LAB – Capítulo 439

Cena do crime

— Irmão Vader, isso… digo, realmente está tudo bem? — Ruivo disse enquanto brincava com sua própria roupa — O chefe disse que os nossos uniformes são o símbolo do nosso status e, portanto, devemos usá-lo perfeitamente quando estivermos de serviço.

— Além disso, há uma punição por sujar o uniforme, e outra muito pior se alguém pegar a gente não usando ele. — Silvo continuou olhando para a esquerda e para a direita como se estivesse com medo de ser visto por um colega.

— Parem de reclamar. Usar o uniforme nos deixa em evidência. De pé no meio do inverno, a neve no uniforme preto alertaria a todos na vizinhança que os policiais estão por perto. Como pegaríamos algum criminoso assim? — Vader cuspiu no chão e continuou — Vocês dois são nativos de Vila Fronteiriça, certo?

Os dois policiais ficaram mais animados no momento em que Vader perguntou isso.

— Sou, sim. Meu pai era um caçador que morava na rua velha e, pra falar a verdade, a habilidade dele era notável. Ele foi capaz de atingir o pescoço de uma raposa correndo na floresta com apenas uma flecha.

— Eu também. Mas meu pai costumava me dizer que a caça era um trabalho que ora dava muito, ora dava pouco, então me incentivou a ser um mineiro. Ele até comprou uma picareta para mim. Se Sua Alteza Roland não tivesse se tornado o novo Lorde, eu teria passado meus dias nas minas.

Pode crer que sim. — Vader deu de ombros e pensou — Somente filhos de caçadores teriam apelidos assim.

— Já que vocês são ambos nativos daqui da vila, certamente estão mais preocupados com a ordem pública na vila do que eu, certo? Se até eu não tenho medo de ser punido, por que vocês estariam com medo? Vestir o uniforme é mais importante do que impor as regras e leis estabelecidas por Sua Alteza?

— Hummmm…. — A dupla hesitou brevemente antes de responder com convicção — Você está certo.

— Mas, irmão Vader, você não é mais um estrangeiro. Você já recebeu o Cartão de Identidade, né? Sua Alteza uma vez disse que qualquer um que possua o Cartão de Identidade são considerados seus súditos. — Silvo resmungou.

Vader riu e não disse uma palavra. Em vez disso, ele fixou o olhar em uma fileira de habitações de casas de barro ao leste da área de habitação temporária.

Depois de servir como policial por quase três meses, Vader se acostumou completamente à vida na Região Oeste. Antes de se tornar policial, ele achava que uma “equipe de patrulha” não teria nada a fazer além de extorquir e enganar o povo. Mal sabia ele que haveria mais trabalho do que poderia ser concluído todos os dias.

A polícia foi obrigada a aceitar refugiados e lidar com as disputas entre os cidadãos. Também era dever da polícia pegar criminosos e espiões. Considerando que, além de lutar contra as bestas demoníacas, o Primeiro Exército não ajudava ou interferia na manutenção da paz interna de Vila Fronteiriça.

Isso era completamente diferente do que ele esperava inicialmente.

Em Valência, a equipe de patrulha se parecia mais com o apoio dos guardas da cidade. Eles lidavam com tarefas domésticas e não eram muito úteis. Essa foi a razão pela qual muitos patrulheiros buscariam dinheiro de fontes ilícitas. No entanto, em Vila Fronteiriça, a polícia e o Primeiro Exército pertenciam a diferentes sistemas. A polícia lidava com assuntos internos enquanto o exército lidava com assuntos externos.

O que mais surpreendeu Vader foi que a maioria dos alvos da equipe de patrulha vinha de relatórios públicos, em vez de ordens diretas de seus superiores. De fato, os cidadãos de Vila Fronteiriça mudaram sua percepção sobre os civis. Este bando de pessoas outrora preguiçosas e estúpidas agora vigiava ativamente pessoas suspeitas e as reportaria à Prefeitura. Sempre que um navio mercante estrangeiro chegava à vila, o Ministério da Justiça recebia um punhado desses relatórios.

Vader logo percebeu o tremendo poder que havia dentro dessa pequena vila. Nenhum espião estrangeiro podia isolar-se do público ou integrar-se à sociedade rapidamente, a menos que tivesse crescido aqui. Com todo mundo servindo como vigilante atento, que inimigo poderia se esconder entre a população?

Mas é claro que nem toda operação de detenção seria bem-sucedida. Por exemplo, o mais sorrateiro que eles prenderam durante a operação anterior acabou sendo um nobre do Reino do Alvorecer. Vader estava preparado para ser punido, mas seus superiores surpreendentemente não o puniram, e pareceu que eles não ficaram perturbados com o fato de que ele havia espancado um nobre. Isso serviu para consolidar seu pensamento atual em relação ao seu trabalho.

