânico só servia para aliar os Bekhai de seus possíveis aliados que Yuzhen estava atraindo. Até as famílias Yo e Ru estavam ocupadas demais apagando seus fogos em suas próprias casas para investigar quem realizou o ataque contra Rain. Enquanto isso, as pessoas de Yuzhen estavam ocupadas documentando cada pedaço de informação que conseguissem, mas com tantos rumores correndo a solta, era impossível verificar a verdade em um tempo curto. Para piorar, as pessoas estavam se focando nas coisas erradas, dando notícias de rancores pessoais e escândalos mesquinhos em vez de crimes importantes, de tremer o mundo como esconder bens ou exércitos privados, coisas que ela poderia usar contra seus inimigos. Apesar dela simpatizar com a situação dos plebeus, contar o mundo que esse nobre estuprou uma empregada ou que um soldado assassinou um fazendeiro só reforçava o que todo mundo já sabia: o forte próspera enquanto o fraco aguenta.

Yuzhen não queria que fosse assim. Enquanto plebeus ficariam a mercê dos Corrompidos sem Guerreiros Marciais para defendê-los, o inverso também era verdade. Seu pai, um homem que mal conseguia canalizar a Energia dos Céus nos seus melhores dias, sempre dizia que um exército vivia e morria pela sua barriga. Um exército bem alimentado e bem liderado iria marchar até as Garras do próprio Pai. Sem fazendeiros, os soldados não teriam oportunidade para se levantar e se tornarem Guerreiros Marciais porque eles estariam ocupados demais morrendo de fome. Havia uma multidão de outros exemplos que ela conseguia pensar, mas poucos guerreiros se importavam o bastante para ouvir. A maioria acreditava ser superior ao homem comum e agia de acordo com essas crenças, o que levou a tirania e maus tratos generalizada. Por mais que Yuzhen gostaria de mudar as coisas, pedir para Guerreiros Marciais ficarem contra seus iguais por causa de plebeus era como pedir lobos para lutar contra leões por causa de coelhos.

Depois de manter eles esperando por mais de uma hora, o Embaixador finalmente se dignou a encontrá-los. Entrando logo após a introdução do Pregoeiro, Yuzhen encarou a sala do trono vazia enquanto ela ia em direção ao Embaixador, se perguntando se a falta de audiência era bom para eles. Quando todas as formalidades foram observadas, Yuzhen ficou entre Akanai e Nian Zu, esperando enquanto o Embaixador permanecia sentado e tamborilava no braço de seu trono metálico dourado. Depois de um olhar longo, de busca profundo, o Embaixador falou, sua voz áspera e usada em excesso. — Dispensem as formalidades e falem a verdade. Vocês ou algum dos seus agentes responsável por essa agitação recente?

Todos negaram exceto Akanai e Baatar, que se olharam antes de responder em sincronia, — Não até onde eu sei. — Era uma resposta honesta, mas Yuzhen queria que os Bekhai fossem menos sinceros e tivessem um pouco mais de tato. Se eles não tivessem deixado implícito que esse fiasco todo foi trabalho de Rain, o Embaixador poderia ter ignorado essa possibilidade.

Como esperado, o Embaixador tomou um momento para considerar essa nova informação com um franzido desagradado. — Um jovem herói pode ser perdoado de muitas coisas, — Ele disse, parecendo cansado e sobrecarregado, — mas Falling Rain testa minha paciência como ninguém. Eu queria que ele estivesse aqui para que nós pudessemos mostrá-lo a seriedade da nossa situação, mas meus guardas voltaram de mãos vazias. Querem adivinhar o motivo?

 Ah não. Rain recusou o convite do Embaixador? Ou pior, se rebelou? Não, isso não era do feitio dele, ele não arriscaria suas pessoas em uma guerra sem falar com eles primeiro. Ao passo que ele podia ser beligerante e argumentativo, ele não era um rebelde completo, exceto aquela pequena explosão na casa mercantil. Enquanto seus motivos ainda eram um mistério, Gerel garantiu que as ações de Rain não foram sem motivo e não se repetiriam, mas ele se recusou a falar o motivo. Verdade seja dita, Rain era um pouco condescendente demais, aceitando a palavra de outros em vez de usar seu próprio julgamento para ler a atmosfera, como quando a Picanço insistiu que ele oferecesse uma opinião.

