LAB – Capítulo 173

Desejo

Quando Ferlin e Irene estavam de volta em seu apartamento, ele balançou a cabeça com profunda resignação.

— Por que você não disse que ia pensar nisso antes de ir prometendo assim, logo de cara, para Sua Alteza?

Ele tinha visto sua esposa pular alegremente todo o caminho de volta para casa. Em sua memória, Ferlin só tinha visto ela estando tão feliz no seu casamento.

— Não. — Irene mostrou a língua para ele — Se eu demorasse um dia sequer para responder, eu não iria conseguir dormir.

É verdade, realmente gosta muito de atuar. Lá no Teatro do Forte, ela costumava praticar sozinha até meia-noite e frequentemente passava as falas do roteiro comigo. Se não fosse por causa daquele maldito Duque, ela já seria a Estrela do Teatro e não somente a Flor do Teatro. — Com este pensamento, Ferlin abraçou sua esposa por trás e disse:

— Tudo bem então, me desculpe.

— Não é sua culpa, meu amor. — Irene balançou a cabeça e respondeu com um leve sorriso — Você tinha sido transferido para outra cidade, não podia fazer nada. Agora, se você quiser mesmo se desculpar, você pode ir para a cozinha hoje. Eu quero ler estes roteiros ainda hoje.

— Tudo bem, tudo bem… hoje é o meu dia então de ir para a cozinha, então. — Ferlin beijou sua orelha — Teremos mingau de carne e ovos fritos. Vamos colocar um pouco de salsicha assada nesse nosso jantar para celebrar!

A casa deles na vila era diferente de todas as casas que eles tinham vivido antes. Por exemplo, todos estes utensílios na cozinha. Ao contrário do fogão aberto em todos os lares em Forte Cancioneiro, seja de aristocrata ou do povo, que era geralmente localizado no centro de uma sala de estar, o fogão da cozinha nestas residências era posto em um cômodo separado. O fogão era rodeado por paredes de concreto pelos três lados e a parte de trás estava ligada à chaminé. Este fogão tinha até mesmo uma chapa de ferro que era colocada dentro, na horizontal, e quando não estavam usando, podia tampar o fogão para não deixar a fumaça sair pela parte da frente.

Ferlin poderia facilmente pensar na vantagem deste projeto. Assim que eles fechassem a porta da cozinha, a fumaça e cheiro não entrariam no resto da casa, e mesmo no verão, o calor do fogão não iria se espalhar pela casa. Ele colocou um pouco de lenha e serragem no fogão e, em seguida, pôs o jantar para cozinhar.

Depois do jantar, Irene estava absolutamente focada nos roteiros. Quando ela finalmente acabou de ler o terceiro livro e pôs de volta na mesa, a vela estava quase no fim.

— E então? Como é? — Ferlin estava morrendo de curiosidade, vendo sua mulher ler os roteiros por um período tão longo. Ele se lembrou que uma vez, Irene leu dez livros em uma manhã, ainda quando estava no Teatro.

— É… difícil de descrever. Cada história dessas é diferente das usuais. Nunca li nada parecido com isso! Aqui, na história chamada Cinderela, o Príncipe se apaixonou por uma menina civil bonita em vez de uma Princesa… que não é uma coisa rara, mas ele ainda insistiu em se casar com ela. Eu fiquei me perguntando, será que o Príncipe Roland realmente leu essa história? Mas independente disso, é realmente uma história emocionante, de abrir o coração. A única coisa que penso agora é aplaudir de pé quando o Príncipe encontra a Cinderela novamente e coloca o sapato de cristal no pé dela. —  Irene exclamou — Já a outra história, O Conto do Galo à Meia-Noite, tem um enredo mais simples comparado com a Cinderela, mas é muito interessante também. Eu acredito que dois ou três atos serão suficientes para contar a história para o público. Além disso, quando eu li o parágrafo em que os servos encontram a coragem para resistir ao nobre, como posso dizer… foi maravilhoso! Depois de um bom tempo aceitando todos os mandos e desmandos do nobre, os servos conseguiram mudar completamente o status quo, e se tornaram muito diferentes do que eram antes, ao mesmo tempo em que tiveram que assumir grandes responsabilidades, a ponto de serem mais responsabilidades do que poderiam suportar sozinhos. Tudo isso foi muito bem escrito, e o sentimento de quando eles decidiram resistir e deixaram sua paixão pela liberdade aflorar, parecia que estava falando diretamente para o coração de quem estava lendo!

