LAB – Capítulo 475

Luz

— Esta é uma metralhadora pesada. Ela usa o mesmo calibre que o fuzil de precisão. Você pode tirar a munição do carregador dela e usar no fuzil de precisão e vice e versa. — O Príncipe disse e deu um tapinha na grande metralhadora — Seu mecanismo é muito mais complicado do que um fuzil, então não vou me incomodar em dizer todos os detalhes desnecessários. Eu a nomeei Mark Tipo 1. Vou mostrar como usá-la.

Roland sentou-se atrás da arma de fogo e puxou o gatilho. O que aconteceu depois foi difícil para Machado de Ferro compreender.

De repente, chamas saíram do cano e o forte fluxo de ar causado pelos disparos fez a neve fofa voar pelos ares. A “tira de balas” parecia ser constantemente puxada para dentro da arma. Simultaneamente, projéteis quentes eram disparados e cartuchos vazios eram rapidamente ejetados do outro lado, um por um. Várias dúzias de estojos caíram no chão em apenas um segundo.

Esta metralhadora soava mais feroz do que toda uma equipe do Esquadrão de Fuzileiros. Nenhuma pausa poderia ser ouvida entre os tiros. O Príncipe apontou para o chão à sua frente, em vez dos alvos distantes, e disparou continuamente contra a neve. Antes que a neve em um lugar pudesse cair de volta ao chão, a neve em outro lugar era lançada para cima, fazendo o chão de neve parecer a superfície de água fervente. A chuva de balas formava uma teia de morte e qualquer um que tentasse atravessá-la estaria crivado de balas.

— Que incrível! — O Cavaleiro-Chefe murmurou.

Carter não foi o único que ficou surpreso. Machado de Ferro olhou ao redor e viu que todas as bruxas estavam boquiabertas, e apenas Lady Rouxinol, que sempre estava ao lado de Roland, parecia bastante calma. Cinzas, a bruxa de cabelos negros carregando uma espada gigante, mostrava uma mistura de choque, confusão e frustração.

Machado de Ferro não pôde deixar de sentir o mesmo. Ele havia se tornado o Chefe da Guarda do Clã Bravareia por causa de sua proficiência com facas e arco e flecha, habilidades que ele aperfeiçoara com práticas regulares desde a infância. Como ele, os guerreiros mais poderosos com exímio talento eram populares entre os líderes de clãs no Extremo Sul. No entanto, mesmo o mais rápido e mais forte guerreiro do mundo jamais poderia escapar dessas balas que se moviam mais rápido que os olhos podiam ver. Surpreendentemente, a Mark 1 nem sequer tinha o “problema” de exigir uma pausa para recarregar as munições. Se o Primeiro Exército fosse equipado com 20 metralhadoras pesadas, as habilidades de combate do inimigo adquiridas em mais de dez anos de trabalho duro se tornariam uma piada.

Um guerreiro naturalmente acharia difícil aceitar esse fato.

Felizmente, Machado de Ferro encontrou um novo caminho.

Ramos movia-se rapidamente pela vegetação rasteira de plantas para conduzir as bestas demoníacas que haviam se intrometido na Floresta das Brumas em direção à muralha da vila.

Agora, ela podia controlar uma área quase tão grande quanto a vila. As árvores e a folhagem na área eram como seus olhos e membros. Elas podiam crescer de acordo com sua vontade e formar uma linha de defesa contra os inimigos, mas Sua Alteza continuava dizendo para ela informar o exército sempre que encontrasse quaisquer bestas demoníacas ou demônios em vez de lutar diretamente, especialmente demônios. Se os demônios sentissem sua existência e destruíssem toda a floresta seria uma perda significativa, já que Vila Fronteiriça agora contava com ela para fornecer alertas antecipados, e uma floresta que pudesse ser ajustada sob demanda era um grande trunfo.

Ramos recuperou um terreno baldio perto da vila e planejou cultivar trigo, com as sementes Douradas[1], assim que os Meses dos Demônios terminassem. Desta vez, com o Coração da Floresta[2] para lhe dar poder mágico, as sementes de trigo cresceriam continuamente e produziriam sementes suficientes para todos os agricultores da Região Oeste.

De repente, ela sentiu um grupo de bestas demoníacas híbridas de lobos se aproximando da borda da floresta.

Ramos imediatamente se virou para olhar para esses invasores e viu oito bestas demoníacas fugindo para a floresta profunda. Quando ela estava prestes a enviar um pombo-correio para informar o Primeiro Exército e, enquanto isso, levá-los para a muralha da vila, ela sentiu algo estranho.

Elas não pareciam tão ferozes como de costume. Em vez disso, pareciam ser movidas por alguma coisa. Mesmo seus ramos e videiras não podiam detê-las agora.

