GOM – Capítulo 76

Extermínio

Assim que entraram, os dois assassinos logo fecharam a janela sem fazer nenhum barulho. Quando o assunto era assassinato, ambos eram extremamente experientes. Eles haviam assassinado, até mesmo, os ministros de gabinete da corte imperial. Se não fosse pelo aviso do chefe deles indicando que eles deveriam tomar cuidado com esse assassinato, eles com certeza não agiriam com tanta precaução, afinal, o alvo deles era muito fraco.

O cômodo onde eles estavam não era o quarto de Bu Fang. O interior deste cômodo era vazio e espaçoso. Não havia ninguém.

Os olhos de Ah Long se semicerraram enquanto ele apontava para frente. Os dois se moveram em direção à porta. Assim que passaram pela porta, sem fazer nenhum barulho, eles logo chegaram em outro cômodo. No canto esquerdo do cômodo havia uma escada que levava ao andar de baixo. A visão dessa escada era medonha e sombria, como se ela pudesse devorar a mente de uma pessoa, e isso fez com que Ah Long e Ah Hu ficassem incontrolavelmente aterrorizados.

Ah Long engoliu em seco e desviou o olhar. A linha de visão deles mudaram para a porta fechada à sua frente.

Os dois se entreolharam, alegres. Daquele cômodo à frente, eles podiam ouvir uma respiração estável. Pelo o que tudo indicava, o proprietário do restaurante estava dentro daquele cômodo.

Eles empurram a porta, mas ela claramente estava trancada e não havia mexido nem um milímetro. Ah Long calmamente retirou um pedaço de arame do bolso. A energia pura fluiu de sua mão e envolveu a superfície do arame. Em seguida, ele enfiou o pedaço de arame no buraco da fechadura e a energia pura deu forma ao arame, transformando-o em uma chave que preenchia as lacunas internas da fechadura. Após isso, ele começou a girar lentamente o arame e logo o som de algo destrancando soou… A porta estava aberta.

Hmm? Tão fácil? — Ah Long ficou surpreso uma vez mais. Não parecia tão perigoso quanto o chefe deles havia dito.

Eles abriram a porta e olharam para dentro. Suas sobrancelhas franziram fortemente, já que eles não conseguiam ver nada naquela escuridão. Sem escolha, eles logo decidiram que deveriam entrar no cômodo e imediatamente assassiná-lo assim que o vissem.

Só que naquele exato momento, os dois de repente se arrepiaram todinho. Eles ficaram congelados no local. Esses arrepios vieram do mais profundo de seus corações e instantaneamente os envolveram por completo, como se um vento gélido do mais frio dos árticos tivesse soprado sobre eles.

Os olhos deles se arregalaram e suas pupilas se contraíram. Eles não se atreviam a fazer o menor dos movimentos.

Dois pontos de luz vermelha de repente apareceram atrás deles, no meio da escuridão.

— Qu… Quem está aí?!

O corpo todo de Ah Long começou a tremer enquanto ele fazia um esforço colossal para tentar virar a cabeça. Quando ele olhou para trás, seus olhos se encontraram com aqueles dois pontos de luz vermelha…

Eram os olhos de Branquinha! Seus olhos brilhavam avermelhados no meio da escuridão.

Seus braços mecânicos diretamente agarraram os pescoços dos assassinos e os levantaram.

— Sentindo a intenção assassina dos alvos em relação ao proprietário. Procurando por uma solução… A solução foi encontrada e será ativada imediatamente. Solução: Extermínio.

Os olhos de Branquinha ficaram violetas.

Ela começou a apertar fortemente os pescoços dos assassinos. Sua intenção claramente era matar.

O rosto de Ah Long ficou repleto de terror enquanto ele se debatia no ar, tentando livrar-se do aperto de Branquinha. Eles tentaram manipular a energia pura dentro de seus corpos, mas sempre que fluía para suas mãos, a energia se dispersava antes que eles tivessem a oportunidade de usar…

À medida em que o aperto em seu pescoço ficava cada vez mais forte, Ah Long se debatia com mais intensidade, colocando sangue pela boca.

Branquinha os encarava sem nenhum remorso. Sua expressão era tão fria quanto a de uma deusa da morte, que tratava todas as vidas com indiferença. Seus olhos violetas passavam um ar extremamente demoníaco naquela escuridão.

“Crack!”

Com dois sons de ossos quebrando, Ah Long e Ah Hu de repente pararam de se mover. Seus corpos ficaram moles e suas cabeças caíram para o lado, sem vida. Sangue fluía de suas bocas e pingava no chão, produzindo um som medonho.

Branquinha indiferentemente deu meia-volta enquanto segurava os dois cadáveres e saía do local.

A porta do quarto de Bu Fang fechou de repente, e as marcas de sangue que havia no chão desapareceram do nada, como mágica…

Bu Fang levantou a mão e coçou o nariz, ainda dormindo.

 “Bam! Bam!”

Dois cadáveres voaram pelo ar e colidiram no chão duro do beco. Sangue fluía de suas bocas e narizes…

Pretinho sonolentamente levantou a cabeça. Quando ele viu os dois cadáveres, ele franziu o nariz e deu um “humpf”. Em seguida, ele abriu a boca e deu um assopro. Os dois cadáveres foram assoprados pela rajada de vento e jogados para longe.