— Servos lutando contra um nobre? — Ferlin franziu o cenho.

Os nobres nunca vão tolerar uma coisa dessas. — Ferlin pensou — Se os servos da Família Eltek resolvessem se rebelar e lutar com enxadas e pás, meu pai iria cortar a cabeça deles e pendurar na porta da mansão no outro dia.

— E Sua Alteza realmente vai deixar você interpretar uma história dessas no palco?

— Você precisa ler! — Irene revirou os olhos para ele — Você vai sentir a mesma coisa que eu depois de ler estes roteiros. Os servos tiveram que lutar. Aquele nobre tinha ido longe demais. Eles foram tão cruelmente oprimidos por ele… mas no final, eles envolveram o nobre em um saco e começaram a bater. Eu acho que eles foram muito contidos. Depois disso, o nobre queria colocar todos os servos na forca, mas uma bruxa apareceu de repente e parou o nobre, transformando-se em um conhecido daquele nobre. Mais tarde, ela chegou ao castelo do Lorde para se humilhar por causa dos servos. Após uma discussão acalorada, o Lorde fez uma decisão sábia e misericordiosa. Ele comprou todos os servos e fez deles homens livres! Eu aposto que o público vai entrar em êxtase quando isso acontecer.

Mas os nobres vão protestar e pressionar o teatro para não mostrar essas peças. — Ferlin pensou — E no fim serão todos demitidos. — Mas… espere, não há nenhum outro nobre além de Sua Alteza e o Visconde Titus em Vila Fronteiriça. Além do mais, foi o Príncipe que construiu o Teatro e está contratando os atores e atrizes. Então, quer dizer que ele só quer apresentar espetáculos para pessoas do povo, os civis? O quanto ele vai ganhar fazendo isso? Se ele realmente pagar os atores e atrizes como eram pagos no Forte, ele vai inevitavelmente perder dinheiro com esse investimento. Será que ele só está fazendo isso para se divertir?

Irene, no entanto, não notou o olhar no rosto de Ferlin e continuou:

— Meu amor, essas histórias são maravilhosas, mas não se comparam com a terceira, o Diário de uma Bruxa. Aposto que todos os teatros das grandes cidades como Cidade Carmesim ou mesmo a Cidade Real de Castelo Cinza vai pagar muita gente para apresentar esta peça e vai fazer muita propaganda! Eu senti isso assim que li o roteiro! Eu tenho que dizer, Pergaminho é um gênio da dramaturgia. O Diário de uma Bruxa é muito melhor do que qualquer roteiro hoje em dia em termos de história e habilidades narrativas.

— Você tem certeza? — Ferlin achou engraçado quando Irene falou sobre esses roteiros de forma tão séria — Você acha que é ainda melhor do que as peças do Senhor Kajen Fels, com as obras amplamente reconhecidas Por Rose e até mesmo Um príncipe buscando amor? Além de fazerem um sucesso estrondoso na capital, ainda atraíram muita gente que queriam comprar o roteiro e aprender a encenar a peça.

— Sim, acredite em mim, querido. Ou você não acredita em mim? — Irene começou a contar a história — Apesar do conteúdo, o estilo de narração por si só é criativo o suficiente. As peças sempre são escritas em terceira pessoa, mas esta é a partir das perspectivas das três bruxas. Elas contam das coisas que acontecem em suas vidas, mas elas não sabem de tudo, muito menos do que acontece na vida das outras. Em uma parte da história, alguns detalhes que antes pareciam irrelevantes, acabam se tornando parte maior de um contexto e levam as bruxas a se tornarem amigas íntimas. Devo dizer que este método de usar várias linhas de história para motivar o desenvolvimento da trama vai certamente fazer um rebuliço, mas não em Vila Fronteiriça. Eu duvido que o público aqui será capaz de compreender este ponto. — Irene, já muito entusiasmada, pegou um papel e uma pena e começou a escrever — Eu tenho que convidar todos os meus amigos do teatro o mais rápido possível. Mal posso esperar para ver o olhar de surpresa em seus rostos!

