LAB – Capítulo 554

Chegando à Cidade de Primavera Eterna

Existem tantos navios e barcos aqui. — Edith pensou, deitada ao lado da portinhola do convés de popa. Ela olhou para ver as frotas que iam e vinham no Rio Vermelho.

Desde que entrou na Região Oeste, Edith notou que muitos navios estranhos de pedra estavam navegando sem ajuda do vento, tornando o rio muito movimentado. E, de acordo com a introdução do comandante, estes navios eram chamados de navios a vapor. Eles usavam o poder do vapor para marchar à frente com rodas de pás e sua velocidade não podia ser influenciada pelo vento. Dizia-se que, mesmo que você navegasse a montante, eles eram mais rápidos que um navio à vela. Um navio a vapor costumava navegar na frente de outros navios no rio, com um fio de fumaça preta deixada para trás. Ninguém poderia explicar claramente como o vapor empurrava as grandes rodas de madeira dos dois lados do navio.

Mas uma coisa era certa, tudo isso foi feito na Cidade de Primavera Eterna.

Edith secretamente fez algumas estimativas de que quase toda hora haveria um navio a vapor passando. Se esses navios estivessem transportando carga, não havia dúvida de que a quantidade de material que a Cidade de Primavera Eterna estava importando seria surpreendente. Ela aprendeu dos comerciantes que uma cidade não podia ser maior do que sua capacidade de importar materiais. Qualquer pessoa poderia ter uma ideia aproximada de quão próspera essa cidade era e quantas oportunidades de negócios ela poderia oferecer se apenas ficasse por alguns dias na estrada principal. Poderia até mesmo saber quais eram os produtos mais populares da cidade se fosse bom em comunicação.

Obviamente, o Rio Vermelho era a estrada principal mais importante para a Região Oeste.

E, observando aquele rio movimentado, Edith acreditava que toda a propaganda que vira na Cidade Real de Castelo Cinza não era apenas Sua Majestade Roland se gabando.

Em tão pouco tempo, Roland integrou a Região Oeste em uma nova cidade cuja população permanente e comércio superaram a velha capital.

Um herdeiro tão notável do trono realmente tinha uma má reputação de ser ignorante e teimoso… — Pensando nesses rumores, Edith estava cada vez mais interessada em Roland Wimbledon.

— Senhorita Conrad, você está observando os navios novamente? — A porta foi aberta e um homem bonito, de cabelo castanho e sedoso entrou — Quer sair para respirar um pouco de ar fresco? Você deve estar entediada de ficar aqui o tempo todo, não é?

— Não, este lugar está bom. — Edith se levantou e acenou para ele — Obrigada por sua hospitalidade.

— Você não precisa me agradecer. — Ele riu e disse — Tenho sorte de ter a companhia de uma mulher tão bonita.

Edith tinha ouvido muitos elogios desse tipo, mas ainda respondeu com um olhar encantador:

— Sem a sua ajuda, receio que talvez eu estaria entre a carga e os refugiados.

— É claro que eu não podia ficar parado e deixar esse tipo de coisa acontecer. — O homem sentou-se em frente — Nenhum joalheiro deixa as joias serem cobertas de poeira, e você é como uma joia para mim.

Este homem se chamava Victor, o proprietário do navio Aurora. Ele era um joalheiro da antiga capital. Depois que o navio de Edith foi queimado, ela rapidamente escolheu este navio de dois mastros entre todos os navios que viajavam para a Região Oeste. Não era um navio de passageiros, nem estava aceitando trabalhadores. Era o navio particular de Victor. Mas para a Pérola da Região Norte, desde que o dono do navio fosse homem, então tudo estava bem.

Ela fingiu ser uma senhora nobre da Região Norte, que veio à Região Oeste para encontrar seus parentes desaparecidos. Com algumas palavras, fez Victor sentir pena dela e convidá-la a bordo do Aurora voluntariamente. Comparado com os pequenos navios e barcos à vela e cargueiros, o Aurora era espaçoso e luminoso, com uma confortável cabine de passageiros no convés de popa. Além disso, não possuía os odores da madeira podre causados pelas viagens de longa data. Victor até arranjou duas criadas para Edith, sem cobrar uma única peça de ouro dela.