Então por que ele não estava aqui? Olhando ao redor, ela percebeu que ela era a única assustada pela pergunta inócua do Embaixador. Com uma risada lamentosa, o Embaixador balançou sua cabeça em incredulidade alegre. — Enquanto nós conversamos, o menino está submerso na Baía de Nan Ping e Despertando para uma Bênção dos Céus. Dezenove anos de idade e um Perito do Império não era impressionante o bastante, agora ele Desperta nas águas na qual ele quase morreu em menos de vinte e quatro horas atrás. Verdadeiramente digno de admiração. Uma coisa boa que eu não agi de forma apressada e convoquei essa reunião mais cedo, caso contrário ele poderia ter perdido essa oportunidade feliz. 

Tonta de alívio, Yuzhen sorriu para o Embaixador e Enviou para Gerel, — Você sabia disso e me deixou sofrendo em ignorância! Por que? — Espera, o que o Embaixador disse? — Ele é um Perito? Como ele já formou um Palácio Natal?

— Desculpe meu amor, — Gerel Enviou, não soando nenhum pouco arrependido. — Ordens de Akanai. Eu sou proibido de falar das conquistas do menino. A Reitora Chefe não quer que ele fique presunçoso, então quanto menos gente souber, melhor. Isso vale o dobro para as circunstâncias atuais dele, não queremos que os inimigos do menino arruinem isso para ele ou pior.

Desagrada pela lembrança de como os Bekhai eram pessoas isoladas que a viam como uma forasteira, Yuzhen tomou nota de reclamar disso outra hora. Agora, ela precisava se focar no próximo movimento do Embaixador, que  foi gesticular para o senescal se aproximar e desenrolar um pergaminho para que eles lessem. — Quanto aos rumores sobre o ataque de tubarão de ontem, minhas pessoas não encontraram evidências de crime. Enquanto nós descobrimos restos humanos não digeridos nos estômagos dos tubarões, isso em si apenas não é o bastante para corroborar que alguém esteja por trás do ataque. É possível que o cardume encontrou um grupo de pescadores antes de atacar Falling Rain. Já que ninguém foi a frente para acusar um grupo pelo crime e nós não encontramos evidências de atividades suspeitas antes do incidente, eu pretendo deixar o ataque de tubarão como um ato da natureza e não um ataque deliberado contra a Tartaruga Divina e o atendente dela. — Levantando uma sobrancelha, o Embaixador encarou cada um deles antes de continuar. — A menos que aqueles aqui presentes tenham algo a adicionar?

Abafando um franzido, Yuzhen se curvou e respondeu por todos, rezando para que os outros segurassem suas línguas. — Nós aceitamos seu julgamento, Embaixador Imperial. — Sua “prova” era tudo bobagem obviamente, o Embaixador teria dado o mesmo veredito independente da evidência. Os cidadãos de Nan Ping estavam frenéticos por causa do ataque e declará-lo como um ato da natureza pode mitigar o ultraje deles, sem mencionar por um fim na humilhação pública das casas nobres. Suas pessoas reportaram de nobres mais sensíveis murmurando em seus copos, prontos para massacrar pessoas compartilhando fofocas e rumores ou queimar tavernas e casas de chá em um ataque de raiva, algo que o Embaixador só poderia responder com força. 

Nan Ping era um pote selado esperando para ferver a qualquer momento, mas o arquiteto de tudo isso estava completamente ignorante, flutuando pacificamente na baía e se aquecendo nas ministrações gentis da Mãe. Apesar de ser um Perito Despertado de dezenove anos com potencial sem limites, Yuzhen não estava totalmente certa se Rain valia a pena os problemas. 

