LAB – Capítulo 644

Diplomacia da Nova Era

Após tomar o café da manhã, Roland convocou Barov para o seu quarto.

Barov, o Diretor da Prefeitura, que entrava no quarto de Roland pela primeira vez, parecia um pouco mais cauteloso que o habitual, mas ao mesmo tempo, percebia-se que ele também estava empolgado.

Vendo o comportamento de Barov, Roland logo lembrou da história de uma celebridade que saía toda desarrumada de casa para receber os fãs que estavam na porta, o que fazia com que os fãs a adorassem ainda mais. Parecia que, por ele ter chamado Barov para o seu quarto porque estava com preguiça de ir ao escritório, fez o Diretor da Prefeitura pensar que já havia ganhado a completa confiança do rei.

Roland tinha que admitir que o oficial do sexo masculino possuía uma vantagem única quando o assunto era lealdade. Por exemplo, Roland poderia passar a noite conversando com o sujeito, dividir a cama e etc. Mas se fosse, por exemplo, Edith Kant, essas coisas gerariam fofocas e mais fofocas.

Roland sorriu e balançou a cabeça, descartando esses pensamentos.

— Quantas cartas você recebeu enquanto eu estava em coma?

— Um total de 16. — Barov falou rapidamente. — A maioria delas são dos lordes de vários territórios solicitando acordos ou visitas, também tem duas cartas confidenciais da Região Leste solicitando uma negociação de paz. Eu respondi a todas elas de acordo com a orientação do senhor.

Eles haviam concluído essas preparações numa reunião de conselho antes da guerra. Quando o rei liderasse o exército e marchasse para a guerra, Barov assumiria temporariamente as questões administrativas da Cidade de Primavera Eterna no lugar do rei. Ele ficaria responsável por ler todas as cartas que fossem enviadas ao rei. E as cartas que fossem de importância particular e acima do poder de Barov para responder seriam enviadas para a frente de batalha por meio de um pombo-correio.

— Apenas uma negociação de paz?

— Sim… Mas eles não estão dispostos a abdicar do direito de suas terras. Eles pedem que o senhor mantenha a tradição e honre a nobreza.

— Na próxima primavera, eles naturalmente entenderão qual escolha deverão tomar. — Roland deu de ombros. — Onde estão as cartas que precisam da minha atenção? De onde elas vieram?

— Uma delas veio da Associação de Astrologia da Cidade do Amanhecer, e a outra veio do Reino do Alvorecer. — Barov disse, passando duas cartas para Roland. — Elas chegaram no momento em que o senhor entrou em sono profundo, e o conteúdo delas é um pouco… estranho.

— Estranho?

Roland primeiramente abriu a carta com o desenho de uma constelação.

Era uma carta escrita pelo Astrólogo Estrela da Dispersão. Metade da carta era composta de saudações e agradecimentos. Os telescópios astronômicos que Roland havia mandado para o observatório havia sido posto em uso.

Certamente, eles devem me agradecer por isso. — Roland pensou.

Entretanto, o que estava escrito no resto da carta deixou Roland atônito.

Eles acharam a Estrela da Extinção no céu? Uma estrela com o brilho vermelho, cuja localização é fixa?

A primeira coisa que veio na mente de Roland foi uma órbita síncrona.

De acordo com o seu pobre conhecimento de astronomia, ele sabia que somente objetos que viajavam numa órbita síncrona poderiam permanecer relativamente “imóveis” junto ao planeta.

Se a Lua Sangrenta realmente surge de uma órbita síncrona, então ela definitivamente influenciará o planeta. Além disso, a observação também mostra que o seu tamanho é extremamente pequeno. Então… isso quer dizer que a Lua Sangrenta não é um corpo celeste natural, e sim um satélite artificial?

Após ponderar por um momento, Roland descartou essa especulação.

Se fosse um satélite, como poderia estar se aproximando da terra? — De acordo com a informação de Agatha, quando a Lua Sangrenta aparecesse, o continente inteiro conseguiria vê-la a olho nu. Ela era mais brilhante e maior que a lua, e sua luz escarlate “tingiria” as muralhas da Cidade Sagrada de vermelho. Mesmo se fosse um dia ensolarado, todos conseguiriam ver o seu contorno no céu.

Isso não faz sentido.

Ele ficou em silêncio por um momento antes de colocar a carta na mesa.

— Escreva uma carta. Convide os astrólogos para virem à Cidade de Primavera Eterna.

