DS – Capítulo 67

Akanai estava de pé no topo de uma colina, com os sons da noite a cercando enquanto ela observava os Corrompidos recuarem até saírem do campo de visão, para longe da fortaleza arruinada. Ela esperava lutar por decanas, tentando tomar as muralhas com seus soldados enquanto seus Sentinelas diminuíam os números inimigos, mas quando seus batedores chegaram lá, ela descobriu que não haviam muralhas para ela tomar. A Fortaleza não estava em lugar algum, mal havendo pedras restando das ruínas. Uma fortificação que poderia comportar 100.000 soldados dentro de suas muralhas, e tudo que restava era pó. Era um pensamento preocupante, que o Inimigo tinha meios de infligir um dano tão irreparável nas muralhas, e Akanai não tinha idéia de como eles conseguiram fazer isso, ou por que o Inimigo não repetiu sua destruição em Shen Huo. Ela podia apenas mandar os relatórios dela para as cidades junto com suas preocupações. O Marechal do Norte era em todos aspectos um homem de brilhantismo tático e mecânico, muito mais adequado para resolver esse mistério.

Nenhum dos batedores avançados tinha chegado na Fortaleza propriamente dita, então foi uma bela surpresa encontrar os Corrompidos organizados em um campo aberto, com quase nenhuma cobertura. Se ela soubesse previamente dessa destruição, ela teria trago cavalaria pesada para atropelar as fileiras Corrompidas, ao invés da infantaria massiva que deram a ela. Dessa forma, teria sido uma batalha bem diferente, com o exército Corrompido cortado em pedaços diante dela. Ainda, um único dia de batalha foi suficiente para fazer os Corrompidos recuarem, embora eles ainda estivessem na área, prontos para batalhar de manhã.

Focando na tarefa em mãos, ela começou a organizar suas tropas, os fazendo queimar os corpos e escolhendo vigias para ficarem escondidos na escuridão, soldados e Sentinelas sem distinção, estendendo-se por cinco quilômetros de distância. Seu marido começou a ordenar às tropas para cavarem trincheiras e instalar paliçadas¹ como precaução para um contra-ataque, e os soldados obedeceram, apesar da falta de patente dele. Ele tinha um talento para comandar que faltava nela, capaz de inspirar devoção e lealdade com algumas palavras simples no pouco tempo que ele passou com os soldados. Akanai era um tipo diferente de líder, não possuía a dignidade e a imponência  para liderar naturalmente, preferindo delegar tais deveres, conseguindo respeito pela força. Contanto que os soldados sobre o comando dela seguissem ordens, isso era o bastante.

Logo, ela não tinha mais nada para fazer exceto entrar em sua tenda excessivamente grande e ler relatórios. Um arranjo vistoso e pomposo, então não era surpresa que o Inimigo conseguisse identificar oficiais tão facilmente, já que tais regulações significavam pintar um alvo onde os oficiais dormissem. Uma tenda simples já a deixaria feliz, sem necessidade da “honra” de uma tenda de pano brilhante. Sentando na mesa de madeira dura dela, outro luxo desnecessário no campo de batalha, ela começou com o relatório de Tokta, já acostumada a lê-los. Seu Vice-Reitor estava elogiando Dagen por uma única morte de Demônio confirmada. Infelizmente, nenhum Oficial do Exército Imperial viu isso, o que teria significado uma promoção garantida para o Auxiliar diabólico. Dagen era um guerreiro sólido, bem conhecido e quisto entre as vilas vizinhas. Ela escreveu uma nota para oferecer ao homem um comando não oficial de 1.000 Sentinelas, empurrando mais das responsabilidades delas para seus oficiais juniores. Era mais difícil comandar 5.000 soldados do que 5.

