DS – Capítulo 59

— Áaaguiaaa! — Levantando meus braços para os lados, eu me agacho instavelmente nas costas de Zabu, balançando enquanto ele se move em um círculo lento e constante. Sua pequena cabeça peluda se vira para olhar para mim, se perguntando por que estou fazendo tanto barulho, enquanto os gêmeos e Mei Lin aplaudem meus esforços com palmas quietas e educadas.

Estabilizando a mim mesmo, me preparo para tentar de novo, temendo a eventual falha. Sempre acaba do mesmo jeito, mas eu continuo tentando, minha própria forminha de insanidade. Minha audiência assiste em silêncio de seus assentos, olhos arregalados com alegria ou medo, eu não sei ao certo. Conforme Zabu continua a se mover, eu levanto meus braços, fingindo segurar um arco, e começo uma pantomima de atirar flechas para longe. Cinco longos e árduos segundos passam antes da minha flecha imaginária desaparecer enquanto eu oscilo nas costas de Zabu, antes de finalmente me desequilibrar, caindo na grama.

Patético.

— Você está melhorando, Rainzinho, bom trabalho! — Notando meu humor, Mei Lin tenta me animar.

— Obrigado. — Bah. Todos os outros conseguem ficar em pé o dia inteiro. Todos eles fazem isso parecer tão fácil, até dançam enquanto os quins correm, Sumila e Huushal os piores nisso, ainda assim capazes de ficar em pé tempo o suficiente para esvaziar uma aljava. Até Song consegue ficar em pé mais tempo do que eu, e ela monta em roosequins a menos de duas decanas. É humilhante. Eu não pareço destinado a ser um arqueiro, mas eu quero tanto ser um. Há um lugar melhor de se estar do que a 500 m de distância, em cima do meu transportezinho peludo? Bom, em casa seria melhor, mas isso não é uma opção.

Deitado na grama, eu encaro o céu da noitinha, o sol prestes a se pôr, enquanto a lua ascende no céu. Eu não quero ir para guerra. Eu sabia que era uma possibilidade, mas honestamente, eu meio que esqueci.

— Eu deveria só fugir para alguma cidade onde ninguém me conheça, abrir uma pequena companhia farmacêutica.

— Eles vão te caçar e te enforcar por traição, Rainzinho. Você não deveria fazer piadas sobre isso. — Ela cutuca meu nariz, sorrindo impiedosamente. — Porém, se você fugir, você tem de me levar com você, né?

Sempre com morte e punição. Por que eles não só me multam ou algo assim? Ficando em pé em um pulo, eu pego os gêmeos e monto em Zabu, correndo pela área ao redor enquanto eles estão pendurados em meus braços, gritando de alegria na noite fria. Um pouco de diversão depois de falhar tantas vezes, e como recompensa pelo trabalho duro. Abraçando os dois em meu peito, eu tento deixar minhas preocupações de lado, pelo menos por agora.

Os soldados ao nosso redor olham com reações diferentes, alguns se divertindo, outros irritados. Depois de descansar um dia em Feng Huang, Alsantset trouxe todos nós para fora da cidade, nos anexando a uma unidade de 3.000 liderada pelo Major Vichear, um soldado meio-urso agradável. Como um soldado de carreira no Exército Imperial, ser parte de sua unidade, mesmo que temporariamente, deixou o ataque da Sociedade contra nós mais improvável. Em troca, além dele receber uma meia dúzia de escoltas para ajudar a ficar de olho em Corrompidos ou ataques de bestas selvagens, também ganhou um lugar para jantar conosco, a culinária de Charok nos ajudando como sempre. Um situação favorável para todos os envolvidos.

O clima entre os soldados é bem pesado. Apenas um dia fora de Feng Huang, notícias chegaram a nós que a Pontes Meridional e Ocidental também estão sob ataque, ambas as províncias também sob Lei Marcial. O Império estava ameaçado, mas não era por isso que esses soldados em particular estavam tensos. Notícias mais perto de casa, Shen Mu caiu e todos que permaneceram dentro da cidade foram massacrados. A contagem de mortos estava nos milhões. É uma coisa estranha, ouvir sobre a morte de tantas pessoas. Eu não conseguia me sentir triste… só vazio. Parecia irreal para mim, um lugar que eu nunca vi, só ouvi de passagem, e eu simplesmente não conseguia sentir uma conexão com a cidade. Uma única morte era uma tragédia, um milhão de mortes uma estatística. Nós gastamos alguns dias deprimidos e melancólicos, mas a vida deve prosseguir.

