LAB – Capítulo 479

A escolha de Rouxinol

Recentemente, Wendy estava vivendo sua vida de uma maneira excepcionalmente satisfatória.

Fiel ao seu nome, Papel rapidamente absorvia a tinta do conhecimento sobre bruxas e poder mágico. Ela fez um grande progresso em aprender a ler e escrever, bem como conhecimentos sobre o mundo natural. No momento, ela já era capaz de aprender novas palavras e expressões por conta própria. Wendy só estava um pouco preocupada com suas aulas particulares. Em certas ocasiões, Papel levantava questões que nem mesmo Wendy sabia responder, e isso significava que Anna ou Roland precisavam ser consultados.

Comparado a Papel, o progresso de Vera era muito mais lento. Wendy acreditava que poderia ser uma questão de idade. Cada palavra tinha que ser dita algumas vezes antes que Vera pudesse lembrar sua ortografia. Além disso, ela não conseguia compreender muito bem a ciência natural. Mas Wendy estava bem com isso. Afinal, tempo e paciência ela tinha de sobra. Na verdade, seria mais problemático para ela se suas alunas fossem todas tão espertas quanto Anna.

Todas as manhãs, Wendy chamava suas duas alunas à sala de estar para fazer o dever de casa que havia sido designado no dia anterior. Isso estava de acordo com o que Sua Alteza havia dito a todos os professores do Departamento de Educação, que o conhecimento aprendido sem a prática seria esquecido rapidamente, e somente por meio de prática regular é que o conhecimento poderia ser memorizado. Wendy concordava com essa afirmação.

A próxima lição era praticar sua habilidade mágica. Para isso, Papel poderia ajudar Agatha a produzir ácido ou ir ao estaleiro para ajudar a acelerar o endurecimento do cimento. Por isso, Wendy ensinava principalmente a recém-chegada Vera. Ela tinha ouvido falar que Vera logo se juntaria a Rouxinol no Departamento de Segurança e ajudaria Sua Alteza a recriar cenas de crime. Assim, a coisa mais importante a aprender era como controlar com precisão a reversão do tempo.

Felizmente, usar poder mágico era tão natural quanto respirar para as bruxas. Mesmo as alunas mais lentas conseguiam aprender com uma boa velocidade a utilização do poder mágico. Wendy frequentemente trazia o exemplo de Maggie para encorajar Vera a não desanimar por sua falta de proficiência natural com o poder mágico. Se até mesmo uma pomba foi capaz de evoluir, certamente uma bruxa regular também poderia, não é mesmo? Claro, depois disso, ela traria secretamente alguns pedaços de carne assada com mel para Maggie, como compensação.

As aulas mais básicas eram ministradas à noite. Em consideração aos diferentes ritmos de aprendizado das novas alunas, Sua Alteza dividiu a União das Bruxas em duas classes. As mais antigas continuariam a receber lições de Pergaminho e também começariam a aprender conhecimentos sobre física elementar e química, enquanto as recém-chegadas receberiam aulas extras de Wendy depois de suas aulas noturnas.

Esta era a parte mais relaxante do dia de Wendy.

Mesmo sendo a primeira bruxa da Associação Cooperativa das Bruxas a se unir à União, Wendy acabou ficando bastante atrás das outras bruxas nas avaliações, e o peso em seus ombros sempre aumentava um pouquinho quando ela se lembrava de que Sua Alteza lhe conferiu o papel de chefe da União.

Somente enquanto ensinava as recém-chegadas é que ela se sentia livre e capaz de colocar sua alma e coração nas aulas particulares.

Depois de atribuir o dever de casa para as duas alunas, Wendy foi tomar um banho quente. Quando ela voltou confortavelmente para seu quarto, ficou surpresa ao ver Rouxinol sentada ao lado da cama e olhando para o nada, com os olhos vazios, enquanto segurava uma cópia do Fundamentos Teóricos da Ciência Natural.

Ela não está concentrada, pois se tivesse, teria adormecido em poucos minutos. — Wendy pensou e perguntou:

— Qual é o problema? — Wendy descobriu sua colcha e subiu na cama, sentando-se ao lado de Rouxinol.

Rouxinol moveu a cabeça ligeiramente e olhou brevemente para Wendy, que ficou chocada ao ver a expressão vaga de Rouxinol. Wendy tinha visto tal expressão no rosto de Rouxinol apenas na Cidade da Prata, durante a primeira vez em que se encontraram. Naquela época, Rouxinol caminhava sozinha pelas ruas cobertas de neve, sem prestar atenção aos flocos de neve que caíam em seus ombros.

— Sua Alteza Roland está junto com Anna e… — Rouxinol murmurou —, e fui eu quem o encorajou.