O relatório de Alsantset era longo demais, sendo a garota inexperiente demais para a posição. Com muita informação desnecessária, anotando cada perda pelo nome, e cada nome lido machucava Akanai. Enquanto eles eram Sentinelas, conscientes do porquê lutavam, cada morte era um fardo pesado nos ombros dela. Ela desacelerou para ler cada nome, guardando eles em sua memória, se afligindo ainda mais pelos que reconhecia, lamentando por aquelas que não conhecia. Era uma atitude tola, mas ela não conseguia parar a si mesma, apesar de saber que haviam outros relatórios para ler. Fechando o relatório com uma expressão de pesar, Alsantset elogiou Huushal por matar um Campeão em um duelo, e comentou a ausência de Rain durante a batalha. Que problemático, o menino fugiu para se esconder? Isso não parece com ele, especialmente depois daquela aventura na floresta. Ele era tímido, mas não um covarde.

Ela lembrou dos relatórios dos Corrompidos torturados e largados por Rain, depois dele incendiar uma aldeia. O menino não foi misericordioso com aqueles prestes a morrer, os deixando gritando de dor, atraindo mais Corrompidos. Macabro, mas não era surpresa que o menino tinha alguma escuridão nele, e era melhor que ele se resolvesse, descontasse um pouco nos Corrompidos. Seus planos de batalha foram efetivos, mas possuíam um grande risco, e com apenas Adujan para apoiá-lo, o resultado daquilo poderia ter sido desastroso. A pior parte foram as horas que os Sentinelas dela gastaram para impedir que o fogo se alastrasse, durante as quais o exército dela ficou ocioso, incapaz de se mover devido à falta de batedores competentes. Mais tarde o menino, ferido e ensanguentado, devolveu a encarada dela tão bem que ela se encheu de orgulho. Finalmente, o menino estava mostrando  alguma coragem.

Verdade seja dita, se ela tivesse visto as atrocidades descritas, ela teria queimado a aldeia ela mesma, mas com algumas preparações prévias, para manter o fogo sob controle. Sabendo disso, ela não foi rígida com o menino, só determinando que ele e Adujan cavassem latrinas e polissem armaduras, e ele trabalhou com um foco estranho, carrancudo o tempo inteiro, determinado a segurar sua raiva, apesar dos conselhos para ele não fazer isso. Tentativas de falar com ele só resultaram em um dar de ombros e silêncio como respostas, um assunto frustrante.

Ela se preocupava com Rain, mas não havia muito que ela pudesse fazer além de observar e esperar até que ele estivesse pronto para aceitar a ajuda dela, ou até que ele fosse longe demais. Se ela continuasse a pressioná-lo, ele iria apenas se afastar mais, ou pior, enfrentá-la, e, então, ela seria forçada a discipliná-lo mais severamente. Ou ele se adaptaria, ou iria morrer, era assim que o mundo funcionava. Um toque mais leve era necessário para esta situação, algo que faltava muito nela. Se apenas Charok ou Taduk estivessem aqui para aconselhar o menino, eles tinham um jeito de alcançar ele, conversando em silêncios e grunhidos como homens frequentemente faziam. Alsantset enchia o menino de carinho, algo que não era útil no momento, e pelo andar das coisas, indesejado também. Pelo menos Huushal estava indo bem, um Sentinela modelo, e dentro de alguns anos ele seria uma grande força para as Pessoas. Ela já ouviu as pessoas da vila comentando, o chamando de segundo Baatar. O filhote não iria gostar disso, mas Huushal estava muito feliz pelo elogio.

Prosseguindo com os relatórios, Coronel Du Kang Bing conseguiu proteger o flanco ocidental, assim como o outro Coronel que Akanai recrutou do exército do General de Brigada Kai. Se ela fosse honesta consigo mesma, não foi por necessidade que ela tomou tais ações, mas mais por rancor do que qualquer outra coisa. A força desses soldados foi uma boa surpresa para ela, apesar de serem nativos das Planícies Centrais, tão perto da província Leste. Ela não esperava que soldados tão disciplinados viessem de uma região tão pacífica e livre de combates, mas ela estava feliz em ter eles. O fato das ações dela terem sido inconvenientes para o General de Brigada Kai só deixava as coisas melhores.