Talvez Akanai poderia ser convencida a dar Rain para os inimigos deles. Então, eles poderiam ficar sentados assistindo enquanto eles ruiam tentando manter ele fora de problemas…

Depois de ver que os outros não tinham nada a adicionar, o Embaixador assentiu e os dispensou. — Bom. Já que Rain e a Guardiã Divina estão ambos ilesos, esse assunto acaba aqui. Mantenha ele fora de problemas, porque minha paciência e boa vontade não é sem fim. Dispensados.

Enquanto eles saiam da sala do trono, Yuzhen Enviou para Akanai, — Nós precisamos conversar.

— Então fale enquanto andamos criança. — Direta como sempre, a guerreira gélida gesticulou para Yuzhen segui-la e foi até os estábulos.

Sabendo que Akanai estava fazendo o mesmo, Yuzhen Enviou ordens para o cavalo dela ser preparado enquanto ela se apressava para acompanhar. — Você está infeliz com o veredito do Embaixador. — Ela Enviou, indo direto ao assunto sem enrolação.

— Basicamente, sim. — Apesar de direcionada para outro lugar, a fúria palpável de Akanai causou calafrios na espinha de Yuzhen. — Alguém tentou matar o menino ontem, eu não preciso de provas para ver isso. Mas não só o Embaixador se recusa a nos dar justiça, ele não nos oferece auxílio durante um tempo difícil quando o menino está mais vulnerável do que nunca, só palavras bonitas e elogios vazios.

Engolindo seu medo, Yuzhen prosseguiu. — Eu entendo sua raiva, mas se você considerar o assunto em uma perspectiva maior, você vai ver que ele não tinha outra escolha no assunto. Se Rain tivesse trago seus achados para o Embaixador em particular, então talvez justiça poderia ter sido servida, mas ele não o fez. Com cidadãos alarmados, se o Embaixador confirmar que o ataque foi planejado, então isso poderia ser a faísca que causaria uma revolta cujo fim só seria sangrento, um resultado que nós não podemos arcar no momento. Declarar o ataque de tubarão como um ato da natureza era o único jeito da situação acabar pacificamente e enviar guardas para vigiar Rain iria contra o veredito oficial.

— Hmph. Você acha que eu sou uma tola? Eu sei disso e concordo com a decisão do Embaixador, mas as ações dele me deixaram insatisfeita. — Encarando do canto de seu olho, Akanai desdenhou e continuou. — Pergunte isso a você mesma, criança: Por que você acha que o menino fez o que ele fez?

Merda. Yuzhen esperava evitar esse tópico. — Porque, — Ela Enviou, suspirando internamente, — Rain não confia no Embaixador.

— E com bom motivo. Os Imperiais só falam de estabilidade e solidariedade, de nos unirmos para encarar nossos inimigos, mas eles nos deixariam queimar se ajudasse nos objetivos deles.

Uma perspectiva sombria e fatalista, mas ao ouvir sobre o último encontro de Akanai com um Descendente Imperial e a Central em particular, Yuzhen não conseguia culpá-la. Como recompensa pelo seu serviço heróico, Akanai foi zombada publicamente por um representante Imperial, o que deu coragem o bastante aos nobres para caçá-la por esporte. Ainda esperando impedir Akanai de fazer uma decisão impensada, Yuzhen tentou uma abordagem diferente. — Sim, mas agora as circunstâncias mudaram. Eles precisam de nós, mas nós também precisamos deles, agora mais do que nunca. Se a Central cair, o Norte e o Sul vão logo atrás. O único jeito do Império sobreviver é trabalharmos juntos.

— Não faz sentido falar isso para mim, criança. Fale para o Embaixador. Ele não faz nada para nos ganhar, deixando pequeno Rain se defender sozinho e fazendo nada para dissuadir nossos possíveis assassinos. O que importa para ele se um jovem Bekhai talentoso morre cedo? O Império precisa de peritos capazes agora, não daqui a dez anos. — Pulando em seu quin esperando, o olhar penetrante de Akanai faz Yuzhen congelar no lugar, sua voz baixa, mas ainda determinada enquanto ela falava alto. — Quando eu era jovem, saí de casa para me juntar ao Exército Imperial, sonhando em encontrar honra e glória através da batalha. Eu servi meu tempo lutando contra bandidos, caçando Corrompidos, escoltando caravanas e guardando nobres, tudo isso enquanto assistia com inveja guerreiros menores ascenderem através dos patentes acima de mim. Por cinquenta anos eu lutei e sangrei pelo Império como uma soldada sem patente, meus esforços e conquistas ignorados por causa do meu gênero e herança e quando meu tempo de serviço terminou, eu parti sem patente nem recompensa, com nada para mostrar pelo meu sacrifício. 