Após fazer isso, Pretinho abaixou a cabeça, satisfeito, e voltou a dormir.

Na mansão do Monarca Yu, um homem em vestes negras estava olhando profundamente para uma vela acesa. Em seus globos oculares, havia duas chamas fantasmagóricas. De repente, essas chamas em seus olhos ficaram fracas por um momento e o som de ossos quebrando soou.

Um suspiro veio de sua boca.

— Como eu pensei… Aquele restaurante não deve ser provocado. Ah Long e Ah Hu… morreram como insetos.

Duas pessoas silenciosamente apareceram na frente de Hun Qianyun e o saudaram respeitosamente.

— Ah Long e Ah Hu morreram. Saiam e recolham os cadáveres deles… Nós falhamos no assassinato. Eu vou pedir perdão ao Monarca Yu. — Hun Qianyun saiu do local.

Suas costas eram meio corcundas devido à idade.

Os dois Imperadores Bélicos da Seita da Alma estavam estupefatos. Antes, eles os haviam alertado para terem cuidado… Bem cuidado. Contudo, não muito tempo havia se passado… E os dois já estavam mortos?

Os dois Reis Bélicos não puderam nem reagir?

Os dois se entreolharam e puderam sentir o medo nos olhos um do outro.

— Vossa Alteza, perdão, nós falhamos no assassinato, — Hun Qianyun disse sem rodeios para o Monarca Yu.

O Monarca Yu estava em vestes luxuosas, com seu cabelo solto e com uma expressão pacífica no rosto. Quando ele olhou para Hun Qianyun, o canto de sua boca se esticou em um sorriso.

— Entendi. Eu os prepararei um bom funeral. Você pode sair, — o Monarca Yu disse suavemente.

As chamas fantasmagóricas nos olhos de Hun Qianyun pulsaram levemente. Ele não disse mais nada e saiu. Não havia sequer o menor traço de aura intimidante ou energia vindo de seu corpo. Era como se ele fosse apenas um idoso normal, com um pé na cova.

Contudo, o Monarca Yu não se atrevia a subestimá-lo. Hun Qianyun era o expert número um da Seita da Alma. Sua cultivação era bem profunda e seu entendimento em relação à arte das almas era o mais proficiente de todos. Alguns dizem que ele já entrou no reino do sétimo nível, Santo Bélico. Outros dizem que ele está apenas no pico do sexto nível, Imperador Bélico.

Quando Hun Qianyun saiu, os olhos do Monarca Yu gradualmente se encheram de interesse.

Esse velhote é realmente astuto e impiedoso. Ele usou a vida de dois Reis Bélicos apenas para mostrar sua sinceridade a mim. Muito bem… Então eu acho que devo confiar em você por enquanto. — O Monarca Yu sorriu e ficou demoniacamente charmoso. — Restaurante Fang… Que tipo de segredos esse restaurante esconde?

Comparado à Seita da Alma, o Monarca Yu de repente descobriu que ele estava mais curioso a respeito do restaurante.

A noite passou pacificamente.

Na manhã seguinte, Bu Fang acordou cedo como de costume. Ele primeiro foi para a cozinha e começou sua prática diária de técnica de corte. Ele segurava uma faca pesada enquanto rapidamente cortava os rabanetes. Após terminar sua prática com os rabanetes, Bu Fang começou a preparar as Costelas Agridoces. Esse era o café da manhã de Pretinho, que futuramente iria se tornar um porco.

Jin Gordão e seus camaradas chegaram com expressões impacientes no rosto. Já que Bu Fang havia suspendido os negócios no dia anterior, eles tiveram que sofrer um dia de eterna angustia estomacal. Após se acostumarem com os pratos de Bu Fang, era como se a comida de outros restaurantes não tivessem mais gosto.

— Proprietário Bu! Você finalmente abriu o restaurante para negócios! Céus… Tem um novo prato! Sirva-me uma porção de cada prato, por favor! — Jin Gordão fez seu pedido.

Bu Fang assentiu inexpressivamente com a cabeça e foi para a cozinha. Seu dia de negócios havia começado.

Xiaoyi chegou no restaurante lutando contra o frio. Ela esfregou as mãos e, não muito tempo depois, retirou o casaco e o chapéu arredondado, revelando seu rosto rosado. Havia um sistema automático de aquecimento no restaurante, então o interior era quentinho e aconchegante.

Bu Fang preparava os pratos enquanto Xiaoyi os servia. A harmonia entre os dois só ficava melhor a cada dia.

Na entrada do beco, o Monarca Yu, com sua aparência imponente e com seu temperamento extraordinário, lentamente se aproximava do restaurante, vestindo um changshan de brocado. Ele entrou no restaurante e começou a avaliar seu interior.

Esta era a primeira vez que ele vinha ao restaurante de Bu Fang, então tudo parecia novo para ele. Os preços astronômicos dos pratos o fizeram ficar especialmente interessado.

Após pedir uma jarra de Vinho do Coração de Gelo e um prato de Costelas Agridoces, o Monarca Yu começou a degustar as delícias do restaurante.

Ao mesmo tempo… Ele esperava a chegada do príncipe herdeiro.

Kabum
Engenheiro Mecânico. Soteropolitano.

1 Comentário

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!