Ela observou a contagem total de baixas e de mortes inimigas. 9.000 soldados mortos, 89 Sentinelas mortos, 15.000 feridos, e em retorno, o exército dela conseguiu matar mais de 50.000 guerreiros Corrompidos, e 5 Demônios. Foi um dia longo, esgotante, e o dia seguinte seria igual, mas a vitória deles foi esmagadora, devido a pressão constante nos flancos pelos ataques dos Sentinelas, e os equipamentos de péssima qualidade do Inimigo. Haveria mais ataques, mas ela estava confiante na habilidade dela de resistir aos Corrompidos, a menos que eles recebessem um número significativo de reforços. Esse pensamento a preocupava, ela deu ordens aos melhores batedores dela para se infiltrar além das linhas de Corrompidos, para se manter alertas a tal evento.

— General de Brigada Man Giao, reportando para a Tenente-General, requisitando permissão para entrar.

Suspirando para si mesma enquanto esfregava sua testa, ela respondeu:

— Permissão garantida. — Relutantemente. O General de Brigada foi fortemente recomendado a ela por Hai, e irritava ela ter de trabalhar com ele. Política, os inimigos de ontem eram os aliados de hoje, um provérbio incômodo para se viver, mas Hai jogava bem esse jogo. Se aliar com a família Man apesar da tentativa deles de destroná-lo deixava Akanai preocupada com ele, mas ele garantiu ela que Man Giao era um profissional realizado. O General de Brigada era o segundo em comando dela e foi responsável por segurar o flanco Ocidental, e a julgar pelo quão bem os soldados dele aguentaram fronte a investida dos Ursagons, ela estava impressionada apesar da falta de um relatório.

— Boa noite, Tenente General. Eu vim fazer meu relatório. — Ele deu a ela uma pilha grossa de papéis com ambas as mãos, os quais ela aceitou enquanto ainda sentada, os colocando de lado. Mais papéis para se olhar, ainda mais do que todos os outros relatórios combinados. Esse saco de vento não podia ao menos escrever resumidamente? Um bando de serventes o seguiu para dentro da tenda, colocando uma mesa pequena para os dois, e o cheiro tentador de pratos deliciosos chegou em seu nariz. O homem bruto e grande puxou uma cadeira na mesa pequena e gesticulou para que ela se sentasse. — Eu notei que você não jantou ainda, e tomei a liberdade de arranjar algo. Junte-se a mim, se desejar.

Se apenas o marido dela fosse tão atencioso, o tolo provavelmente ainda estava trabalhando com os engenheiros, planejando mais métodos de assegurar a posição deles. Ela se sentou na cadeira ofertada, e sem esperar, imediatamente começou a comer com alegria.

— Comida deliciosa, meus elogios ao chefe. — Peixe e arroz, com vegetais cozidos no vapor, deliciosamente temperados, Akanai não comia tão bem em uma decana. Ela tomou nota de mandar algo para o marido dela comer.

— Ha, eu só peguei emprestado o chefe do jovem magistrado. Aquele menino está acostumado demais com confortos, com seus lençóis de seda e camas de penas, até mesmo trazendo cortesãs para o campo de batalha. Da Hai mima ele demais, mas eu consigo ver o porquê. O jovem magistrado irá se tornar um guerreiro poderoso dentro de alguns anos.

Os olhos dela se estreitaram em irritação.

— Você não deveria falar do Magistrado com um tom tão familiar. Alguém poderia pensar que você não tem o respeito devido.

Man Giao jogou sua cabeça para trás, rindo jovialmente.

— Verdade, verdade, mas eu estive presente no dia da celebração do centésimo dia de Da Hai, e nunca houve um bebê que chorasse tão alto quanto ele. Eu vi ele crescer de um mero quinto irmão mais novo até o aparente herdeiro em um piscar de olhos, tudo graças a você. Eu acho difícil mostrar deferência a alguém que tem menos de um quarto da minha idade.

Sorrindo agradavelmente enquanto ela mastigava sua comida, ela olhou para ele de maneira perigosa, escolhendo suas palavras cuidadosamente.

— Quando eu cheguei nesta mesma fortaleza há tantos  anos atrás, eu encontrei um mero tenente que ficou responsável por 10.000 soldados e conseguiu, contra todas as probabilidades, resistir por mais de uma decana. Você pode creditar a subida dele ao poder a mim, mas qualquer um com olhos para ver sabem que o poder de Hai é para ser temido. — Ela tomou um pequeno gole de chá, observando sua reação.

