LAB – Capítulo 169

Adeus

No escritório, Cinzas foi recebida por Roland Wimbledon novamente. Ele estava assoberbado de trabalho, cheio de documentos em cima da mesa, escrevendo o tempo todo. Parecia que ele estava lidando com algum problema sério. O sol estava se inclinando para o oeste e o céu estava pintado com um toque de dourado. A luz do sol entrava pelas janelas e projetava uma longa sombra por todo o cômodo.

Cinzas esperou até que o Príncipe colocasse sua pena de lado antes de proclamar:

— Eu ganhei.

— Sem sombra de dúvidas, você ganhou. — Roland assentiu sem hesitação.

A atitude simples de Roland em reconhecê-la, deixou Cinzas um pouco surpresa. Ela pensou que Roland iria argumentar e não esperava que ele admitiria este resultado assim, tão facilmente.

— No entanto, eu admito que você tem o poder para lutar contra o Exército da Punição Divina. — Cinzas continuou — O Exército da Punição Divina não é parado por lâminas e lanças. Seu poder e capacidades físicas são semelhantes às minhas. No entanto, eles não têm consciência e também não possuem a capacidade de pensar. É por isso que eu consigo lutar contra três de uma vez. O duelo anterior foi um bom exemplo, pois, se o oponente de seu Cavaleiro for um membro do Exército da Punição Divina, eu acredito que eles iriam atacá-lo com um ataque frontal. Eles não são capazes de realizar uma simples expedição sozinhos, como o Exército do Julgamento, por isso, eu suponho que a Igreja precisa sempre destacar um líder para dar as ordens e guiá-los.

—Obrigado. — Roland sorriu —Esta informação é bastante importante.

— Que tipo de arma é aquela que o Cavaleiro usou no duelo?

— É uma arma de fogo. De agora em diante, todos os meus soldados vão usar esta arma. Até mesmo um agricultor será capaz de derrotar um membro bem treinado do Exército do Julgamento usando esta nova arma.

— Você poderia me dar uma dessas armas? — Cinzas hesitou

— Não, a menos que você queira fazer parte da União das Bruxas. — Roland deu de ombros — Esta arma ainda é bastante rara nesta fase.

A recusa de Roland era esperada. Cinzas suspirou e disse:

— Eu tenho que me reunir com Tilly o mais rápido possível. Amanhã de madrugada, vou deixar Vila Fronteiriça. Se você não conseguir defender mais a vila, você também pode ir para os Fiordes, pois lá será nosso santuário.

— Você também — Roland assentiu e completou —, não se esqueça de contar a notícia para minha amada irmã que há um lugar para as bruxas na Região Oeste do Reino de Castelo Cinza.

Cinzas ficou em silêncio por um momento e depois respondeu:

— Eu vou considerar.

Quando Cinzas estava prestes a deixar o escritório, o Príncipe pediu para ela aguardar.

—Espere um pouco, eu tenho um presente para você. Está atrás da porta.

— Um presente?

Cinzas ficou atordoada por um momento. Ela se virou e viu uma enorme espada perto da porta. A porta estava na frente dela, por isso que Cinzas não percebeu quando entrou no escritório.

— Aquela sua espada não pode mais ser utilizada. Eu pedi para Anna fazer uma nova para você. Essa nova espada não é feita de ferro fundido e mal trabalhado como a outra, não, esta espada é feita de aço puro!

A lâmina desta enorme espada era suave e com excelentes proporções. Ela refletia o brilho alaranjado sob a luz do sol. Cinzas caminhou até ela e tocou suavemente sua lâmina. A sua largura era muito bem equilibrada, e o fio da lâmina não mostrava quaisquer ranhuras ou defeitos. Sem dúvida, esta era uma arma de alta qualidade. A única coisa que deixou Cinzas confusa era o estilo da espada. Ao invés de ser uma espada de dois gumes, esta espada tinha um gume só e o outro lado era tão espesso quanto um dedo. A espada não tinha ponta. Sua ponta parecia terminar em um trapézio. A parte mais estranha era a primeira seção da lâmina. Um desenho específico estava entalhado nela, e do outro lado do gume havia um corte circular com uma peça em ouro. Esta espada definitivamente iria chamar a atenção de todos.

