LdM – Capítulo 10

Norma

— Quem é?

Klein estava pensando no misterioso suicídio do dono original deste corpo e no perigo desconhecido que poderia encontrar quando ouviu a batida repentina na porta. Ele subconscientemente abriu a gaveta, pegou o revólver e perguntou com cautela.

A pessoa ficou quieta por dois segundos, antes que uma voz clara, no sotaque de Awwa, respondesse:

— Sou eu, Mountbatten, Bitsch Mountbatten — A voz parou por um momento antes de acrescentar: — Polícia.

Bitsch Mountbatten… — Quando Klein ouviu esse nome, imediatamente pensou no dono do nome.

Ele era o policial encarregado da rua onde o apartamento estava localizado. Ele era um homem rude, brutal e prático. Mas talvez, apenas um homem assim pudesse ser um impedimento para alcoólatras, ladrões, ladrões de meio período, vilões e arruaceiros.

E sua voz única era uma de suas marcas registradas.

— Okay, estou indo! — respondeu Klein em voz alta.

Ele havia planejado colocar o revólver de volta na gaveta, mas pensando que não tinha ideia do motivo da polícia estar lá fora e que eles poderiam revistar o quarto a sala ou fazer outras coisas, ele correu com cuidado para o fogão, onde as chamas já haviam sido apagadas e colocou o revólver dentro.

Pegou então a cesta de carvão, pegou alguns pedaços, cobriu a arma e finalmente colocou a chaleira sobre o fogão para esconder tudo.

Depois de fazer tudo isso, arrumou suas roupas e rapidamente se aproximou da porta e murmurou:

— Desculpe, eu estava cochilando.

Do lado de fora da porta havia quatro policiais em uniformes xadrez preto e branco com quepes. Bitsch Mountbatten, o de barba castanha, tossiu e disse a Klein:

— Estes três inspetores têm algo a lhe perguntar.

Inspetores? — Klein olhou para os emblemas nos ombros dos outros três por reflexo e descobriu que dois deles tinham três hexágonos de prata e um tinha dois, ambos os quais pareciam superiores a Bitsch Mountbatten, que tinha apenas três chevrons.

Como estudante de história, Klein fez pouca ou nenhuma pesquisa sobre os ranks de dragonas da polícia, exceto que Bitsch Mountbatten costumava gabar-se de ser um sargento sênior.

Estes três são Inspetores? — influenciado por conversas com Benson, Welch e seus colegas de classe, Klein teve o bom senso de abrir caminho e apontar para a sala.

— Entrem, por favor. Como posso ajudá-los?

O líder dos três inspetores era um homem de meia-idade com olhos afiados. Parecia ser capaz de ler a mente de uma pessoa e intimidá-la. Seus olhos estavam enrugados e a borda do chapéu revelava cabelos castanho-claros. Ele olhou ao redor da sala e perguntou em voz profunda:

— Você conhece Welch McGovern?

— Algo de errado com ele? — Klein estremeceu e deixou escapar.

— Eu que faço as perguntas — O digno inspetor policial de meia-idade tinha um olhar severo em seus olhos.

O inspetor ao seu lado, também possuindo três hexágonos prateados, olhou para Klein e sorriu gentilmente.

— Não fique nervoso. É apenas um interrogatório de rotina.

Este policial tinha trinta e poucos anos, nariz reto e olhos cinzas que, como um lago numa floresta antiga que ninguém visitava, davam-lhe uma sensação indescritível de profundidade.

Klein respirou fundo e organizou suas palavras.

— Se você se refere a Welch McGovern, graduado da Universidade de Khoy de Constant, então tenho certeza que o conheço. Somos colegas de classe com o mesmo mentor, professor associado sênior Quentin Cohen.

No Reino Loen, “Professor” não era apenas um título profissional, mas também uma posição, assim como a combinação de professores e reitores de departamento na Terra. Isso significava que só poderia haver um professor no departamento de uma universidade. Se um professor associado queria se tornar professor, eles precisavam esperar que seu superior se aposentasse ou, com suas habilidades, forçá-lo a sair.

Como os talentos precisavam ser mantidos, a Comissão de Ensino Superior do reino havia acrescentado professores associados sênior no sistema de três níveis de professores, professores associados e professores após anos de observação. Este título era dado a qualquer pessoa com altas realizações acadêmicas ou com senioridade suficiente, mas que não chegou ao cargo de professor.

Nesse momento, Klein olhou nos olhos do inspetor de meia-idade e pensou por um segundo.

— Para ser honesto, nosso relacionamento é muito bom. Durante este período, encontrei com ele e Naya com frequência para interpretar e discutir o caderno da Quarta Época que lhe pertencia. Inspetores, aconteceu alguma coisa com ele?

Em vez de responder, o inspetor de meia-idade olhou de lado para o colega de olhos cinzas.