— Ha ha, então eu não tenho olhos, de fato, de fato. — Um sorriso imbecil em seu rosto enquanto ele balança a cabeça, sem sinais de ter se ofendido. — Verdade seja dita, eu não tenho malícia contra Hai. Eu só estava esperando elevar os status da Família Man, acreditando tolamente que Loi Ming seria um Magistrado melhor do que Da Hai. — O homem parecia genuíno, mas Akanai ainda estava desconfiada de estar sendo enganada, conhecendo bem sua própria fraqueza.

— Você não acredita mais nisso?

— Não depois do cerco em Shen Huo. Pela Mãe, Da Hai tem trabalhado duro em ambos seu trabalho e treinamento. Mesmo que você não tivesse representado ele como seu campeão, ele poderia ter descartado a honra e lutado ele mesmo. — Suspirando profundamente, ele deu de ombros. — 386 anos de idade, e ainda os humanos com uma vida tão curta conseguem me surpreender, geração após geração. — Sorrindo, ele come com gosto, falando enquanto come. — Falando nisso, seu jovem já havia me impressionado com seu show no ano passado, lutando com DuGu Tian Yi, mas hoje, eu assisti ele no campo de batalha e ele se tornou um guerreiro louvável. — Ele encheu o copo dela com mais chá, uma coisa simples, mas que poucas pessoas da cidade estavam dispostas a fazer.

É mesmo? Rain estava no campo de batalha?

— E o que exatamente o menino fez?

— Você não está ciente? Eu pensei que o menino teria protetores ao seu lado. — Ela não notou traços de enganação em seu rosto, apenas uma surpresa verdadeira. — Não me surpreende que as Pessoas tenham tantos guerreiros bons, para você ser tão ousada no treino deles, minha admiração por você só cresce. — Sorrindo, ele começa sua história. — Seus Sentinelas desceram a montanha, um feito temível por si só, mas um único deles ficou para trás, forçando seu caminho ao redor da linha de frente, onde ele desmontou e lutou lado-a-lado com meus soldados. Nada de importante ainda, mas o jovem magistrado reconheceu o Sentinela como amigo dele, então eu prestei um pouco mais de atenção no menino.

Apesar de ter que manter as aparências, Akanai sorriu. Então, o menino desafiou as ordens dela de ficar a salvo e avançou em direção ao matadouro. Alsantset vai ficar chateada quando souber disso, mas Akanai estava bastante feliz com as notícias. A viagem à Sociedade valeu a pena apesar da contenda pública que ela tinha com eles. Os elixires e os anéis iriam levar tempo e esforço para mostrar resultados, mas as aflições forjaram bem o Rain, pelo que parece. Se não fosse pela corroboração de Fung, ela teria pensado que Man Giao estava errado, já que isso não parecia nada com a criança tímida e chorona que ela conhecia. Nunca houve um homem que reclamava tanto de simples hematomas e ossos quebrados.

General de Brigada Gao continuou, um grande sorriso em seu rosto:

— Aquele menino ficou mais habilidoso do que ele tem direito de ser. Eu mal precisei levantar um dedo. Ele deu uma demonstração maravilhosa de habilidades enquanto matava os Ursagons, enfrentando eles de frente sem medo. Levantando a moral das tropas, eles resistiram firmemente e mataram as criaturas com um mínimo de casualidades, indispostos a serem ofuscados por alguém de fora.

Interessante. Akanai teve que intervir ela mesma e ajudar a parar os Ursagons, e os oficiais dela fizeram o mesmo no leste. A mudança em Rain era pronunciada demais, mas já passou da hora do menino parar de se preocupar o tempo todo. Ela olhou para o rosto do General de Brigada Gao, o qual ainda estava sorrindo com expectativas.

— Há mais?

