DS – Capítulo 72

O ar frio da noite causa uma sensação maravilhosa quando passa pela minha pele quente, coçando mais do que nunca. Eu devo ter dormido em algumas ervas, ou algum bicho me picou ou algo do tipo, porque essa irritação é quase insuportável. Eu tentei vários tipos de bálsamos e compressas geladas, mas tudo é temporário, o comichão volta buscando vingança depois de algumas horas. Talvez eu só precise de um banho. Eu estou todo sujo de lama e sangue. Eu sinto saudades de casa, parece uma eternidade desde a última vez que estive lá. Não, eu preciso ficar aqui, lutar nessa guerra. É aqui que eu quero estar.

Minha espada passa pelo ar, se movendo erraticamente em cada direção enquanto eu tento entender o movimento. Até agora, eu consegui descobrir exatamente um combinação de formas: “Passo Saltitante” e “Estocada Mortal”, e isso foi com a ajuda da Song, mas isso é secundário. Seria bacana descobrir mais, mas o que é mais importante são os exercícios mentais para me distrair da minha raiva. Ajuda que os últimos dias têm sido calmos, sem batalhas ou derramamento de sangue, apenas missões de escoltas e viagens.

Depois de tomar a fortaleza, nós ficamos parados por alguns dias, antes de receber nossas ordens para prosseguir para oeste, a fim de lidarmos com mais Corrompidos. Eu tive muito tempo para lidar com meus problemas de raiva, com exercícios de respiração e tentativas de relaxar, tentando descobrir o que está errado comigo. Estava ficando difícil controlar minha raiva às vezes, como se eu estivesse procurando uma razão para estar com raiva, especialmente quando eu estou deitando na minha tenda vazia, tentando não odiar o Huu só porque ele está dormindo com duas irmãs. Quero dizer, eu deveria estar feliz por ele, mas não é fácil. Por que todo mundo elogia ele tanto, porra? Eu mandei bem também, matei mais Campeões do que ele, conquistei mais do que ele, e aquele idiota pateta tem todas as mulheres admirando ele enquanto eu ganho todos os olhares de desprezo. É uma merda isso, porra, sou eu que deveria estar comendo as irmãs.

Pausando meus movimentos, eu fecho meus olhos e respiro fundo, deixando minha espada de lado. Dizer que eu talvez esteja com problemas para lidar com a raiva já seria algo generoso, mas eu posso imaginar o que a Akanai diria se eu falasse sobre isso. “Só lide com isso garoto. Você é um Sentinela, então aja como um”. Eu preciso lidar com isso, controlar minha raiva antes que eu acabe fazendo algo que eu vou me arrepender, mas a quantidade de poder que isso traz é tão incrível. A liberação das minhas preocupações, capaz de lutar sem medo, é tudo tão empolgante e viciante. Em uma decana, eu progredi mais do que no ano passado inteiro, não apenas em relação à força física, mas em fortitude mental também, então eu não pretendo parar. Eu só preciso aprender a como controlar minha raiva, focar ela para minha vantagem e não ser controlado.

Abrindo meus olhos, eu vejo a bela paisagem florestal. De fora, as folhas verde brilhantes e os troncos marrons altos e finos parecem majestosos e convidativos, mas escondidos lá dentro estavam sombras e perigos. Não só Corrompidos, mas bestas selvagens e um terreno hostil, com a flora verdejante cobrindo as encostas rochosas de pequenas montanhas. A maior parte da província Norte é dessa maneira, montanhosa, florestas rochosas, em conjunto com insetos que zumbem por aí, os sons deles passeando enquanto os pássaros começam a caçada deles. Florestas como essa me lembram de casa e me acalmam de alguma maneira. Apesar da Fortaleza do Tigre ser perto da vila, ela era tão… artificial, eu acho? Simples, chata, campos abertos, com seixos e terra espalhados por aí, as encostas montanhosas cercando a área como as paredes de uma prisão. Isso me lembrava tanto das minas. É melhor aqui fora, na fronteira das montanhas e das florestas, mais limpo e mais ilimitado.

Conforme eu me sento em contemplação silenciosa, eu sinto minha raiva ferver em uma quantidade razoável, como ter um passageiro irritante no carro que são as minhas emoções e não estar no controle firmemente. Junto com a liberação da minha raiva, eu me sinto exausto relaxando, meu corpo sobrecarregado doendo, e tudo dói, mas minha mente se afia, minha cabeça clareando. Eu tento várias técnicas para controlar minha raiva, e isso é algo que eu descobri que ajuda, apenas aproveitando alguma solitude e beleza natural.