Antecipando a resposta de Yuzhen com uma mão levantada, Akanai balançou sua cabeça e continuou. — Me deixe terminar. Ao chegar em casa, eu percebi o quão sortuda eu fui por escapar ilesa. Muitos que foram comigo ou que seguiram os meus passos voltaram para casa aleijados e quebrados, e eles foram os sortudos. Ainda desejando servir o Império, eu criei os Khishigs para proteger as Montanhas das Tribulações do Santo e dar nossas crianças um lugar para afiar as habilidades deles sem se sujeitar ao tratamento duro do Império. — Rindo, ela adicionou, — Depois de cinquenta anos de serviço, eu finalmente obti uma promoção, recebi a patente de Major só porque eu tinha cinco mil Guerreiros Marciais atrás de mim. 

— Por que você está me contando tudo isso? — Yuzhen perguntou, preocupada que ela já sabia a resposta.

Com um sorriso triste, Akanai suspirou e deu de ombros. — Para que você entenda o motivo que eu acredito que o Império será sempre dividido. União, harmonia, solidariedade, são todos sonhos que nunca virão, não inteiramente. Só olhe para a sua própria Sociedade e você vai saber que isso é verdade. Enquanto nós falamos, cada facção do Império está ocupada fazendo aliados e manobrando para conseguir posição, esperando salvar suas forças ao usar o outro durante a guerra vindoura. — Falando por cima de seu ombro enquanto ela se vira para partir, Akanai adicionou, — Nós iremos encarar os Corrompidos e emergir vitoriosos, disso eu não tenho dúvida. Minha única preocupação é me certificar de que o bastante das minhas pessoas sobreviva para ver isso acontecer.

Mente em branco com as implicações, Yuzhen ficou parada em choque e assistiu Akanai ir embora, incapaz de refutar os argumentos dela. Pior, Akanai tocou em outro assunto sem nunca mencioná-lo diretamente, mas era uma questão que mantinha Yuzhen acordada a noite. A Sociedade se uniria quando encaravam um forasteiro, mas eles voltariam a brigar logo depois que a ameaça fosse resolvida. O que aconteceria com o Império se não houvesse Corrompidos para ameaçá-lo?

— Ela gosta de você. — Gerel disse enquanto trazia o cavalo dela. 

— Ah claro que sim, eu consigo sentir. — Yuzhen respondeu, voz pingando sarcasmo.

— Não, eu falei sério. — Afagando sua bunda furtivamente enquanto fingia ajudá-la a subir no cavalo, Gerel sorriu ao ver a encarada dela. — Ela não falaria com você se não gostasse. — Trocando para Envio, ele adicionou, — Baatar me contou que ela odiava falar sobre seu tempo no exército. Foi mais difícil do que ela mostra. Verdade é, ela ama o Império mais do que a maioria, ou pelo menos os ideais por trás do Império. “Cada homem e mulher trabalhando em direção a um objetivo em comum, pela segurança e o bem estar de todos”. Quando ela descobriu que aqueles ideias eram apenas mentiras, ela voltou para casa e criou uma comunidade que se encaixava naqueles ideias, nossa pequena Imperadora das montanhas. 

Sorrindo com o quão orgulhoso ele pareceu, Yuzhen perguntou, — Você admira ela. Está tentando me deixar com ciúmes?

— Sim. Está funcionando? — Balançando suas sobrancelhas, ele parte atrás da sua “pequena Imperadora” e Enviou, — Venha, vamos checar o Rain. Não é com frequência que você vê alguém passar por um Despertar pela segunda vez. 

 

 

— Que?

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!