LAB – Capítulo 572

O Cântico de Louvor

Quando Dente de Cobra e Garra de Tigre chegaram à praça, uma enorme multidão de pessoas já estava reunida. Dente de Cobra nunca tinha visto tantas pessoas se reunirem em um só lugar, mesmo quando Forte Cancioneiro estava distribuindo mingau de graça.

Ele contou por cima e estimou que provavelmente havia mais de 5.000 pessoas ali para o teatro.

A praça que costumava ser apenas uma terra plana foi transformada em uma tigela gigante e foi afundada no chão. Se Dente de Cobra não estivesse enganado, o nome disso era anfiteatro. Segundo os residentes, era a terceira reconstrução da praça. De um modo geral, um projeto tão grande levaria uns dois anos para ser concluído, mas esse anfiteatro havia sido construído em apenas meio mês e, durante esse período, ninguém tinha a menor ideia de para onde foi-se toda a terra que tiraram do buraco.

Nesse anfiteatro, a plateia podia sentar-se nos degraus de pedra para assistir à peça, em vez de ficar em pé até as pernas ficarem dormentes. O público também podia ver muito melhor, mas só se você encontrasse um assento. Quanto aos que chegaram atrasados, ainda podiam ficar na ponta dos pés ao redor da praça para dar uma olhada.

Garra de Tigre se espremeu na última fila da escada de pedra e abriu espaço suficiente para duas pessoas, dizendo:

— Nem é tão ruim assim, a gente ainda conseguiu.

Dente de Cobra segurou uma bolsa de pano no peito e sentou-se ao lado do amigo com muito cuidado. Como a bolsa continha todas as suas economias nos últimos dois meses, ele precisava estar em alerta, afinal, esse lugar era muito movimentado. Em lugares como este na Região Cancioneiro, os ratos fariam a festa. Embora a Região Fronteiriça não tivesse ratos agora, Dente de Cobra ainda sentia que precisava tomar cuidado com os ratos que foram “transferidos temporariamente para o trabalho civil”.

Quando o último brilho do pôr-do-sol se derreteu na escuridão da noite, havia apenas várias tochas acesas que iluminavam a praça. O palco ainda estava envolto na escuridão. Dente de Cobra não pôde deixar de se sentir bastante estranho quando descobriu que ninguém veio acender as fogueiras e que não havia lenha no centro da praça.

Ele não pôde deixar de se perguntar como eles acenderam as tochas sem fogo.

De repente, um feixe de luz brilhou no palco de forma deslumbrante, mas Dente de Cobra logo se acostumou a essa luz pura. Então o segundo e o terceiro feixe de luz apareceram, iluminando gradualmente o palco. Os suspiros de espanto da plateia reverberaram sobre a praça.

São as luzes usadas nas fábricas! — Dente de Cobra pensou.

— Caramba! Luz da noite-sem-noite! Eles trouxeram a luz da noite-sem-noite pra cá! — Garra de Tigre exclamou.

Dizia-se que era uma luz mágica que capturava os raios do céu em uma caríssima lâmpada de cristal de vidro. Dente de Cobra testemunhou essas luzes algumas vezes quando passou pelo distrito industrial.

— Luz da noite-sem-noite? Jovem, não é nada disso, o nome disso aí é luz elétrica e usa eletricidade. É feito pelas máquinas criadas pelas bruxas! Sua Majestade planejava equipar todas as casas com luzes elétricas, mas a bruxa que fornecia eletricidade era incapaz de suportar tantas luzes. É por isso que apenas as fábricas estão usando esse tipo de luz agora. — Alguém por perto disse, bufando.

— Ué, como você sabe disso tudo? — Garra de Tigre perguntou com interesse.

Essa pessoa deu de ombros e respondeu:

— Você não é um residente oficial da Cidade de Primavera Eterna, certo? A Prefeitura fez propaganda sobre eletricidade para nos dizer como usar as luzes elétricas com segurança. Eles são como fogo. Se você não as usar corretamente, pode até causar um desastre.

— Então é tipo o relâmpago?

— Humm… quase isso. Mas nem se preocupe, deixe isso para lá. Quando você se tornar súdito de Sua Majestade e terminar o ensino primário, você entenderá.

— Meu deus, e existe alguma maneira de me tornar um súdito formal mais rápido? E o que é ensino primário?

Dente de Cobra perguntou e queria fazer mais perguntas, mas Garra de Tigre de repente o agarrou quando a multidão explodiu em gritos ensurdecedores.