Pegue Tanaraq como exemplo. Ela tem sido uma companhia boa, especialmente considerando que ela acabou de perder o marido dela, Nayantai, um dos Sentinelas que nos escoltou. Ela é bem estóica sobre isso, contando histórias sobre as aventuras deles juntos enquanto nós íamos para guerra. Celebre a vida, ao invés de chorar pelos mortos, uma atitude que eu admiro, mas não consigo compreender. Eu estou bem certo de que eu estaria um caco se perdesse qualquer um. Meus olhos até ficam um pouco úmidos quando penso em Nayantai, e eu mal conhecia ele. Ele me ofereceu uma carne seca de javali uma vez, um cara muito legal. Tanaraq cedeu a liderança para Alsantset, o que eu acho que faz sentido. Uma antiga membra do Estandarte, Alsantset e Charok são fortes, apesar da falta de patente. Eu quero dizer, até Gerel era apenas um Cabo de Primeira Classe até um mês atrás, então patente não necessariamente denota força, apesar de eu duvidar que você consiga uma patente sem força. Ainda, seria legal para meus dois irmão serem reconhecidos publicamente, apesar de eu duvidar que algum deles queira ser. Com patente, vem responsabilidade.

Viajar com o exército é lento, mas não tão lento quanto eu tinha pensado. Eu achei que nós andaríamos por pelo menos um mês, mas o tempo de viagem estimado de Feng Huang para Shen Yun era de apenas 10 dias, e nós estivemos viajando por 8. Eles têm padrões rigorosos para os soldados, o que inclui a habilidade de marchar 75 km por dia, totalmente equipados. Eu estou feliz por estar montado, porque isso parece uma punição cruel e incomum. Os soldados facilmente ultrapassam os vagões de suprimentos, mas um fluxo constante deles estão se movendo, enquanto a maioria dos soldados carrega o bastante para comer por dias. Os soldados andam em três colunas no lado da estrada, enquanto vagões se movem na parte interior e mensageiros bem no meio. Eles mantém metade da estrada para o tráfego vindo na direção oposta, então tudo corre bem suavemente. Os próprios soldados são bem educados, mas a maioria não é muito amigável. Porém, isso é de boa, contanto que eles não estejam tentando me matar, eles tem notas azuis no meu livro.

Logo, nós todos estamos sentados para o jantar, e a comida de Charok atrai olhares de inveja de todos os soldados não convidados, mastigando suas rações de viagem. É uma merda ser eles, mas vocês não podem esperar que cozinhemos para todo mundo.

— Ahhh, que a Mãe te abençoe, Charok. Se você fosse uma mulher, eu te imploraria para ser minha esposa. — A risada do Major Vichear soa como um grunhindo, terminando com uma bufada. — Você não teria uma irmã, que cozinha como você?

Charok sorri, um pouco forçado.

— Tudo tem um gosto bom se comparado com pão de viagem e arroz frio, meu amigo. — Hmm, eu pensei que eles estavam se dando bem, mas eu acho que é só pelas aparências.

— Essa é a vida. Moleque Rain, é bom te ver falhar. Se não fosse por você, eu e meus homens iríamos pensar que todas as Pessoas nascem em cima daquelas bestas e guerreiros consumados desde o útero. Você mostrou para eles que todos vocês são meros mortais. — Vichear sorri para mim e meu rosto esquenta de vergonha. Ele é um cara legal, mas ele gosta de me zoar, provavelmente porque isso é tão fácil. Porém, eu gosto dele, apesar disso. Ele faz o melhor que pode.

— Não é tão fácil como eles fazem parecer. Talvez você gostaria de tentar. — Eu jogo um pedaço de carne, bem alto no ar. — Zabu, lanche. — A carne volta a cair, Zabu a pega do ar a centímetros do rosto de Vichear, dando a ele uma visão completa da boca de Zabu. Para o crédito dele, Vichear não recua, porém seu rosto empalidece visivelmente. — Zabu adoraria te levar para um passeio.  

Alguns momentos de silêncio pairam no ar antes dele começar a gargalhar.

— Porra, moleque, você me pegou nessa, quase me mijei. Não sei como vocês conseguem treinar essas criaturas ferozes, e eu posso dizer que não estou com inveja. — Ele assiste enquanto Zabu volta para mim, sempre ansioso por mais comida. Jogando uma ameixa para Zabu, ele volta para presentear Shana com seu prêmio. É adorável como Zabu tem cortejado a roosequin da Adujan, e eu compartilho um pequeno sorriso com Adujan, nós dois felizes com a combinação. Talvez nessa mesma época, ano que vem, haverão novos filhotes para brincar, da própria ninhada de Zabu. Os filhotes atuais estão ficando grandes demais para que eu os carregue com facilidade, mas Suret e Pafu ainda conseguem fazer isso enquanto correm o dia inteiro. Seus braços são mais fortes do que parecem.