Isso me lembra da minha viagem de campo com Charok, antes de eu ser capaz de encontrar o Equilíbrio. Apesar de todas as minhas experiências de quase morte dentro de florestas, e meu amor por cidades bacanas e ordenadas, eu ainda amo o sentimento que vem sobre mim quando eu vejo o quão bela a natureza pode ser. Perigosa, mas ainda linda.

— Rain, se mova, hora do seu turno como escolta. — Yan acena para mim, carregando todo o meu equipamento extra, parecendo atrevida como sempre enquanto morde os seus lábios adoráveis e rosados. Outra coisa que eu preciso controlar, meu tesão. Está fora de controle esses dias, e francamente, bem sombrio e desagradável. Felizmente, já que Huu tem dado umas escapadas à noite, visitando um par de belas irmãs, eu não preciso mais dividir minha tenda, então minha libido tem sido… controlada adequadamente. Essa é minha vida. Huu consegue um ménage com duas irmãs, e eu fico só na mão. A vida é injusta. Eu nem posso dar uma fugida para encontrar o Fung e pegar emprestado uma das cortesãs dele, já que nós deixamos ele na “Fortaleza” com Man Giao e Husolt.

— Eu não deveria ter o último turno, com o Huu? — Eu tive muitos momentos de esquecimento ultimamente, mas eu estou bem certo que meu turno seria ao final. Eu só quero deitar e descansar.

— Huu fez algumas alterações, para que pudesse ficar mais perto das amigas dele. Venha, ou nós vamos nos atrasar. — Aquele cachorro da porra. Literalmente, ele está provavelmente comendo as irmãs. Irmãs. Esse é o meu sonho. Yan vai embora e eu sigo por trás, incapaz de tirar meus olhos do quadril dela balançando. De alguma forma, apesar de estar na mesma circunstância, Yan tem um cheiro de grama selvagem e floresta, enquanto eu fedo a sangue e morte. E suor, um suor azedo e melado. Apesar do verão estar a tona agora, a alguns dias do sexto mês, o clima aqui no norte nunca fica mais quente do que “moderado”, o que está ótimo para mim, já que eu suo pra um caralho do jeito que as coisas estão.

Montando, nós vamos junto com um grupo de Sentinelas que inclui Dagen e Tanaraq por uns 20 minutos antes de montarmos uma linha defensiva longe do acampamento. O sol se pondo oferece pouca luz, dentro do coração da floresta, os últimos raios de luz solar refletem nas folhas molhadas enquanto Zabu anda pelo chão e galhos, quase sem fazer barulho. Esse monstrinho peludo está começando a feder como peixe podre, o que é aparentemente seu ”almíscar de acasalamento”, e honestamente, eu posso entender por que ele não conseguiu fechar o acordo ainda. Eu nem ao menos entendo o que eles fazem, eu estou bem certo que ele não tem um pinto, a menos que esteja escondido no pelo dele e seja muito pequeno. De onde os ovos saem, em todo caso?

Tirando a minha mente da biologia incompreensível dos roosequin, eu pergunto:

— Então, onde eu estou posicionado?

— Comigo. A Capitã Senior quer que as escoltas andem em pares. Os Corrompidos que nós estamos caçando são espertos e furtivos, você deve ter ouvido o que eles fizeram com a unidade do Major Vichear. Ele disse que foi como se eles tivessem saído das sombras, mas ele não eram fúrias ou algo do tipo, só guerreiros Corrompidos. — Aquele cuzão do Kai estava no comando, e conseguiu matar a maioria dos homens do Vichear. O Major tinha algumas palavras sobre ele, nenhuma dita muito alto, a maioria deles sobre como ele queria não ter salvo o babaca que só sabe gritar. Porém, eu estou feliz que o Major sobreviveu. Era bom ver um rosto amigável, ainda que por poucos minutos. Yan apontou para um bom ponto estratégico, subindo em um pequeno aterro e entrando em uma área recuada para que os quins se escondessem, enquanto nós sentamos acima deles para vigiar.

Enquanto nós nos arrumamos, eu abaixo minha voz até ser um sussurro quase inaudível:

— Por que nós estamos em pares? Nós estamos revezando aqui?

— Não, se o inimigo chegar, nós dois recuamos, mas se atacarem de uma vez, então um de nós volta correndo para avisar a Tenente-General, enquanto os outros ficam para atrasá-los. Dagen diz que é um de nós, então eu fico para trás e você pica a mula.

