LAB – Capítulo 428

Explorando o poder mágico

Tilly pegou o pergaminho que continha os resultados das últimas avaliações e ponderou, um pouco duvidosa:

— Realmente, ela melhorou muito.

— Sim. — Roland assentiu — Como filha de um homem de negócios em Valência, Lucia Branco possui habilidades básicas de escrita e aritmética, e também teve um bom desempenho no curso de ciência natural. É por isso que suas notas são tão boas.

— Não estou questionando sua teoria de que uma melhor compreensão do mundo e de seu próprio poder pode ajudar a evoluir as habilidades de uma bruxa, mas… — Tilly respondeu, fazendo uma careta —, o que isso tem a ver com a dor e toda a tortura causada pelo poder mágico caótico?

— A julgar pela evolução de Lily, Ramos e Lunna, assim como das outras bruxas, podemos dizer que a evolução também aumenta o limite da reserva de poder mágico das bruxas. Eu acho que esse limite está intrinsecamente relacionado com o quão bem as bruxas percebem o mundo.

Combinando o que Agatha chamava de alto despertar e a evolução das habilidades das bruxas de Vila Fronteiriça, Roland começou a explicar sua teoria em detalhes.

— Acredito que ambos, o conhecimento que a bruxa possui do mundo e de sua habilidade, bem como sua reserva de poder mágico, são essencialmente a mesma coisa. No entanto, as bruxas que evoluíram pela inspiração ou compreensão aleatória são muito menos poderosas do que aquelas que evoluíram por uma compreensão completa e abrangente do mundo. Lunna é um ótimo exemplo. Embora ela seja membro da União das Bruxas, sua evolução foi alcançada por meio da inspiração, então seu poder mágico não está no mesmo nível que o de Anna e Soraya.

Tilly logo compreendeu o que Roland queria dizer após um momento de reflexão:

— Então você quer dizer que a reserva de poder mágico de Lucia era muito baixa durante todo esse tempo, e agora no seu Dia da Idade Adulta o corpo dela se ajustou a um certo nível de poder mágico? Então a habilidade de Lucia evoluiu durante seu Dia da Idade Adulta, o que resultou em um aumento instantâneo de sua reserva de poder mágico, só que o poder mágico que seu corpo estava acumulando era muito maior do que a sua reserva de poder mágico poderia suportar? Seria isso?

— Muito parecido com isso, mas eu prefiro pensar que existem duas formas distintas de aumentar a reserva de poder mágico. — Roland continuou contando com os dedos — Essa reserva de poder mágico aumenta no Dia do Despertar, no Dia da Idade Adulta e durante a evolução. Os efeitos parecem os mesmos, mas acredito que os dois primeiros são passivos, enquanto o último é voluntário.

— Você acha mesmo?

— Sim, pois a evolução não causa dor. — O Príncipe respondeu lentamente — Se este não fosse o caso, Anna teria sido morta pela onda de poder mágico durante sua evolução. Eu suponho que há uma reserva de poder mágico que todas as bruxas possuem. Uma vez que elas acumulem mais poder mágico do que podem suportar, sofrem com a dor e a tortura do diabo. A prática diária pode gradualmente aumentar o limite de sua reserva de poder mágico, e é também por isso que as bruxas precisam esvaziar todo o seu poder mágico antes de passarem pelo Dia do Despertar ou do Dia da Idade Adulta.

— Limite? Parece interessante… — Tilly murmurou, ponderando sobre as palavras de Roland — Você acha que o acúmulo de poder mágico que foi provocado pela evolução de Lucia resultou em espaço insuficiente para o poder mágico no Dia da Idade Adulta, o que a levou a exceder o limite de sua reserva de poder mágico, causando todo esse acidente?

— Correto. Como Lucia, Anna experimentou sua primeira evolução quando chegou à idade adulta, mas sua reserva de poder mágico era incrível, então ela tinha um limite muito maior do que as bruxas comuns. — Roland fez uma pausa por um momento — Isso também explica por que Lucia voltou ao normal depois que Speer extraiu o poder mágico caótico, pois esse poder não pertencia a ela, de qualquer maneira.

— Sua hipótese… esclarece muitos problemas. — Tilly ajeitou o cabelo atrás da orelha e apoiou o queixo na mão, aparentemente mergulhada em pensamentos — Por exemplo, por que as bruxas apresentam diferentes formas de poder mágico apesar de seu poder compartilhar a mesma origem? Por que o poder mágico livre só pode ser visto no despertar das bruxas? Penso que a resposta seja porque as bruxas não podem integrá-lo, a menos que sejam capazes, devido ao limite de sua reserva.