— O Ouro chegou! — Ruivo exclamou suavemente.

— Ignore-o e apenas finja que você está varrendo a neve. — Vader disse calmamente — Ele não trouxe nenhuma mercadoria, o que significa que ele está aqui apenas para verificar a situação.

“Ouro” era o código do seu alvo atual. O Ministério da Justiça recebeu um relatório há dois dias relatando que um servo estava traficando grãos. Sua Excelência Carter conferia grande importância a esta questão e imediatamente atribuiu a tarefa a Vader. Ele exigiu que o servo fosse preso vivo junto com os bens, e chamou isso de “Missão de Caça ao Ouro”.

No entanto, a missão não começou suavemente. Depois de fazer algumas perguntas, eles começaram a descobrir a identidade do alvo. Posteriormente, uma equipe de seis pessoas se revezou para monitorar a área de alojamento temporário, mas nenhum rastro do alvo foi encontrado.

Para Vader, estava claro que a razão para os últimos resultados negativos das buscas era porque os uniformes dos policiais eram muito evidentes. Ele já morava no distrito oeste há algum tempo e naturalmente sabia que, sempre que um funcionário da Prefeitura estivesse na área, a notícia se espalharia rapidamente entre os moradores. Não era muito diferente do distrito leste. As pessoas que viviam ali eram servos e, assim, os uniformes negros dos policiais eram tão notáveis quanto vagalumes no céu noturno.

Isso explicava por que ele estava convencido de que Ruivo e Silvo deveriam tirar seus uniformes e vestir um casaco esfarrapado. Desta forma, eles poderiam se disfarçar como varredores de neve e ficar nas ruas do distrito leste de Vila Fronteiriça. O suspeito não conseguiria escapar de suas vistas.

Eles viram Ouro andando pelo distrito leste brevemente antes de retornar a uma casa de barro. Quando ele reapareceu, estava carregando um grande saco nas costas.

— Ele está de fato traficando trigo… — Silvo cerrou os punhos com força.

— Caramba! Ele simplesmente não respeita as ordens de Sua Alteza! — Ruivo ralhou com raiva — Vamos prendê-lo agora mesmo!

— Não seja precipitado. — Vader disse e acenou com as mãos — Sua Excelência Carter disse que queria que o alvo fosse preso vivo e junto com seus bens. Vamos nos dividir e agir. — Suas instruções estavam de acordo com a operação anterior para cercar um rato do Submundo — Ruivo, você se mobilizará imediatamente e irá para a antiga área da muralha da vila primeiro. Há apenas uma rota para ele entrar no centro da vila.

— Sim.

— Eu vou seguir o alvo. Isso requer uma certa habilidade e, portanto, sou o mais adequado para esse papel. — Vader lambeu os lábios e mal podia se conter — Por último, Silvo, você deve seguir atrás de mim, mas cerca de cem passos atrás. Lembre-se de não fazer contato visual com Ouro.

— Entendido.

— Então, vamos começar!

Embora os três policiais tivessem a mesma patente, eles agiram em total conformidade com o plano de Vader.

Vader carregou uma vassoura e caminhou calmamente alguns passos até ficar próximo à frente de Ouro. De acordo com sua experiência, seguir o alvo por trás facilmente despertaria suspeitas. Em vez disso, ao “liderar o caminho”, o alvo seria muito menos cauteloso. Se ele tivesse certeza de onde o alvo estava indo, esse seria o método mais seguro de rastreamento. Ele se concentrou totalmente em Ouro. Vader estava confiante de que no instante em que ele ouvisse uma pequena mudança nos passos do alvo, ele poderia correr até ele, pular e imobilizá-lo.

Depois de passar pela antiga muralha da vila, Ouro parou de andar e descansou na esquina de uma rua. Ele estava ostensivamente ciente de que, se fosse para o centro, haveria uma grande chance de encontrar policiais. Vader deu mais uma dúzia de passos à frente e deixou um bom espaço para alguém passar, esperando que o comprador aparecesse.

Pouco tempo depois, um homem que estava empurrando um carrinho de mão apareceu. Ele olhou ao redor da vizinhança antes de caminhar lentamente até Ouro. Depois de inspecionar o conteúdo do saco, ele pegou um punhado de moedas para fechar o negócio. Naquele exato momento, Vader fez um gesto para os dois policiais agirem.

Os três correram em direção ao alvo de diferentes direções. O negociante ficou tão chocado que não conseguiu se mover.

Vader pressionou Ouro, que era o servo, contra o chão, acompanhado pelo som tilintante de moedas se espalhando por todo lado. Ele gritou:

— Você está preso!

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

7 Comentários

  1. Mano, eu passei o capítulo todo pensado que alguém iria morre por causa do título
    Deve ser a influência do mundo real rsrs

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!