— Mas eles rejeitaram da última vez. — Barov disse com hesitação. — Receio que desta vez…

— As coisas mudaram. Agora que a Associação de Astrologia encontrou a estrela que eles tanto procuravam, eles vão observar apenas a área onde a estrela está localizada. — Roland bateu com os dedos na mesa e continuou: — Diga na carta que a Cidade de Primavera Eterna desenvolveu telescópios astronômicos melhores e encontrou alguns livros antigos sobre a Estrela da Extinção. Acredito que eles virão.

— Sim.

Roland logo abriu a segunda carta. Ou seria melhor chamar isso de mini-carta? Como esperado, uma mensagem entregue por um pombo-correio sempre era muito resumida.

— “O rei do Reino do Alvorecer morreu, e seu filho mais velho, Appen Moya, assumiu o trono. Appen ordenou que eliminassem os fiéis da Igreja, interditassem a rota para a Cidade Sagrada e caçassem todas as bruxas em seu território. Como resultado, uma rebelião estourou na fronteira, afetando nossa caravana. Por causa disso, talvez o plano original seja temporariamente suspenso.”

Roland não pôde deixar de franzir as sobrancelhas. Ele sabia que era normal Barov, que não estava ciente do que a Igreja havia feito ao Reino do Alvorecer, estar confuso. Depois que Isabella e as outras recuaram, o rei do Reino do Alvorecer cedo ou tarde morreria pela falta das pílulas. Roland só não esperava que Appen odiaria tanto a Igreja que envolveria até mesmo as bruxas.

Das políticas aplicadas por Appen, eliminar os fiéis da Igreja era algo que dava pra entender. Mas a proibição unilateral do comércio basicamente havia cortado a fonte de riqueza dos lordes que habitavam próximo à fronteira. A Igreja muito provavelmente estava por trás da rebelião. Ainda assim, caçar bruxas era algo que ia absolutamente contra os interesses de Roland.

Uma ordem tão impulsiva provavelmente não havia se originado das Três Grandes Famílias do Reino do Alvorecer. A única explicação possível era que o novo rei havia perdido a cabeça ao tentar buscar vingança pelo seu pai falecido.

Roland havia pensado que o Reino do Alvorecer poderia ser um aliado em potencial, mas esta notícia o desapontou muito.

— Envie uma carta diplomática para Appen. — Roland disse lentamente. — Primeiro, parabenize-o pela sua coroação, e depois avise-o para encerrar a caça às bruxas imediatamente. Uma bruxa pura não é a mesma coisa que uma bruxa normal, e o Reino de Castelo Cinza estabeleceu uma organização formal de bruxas em seu território. Qualquer um que ouse tratá-las como inimigas estará indo contra o Reino de Castelo Cinza.

— Uh… Vossa Majestade. — Barov limpou o suor da testa. — O senhor tem certeza que quer colocar essas palavras na carta?

— Algum problema?

— Ele talvez não leve a sério. Ou… ele pode pensar que o senhor está ameaçando ele diretamente.

Roland estava bem ciente de que às vezes até mesmo os senhores feudais não iriam seguir as ordens do rei, quanto mais reinos vizinhos. Mas a era havia mudado. Se o reino de lá não sabia o que era diplomacia, ele os faria entender logo, logo.

— Mas eu realmente estou ameaçando ele. — Roland respondeu, sem titubear. — Se Appen Moya insistir nesse caminho, eu também apoiarei um novo rei para o Reino do Alvorecer já no próximo ano, quando conquistarmos a Cidade Sagrada. Um rei sábio que lutará ao lado do Reino de Castelo Cinza na Batalha da Vontade Divina. Andrea da Casa Quinn será uma boa escolha.

A diplomacia da nova era seria construída à base de armas de fogo. Qualquer coisa que ele fracassasse em obter por meio de negociações seria tomado à força. Para lidar com os outros reinos, intervir em questões internas, mudar herdeiros, apoiar resistências e estacionar as tropas diretamente em seus territórios seriam métodos comuns. Roland não queria que nenhum outro reino estivesse em seu caminho quando a Lua Sangrenta chegasse.

Portanto, o que essa carta diplomática realmente queria dizer era: “Não diga que eu não te avisei.”

— Eu… Eu entendi. — Barov Mons respondeu com uma expressão complexa no rosto. Ele estava atônito, empolgado e indisfarçavelmente surpreso… Ele se curvou profundamente e disse: — Eu farei com que sua vontade chegue ao Reino do Alvorecer.

Kabum
Engenheiro Mecânico. Soteropolitano.

11 Comentários

  1. Mais alguém acha que esse “Mundo dos Sonhos” nada mais é do que uma dimensão paralela e que a Zero planejou isso para não desaparecer por completo e voltar algum dia para se vingar do Roland?

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!