Franzindo a testa, eu nego balanço a cabeça.

— Absolutamente não. — Ela me encara e eu sinto a tirada vindo. Pegando duas folhas de grama, eu seguro eles na minha mão. — Pegue um, o menor vai embora. — Ela pega um aleatoriamente e eu aperto minha pegada, a folha de grama se rasga ao meio enquanto ela sai da minha mão. Deixando a parte de baixo da folha dela cair, eu mostro minha folha, claramente mais longa que a dela. — Parece que você vai embora.

— Isso foi injusto pra caralho. — Sua mandíbula definida, lábios fazendo beicinho, parecendo cheios e rechonchudos. — De novo.

Me virando, eu dou de ombros.

— Nada na vida é, Yan. — Me apoiando no tronco da árvore, eu descanso meu corpo enquanto meus olhos escaneiam a área por um sinal dos Corrompidos. — Eu tenho uma chance melhor de sobreviver, e você é mais rápida do que eu. Faz sentido que seja assim. Agora, fique quieta, nós estamos no nosso turno de escolta, não fofocando ao redor do poço.

Ela joga em mim um manto sarapintado de verde e marrom, que eu rapidamente coloco, cobrindo minha cabeça e ajudando a me camuflar, nós dois caindo em um silêncio confortável enquanto continuamos a vigiar, com apenas os sons da floresta e a respiração leve de Yan nos meus ouvidos. De todas as pessoas da minha idade, eu fico mais confortável com Yan, só porque ela é a mais parecida comigo, e geralmente, a falta de tensão entre nós. Eu quero dizer, Huu gosta de tornar tudo uma competição, enquanto Mila é convencida na superioridade dela, apesar disso ser provavelmente meu ego ferido falando. Song está sempre se encolhendo quando eu me movo rápido demais perto dela, ou sempre que eu olho nos olhos dela acidentalmente, ou realmente… toda hora. Enquanto eu entendo e simpatizo com a dor dela, eu não gosto de me sentir um monstro, simplesmente por ser um homem, então eu evito ela quando posso.

Então, tem a Lin. Se eu for honesto comigo mesmo, eu sinto falta dela. Eu amo conversar com ela sobre algo que os gêmeos fizeram, ou levar ela para colher ervas, ou até ouvir ela falar sobre alguma fofoca entediante. É só que, ultimamente, ela tem sido insistente demais nesse lance de casamento, o que realmente me assusta. Eu costumava trançar o cabelo dela e cortar as refeições para ela, então é difícil ver ela de um jeito romântico. Eu sinto falta da velha Lin, tão obediente e doce, sempre com um sorriso brilhante no rosto, precisando de mim para ajudar ela com os estudos.

Infelizmente, as pessoas mudam, situações mudam, e aqui estou eu, com problemas de raiva e insônia, parado em uma colina rochosa, me atendo a soldados-assassinos e canibais em uma floresta escura e assustadora. Ebaaa, a honra e a glória da guerra.

Que maravilha.

Os dedos de Adujan batucavam contra a perna dela, tocando uma batida silenciosa enquanto ela reunia coragem para pôr seu plano em ação. Alsantset bolou um plano, e apesar de ser uma ótima idéia, significava que Adujan era a pessoa para pôr isso em prática. Era impossível que Alsantset conseguisse agir de maneira convincente o bastante para que desse certo, então obviamente sobrava Adujan para fazer o trabalho de donzela indefesa. Rain estava focado na vigia dele, e ela deveria também, mas sem querer, ela continuava a olhar para ele do canto dos olhos dela.

Ele parecia tão calmo e sereno, nada como ele parecia depois do fogo. Talvez ela estivesse errada, no fim das contas, era só uma imaginação hiperativa. O fato dele se voluntariar para ficar para trás deu esperanças a ela que Rain não estava realmente perdido, mas ainda, ela precisava ter certeza. Ela não conseguiu dormir bem nos últimos dias. A preocupação a roía por dentro enquanto ela procurava alguma pista, algum indício de que Rain não havia sido Corrompido. Enquanto era incrivelmente óbvio, nem todas as pessoas que foram Corrompidas se tornavam lunáticos violentos. Se esse fosse o caso, então os Sentinelas não teriam sido despachados para cá em primeiro lugar, para lidar com um grupo de guerreiros cautelosos.