— Espere, Irene, você não acha… que essas histórias vão muito contra o senso comum? — Ferlin disse e segurou na mão de sua esposa.

Depois de ouvir tudo o que a sua mulher disse, ele também achou as histórias muito interessantes e todos os personagens, bons ou maus, estavam bem escritos, mas ele simplesmente não se sentiu à vontade com a história das bruxas. Elas estavam caracterizadas completamente ao contrário do que a Igreja pregava e, entretanto, incrivelmente detalhadas. A terceira bruxa na história, que teve a sorte de ser sido criada por uma família amorosa e podia liberar seu poder à vontade, descobriu no final que a tortura do diabo era nada além de uma mentira e que as bruxas não eram diferentes das pessoas comuns, exceto por sua capacidade de usar o poder mágico. Na história, as bruxas tinham sentimentos e também eram assoladas pela tristeza quando seus entes queridos morriam. Ferlin acreditava que assim que a Igreja soubesse dessa peça sendo apresentada na vila, Sua Alteza Roland estaria em apuros real.

Será que Sua Alteza Real não tem medo da Igreja? — Ferlin pensou.

— Contra o senso comum? Não… Ferlin, antes de se tornarem bruxas, eles eram meninas comuns, também.

— Sim, é verdade.

— E quanto a mim? Se eu me tornasse uma bruxa, você iria pensar que eu sou uma serva do mal? — Irene olhou para ele e perguntou.

— Não, claro que não. Você sempre será a menina de bom coração que eu conheço! — Ferlin disse apressadamente.

— Então, sua opinião mudaria, se tivermos uma filha, e ela se tornasse uma bruxa?

— Isso é impossível…

De repente, Ferlin fechou a boca e compreendeu o que Irene queria dizer. Julgar uma bruxa que ele nunca conheceu era fácil, mas julgar alguém com quem ele convivia todos os dias, como ele poderia fazer isso? Ele poderia simplesmente chamar esta pessoa de serva do diabo, de uma hora para a outra?

— Sim, se realmente tivermos uma filha bruxa… — Irene assentiu com satisfação.

— Eu vou amá-la e protegê-la como o pai da terceira bruxa na história. — O Cavaleiro se ajoelhou sob um joelho, como se estivesse fazendo um juramento.

— Essa é a resposta que eu queria ouvir. — Irene largou a pena e sorriu levemente — Eu acho que… podemos tentar fazer uma agora.

— Sim, minha querida. — Ferlin sussurrou em seu ouvido e, em seguida, pegou sua mulher no colo e foram para o quarto juntos.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

36 Comentários

  1. Obrigado mestre pelo capítulo, foi perfeito, realmente vai mudar o geito de pensar das pessoas da vila

  2. Capítulo interessante! Resta saber como que as pessoas vão abordar esse assunto em Vila Fronterisa!

  3. kkkkkkkkkk A Igreja vai querer depenar cada pessoa que gostar dessas peças kkkkkkkkkk
    Vão ficar arrancando os próprios cabelos kkkkkkkkkkk Mas até lá kkkkk ele já vai ter até metralhadora kkkk Não existe ser que aguente uma kkkk Não ainda

  4. Vai rolar grande discussões sobre o ponto da maldição do diabo… E como a igreja tava encobrindo isso, vai ter muita treta

  5. Mal foi promovida já quer engravidar pra pegar licença kkk ainda bem pro Roland q eles ainda n criaram os sindicatos kk

  6. Não é que entrou um pouco de poeira em meus olhos no final desse capítulo… 😳😬
    Muito obrigado pelo capítulo 🙇😁 Mestre JZanin 🙇😁

  7. “Acho que podemos… pensar em fazer um agora” não peguei de primeira, pensei que era praticar atuação kkkk

  8. Só dps de ler os comentários que entendi kkkkkk nem tinha me ligado hahaha

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!