Roland disse com um sorriso:

— Podemos ver o despertar como uma extração de poder mágico da natureza para o corpo da bruxa, mas apenas uma pequena parte dele pode ser retida. A evolução expande e desenvolve essa pequena parte, que é a reserva de poder mágico, e quanto maior for a cognição e conhecimento de uma bruxa, melhores serão os efeitos fortalecedores que ela obterá. Também é razoável supor que não há limite para o número de vezes que uma bruxa possa evoluir, já que a exploração do mundo é infinita.

— De repente eu fiquei bastante curiosa.

— É mesmo? Sobre o quê?

— Se você fosse uma bruxa, qual seria o seu poder após a evolução? — Tilly perguntou, cobrindo o sorriso dela.

Roland quase se engasgou. Embora ele realmente quisesse experimentar pessoalmente esses poderes extraordinários, ele preferia recusá-los sabendo dos sacrifícios que tinha que fazer.

— Posso levar uma cópia dos livros que você escreveu para Ilha Adormecida? — Tilly perguntou, enquanto levantava a sobrancelha.

Ela parecia bem casual, mas Roland notou sua mão direita segurando suavemente a bainha de sua saia.

— Sem dúvida. — Ele não perderia uma única chance de deixar sua irmã com uma boa impressão e, em geral, era melhor responder o mais rápido possível — Também seria útil para Vila Fronteiriça se as bruxas de Ilha Adormecida evoluírem. Além disso, você é minha irmã.

Rouxinol imediatamente beliscou seu ombro esquerdo com força imensa.

Tilly não respondeu, mas simplesmente demonstrou sua gratidão com um leve aceno de cabeça.

— Obrigada.

— De nada.

Parece que meu desempenho foi um pouco exagerado. Ela provavelmente não estará interessada nesse tipo de abordagem antes de ouvir uma explicação convincente. — Roland pensou, no entanto, para sua surpresa, Tilly parou na porta, virou a cabeça e respondeu em voz baixa:

— Às vezes, eu preferiria que você não fosse o meu irmão.

Depois da partida de Tilly, Roland sentou-se, atordoado, com a última frase dela martelando em sua cabeça.

Ela prefere que eu não seja o seu irmão? O que isso significa? — Roland pensou.

— Ei, você está bem? — Rouxinol saiu de sua névoa, acenando com o dedo na frente do Príncipe.

— Você entendeu essa última frase que ela falou?

— Como poderia? — Rouxinol comentou dando de ombros — Talvez ela pense que você é melhor como aliado do que como irmão.

Roland certamente não assumiria nada inapropriado, pois durante praticamente todo o inverno em que estava junto com Tilly, ele já tinha um bom conhecimento dela.

Será que ela quis dizer que espera que o antigo Príncipe Roland não volte? Ou será que ela disse isso por que eu fingi muito mal? — Roland pensou.

— Pra falar a verdade, você não é mesmo o irmão dela, então, pra que se importar? — Rouxinol virou-se para sentar-se na mesa, cruzando suas pernas delgadas, enquanto colocava um peixe seco na boca, antes de acrescentar — Além disso, eu poderia dizer que você estava mentindo sem usar minha habilidade quando disse “além disso, você é minha irmã”.

— Hum, isso é tão… — Roland pôr o dedo no nariz — Então a resposta seria…

— Além do mais, como Tilly não é sua irmã real, está mesmo tudo bem você dar a ela o Fundamentos blábláblá Natural?

— Fundamentos Teóricos da Ciência Natural. — O Príncipe a corrigiu com um suspiro — Ainda temos um mês antes de terminar o inverno. Você não acha que ela poderia fazer uma cópia? Aposto que ela já sabe tudo de cor, mas ainda assim pediu minha permissão formal. Isso definitivamente diz algo sobre sua atitude.

Pelo menos do ponto de vista da aliança política, não há dúvida sobre a sinceridade de Tilly. — Roland pensou e esperou por um momento antes de continuar:

— Os moradores de Ilha Adormecida são basicamente bruxas. Mesmo que todas elas evoluam, elas ainda dependem do poder mágico. No entanto, eu sou diferente. Tudo bem que o conhecimento permite que as bruxas progridam, mas pessoas comuns também podem alcançar patamares inimagináveis… e é nesse poder, de todas as pessoas, que eu estou confiando.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

7 Comentários

  1. Tecnicamente se o Roland fosse uma “bruxa” ele pode não passar por uma evolução.
    Já que a evolução pode ser ter uma nova perspectiva do mundo, mas já que o Roland, é praticamente a pessoa mais sábia desse mundo, ter uma nova perspectiva é bastate improvável.

    Isso só se a evolução for ter uma nova pespectiva do mundo e não de conhecimento sobre o mesmo.

    E também se Roland fosse uma “bruxa” e se as bruxas podem evoluir livremente tendo conhecimento. Roland só poderia evoluir uma vez, porque acho bastate improvável alguém ter mais conhecimento que ele nesse mundo.

    E se isso for verdade e Roland podesse virar uma “bruxa”. Isso seria uma ótima forma para limitar o poder dele para não deixar a novel chata…

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!