LAB – Capítulo 284

Companhia

Quando a caravana partiu, Roland suspirou aliviado.

Finalmente… os cofres estão cheios de peças de ouro mais uma vez. — Ele pensou.

Foram entregues um total de oito motores a vapor para as três câmaras de comércio. Três deles haviam sido produzidos pelo pessoal que a Câmara de Comércio da Baía Lua-crescente enviou para trabalhar na Fábrica Nº 2. Roland tinha que reconhecer que, quando se tratava de talento ou curva de aprendizado, os ferreiros dos Fiordes eram muito melhores que os mineiros e os ferreiros da vila. Desde que conseguiram entender como operar as máquinas, a taxa de aproveitamento e qualidade dos produtos vêm aumentando constantemente. Talvez depois de mais dois meses, a capacidade de produção da Fábrica Nº 2 alcançaria a da Fábrica Nº 1. Felizmente, conforme o contrato assinado, o lucro da venda dessas máquinas pertencia a Roland.

Além disso, ele também recebeu uma nova ordem de compra de um balão de hidrogênio da Câmara de Comércio da Baía Lua-crescente. Marlan estava extremamente interessado nesse balão, já que poderia aumentar muito o campo de visão. Além de um balão de detecção que acomodava uma única pessoa, ele especificamente encomendou também um enorme balão que acomodasse três a quatro pessoas, pois ele planejava usá-lo para explorar as novas ilhas dos Fiordes.

Somando-se ao navio a vapor, os três itens trouxeram para a Vila Fronteiriça uma renda de quase 7.000 peças de ouro. Excluindo as taxas de compra de lingotes, pedras de lavar e outros suprimentos de alimentos, as 6.000 peças de ouro remanescentes eram suficientes para sustentar seu projeto de expansão da população.

Roland chamou Barov e Machado de Ferro em seu escritório.

— Agora que temos fundos extras, é hora de recrutar mais cidadãos estrangeiros. — Ele olhou para os dois homens capazes — Esta operação será realizada pela Prefeitura em conjunto com o Primeiro Exército. Vocês decidirão quais homens usar, e eu só lhes darei os detalhes da tarefa.

— Por favor, Alteza, continue. — O Primeiro-Ministro assentiu.

— O recrutamento será feito tanto na Região Norte quanto na Região Sul. — Roland abriu um mapa na frente deles — Especialmente em Cidade da Águia e no Porto de Água Clara. Eu suspeito que Timothy já considere essas cidades como parte da força de Garcia, e elas podem ser usadas e descartadas por ele a qualquer momento. É por isso que vocês precisam se apressar e recrutar pessoas de lá primeiro. A equipe enviada pela Prefeitura será responsável pelo recrutamento de nobres, ferreiros e outras pessoas alfabetizadas. A principal tarefa do Primeiro Exército é recrutar civis. Ao contrário da última vez em que se foi utilizado um rumor para atrair pessoas, desta vez a abordagem deve ser mais ativa. Entendeu o que quero dizer, Machado de Ferro?

Machado de Ferro hesitou por um tempo, até responder:

— O senhor quer dizer, recrutar essa gente a força?

— Hum, não há necessidade disso. — Roland tossiu duas vezes, lembrando-se que o jeito das pessoas da Nação da Areia resolverem as coisas era obviamente simples e rude — Por exemplo, por meio da distribuição de alimentos, encorajando-os ativamente, pagar as despesas temporárias de moradias, estas coisas. — Ele olhou para Barov e continuou — Você deve estar bem familiarizado com este método, certo?

— Claro, Vossa Alteza Real, durante meu tempo na capital, eu frequentemente ajudei os ministros e as equipes de patrulha a controlar e reprimir tumultos. — Barov disse acariciando a barba — Os pedidos dessas pessoas eram sempre muito simples, às vezes era só para encher a barriga, então não havia necessidade de usar dinheiro, ou mencionar salários. Se os benefícios fossem muito generosos, eles realmente ficariam desconfiados. Já os nobres são difíceis de lidar e muito arrogantes, tornando o recrutamento mais problemático, pois mesmo que eles estejam atualmente precisando de muito dinheiro, não vivendo mais uma vida afortunada, eles ainda assim são bem informados e espertos. Então, seus pedidos provavelmente serão mais exigentes. Eles não nos seguirão por quilômetros apenas por um pedaço de pão. É aí que dinheiro e promessas podem ser usados ​​para atraí-los.

Roland bateu palmas satisfeito.

— É uma pena que você tenha trabalho aqui em Vila Fronteiriça, pois se você fosse pessoalmente recrutar as pessoas, com certeza a taxa de sucesso seria maior.

— Tenha certeza, Vossa Alteza, eu vou mandar meus discípulos mais capazes. — Barov disse com um sorriso — Para estabelecermos Vila Fronteiriça como uma cidade oficial ano que vem, ambos os lados do Rio Vermelho deverão estar cheios de casas.

— Esse dia definitivamente chegará.

Depois que os dois saíram, Roland descansou na cadeira por um tempo e depois decidiu ir à área de testes da mina da encosta norte para ver Anna.

Quando ele entrou, a primeira coisa que viu foi uma pilha de cubos de metal.

Roland pegou uma na palma da mão e percebeu que suas medidas eram praticamente idênticas, com cerca de cinco centímetros de comprimento e largura. A superfície não era lisa e havia um número gravado em um dos lados. Por exemplo, aquele em sua mão tinha o número 256.