— De fato há sim. O menino matou um Campeão em um duelo. Uma vitória limpa, gritando para os céus como um verdadeiro guerreiro. O menino é habilidoso e luta decisivamente, sem hesitação e sem um padrão estabelecido de ataques. É bem impressionante para alguém tão jovem, e seria muito difícil escolher um favorito se ele lutasse contra o jovem magistrado. Se os seus Sentinelas tivessem chegado nas finais da Competição, então, com certeza, aquela teria sido uma partida que valeria a pena assistir.

O sorriso dela estava começando a esticar demais as bochechas dela, e ela controlou sua felicidade. Apesar das conquistas de Rain, ela não poderia esquecer que ele desobedeceu as ordens dela. Algo precisaria ser feito em relação a isso, mas ela estava relutante em dissuadir seu novo entusiasmo por batalha.

— Há mais uma ainda. — Suas palavras interromperam a linha de pensamento dela. — Seu pequeno terror atacou um Demônio sem minha proteção. O Demônio estava preocupado o bastante com o ataque para defleti-lo, ao invés de só ignorá-lo como alguém esperaria. Como se isso não fosse o bastante, eu juro que o menino teria atacado o Demônio com as mãos nuas se eu não tivesse intervido. Ele sofreu algumas feridas leves devido à luta, mas eu chequei com o jovem magistrado e seu menino retornou para a montanha, saudável como nunca.

Ela não podia fazer muita coisa para conter a alegria por mais tempo, ansiosa para voltar para o marido dela e falar com Alsantset. A menina provavelmente já estava repreendendo o Rain, e conhecendo a atitude do menino, ele não diria nada sobre suas conquistas. Respirando fundo, ela parou sua perna inquieta de tremer, e perguntou:

— Notícias muito interessantes, mas você ainda não chegou ao ponto. Você não veio aqui para dar notícias sobre meu subordinado. — Bufão, cabeça de pedra estúpido. Sempre uma agenda com esse povo da cidade, eles nunca poderiam só aproveitar uma refeição. Colocando seus palitinhos na mesa, ela terminou seu copo de chá e limpou sua boca. — Fale claramente então. Eu não tenho paciência para meia-verdades e insinuações.

— Ah, mas é claro. — Seu sorriso desapareceu pela primeira vez em toda a noite. — Nós meio-bestas sempre tivemos uma posição precária dentro do Império, venerados por nossa força, e ainda assim incapazes de manter um cargo. Uma medida para manter nossa força em cheque, para que nós sempre precisemos responder a um humano.

Akanai bufou.

— Eu prefiro que se refiram a mim como Meia-Humana. Meio-besta é depreciativo.

O idiota riu com o desprazer dela.

— É mesmo? Eu nunca entendi essa mentalidade. Eu ouvi discussões de que isso nos molda como menos que humanos, mas eu sou orgulhoso da minha herança bestial, e não permitiria que ninguém dissesse o contrário. Eu conheci meu Ancestral, e enquanto o velho touro é um babaca insuportável, seus poderes são imponentes. Meio-besta é um nome que visto com orgulho. — Ele bateu em seu peito para acentuar seu ponto. Retardado.

— E? — Ela estava perdendo rapidamente sua paciência. Política era o motivo dela viver dentro das montanhas, longe da “civilização”.

— Eu posso ver seu desdém por mim. Você valoriza sua liberdade, e me vê como alguém que serve, e é verdade. Eu tenho servido a família Man desde que consigo me lembrar, servindo a cada líder da família de livre e espontânea vontade desde o começo. Você sabe o porquê?

— Você deseja poder, e pela família Man, você pode obtê-lo. O líder da família Man é um mero fantoche, e você o controla. Isso não é um grande mistério. — Akanai se levantou, pronta para dispensá-lo. — Eu não tenho interesse em começar minha própria “família”, mergulhar no poço de serpentes de políticos e nobres. Eu não vejo valor nisso.

O idiota servil riu na cara dela, e ela conseguiu se impedir de quebrar a mandíbula dele.