Verdade seja dita, ela estava nervosa com mais coisas além do Rain. O campo de batalha era um lugar sem alegria, os antigos sonhos de glória e reconhecimento pareciam as fantasias de uma criança ingênua. Não havia glória aqui, só sangue e morte. Ela assistiu a morte de Sentinelas com os próprios olhos, homens e mulheres que ela conhecia e já serviu junto, cujas forças ela admirava, e a vida deles acabou em um instante. Os gritos dos mortos no campo de batalha estavam começando a assombrar os sonhos dela, e ela mal conseguia se manter sã.

Mila e Huu estavam completamente bem, como estavam a maioria dos Sentinelas mais jovens. Todos eles levavam tudo numa boa, a matança, as mortes, nada disso parecia incomodá-los. Adujan quase quebrou de tanto chorar, tendo que empilhar cadáveres de Sentinelas e de roosequins, seus corpos para ser cremados para que eles não pudessem ser profanados pelos corvos. Ela recuou para a floresta com Shana, chorando no pelo da amiga peluda dela, e o pensamento de perder a quin dela a deixaram incapaz de pensar coerentemente. Ela decidiu juntar moedas o bastante para comprar Shana, e deixar a quinzinha se aposentar e ficar gorda na vila, livre da guerra e dificuldades.

Chega de enrolar. Estava na hora de descobrir se Rain estava perdido, ou se eles ainda podiam salvá-lo. Respirando fundo, ela simplesmente pulou nas chamas.

— Rain? — Sua voz pouco mais que um suspiro.

— Você vê algo?

— Não, eu só queria te perguntar algo. — Ela sentiu, mais do que ouviu, o suspiro dele, e rapidamente continuou antes dele poder rejeitar. — Eu estive tendo problemas com minha cultivação com o anel rúnico, e eu queria saber como era para você. — Esse era o plano que Alsantset e ela bolaram, fingir alguma dificuldade para fazer o Rain falar. Perguntar a ele como ele estava indo, o idiota teimoso só iria dar de ombros, antes de ir embora para evitar a conversa. Pedindo ajuda ele provavelmente falaria mais, já que era assim que ele era. O único problema era que Adujan odiava pedir ajuda.

— Eu não acho que eu seja a melhor pessoa para você perguntar isso. Na verdade, eu estava pensando em simplesmente dar o anel, para o Fung ou algo assim. Eu mal posso usá-lo. Tente falar com a Mila ou a Song.

As coisas estavam indo como planejado até ali.

— Mila e Song tem poucos problemas com o anel, e são incapazes de se relacionar com os meus. Eu pensei que já que você estava tendo dificuldades também, nós poderíamos nos juntar e falar sobre isso. Como é para você, quando você está cultivando? —  Ela esperava enquanto ele ficava parado em silêncio, fazendo tudo no poder dela para não olhar para ele, fingindo ser causal e indiferente com a resposta quando nada podia ser mais longe da verdade. Ela queria estapear a cara idiota dele por obrigá-la a fazer isso.

Depois de uma longa pausa, ele finalmente falou, ainda focado nos arredores:

— Cultivar com o anel não é nada parecido com a cultivação normal. Sem o anel, assim que eu entro no Estado de Equilíbrio, é como uma briza calorosa de verão, enquanto você está em uma sombra fresca. Um sentimento gentil que me envolve, me faz sentir seguro e bem cuidado. Meditar é refrescante e revigorante, e eu acordo contente e tranquilo, me sentindo como se eu pertencesse, não importa aonde eu esteja.

Ao ouvir isso, Adujan sorriu ironicamente para si mesma. Esse cuzão, refrescante e revigorante? Para ela, era como pegar óleo na água, tentando capturá-lo enquanto ele escapava pelos dedos dela, pedaços de cada vez, uma atividade frustrante. O anel permitia a ela sentir algo mais próximo do que Rain estava descrevendo, mas ainda não tão simples, e ele dizia que era assim para ele sem ajuda? Parecia que ele era capaz de entrar em algum estado mais próximo de um Estado de Equilíbrio perfeito e ter a Energia dos Céus fluindo gentilmente em seu corpo, como água em um ponto baixo, ou ar em um vácuo. Era como eles descreviam o processo para crianças, mas isso era para elas terem uma ideia de como deveria ser.

Não era surpresa que ele era tão bom em curar. Ainda que sua habilidade de armazenar chi fosse baixa, ele poderia simplesmente passar algum tempo reabastecendo seu suprimento de chi em uma questão de horas, praticando tanto quanto quisesse. Era necessário uma mente calma e uniforme para alcançar um Estado de Equilíbrio tão perfeito, e a única pessoa que Adujan conhecia capaz de tal coisa na idade deles era Sumila, que era considerada uma prodígio. Quem imaginaria que Rain era um também?