Até aqui tem sido uma viagem bem relaxante, sul de Shen Yun bem mais seguro do que a maioria das áreas da província, a única ameaça sendo animais selvagens, e a maioria deles evita as estradas. A pior coisa acontecendo é ter de engolir aquele “Elixir da Ascensão do Dragão” todo dia. Eu não sinto coisa alguma depois de ingeri-lo, só nojo e enjôo, mas eu não posso parar de ingeri-lo, já que pode ser útil. Também, há o pequenino fato de que Charok está com ele toda a manhã, se certificando que eu tome meu remédio. Ele é normalmente tão calmo, mas quando se trata do Elixir, ele não tem escrúpulos de me segurar e enfiar uma colherada na minha boca, me dizendo que é para o meu bem. Porra de Seita Arahant, se eles foderam ao fazer essa coisa e ela se tornar inútil, eu vou encontrar quem fez isso e vou forçar ele a comer merda de cachorro por um ano. Vamos ver se ele gosta.

Quando o jantar acaba, eu vou até uma clareira vazia, Sumila e Mei Lin me seguindo por trás. Minha parte favorita da jornada chegou.

— Vocês estão prontas? — Piscando para Sumila, que está de pé do meu lado, eu estico meus braços em preparação. Não quero estirar um músculo.

— Sempre. — Seu sorriso fofo mostra o quão confiante ela está, mas hoje será diferente.

Pelo visto, eu estive usando meu chi subconscientemente, ignorante de que estava fazendo isso. Eu só pensava que meus oponentes não eram nada demais, e eles realmente não eram, mas pelo menos, eu sou mais forte do que eu achava. A explicação longa e detalhada de Sumila foi incrivelmente útil no entendimento das minhas habilidades escondidas fodas. Escondidas de mim, é claro. Todos os outros notaram elas imediatamente. Eu não consigo decidir se eu sou brilhante, ou um idiota.

— Vai. — Ela joga uma pedra, Paz voa pelo ar, errando ela por uma bela margem, e rebatendo em uma árvore. Porra. Correndo para pegá-la, eu mentalmente reviso Guiar de novo.

Tudo que eu preciso fazer é arremessar minha arma, e mover meu chi para conduzi-la. Conforme o chi se move, o físico segue junto. Eu estive fazendo isso subconscientemente, então deveria ser fácil de compreender. Sinceramente, eu não tenho idéia de como eu não notei de primeira. Eu tenho uma mira péssima, então como eu estive jogando ela com tanta precisão? Ficou evidente quando Sumila me fez arremessar espadas normais em um alvo, rindo da minha mira péssima e zombando de mim por não notar. Foi uma humilhação desnecessária, mas ela exigiu que eu continuasse arremessando, sorrindo o tempo inteiro. Trinta arremessos, e apenas uma espada acertou o alvo.

Guiar é minha prioridade número um no momento, porque seu eu aprender de maneira apropriada, não apenas vou poder arremessar com precisão, mas também alterar o curso da arma, me auxiliando a mirar em áreas vitais. Não é nada parecido com telecinese, mais como uma correção do curso da minha arma, mas útil de várias maneiras. Eu tecnicamente nem preciso arremessá-la, eu deveria ser capaz de mudar a direção no meio de um balanço.

Porém, Baatar teve suas razões para me fazer aprender Amplificação primeiro, porque mesmo se eu jogar uma arma Afiada, sem uma quantidade de força por trás do arremesso, só desviarão dela ou irão rebate-la. Além disso, com uma combinação de Guiar e Amplificação, eu posso até mesmo atirar minha arma de volta para minhas mãos, então é realmente um processo passo a passo, e eu tenho um longo caminho a percorrer.

Depois de uma dezena de tentativas, Sumila tenta oferecer um conselho:

— Você está tentando demais.  

— Tá, tá, desbalancear o chi e coisa e tal. — Eu estou começando a ficar irritado. — Como exatamente alguém tenta menos? É como dizer “não pense em um lobo”, e pronto, agora você está imaginando um lobo.

— Mas você estava indo tão bem antes, Rainzinho. Você era como um jovem herói arrojado, né? — Mei Lin continua a me animar, meu próprio pequeno fã-club. — Você só… Whooosh, e sua espada estava metida no joelho de alguém. — Um fã-club sangrento. — É só fazer assim. — Não é o fã-club mais útil também.

