LAB – Capítulo 517

A verdadeira alquimia

Quando Kyle Sichi voltou para casa, ele imediatamente viu um envelope escuro na mesa de jantar.

— O que é isso? — Kyle olhou para sua esposa, Cerra, que estava ocupada trabalhando na cozinha.

— Ah, é mesmo, os funcionários da Prefeitura apareceram esta tarde — Sua esposa limpou as mãos e colocou uma tigela de caldo de carne sobre a mesa — Eles disseram que Sua Alteza quer que você vá para a Cidade Real de Castelo Cinza, e um navio virá em dois dias para escoltá-lo até lá.

— Ele não está indo lá para confrontar seu irmão? Por que ele me quer lá? Isso é a mais completa perda de tempo. — Kyle disse com uma carranca — Vai demorar pelo menos uma semana de jornada! Suas exigências estão realmente indo longe demais.

— Ele é seu Príncipe, Lorde da Cidade de Primavera Eterna, querido. — Cerra disse, balançando a cabeça com um sorriso — Além disso, os funcionários da Prefeitura disseram que ele escreveu uma carta pessoalmente para você, mostrando o quanto essa viagem é importante. É uma grande honra, não é? Você deve manter essa carta a salvo depois de terminar de lê-la, para que possamos passá-la para a próxima geração como herança de família.

— Herança de família? Se ao menos fosse a edição completa de Química Intermediária… — Kyle esboçou um sorriso — Vamos discutir isso depois do jantar… é melhor que ele tenha uma boa razão.

Depois de sua simples refeição, Kyle entrou no escritório, abriu o envelope e retirou uma pequena tira de papel, do tamanho de um dedo. Obviamente era uma carta secreta enviada por um pombo-correio, que foi então colocada em um envelope pelos funcionários da Prefeitura.

Kyle usou uma das mãos para pressionar o papel e a outra para vasculhar a mesa atrás de seu monóculo e, após encontrá-lo, colocou-o na ponta do nariz. Devido à leitura durante um longo período de tempo sob a fraca luz de velas, sua visão estava piorando a cada dia. Felizmente, sua vida na cidade melhorou muito, e ele podia acender cinco ou seis velas de cada vez em seu escritório, mas ele mal podia esperar pelo dia em que sua casa também tivesse instaladas as lâmpadas que os laboratórios de química possuíam e assim ter uma forte iluminação à noite.

Ao olhar para a carta, Kyle viu somente uma frase:

“Você ainda se lembra da Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza? Agora é a sua chance de mostrar a verdadeira alquimia.”

Kyle começou a ofegar.

A Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza era a última posição, o maior sonho de todos os aspirantes a alquimistas que procuravam a verdade de todas as coisas, e ele não fora exceção quando jovem.

Apenas sua esposa sabia que certa vez ele se candidatara à Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza. Ele havia planejado conseguir a admissão usando o “líquido de dissolução de ouro” que inventou sozinho aos 20 anos. No entanto, a fórmula de Kyle falhou inesperadamente durante o processo de revisão, e ele não conseguiu produzir o licor de acidez marrom mesmo depois de duas tentativas. O inspetor alquimista Retnin ficou indignado e acusou Kyle de desperdiçar intencionalmente os valiosos ingredientes da oficina. Ele negou a Kyle uma terceira tentativa e até ordenou aos guardas que pegassem sua bolsa e o expulsassem.

Já fora da oficina, Retnin jogou friamente cinco peças de prata da bolsa para Kyle, dizendo que ele deveria comprar uma passagem de volta para a Cidade Carmesim, enquanto o resto da bolsa era uma compensação pelo desperdício de materiais. Ele saiu assim que terminou de falar, deixando Kyle apenas com sua rejeição e uma grande vergonha. Isso deixou uma cicatriz aberta em seu coração, e ele nunca contou a ninguém sobre isso, exceto sua esposa.