Será que estão fugindo de algo? — Ramos franziu a testa, e quando ela estava prestes a ampliar seu alcance de visão, ela sentiu um toque de calor em sua cabeça.

Ela prontamente olhou para cima e viu raios dourados de luz saindo de várias rachaduras no céu nublado, brilhando na terra branca como a neve da Região Oeste.

— Como eu resolvo essa? — Tilly apontou para uma equação num livro.

— Bem… você utiliza a quarta equação para criar uma nova, e então você obterá a que está no livro. — Anna rapidamente anotou o processo de derivação em um pedaço de papel — Assim.

— Ah, entendi. — Tilly bateu palmas e disse — Se você colocar essa variável, o resultado deve ser próximo de um.

— Impressionante! Você pode calcular o resultado de cabeça. — Anna ficou embasbacada.

— Isso é apenas por causa da minha habilidade. É você que é incrível. Pode aprender tudo o que está nos novos livros do Príncipe e tão rapidamente… — A Princesa Tilly disse com um sorriso.

Anna deu-lhe um sorriso suave. Só a menção de Roland Wimbledon poderia trazer um sorriso assim para o rosto dela.

Toda vez que Tilly via aquele sorriso, não podia deixar de pensar que era impossível para uma garota simples e honesta como Anna gostar de um homem perverso como seu irmão.

Roland deve ser uma pessoa diferente agora. — Tilly presumiu, independentemente de ele ser o verdadeiro Príncipe Roland ou não. Na verdade, a própria Tilly achava que o novo Roland era totalmente diferente de todos os nobres deste mundo, como se ele fosse de outro mundo. No entanto, ao mesmo tempo, ela se sentia confortável quando estava em sua companhia e gostava de seu charme único cada vez mais com o passar do tempo. Olhando para o céu nublado, Tilly até esperava que os Meses dos Demônios continuassem assim para aprender todo o conhecimento dele. Dessa forma, ela poderia ser capaz de compreender verdadeiramente o novo Roland, mesmo que ele nunca quisesse falar sobre si mesmo.

Balançando a cabeça para deixar de lado esses pensamentos, Tilly apontou para a próxima pergunta. Para seu espanto, o livro foi subitamente iluminado.

As duas bruxas olharam pela janela simultaneamente. Traços de luz haviam misteriosamente aparecido no céu coberto de nuvens e neve, e o sol perdido há muito tempo orlava as nuvens com luz dourada. Os habitantes locais da vila também sentiram a mudança. Logo, um número crescente de pessoas saiu pelas ruas aplaudindo.

Tilly olhou para o céu atordoada, com todo tipo de emoção surgindo dentro dela.

Quando o teste da metralhadora pesada parou, cartuchos vazios de balas estavam empilhados ao lado dos pés do Príncipe. Um tênue e claro tom de vermelho podia ser visto no cano da arma, e fumaça branca saía de sua extremidade.

Até mesmo a gota de um alfinete podia ser ouvida agora, já que ninguém queria expressar seus pensamentos. As palavras eram desnecessárias, já que o olhar fixo em seus rostos dizia o choque trazido por essa nova arma.

Machado de Ferro não pôde mais controlar sua excitação e se ajoelhou à maneira da Nação da Areia.

— O mundo é seu, Vossa Alteza.

Ele acreditava firmemente que seu novo caminho era liderar o Primeiro Exército, equipado com novas armas de fogo para expandir o território de Sua Alteza Roland.

Uma mão de repente apareceu à frente de Machado de Ferro e o levantou.

O Príncipe apontava para cima e não parecia tão contente quanto Machado de Ferro esperava. Em vez disso, ele olhou para a Cordilheira Intransponível e disse em voz séria:

— Nosso verdadeiro inimigo são os demônios.

Mesmo assim, eu ainda lutarei pelo senhor até a morte. — Antes que Machado de Ferro pudesse falar seus pensamentos, um raio de luz ofuscante perfurou o céu nublado, iluminando o mundo abaixo.

As bruxas que estavam atrás exclamaram espantadas, e Roland olhou para cima e sorriu. Mais e mais raios de luz vieram de cima e se tornaram mais e mais brilhantes. Logo, era difícil para eles olharem a luz. Enquanto isso, nuvens escuras silenciosamente se derretiam como o gelo em fogo. O sol apareceu novamente no céu.

Os Meses dos Demônios haviam terminado.


[1] Você pode conferir novamente estas sementes lá no capítulo 138.

[2] Lá no capítulo 371.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

6 Comentários

  1. Eu achei que o céu ia se abrir na hora que o Machado de Ferro se ajoelhou e ele ia ver o Roland como uma figura “divina”… se bem que algumas pessoas já veem ele assim HUEUHEUHEUHE

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!