— Meu pai me adotou quando eu era uma criança, um fazendeiro simples e pobre, gentil demais para permitir que um órfão morresse de fome apesar de mal ter coisa o bastante para se alimentar. Quando ele foi recrutado para guerra, eu lutei ao seu lado e através das conquistas dele, ele foi elevado de um soldado comum, para um oficial, todo o caminho até o Marechal do Norte em sua idade avançada. Eu fiquei ao seu lado até sua morte, momento em que eu continuei a servir os descendentes da família Man, cuidando de cada um deles como se eles fossem meus. Alguns deles ficavam famosos, outros morriam na obscuridade, mas a família Man como um todo floresceu sob minha administração.

Akanai franziu os lábios.

— Você ainda não chegou ao ponto.

— Paciência, paciência. O atual cabeça da família Man me vê como um avô, e seu verdadeiro avô. Eu tenho poder porque eles me respeitam. Minha vida inteira foi dedicada à família Man por uma única razão: eles me deram meu nome, Man Giao. Sem isso, eu não seria nada. Há poder em um nome de família, o que me prende a eles mais forte do que qualquer juramento, meu serviço dado gratuitamente devido ao amor  e afeição. Eu faria qualquer coisa para mantê-los a salvo, e eu te disse tudo isso para mostrar que eu não ofereço isso de maneira leviana.

Ele pausou para permitir que ela considere suas palavras.

— Eu sei que você tem problemas com a Sociedade e eu gostaria de oferecer formalmente os recursos e aliados da família Man para as Pessoas. Eu vou fazer um juramento, como irá o atual Patriarca, Man Loi Ming, para que nós possamos destruir a Sociedade juntos.

Ela respondeu a sua oferta logo depois com uma única sentença.

— Por que? — Se ela fosse aliar as Pessoas com a família Man, isso iria colocá-los em um caminho sem volta. Enquanto as Pessoas poderiam se esconder nas montanhas, qualquer aliado seria deixado para trás, a mercê da Sociedade.

— Três razões. — Ele levantou um único dedo. — Eu errei em ter desafiado o Magistrado Hai, e ter perdido sua confiança. Enquanto Hai foi misericordioso, o relacionamento tenso deixa as coisas difíceis para a família Man, e eu estou esperando que você fale com Hai ao nosso favor. — Um segundo dedo. — É você que lidera seu povo, não um humano. Esse fato por si só iria te trazer inimigos, e você receberia minha ajuda. Houve meio-bestas talentosos demais negligenciados por causa de humanos, e eu não me sinto bem com isso. — Um terceiro dedo foi levantado, os olhos do General de Brigada escureceram enquanto ele ficou carrancudo. — Por último, eu tenho um débito de sangue com a Sociedade, o qual ficou sem pagar por tempo demais. Com sua ajuda, eu posso acertá-los de volta, sem enredar a família Man em uma disputa legal. — Ele se levantou e saudou ela, punho em mão, e se curvou levemente enquanto os serventes guardavam as coisas. — Tudo que a família Man pode oferecer está dentro desses papéis que eu te dei. Olhe para eles no seu tempo livre, e saiba que minha família e seus aliados estão todos prontos para ajudá-los de qualquer maneira possível, seja através de soldados capazes, ou de recursos.

Sem outra palavra, o General de Brigada foi embora da tenda, deixando Akanai sozinha com seus pensamentos. O gesto era apreciado, mas o peso da decisão era algo que ela não queria, não em um tempo de guerra. Políticas, bah. Ela queria esperar até que Baatar fosse capaz de retornar de sua missão secreta, mas parecia que ela teria de tomar uma decisão mais cedo. Pior, se ela escolhesse se levantar e lutar, jovem Hai seria arrastado para a batalha também, incapaz de se preocupar com seus próprios problemas. O bom humor dela foi estragado, e ela fez uma careta quando se sentou novamente em sua mesa, resmungando para si mesma enquanto lia os papéis a fim de ver o que a família Man trouxe, e se alguma coisa poderia ser útil na luta contra a Sociedade.  

 

——–

1.Paliçadas: esse trem aqui

 

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

5 Comentários

  1. A Akanai ficou toda orgulhosa dos feitos dele, quero ver se ele vai continuar dando todo esse orgulho a ela ahuahuahuahauah

  2. Eu pensei que a ida de Man Giao signifcava pelo menos uma patente pro Rain kkkkkkk tolo engano meu 😂

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!