O Trupe Estrela-Flor subiu no palco.

— Senhora May! Senhora May!

— Senhora Irene!

— Senhor Gaite!

A multidão gritou os nomes dos membros da trupe e a atmosfera entrou em polvorosa.

Vendo isso, uma admiração começou a crescer rapidamente dentro do coração de Dente de Cobra. Ele queria se tornar alguém como eles, alguém em que todas as pessoas olhassem. Ele queria que o público gritasse seu nome em voz alta…

Eles não são nobres nem sábios. Não estão tão fora de alcance assim.

Depois que os aplausos cessaram, a peça começou.

Foi a primeira vez que Dente de Cobra assistiu a uma peça estrelada pela Estrela e Flor da Região Oeste. Ele nunca pensou que estaria interessado em um evento tão jeitoso, geralmente apreciado pelos nobres, mas quando a música começou, ele foi absorvido pela história sem perceber.

Os papéis principais da história não eram os nobres. Não, em vez disso, eles eram apenas pessoas comuns como ele… um cidadão livre, um refugiado e um rato.

As 3 personagens tinham sonhos para o futuro e infortúnios em suas próprias vidas. Todos eles foram atrás de seus sonhos na mesma cidade, Cidade das Estrelas. Eles se conheceram e se ajudaram. Eles confidenciaram seus pensamentos um ao outro. Eles sofriam com a dor de deixar suas cidades de origem e com a sensação de estarem perdidos e sem ninguém na nova cidade. Depois disso, eles se juntaram e encontraram seus próprios caminhos.

Nada podia ser ouvido, exceto as falas dos atores e atrizes na praça. O público inteiro prendeu a respiração, pois estavam profundamente envolvidos na história sendo contada e interpretada no palco.

Finalmente, as personagens no palco se estabeleceram na Cidade das Estrelas e viveram confortavelmente para sempre. Estranhos que se ajudaram no passado se tornaram amigos e amantes no final. Dente de Cobra sentiu-se tocado quando uma música melodiosa começou a tocar. Ele fingiu esfregar os olhos para esconder as lágrimas e, entretanto, descobriu que Garra de Tigre já chorava feito uma criança, embora não parecesse triste.

Dente de Cobra percebeu que ele não era o único que estava chorando. Todos ao redor estavam como ele, absorvidos nessa história emocionante. Ninguém conseguiu se mexer até o final da peça.

Mesmo que ninguém dissesse, todos sabiam claramente que a Cidade das Estrelas era a Cidade de Primavera Eterna.

Dente de Cobra estava perdido em pensamentos — Então até um rato pode viver uma história assim?

No momento, uma garota claramente estrangeira entrou pelos fundos do palco e subiu na plataforma.

Como alguém em uma pintura delicada, ela era alta e tinha cabelos cinza-azulados até a cintura, usando um vestido branco que brilhava de forma estonteante.

Então, ela começou a cantar.

Totalmente diferente da música tocada anteriormente, sua música era poderosa, elogiando os grandes e gloriosos trabalhadores. Ela cantou de uma maneira diferente de todas as outras cantoras. A música era inspiradora e encorajadora. Ao ouvir a música, Dente de Cobra sentiu que podia até ver o suor de seu próprio trabalho nos distantes prédios residenciais e que todos os estrangeiros que se dedicavam à construção desta cidade mereciam ser lembrados.

O impacto e as emoções trazidas pela peça foram finalmente divulgados neste momento. A plateia pulava e aplaudia com toda a sua força. A música rapidamente fez suas emoções se elevarem ainda mais!

Eles eram todos súditos de Sua Majestade!

Os gloriosos trabalhadores!

Os construtores da Cidade de Primavera Eterna!

Após o espetáculo, Sua Majestade saiu com as bruxas através de uma plataforma elevada que foi construída para uso temporário. Dente de Cobra abriu os olhos o máximo que conseguiu, mas ainda não conseguiu encontrar Papel na multidão. Surpreendentemente, ele não se sentiu tão decepcionado quanto esperava, uma vez que a música ainda ecoava em seus ouvidos, enchendo seu coração de esperança.

Ele acreditava que eles se encontrariam mais cedo ou mais tarde.

Como aqueles estrangeiros, eles se encontrariam novamente nesta cidade.

JZanin
Professor de Química, mestre em Ensino de Ciências, jogador de RPG sem tempo e Deodoro Aliguieri nos tempos vagos que não existem mais. ~Strong alone, stronger together!~

1 Comentário

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!