— Você diz na melhor das vezes. As coisas são diferentes agora? — Adujan estava quase relutante em perguntar, o ego dela machucado e a motivação dela esgotada. Talento era uma coisa, mas como ela poderia super Rain, que era talentoso e se esforçava? Não, a vida era de fato injusta, e era por essas razões que essa conversa de cultivo e progresso era desencorajada entre companheiros. A tensão emocional da competição era frequentemente o bastante para tirar alguém do Equilíbrio, e a inabilidade de se igualar a um rival ou alcançar uma meta eram alguns dos mais comuns impedimentos para cultivação.

— Ultimamente, sim. Desde que eu comecei a usar o anel, tem sido mais e mais difícil encontrar o Equilíbrio. — A confissão aberta dele encheu Adujan de alegria. Se ele estivesse realmente Corrompido, ele nunca mais conseguiria entrar no Estado de Equilíbrio, incapaz de controlar suas emoções básicas e desejos. Ela esperou em silêncio para ele continuar, mas silêncio foi tudo que ela recebeu em resposta. Talvez ele iria descobrir seu problema por conta própria?

Ela teve uma batalha interna por um meio minuto agonizante. Elas não tinham planejado até ali, apenas como levar a ele em direção a admitir seus problemas. Agora que ele admitiu, o que ela deveria fazer?

— Qual é exatamente o problema quando você cultiva com o anel? Talvez seja o mesmo que o meu. — Melhor falar algo inofensivo primeiro, deixar ele confortável para falar com ela.

— É uma batalha, um corrente enfurecida me afogando dentro de si, e eu mal consigo respirar, até que isso acaba e a luta termina, e tudo que sobra é paz e serenidade. — Adujan piscou algumas vezes com a frase de Rain, tentando compreender o problema dele. Como isso era ao menos possível? — É como se eu estou lutando com a energia, tentando mantê-la afastada de mim, e de repente, eu só quero deitar dentro dela, me entregar, e me render.

Adujan se sentou em silêncio, sem palavras para ajudá-lo. Ela não entendia o que ele estava falando, nunca ouviu nada como ele descreveu. Ela começou a abrir a boca, para sugerir que ele buscasse alguém mais sábio que ela, mas a mão de Rain encostou no ombro dela três vezes, sinalizando que algo estava errado. Enrijecendo, ela nervosamente esperou em silêncio, nem ousava respirar, esperando que ele logo sinalizaria que foi um alarme falso. Todos os outros pensamentos foram deixados de lado por agora. Sobreviver era o mais importante.

Ela não estava com sorte. Três chamadas de pássaros, assobios longos a curtos, e ela estava se movendo, pulando do poleiro e pousando em cima de Shana, acordando a quin rudemente do seu descanso. Indo embora em silêncio o mais rapidamente que ela podia, a escuridão da noite cobria a fuga dela enquanto ela se movia freneticamente em direção à Tenente-General, os sons da batalha surgindo atrás dela conforme os Corrompidos chegavam, prontos para sangue e morte.

Worst
Worst, filho da Música, casado com os Livros, tradutor de DS, CdMD e ASdCZ, ?% Engenheiro, 1 dos 3

12 Comentários

  1. Ela está cada vez mais confusa, não sabe se isso é um sinal bom ou ruim… Só espero que eles descubram logo se ele está se tornando um Corrompido ou é apenas a guerra que o mudou…

  2. Então o porta é realmente roubo… Que pena. Prefira que ele fosse simplesmente alguém esforçado. Obrigado pelo capítulo

    1. pessoas talentosas existem, Mila é uma, aliás. Isso não desmerece o esforço dele pois talento não é tudo, é um bom começo, mas não o suficiente, ele mesmo tendo algum talento ainda precisa se esforçar, assim como qualquer um, ainda mais que ele começou bem tarde, diferente de todos os outros, que começaram ainda bem crianças ^^

  3. Adujan best girl. O cara já era foda sem ninguém saber. Ele e o hulk, fora da batalha e o cara inteligente e quando fica com raiva vidas são ceifadas

  4. Eh muiti escroto qndo uma pessoa eh incapaz de pedir ajuda qndo sabe que estah gritando por isso. O q acaba fazendo ele ter essas atitudes de merda

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!