— Ela está certa. Você já foi capaz de fazer isso antes. Só tente lembrar daquele sentimento.

— Eu sei o sentimento. Era confiança. — Balançando minha cabeça, eu continuo. — Eu quero dizer, eu matei a Cobrinha Lindinha com um arremesso, e eu pensei que eu era tão incrível, e então eu só continuei arremessando, e acertando pessoas quando eu o fazia, e eu não questionei isso até que você falou.

— É isso! Rainzinho, você só precisa ser confiante, né? — Tão inútil. — Ou tente Afiar enquanto você joga, talvez isso ajude.

Hmm. Talvez seja. Sumila joga o próximo alvo, e  Paz voa pelo ar, cortando a rocha em duas.

— Funcionou! — Eu mentalmente me desculpo com Mei Lin por pensar que ela estava sendo inútil.

Mei Lin pula em minhas costas, braços agarrados no meu pescoço.

— Parabéns, Rainzinho! — Me desembaraçando de seus braços, eu corro atrás da minha espada, animado com meu primeiro sucesso.

Minha prática continua, porque eu gostaria de ser capaz de Guiar sem Afiar, você nunca sabe quando vai vir a calhar. Quando meu chi acaba, nós vamos embora procurar Alsantset para o meu próximo treinamento, algo tão perigoso que ela exigiu supervisionar. Isso vindo de uma mulher que também pensa que é uma boa idéia para mim voltar para Shen Huo e matar mais alguns crocodursos junto com Huushal. Sem supervisão. Me sentando na frente dela, ela me dá um tapinha na bochecha de encorajamento. Song e Adujan já estão aqui, sentadas de pernas cruzadas na grama, em profunda meditação.

Sim, meu treinamento mais perigoso ultimamente é meditação simples.

Os anéis que recebemos do Clã OuYang são muito úteis, mas uma espada de dois gumes. Todo mundo reúne a Energia dos Céus a uma taxa diferente, uma taxa segura. Sem uma ajuda como a do anel, é virtualmente impossível se atrair energia em excesso, por causa da diminuição da velocidade de cultivo. Quanto mais chi você tem, mais devagar você extrai, simples assim. Os anéis removem essa limitação, enquanto também aumentam nossa velocidade base de atração das Energias. O violento amortecimento do cultivo permite que o dantian de uma pessoa se desenvolva bem mais rapidamente, mas não a uma taxa astronômica. Me ajuda a alcançar meus iguais pelo menos, contanto que eu permaneça no controle, e não me ferva por dentro. Todos nós cultivamos com os anéis todo dia, enquanto Alsantset nos vigia, pronta para interromper se parecermos atrair demais. Exceto Huushal, ele emprestou seu anel para Song. Ele tem o pior controle de todos nós, mas ele é muito bom em usar seu chi instintivamente, se reforçando com uma força herculeana, outra coisa que eu quero aprender.

Me preparando para o que está por vir, eu ponho meu anel e começo a repassar a tabuada para clarear minha mente. Um vez um é um. Um vezes dois é dois. Repetindo de novo e de novo sem precisar pensar, o que me permite lentamente afundar no Estado de Equilíbrio, ao invés de mergulhar de uma vez como eu normalmente faço. Conforme eu chego em onze vezes três, minha mente entra no Estado de Equilíbrio e a Energia dos Céus vêm até mim. Pronto para a onda, eu a direciono com um pensamento, não apenas quebrando a onda grande, mas movendo ela, dispersando seu momento metafísico conforme ela entra em mim.

Separando ela em uma dúzia de fluxos, meu limite absoluto, eu permito que ela circule por todo o meu corpo, diversas correntes e redemoinhos se partindo em mim, e a temperatura do meu corpo se eleva lentamente. Desviando o resto da energia para fora de mim, eu mantenho apenas os fluxos controlados dentro de mim, desviando mais quando sou capaz, me mantendo no meu limite sem nunca ir além. As energias circulam por mim sessenta e quatro vezes antes de ser capaz de se estabelecer no meu dantian, lutando contra mim a cada passo do caminho. Me desligando dos Céus, eu paro de absorver mais energia, refinando o que eu tenho, comprimindo ela no meu dantian, como engolir água com uma barriga cheia, se sentindo inchado e indisposto. Lentamente, a energia se torna mais tranquila, calmante, quase preguiçosa, e eu me rendo ao fluxo, ficando relaxado, a calma me seduzindo a rendição.