Kyle retornou à Cidade Carmesim cheio de raiva, mas continuou a perseguir a alquimia e passou todo o tempo em sua oficina, tentando encontrar uma nova fórmula para provar que a Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza estava errada. Finalmente, depois de dez anos, quando tinha 30 anos, Kyle desenvolveu uma segunda fórmula. Por este motivo, ele foi promovido como alquimista na Cidade Carmesim. Levou mais seis anos para se tornar o Alquimista-chefe.

Kyle sempre viu a Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza como seu maior inimigo, e ele também interagiu com eles algumas vezes em seu trabalho. Mas seus alquimistas eram sempre extremamente arrogantes e não reconheciam quaisquer outras organizações de alquimistas, exceto as suas. Eles acreditavam que os alquimistas de Cidade Carmesim eram tão bons quanto seus aprendizes e estudantes e não mereciam o título de alquimista. Suas fórmulas de alquimia supostamente recém descobertas foram em grande parte descobertas pela Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza há pelo menos 12 anos.

O chefe da Oficina Alquímica chegou a dizer que outras cidades não precisavam construir oficinas de alquimia porque essa linha de trabalho exigia uma grande quantidade de dinheiro e mão-de-obra, algo que os lordes menores não poderiam pagar. Se as pessoas precisassem da ajuda de alquimistas, elas poderiam procurá-lo diretamente na Cidade Real de Castelo Cinza. Se os lordes investissem dezenas de milhares de peças de ouro em suas próprias oficinas, provavelmente não progrediriam, pois seus funcionários seriam um bando de homens inúteis fingindo ser alquimistas.

Embaraçosamente, Kyle sabia que apenas a Oficina Alquímica de Cidade Carmesim enxergava a Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza como concorrente, mas essa visão não era recíproca. Ele ficou muito feliz com o seu sucesso no método de fabricação de pedra-dupla, obtendo grandes quantidades de ácido que valiam muito dinheiro, e na produção de cristais, os quais eram o produto alquímico mais requisitado no mercado. Até mesmo a orgulhosa Oficina Alquímica não podia ignorar suas duas realizações.

Em uma reviravolta inesperada e praticamente teatral, Roland Wimbledon, de Vila Fronteiriça, encontrou-o e abriu seus olhos para um mundo de possibilidades com o livro Química Elementar.

A partir de então, Kyle percebeu que tudo o que aprendera não tinha sentido. A alquimia em si era uma prática atrasada e condenada à extinção, enquanto um novo caminho de exploração estava à sua frente. Desta vez, a relação entre todas as coisas não era mais obscura, mas clara e organizada. Suas disputas no passado também eram inúteis, e ele deixou de lado sua vingança com a Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza e as fórmulas que o levaram tanto esforço para desenvolver.

Nada mais razoável e lógico a ser feito.

No entanto, quando Sua Alteza mencionou a tal oficina novamente, o coração de Kyle Sichi ainda disparou, e uma excitação indescritível retornou em seu coração.

A mente de Kyle lembrou aquele homem frio, as peças de prata na lama, a porta que se fechou e a afirmação ultrajante de que não havia necessidade de outras oficinas de alquimia existirem, exceto a Oficina Alquímica da Cidade Real de Castelo Cinza.

“Agora é a sua chance de mostrar a verdadeira alquimia.”

Kyle leu a tira de papel uma última vez, levantou-se e saiu do escritório.

— Cerra…

Ele parou no meio da frase e notou que sua esposa estava curvada, arrumando suas roupas em uma bolsa aberta na sala de estar.

— O que é isso?

— É para a sua jornada até a capital. Eu sabia que, mesmo que Sua Alteza não lhe escrevesse uma carta, você ainda iria. — Cerra disse com um sorriso — Você ainda se lembra das histórias que me contou? Há coisas que você deve àquela cidade.

Kyle olhou para ela sem expressão por algum tempo e depois desatou a rir.

— Cuide bem da nossa casa. Tenho que fazer uma visita a Cidade Real de Castelo Cinza.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

5 Comentários

  1. Essa mulher do Kyle é uma santa namoral, só uma santa pra entender e se dar tao bem com um cara como ele

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!