Mesmo que ela não quisesse mostrar sua afeição para esta nova espada, Cinzas não conseguiu se conter e levantou a espada, observando ela com admiração.

—Por que a sua aparência… é tão estranha?

— Porque esta não é uma arma comum. — Roland sorriu — Seu nome é A Mensageira das Cinzas. Comparada com a sua antiga espada de ferro-gusa, esta é uma espada lendária.[1]

Cinzas decidiu não perguntar o que eram estas palavras estranhas que Roland estava falando.

— Bem, então, eu vou aceitar este presente. Em troca, eu vou te dar um presente também.

— Hum? E o que seria? — Roland perguntou curiosamente.

Mas ela não respondeu e simplesmente saiu da sala.[2]

Na manhã seguinte, Roland abriu a porta e viu Rouxinol sentada em frente à mesa com um pedaço de peixe seco na boca.

— Elas foram embora.

—As duas?

— Sim. — Rouxinol respondeu meio sonolenta — Elas partiram ao amanhecer. Wendy acompanhou elas até uma parte do caminho.

Roland ficou tocado. Wendy estava cuidando de cada irmã, sem contar que esta era a bruxa que ao mesmo tempo a protegeu de coisas horríveis que poderiam ter acontecido e ainda ajudou ela a fugir do mosteiro. Ele tinha pensado que Wendy iria embora com Cinzas. Ele não esperava que Wendy recusaria o convite de Cinzas.

No fim das contas, a União das Bruxas ainda era composta por doze pessoas. Isso realmente deixou Roland motivado.

— O senhor acredita que elas vão contar para as bruxas do outro lado do oceano o que aconteceu aqui na vila? — Rouxinol perguntou.

— Talvez sim, talvez não. — Roland se encostou na cadeira e suspirou — No entanto, se elas encontrarem algumas dificuldades difíceis de resolver, elas vão pensar na vila, sim.

Roland fechou os olhos e começou a procurar em sua mente as memórias que pertenceu ao antigo príncipe. Ele e Tilly não eram muito próximos. Tilly mantinha distância de todos, até mesmo do Rei Wimbledon III. Além de sua aparência e inteligência excepcionais, ele não tinha muita informação sobre Tilly em sua mente.

Roland não sabia quando foi que a Princesa Tilly começou a esconder as bruxas e quando ela começou a planejar ir embora e criar um lar para elas nos Fiordes. No entanto, como ambos estavam nesse momento lutando contra a Igreja, ela seria uma grande aliada que ele deveria se esforçar para conseguir.

Enviar Theo para espalhar aquele rumor não foi um ato sem sentido. — Roland pensou — O despertar de uma bruxa é totalmente aleatório. Tilly não seria capaz de levar embora todas as bruxas. Especialmente agora, que sua organização foi embora, uma bruxa recém-desperta estaria desesperada para encontrar este santuário. Agora que eu consegui novas e precisas informações sobre o Exército da Punição Divina, a próxima coisa que eu preciso fazer é expandir a produção de ácido nítrico e ácido sulfúrico. Afinal, tanto a pólvora quanto bombas mais eficientes dependem intrinsicamente destes dois ácidos. Assim que o Primeiro Exército substituir suas armas para as pistolas, os canos das armas com estrias e esta nova forma de recarregar a munição aumentará drasticamente a precisão do tiro. Portanto, o treinamento será ainda mais importante. Nesta era, sem controle de armas de fogo, um soldado hábil é capaz de lutar contra dez novatos. O consumo de munição vai aumentar substancialmente. Além disso, ainda temos o problema da pólvora no tambor. Após o disparo, parece que sempre resta um pouco de pólvora no tambor que está causando pequenas explosões e diminuindo a vida útil do tambor. Somente usando a pólvora sem fumaça é que poderemos resolver este problema.