O golpe repentino e seco do chi de Alsantset me interrompe de novo, meus olhos se arregalam da ardência. Se ajoelhando na minha frente, ela me adverte com um olhar.

— Foi melhor dessa vez pequeno Rain, você resistiu por mais de duas horas. Você irá aprender como controlar ela eventualmente. — Ela me afaga na cabeça e fica de pé novamente, olhando para as outras enquanto elas continuam a cultivar.

Mei Lin limpa o suor frio da minha testa enquanto eu me recupero da experiência.

— Duas horas, Rainzinho, um novo recorde. — Eu sorrio para ela, grato pela ajuda enquanto eu pego o lenço dela. — O que aconteceu no final, Rainzinho? Você parecia estar se acomodando, mas então perdeu o controle.

Fechando meu olhos, eu tento lembrar o que acabou de acontecer, antes de tudo se afastar.

— Eu perdi o controle, mas não como eu normalmente perco. Geralmente, é uma luta, lutando com a energia, a direcionando para onde eu quero que ela vá, e eu consegui isso, eu estava conseguindo. Então ela deu um mortal para trás, não mais tentando lutar comigo, mas… me guiando ao invés. Eu só… me rendi, eu acho. — Ela permanece quieta, me dando um afago na cabeça, sempre otimista.

Tirando o anel do meu dedão, eu o estudo cuidadosamente. É só uma simples faixa de jade, esse aqui preto como tinta. Enquanto a cor é sólida, eu consigo ver o outro lado do anel, vendo direto pela pedra. As bordas chatas são alinhadas com prata, ao mesmo tempo que a superfície exterior permanece descoberta, exceto por uma única faixa circular de prata, gravada com o carácter “discernimento”. Junto com a superfície interior suave, há um padrão intrincado entalhado, mas muito superficial, difícil de se ver, mas facilmente sentido, uma runa, a marcação que faz do anel mais do que uma simples joia. Os livros que eu li sobre runas não tinham explicação de onde elas se originaram, mas se entalhadas de maneira correta com chi, elas interagem com a Energia dos Céus de maneiras inesperadas. Todo mundo que sabe como entalhar uma runa guarda o segredo de maneira egoísta, e levaria anos para o Patriarca do OuYang aprender. Ele provavelmente fez diversos para suas próprias pessoas, mantendo segredo disso, se certificando que tinham o bastante antes de expor o talento dele para o mundo.

O livro tinha exemplos do que poderia ser feito, e, aparentemente, essa runa de coleta de chi é uma ocorrência mais comum na Província Leste. Com a falta de uma Ponte, e por ser a menor província, a Província Leste é a zona mais segura e rica, devido a falta de um conflito maior na região. Eu gostaria de viver lá, parece um lugar maravilhoso. Runas possuem outros efeitos, tais como fortalecimento de armaduras, ou reforçar a resistência, mas essas são mais raras, a maioria nas mãos do Imperador. Mantenha os melhores brinquedos para aqueles que você sabe que são leais. O Imperador é um homem esperto. Ou mulher, na verdade, eu não tenho idéia. Eles ficam com o gênero neutro por aqui.

Colocando o anel de lado, eu saio na escuridão, de volta para o meu saco de dormir. Mei Lin já está lá, abraçada com os gêmeos, uma desculpa para dormir mais perto de mim. Ela tem sido incrivelmente pegajosa ultimamente, mas se eu for honesto comigo mesmo, eu não odeio isso. Ela é uma garotinha doce, e eu amo ela. Eu só queria que ela fosse minha irmãzinha de verdade. Ela irá fazer alguém muito feliz no futuro, só não pode ser eu.

Tirando isso da minha mente, eu me deito no meu saco de dormir e fecho meus olhos. Mais dois ou três dias até a cidade, mas eu não estou exatamente ansioso por isso. O Magistrado de Shen Yun é Situ Jia Ying, uma membra de carteirinha da Sociedade. Nós não estamos exatamente nos melhores termos com o Clã Situ, mas Akanai deve estar lá nos esperando. Mesmo um Magistrado não pode correr solto em torno de uma Tenente-General.

Infelizmente, eu também tenho que me preocupar com a Tenente-General. Eu tenho o sentimento de que a Akanai não vai ficar feliz comigo, considerando que nós temos agora cinco duelos para nos preocuparmos.

 

Talvez eu deveria ficar fora da cidade, só por precaução.  

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

6 Comentários

  1. Acho que ele está com mais medo de ver a Akanai novamente do que ir para a guerra contra os corrompidos hauhauhauhaua

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!