Wendy estava sem palavras. Ela também notara que Anna e Sua Alteza haviam se aproximado mais recentemente, mas praticamente todos já sabiam disso e, portanto, não era surpreendente. Anna foi a primeira bruxa que Sua Alteza conheceu, e era impecável em todos os aspectos. Além de sua incapacidade de dar à luz, ela foi considerada por Pergaminho como a pessoa mais adequada para ser rainha. A única coisa que Wendy achou surpreendente foi o fato de que o desenrolar foi incentivado por Rouxinol.

— Eu fiz preparativos e sabia que este seria o resultado. Ainda assim, vendo-os juntos, por que… por que me dói tanto? — Rouxinol agarrou a mão de Wendy com força — Eu já tinha me decidido há muito tempo…

Wendy também começou a se sentir mal ao olhar para a aparência de Rouxinol. Sua impressão mais profunda de Rouxinol era sua força e coragem. Seja atacando e capturando seu parente distante na Cidade da Prata, ou lutando contra a Igreja, ela conseguia manter a calma e lutar, apesar das circunstâncias difíceis. Ela nem mostrou sinal de medo enquanto enfrentava a ameaçadora Kara. No entanto, quando o assunto era o relacionamento entre ela e Sua Alteza, Rouxinol mais uma vez se tornava uma criança indefesa. E Wendy era incapaz de fornecer qualquer ajuda.

Não há certo ou errado em relação aos sentimentos. — Tudo o que Wendy pôde fazer foi abraçá-la e acariciar gentilmente seus ombros.

— Se você se sentir mal, chore, coloque pra fora e você ficará bem.

Rouxinol balançou a cabeça em desacordo e murmurou.

— Desde que deixei a família Gilen, eu prometi… nunca mais chorar, nunca mais… — A voz de Rouxinol foi ficando cada vez mais baixa até que se tornou inaudível.

Wendy sentiu gradualmente um sentimento quente e úmido em seu peito, mas mesmo assim Rouxinol não pronunciou uma palavra ou gemido. Como Rouxinol estava segurando todo esse turbilhão de sentimentos, seus ombros começaram a tremer e ela segurou Wendy ainda mais vigorosamente.

— Eu não chorei…

— Sim, você não… eu sei. — Wendy fechou os olhos e começou a se arrepender do que dissera uma vez a Rouxinol.

Permanecer em torno de Sua Alteza foi uma solução simples. De fato, a maioria das bruxas escolheria ficar perto dele… porque elas não tinham outro lugar para ir. Elas também estavam cientes de que havia apenas uma chance mínima de que Roland as aceitasse e se casasse com uma garota que não pudesse dar à luz e, portanto, não poderia continuar com sua linhagem. No entanto, o problema de ficar em torno dele era a distância. Assim como com o sol, qualquer um pode aproveitar o calor e a glória do sol, mas era fácil se queimar se alguém tentasse se aproximar. E a intenção de Rouxinol, obviamente, não era olhá-lo de longe.

Este não era um caminho fácil de seguir.

— Que tal desistir? — Wendy perguntou suavemente — Se você der um passo para trás, ainda terá as irmãs para acompanhá-lo.

O longo silêncio que se seguiu deu a impressão de que o tempo havia congelado. Wendy sentia-se como se esperasse um julgamento e, embora não fosse a acusada, ainda era extremamente difícil para ela suportar. Algumas vezes, ela quase abriu a boca para fazer mais perguntas, mas suas palavras simplesmente desapareciam pouco antes de dizer qualquer coisa.

Até que Rouxinol levantou a cabeça.

Seus olhos pareciam ligeiramente vermelhos, mas as lágrimas não podiam ser vistas. A umidade no peito de Wendy parecia ser sua própria percepção falsa. Vendo a expressão nos olhos de Rouxinol, Wendy poderia dizer que havia uma conclusão para este julgamento… mas não era o fim.

— Eu não vou desistir. — Rouxinol balançou a cabeça e disse — Não importa o quê, eu vou ficar ao lado dele até o final…

Ela não se importava em ser queimada pelo sol até tornar-se cinzas.

Esta foi sua resposta.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

11 Comentários

  1. Embora isso pareça muito bonito na literatura e coisa e tal… não é nada saudável emocional e psicologicamente. Pra que insistir em algo que lhe faz sofrer? Seria muito mais saudável e melhor pra ela aprender a seguir em frente. Se torturar e se rebaixar pra ficar com uma pessoa não é nem um pingo romântico. Pulem fora, meninas. Não vale a pena.

    1. Ela pode continuar trabalhando (nas verdade, ela deve, já que a função dela é insubstituível), mas a iteração deles deveria ser puramente “profissional” daqui pra frente, pelo menos até ela encontrar outra pessoa. Eu acho que seria um caminho perfeito.

  2. A danisi prefiro harem a maioria dos mangas/novels escolhe só uma e desgrada uma parte do público pra min harem e a solução (apenas para uma parte dos manga/novels)

  3. As pessoas não gostam de harém muita vezes pq não tem desenvolvimento, mais em LAB o desenvolvimento foi tão natural que vc torce que ele fique com as duas.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!