LAB – Capítulo 468

Retorno

Depois de duas semanas, Roland finalmente estava a caminho de casa.

Depois de limpar as quatro Famílias nobres e o Submundo com mãos de ferro, ele poderia, por enquanto, iniciar a reforma de Forte Cancioneiro do zero. Medidas para o reassentamento e manter os cidadãos alimentados e aquecidos estavam em andamento de forma ordenada. Embora as peças de ouro e as provisões apreendidas dos territórios das Famílias Folha de Carvalho, Lobo e Rosa-canina não fossem tão abundantes quanto as apreendidas de Duque Ryan, elas ainda eram chocantes. Foi por isso que ele conseguiu ampliar o programa de ajuda a toda a cidade de forma inescrupulosa e promover com sucesso suas políticas durante a distribuição do mingau.

No dia de sua partida, o Segundo Exército havia atingido seu objetivo de recrutar 500 pessoas, e o departamento de polícia havia recentemente acrescentado cerca de 200 novos membros. Roland deixou metade de seus soldados e Vader em Forte Cancioneiro, para que eles pudessem gerenciar as defesas e manter a ordem, mas também treinar os novos recrutas em guerreiros competentes.

Ele sabia que o tempo para implementar suas políticas era limitado. Se não facilitasse a comunicação direta entre o povo e a Prefeitura e não estabelecesse sua autoridade entre as massas com rapidez suficiente, o antigo poder retornaria para preencher a lacuna de poder atual. Como diz o ditado, não poderia haver construção sem destruição. Ele já havia completado a destruição e agora era hora de construir e expandir Forte Cancioneiro.

A fonte de confiança de Roland era Vila Fronteiriça, cuja população havia crescido para mais de 30 mil pessoas, das quais mais da metade estava recebendo educação elementar. Isso seria igual ao tamanho de duas escolas de ensino médio modernas, mas era um número chocante para essa época. Além disso, a educação elementar não era apenas sobre ler e escrever, mas também incluía conhecimentos básicos de ciência e política, assim como um senso universal de patriotismo.

O aumento da taxa de alfabetização forneceria mão-de-obra suficiente para a revolução. Além disso, em comparação com civis ignorantes e mansos, um sentimento de patriotismo lhes permitirá explodir um poder inimaginável. Os cidadãos da cidade eram pequenas fagulhas que um dia provocariam um grande incêndio em toda a terra.

Quando o céu escureceu, Roland viu a cidade se aproximando da escuridão.

— Olha… o que é isso? — Um nobre gritou atrás dele.

— Uma… ponte? — Outra pessoa, esticando o pescoço, falou — Meu Deus, é enorme.

— Isso é impossível! Como uma ponte tão longa poderia ser suportada com apenas dois pilares?

— Espere… parece ser feita de aço!

No caminho de volta, além das bruxas, havia dezenas de nobres de nível inferior no navio de Roland, que não haviam participado da rebelião e, portanto, sobreviveram à “limpeza”.

De acordo com o plano de Roland, os nobres de nível mais baixo aprenderiam a administrar hierarquicamente a Prefeitura. Depois que a construção da cidade estivesse oficialmente em andamento, eles voltariam para Forte Cancioneiro e ajudariam Petrov a construir a Prefeitura secundária para realizar e dar a ele feedback sobre suas ordens. Depois que os nobres perdessem seus privilégios feudais, todos eles iriam querer melhorar de vida, e a única coisa que poderiam confiar seriam suas próprias habilidades.

Quando a frota passou pela ponte de aço, Roland ouviu os suspiros atônitos dos nobres atrás dele. Todos prenderam a respiração e ficaram olhando enquanto a ponte de aço que se estendia por toda a largura do rio passava por cima de suas cabeças.

O Príncipe não pôde deixar de rir dessas pessoas, que não pararam de exclamar desde que entraram no navio. Primeiro, ficaram chocadas com o fato de que um navio feito de pedra podia flutuar na água e ficaram surpresas com a “roda de fiar” e o motor a vapor.

É uma pena que o Projeto Três Suprimentos da vila não esteja concluído. — Roland pensou — Caso contrário, suas mandíbulas cairiam no chão quando vissem o poder das lâmpadas.

Os navios lentamente atracaram com um assobio agudo. Barov, Carter e um grupo de funcionários da Prefeitura, que receberam o pombo-correio, já os aguardavam na margem. Quando viram Roland, dispararam canhões em comemoração e o receberam com um conjunto de formalidades dignas de um rei.

Roland sorriu e deu um tapinha nos ombros dos dois homens, e então levou Barov até os nobres do Forte e apresentou todos uns aos outros.

— Você estará no comando da moradia, da vida e da educação dessas pessoas. — Roland disse baixinho para Barov — Não se importe com suas identidades e títulos, já que eles são barões, no máximo. Existem todos os tipos de pessoas nas minas, e todos eles têm que trabalhar para viver uma vida honesta. Treine-os como você faria com os recém-formados. Eu quero ver os resultados o mais rápido possível.

— Sim, Vossa Alteza.

Quando Roland retornou ao castelo, todas as bruxas que tinham ouvido falar de seu retorno estavam esperando no salão. Antes que ele pudesse sentir os efeitos do sistema de aquecimento ao entrar na porta, um corpo quente saltou em seus braços. Ele sentiu o cheiro familiar de seu cabelo e acariciou sua cabeça, sorrindo.

— Estou de volta.

— Uhum. — Anna levantou a cabeça, seus olhos azuis brilhando de alegria — Eu estive esperando por você por um longo tempo.

— Eu também!

— E eu! Pruu!

Logo, Roland sentiu um peso extra em cada um de seus braços… Ele nem sequer teve que olhar para saber que era Raio e Maggie, pois ninguém mais além delas o interromperia dessa forma toda vez que ele estava com Anna.

— Ei, vocês duas praticamente se jogaram em cima dele. — Lunna reclamou.

— Sim. — Lily zombou — Que vergonha!

— Estou feliz que você esteja de volta sã e salvo. — Wendy disse gentilmente.

— Devemos comemorar hoje à noite. — Pergaminho sugeriu.

— Sim! Eu quero pão de sorvete! — Andrea exclamou — Com as porções de Cinzas e Shavi, eu vou me banquetear hoje à noite!

A última a recebê-lo foi Tilly Wimbledon.

Ela estendeu a mão e disse casualmente:

— Você teve uma longa jornada.

— Obrigado. — Roland sorriu e segurou sua mão estendida.

Depois de um jantar saudável, Roland voltou ao escritório e suspirou pesadamente. Embora o castelo de Forte Cancioneiro fosse muito maior, esse pequeno lugar era muito mais confortável.

Assim que ele estava prestes a separar os livros que trouxe de Forte Cancioneiro, Anna entrou na sala.

— Você veio na hora certa. — Roland apontou para os livros empilhados no tapete — Olha, esses são meus presentes para você. Eles são em sua maioria registros históricos e lendas, enquanto os outros são histórias secretas da Região Oeste, e todos eles foram retirados da biblioteca de Duque Ryan. Ah, certo, esse aqui é…

Antes que ele pudesse terminar, ele sentiu um par de lábios macios pressionando os dele.

Eles trouxeram um aroma doce misturado com paixão e umidade calorosa.

— Eu realmente senti sua falta. — Anna pronunciou cada palavra com o devido estresse depois que ela se desvencilhou de Roland, olhando profundamente em seus olhos.

Enquanto ele olhava para ela, Roland sentiu uma sensação de calor em seu coração.

— Este livro…

— Eu vou ler depois.

— Boa ideia.

Então os dois se enredaram em um beijo.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

5 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!