— Como está indo? Você descobriu alguma coisa legal?

— Número mil e cinquenta e sete e o dois mil duzentos e oitenta e quatro, o primeiro é extremamente duro e o segundo é perfeito tanto em termos de dureza quanto de tenacidade. — Anna respondeu com um sorriso no rosto quando se aproximou.

— Você já alcançou o número dois mil? — Roland perguntou surpreso, pegando o relatório de Lucia que estava completamente preenchido com dados. Ele encontrou o número 2284 e leu as notas ao lado “o carbono é responsável por 0,8% e o elemento desconhecido número quatro por 15,2% de sua composição”.

— Sim, isso é muito mais interessante do que cortar canos de armas. — Anna piscou — Eu nunca esperei que misturar ferro com outros metais pudesse causar mudanças tão drásticas em suas características. Estou realmente curiosa para saber como as pequenas esferas de metais podem ser combinadas.

A pesquisa que Anna e Lucia estavam conduzindo tinha um grande significado para o futuro.

Roland primeiro pediu a Lucia para decompor o minério em suas matérias-primas e, em seguida, Anna iria fundi-los com o ferro de acordo com a qualidade dos mesmos. Depois, elas testariam as características dos compostos resultantes individualmente. Ao alongar e comprimir com sua Chama-negra, Anna podia discernir quanto poder mágico era necessário a cada vez, sendo assim capaz de determinar sua dureza e tenacidade.

O primeiro material a misturar era obviamente o carbono.

Roland sabia que o aço era essencialmente um tipo de liga de ferro e carbono: com muito carbono, se tornaria ferro-gusa e, sem carbono, seria puro ferro. Somente se contivesse uma certa porcentagem de carbono é que poderia ser descrito como aço e qualquer variação causaria mudanças significativas nas propriedades do metal. Então, a primeira coisa que elas tiveram que testar foi a porcentagem de carbono em sua composição.

De acordo com o registro, antes do número 1.500, todas as peças eram feitas fundindo ferro e carbono, mas depois do número 1.500, novos elementos foram adicionados para formar uma liga além do aço. Roland compreendeu que, com cada elemento adicional na sequência, os resultados poderiam multiplicar-se muitas vezes, tornando o processo extremamente demorado. Foi por isso que ele deixou Anna conduzir essa pesquisa apenas quando ela não estivesse ocupada com seu outro trabalho de fabricação.

Ele encorajou as duas bruxas com algumas palavras e, em seguida, sentou-se ao lado, apreciando discretamente Anna, que estava bastante ocupada.

A luz do sol de outono ainda era muito brilhante, mas não era tão vívida quanto aquela durante o verão. Ele sentiu uma sensação de calor confortável, junto com uma sensação de segurança e estabilidade que ele já não sentia há muito tempo.

Com o passar do tempo, o lugar gradualmente se acalmou. De repente, ele sentiu uma mão macia na testa. Abrindo os olhos, ele percebeu que Lucia já havia partido e que Anna estava sentada na frente dele.

— Você quer falar comigo?

—…

— Eu posso ver em seus olhos. — Ela se inclinou, com seu cabelo caindo naturalmente como fios de seda dourados meio transparentes.

Roland hesitou, mas finalmente balançou a cabeça.

— Estou um pouco confuso. — Ele descreveu brevemente seu plano de expansão da população — Comparado com a minha escolha anterior que era deixar eles escolherem por vontade própria, agora para economizar tempo, estaremos usando uma tática em que estamos meio que seduzindo-os com promessas e meio que forçando-os. No entanto, mesmo que utilizemos desses métodos, isso ainda irá salvá-los da extorsão de Timothy para fazer parte de sua milícia, tomar as pílulas e morrerem depois disso. Só que, depois de pensar cuidadosamente, eu não pareço ser muito diferente dele… a única diferença estaria no nosso propósito.

— O propósito não é o mais importante? — Ela disse suavemente.

— Mas…

— Eu sei o que você está tentando dizer. — Anna pôs sua mão na boca do Príncipe — Você está preocupado que eles não apreciem seus esforços e, ao mesmo tempo, você também tem dúvidas se poderá ser, no futuro, mal-interpretado por usar tais métodos. Ser mal-interpretado por usar o método errado para alcançar o propósito certo, ou usar o método certo, mas acabar cometendo um erro irrevogável… Você não sabe se usar o método certo ou alcançar o objetivo certo é mais importante. Não é verdade?

Sem esperar pela resposta de Roland, Anna aproximou-se e pôs as mãos nas bochechas dele, sussurrando suavemente em seu ouvido:

— Não se preocupe. Você tem a mim… e eu cuidarei de você.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

17 Comentários

  1. Mano, a Anna é a mulher dos sonhos de todo homem.
    Que inveja do Roland agora.
    Eu ADOREI a forma de como ela descreveu os problemas psicólogicos do Roland, fiquei maravilhado com isso!

    Obrigado pelo capítulo Mestre JZanin

  2. Anna é muito fofa 😍😍😍

    Muito obrigado pelo capítulo 🙇😁 Mestre JZanin 🙇 😁

  3. Hur dur Anna não ajudando a sanar as dúvidas e só fomentando uma relação de dependência e não de apoio mútuo
    Obg pelo cap

  4. Mds! olha essa anna, que mulher pqp! É interessante ver um lado mais frágil de Roland, foi a primeira vez até agora que ele se mostrou sem saber o que fazer.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!