Roland ainda se lembrava de que para fabricar pólvora sem fumaça, ele precisaria de nitrocelulose, ou o algodão-pólvora, que é a nitrocelulose em estado bruto. O difícil seria o próximo componente a ser misturado, que era nitroglicerina. Da mesma forma que se utiliza ácido nítrico com celulose para fabricar a nitrocelulose, também era necessário ter ácido nítrico para reagir com o glicerol e obter a nitroglicerina. Além disso, a nitroglicerina é um composto extremamente instável e explosivo, e todo o ácido nítrico já estava sendo utilizado para a fabricação do algodão-pólvora.

A produção de ácido nítrico e sulfúrico era bastante limitada e ainda estava em uma pequena escala. Roland precisaria de um processo de fabricação industrial para realmente produzir equipamentos o suficiente para abastecer um exército. Entretanto, ele não estava familiarizado com o processo de fabricação destes ácidos à nível industrial, tão pouco tinha conhecimentos de química industrial. Por isso, ele estava sem ideias de como resolver este problema agora.

Não bastasse esses problemas, Roland não poderia esquecer do seu plano de educação universal. E não era somente o conhecimento básico das ciências, mas também o conhecimento necessário para transformar o pensamento do povo de Vila Fronteiriça. Roland sabia que os moradores da vila tinham agora uma melhor aceitação e compreensão das bruxas após o desafio que passaram durante os Meses dos Demônios e também da propaganda feita pelo Primeiro Exército.

No entanto, os forasteiros ainda estão confinados ao pensamento nocivo encucado pela Igreja. — Roland pensou — A população de estrangeiros aqui na vila aumentou dramaticamente, especialmente os agricultores. Eles ainda estão vivendo nos galpões de madeira perto do Rio Vermelho. Hum, eu posso até mesmo considerar como um bairro da vila. No entanto, assim que forem promovidos a libertos, eles vão, naturalmente, se mudar para o interior da vila. Se esperarmos isso acontecer, pode ser tarde demais para transformar seus pensamentos. Eu preciso pensar em uma forma de transformar o pensamento do povo sem despertar muito a sua atenção e, ao mesmo tempo, este método precisa ter uma forte aceitação.

Seus pensamentos estavam bastante confusos e quando Roland abriu os olhos, ele percebeu que Rouxinol estava olhando para ele fixamente. Quando seus olhos se encontraram, ela inconscientemente virou a cabeça.

— Ah… sim, eu esqueci de dizer ao senhor uma coisa. — A bruxa olhou pela janela e fingiu estar indiferente — Wendy me pediu para dizer uma coisa ao senhor.

— E o que é? — Roland perguntou.

— Ela disse: obrigada.


[1] Bem, algumas pessoas já devem ter descoberto, mas o autor [e Roland] fez uma clara referência à espada Ashbringer, ou A Crematória, de WoW. Você pode conferir o desenho dela neste link.

[2] Será que você consegue adivinhar? 😉

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

45 Comentários

          1. Não estou convencido de que é Zabuza Momochi, o Demônio do Gás Oculto

          2. Será que é ele mesmo? O Zabuza Momochi, o Demônio do Gás Oculto?

          3. pode ser a irmã!!! do grande Zabuza Momochi, o Demônio do gás oculto ???

          4. Eu creio que seja o Zabuza Momochi,o Demônio do gás oculto !!!

          5. Não pode ser é ele mesmo, Zabuza momochi, o Demônio do gás oculto !!!

          6. Então é realmente ele? Zabuza Momochi,o Demônio do gás oculto!!!

  1. Obrigado pelo capítulo! E não é que o Sek acertou, ainda por cima ganhou um item lendário!

    1. Vi agora kkk
      Apareceu aquela msg:

      Aviso do sistema: quest completada com sucesso, clique em aceitar para receber sua recompensa.

      Aviso do sistema: você recebeu espada A Mensageira das Cinzas.

      Kkkkk ah RPG, como te amo

    1. Eu senti. Mas entendo que a vida nem sempre segue como a gente quer. Aproveite que semana passada foi semana especial 😉

  2. Eu acho que é aquela pedra de localização
    Ela pode ter dado a localização da Tilly ou ago do tipo.

    Mais lendo os comentários de baixo percebo que não tem nada a ver, primeiro que Roland não pode usar a pedra, segundo estamos entrando em iminente confronto

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!