Claro, o único preço que ela precisava pagar era suportar as visitas de Victor de tempos em tempos, mostrando sua generosidade e preocupação. Para Edith, que era boa em lidar com a aristocracia, isso era fácil demais, já que ela já estava muito acostumada. Se Victor fosse bom o suficiente, Edith apreciaria a sensação de controlá-lo.

— Embora esses navios possam navegar sem o impulso do vento, são muito brutos. —  Victor disse e serviu uma xícara de chá preto para si — Subi a bordo de um navio a vapor e observei-o com cuidado, é barulhento e treme muito ao navegar… pode ser uma boa opção para o transporte de mercadorias, mas não é a melhor opção para uma longa viagem.

— É claro que não será tão confortável quanto o Aurora. — Edith sorriu — Mas por que eu sinto que esses navios simplesmente foram fabricados em uma noite? Não havia esse tipo de navio na Região Oeste antes, eu suponho?

— Você acertou. Eles surgiram da noite para o dia. — Victor sorriu de volta e acrescentou — Eu costumava viajar a negócios para Forte Cancioneiro e não havia esse tipo de coisa estranha naquela época. Depois de apenas um inverno, eles estão por toda parte agora.

Fabricar vinte ou trinta navios a vapor em um inverno? — Edith pensou surpresa. Como herdeira da Família Kant, ela sabia exatamente qual era o significado disso. Como uma cidade grande precisava importar muito material, a expansão da cidade era limitada pela capacidade de transporte de material. Esses tipos de navios que não possuíam velas, que podiam ser produzidos tão rapidamente, obviamente eram bons para melhorar a capacidade de transporte da cidade, pois podiam transportar continuamente alimentos e mercadorias de qualquer lugar para a Região Oeste. Logo, a velocidade de expansão da Cidade de Primavera Eterna estaria naturalmente além da imaginação de todos.

Quanto aos ruídos e tremores, não era digno de menção.

— Conrad, senhorita, não precisa se preocupar com aqueles navios feios de concreto. Eu tenho algo mais interessante aqui. Pode ajudar você a matar o tempo. — Victor chamou a criada ao lado dele, sussurrando algumas palavras em seu ouvido e então ela assentiu, virou-se e saiu da sala.

— E o que é?

— Algo que pode combinar com a sua beleza. — Victor respondeu — Também é minha antiga profissão.

A criada rapidamente voltou ao convés de popa com um livro requintado na mão. Victor abriu na frente de Edith.

— De qual destas você mais gosta?

Havia muitas imagens de cristais deslumbrantes no livro, que eram definitivamente realistas, com pinceladas finas e cores vivas. Obviamente, o pintor que fez este álbum era um especialista em fazer seu trabalho.

— São… joias?

— Precisamente, mas são pedras ainda em estado bruto. — Victor explicou a ela pacientemente — Eu defini os preços de acordo com o padrão quando as comprei. Comparadas com as joias polidas, as pedras brutas têm seus próprios encantos… Se você estiver interessada em qualquer tipo de pedra bruta, entre em contato comigo. É claro que, se você preferir as joias polidas, posso pedir a alguns joalheiros que usem essas pedras brutas para fazer algumas joias quando voltar para a Cidade Real de Castelo Cinza.

Nada original. — Edith apenas virou as páginas e depois devolveu a ele.

— Obrigada, mas não.

Victor ficou surpreso quando pegou o livro de volta.

— Então você não está interessada nisso?

— Meus parentes estão desaparecidos. Não tenho vontade de comprar esses presentes de luxo. Por favor, me perdoe. — Edith respondeu em voz baixa.

Se Edith prometesse que ia comprar uma joia, Victor a incomodaria quando chegassem à Cidade de Primavera Eterna, o que seria uma pedra em seu sapato. Embora a maioria das mulheres cedesse a essas coisas brilhantes, ela preferia apreciar o motor a vapor que dirigia o navio com aquelas rodas de pás de moinho de vento. Comparados com as joias que só se espalhavam entre os nobres, os navios eram muito mais valiosos.

Logo depois que Victor saiu, houve uma série de sons profundos e diversos da direção da proa… Parecia que uma grande frota estava prestes a deixar o porto.

Olhando para o porto, Edith pôde ver o cais ficando cada vez mais claro à sua frente.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

1 Comentário

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!