O inspetor com quepe e aparência ordinária respondeu suavemente:

— Sinto muito, o senhor Welch faleceu.

— O QUÊ? — Apesar de ter alguns palpites, Klein não pôde deixar de gritar de espanto.

Welch morreu justamente como o dono original deste corpo?

Isso é um pouco assustador!

— E a Naya? — Klein perguntou apressadamente.

— A Sra. Naya também faleceu — disse o inspetor policial de olhos cinzas calmamente.

— Ambos morreram na casa do Sr. Welch.

— Assassinado? — Klein teve um vago palpite.

Talvez tenha sido suicídio…

O inspetor de olhos cinzas balançou a cabeça.

— Não, a cena sugere que eles cometeram suicídio. O Sr. Welch bateu com a cabeça na parede muitas vezes, cobrindo a parede com sangue. Naya afogou-se em uma bacia. Sim, o tipo usado para lavar o rosto.

— Isso é impossível… — Os cabelos de Klein se arrepiaram enquanto ele parecia capaz de imaginar a estranha cena.

Uma menina ajoelhada em uma cadeira mergulhando o rosto em uma bacia cheia de água. Seus cabelos castanhos macios balançando ao vento, mas toda a sua pessoa imóvel. Welch caindo no chão e olhando fixamente para o teto. Sua testa uma bagunça sangrenta, enquanto os traços do impacto na parede eram evidentes com o gotejamento de sangue…

O inspetor de olhos cinzas continuou:

— Também achamos isso, mas os resultados da autópsia e a situação no local excluem fatores como drogas e forças externas. Eles – Welch e Naya – não mostraram sinais de luta.

Antes que Klein pudesse falar novamente, ele entrou no quarto e perguntou, fingindo ser casual:

— Quando foi a última vez que você viu o Sr. Welch ou a Sra. Naya?

Enquanto falava, gesticulou com os olhos para o colega com dois hexágonos de prata.

Ele era um jovem inspetor policial e parecia ter a mesma idade de Klein. Com costeletas pretas e pupilas verdes, ele era bonito e tinha um temperamento romântico de poeta.

Quando ouviu a pergunta, Klein pensou e respondeu pensativo:

— Deve ser dia 26 de junho, estávamos lendo um novo capítulo nas anotações. Depois, fui para casa me preparar para a entrevista em 30 de junho. Uh, a entrevista é para o Departamento de História da Universidade de Tingen.

Tingen era conhecida como a cidade das universidades. Havia duas universidades, Tingen e Khoy, além de escolas técnicas, faculdades de direito e faculdades de negócios. Ficava atrás somente de Backlund, a capital.

Assim que terminou, viu o jovem inspetor policial caminhar até a escrivaninha pelo canto do olho e pegar as anotações que pareciam um diário.

Droga! Esqueci de esconder!

— Ei! — Klein chamou.

O jovem Inspetor sorriu de volta, mas não parou de folhear suas notas, enquanto o inspetor de olhos cinzentos explicou:

— Este é um procedimento necessário.

Neste momento, Bitsch Mountbatten e os dignos inspetores policiais de meia-idade estavam apenas observando sem interromper ou ajudar na busca.

Onde estão os seus mandados de busca? — Klein pretendia questioná-los, mas, pensando bem, o sistema judicial do Reino Loen não parecia ter mandados de busca. Pelo menos ele não sabia se havia um. Afinal, a força policial só havia sido estabelecida por quinze ou dezesseis anos.

Quando o original dono desse corpo ainda era criança, eles ainda eram chamados de Agentes de Segurança Pública.

Klein não podia impedi-lo. Ele viu o jovem inspetor folhear suas anotações, mas o inspetor de olhos cinzas não fez nenhuma pergunta.

— O que é esta coisa estranha? — O inspetor jovem folheou para o final das notas e, de repente, perguntou:

— E o que isso significa? “Todos vão morrer, inclusive eu”…

Não é senso comum que todos morrem, exceto divindades? — Klein estava preparado para discutir, mas de repente ocorreu-lhe que tinha planejado “se conectar” com a polícia em caso de possível perigo, mas não tinha motivos nem desculpas.

Ele tomou uma decisão em menos de um segundo. Colocando a mão sobre a testa, ele respondeu dolorosamente:

— Não faço ideia. Eu realmente não faço ideia … Quando acordei esta manhã, senti que havia algo errado, como se tivesse esquecido alguma coisa. É verdade, especialmente para o que aconteceu recentemente. Nem sei por que escrevi uma frase dessa.

Às vezes, ser franco era a melhor maneira de resolver um problema. Claro, isso exigia habilidades. Havia coisas que podiam ser ditas e que não podiam ser ditas, e a ordem do que foi dito primeiro importava.

Como um especialista em teclado, Klein também era bom em sofismo.

— Isso é ridículo! Acha que somos tolos? — Bitsch Mountbatten não pôde deixar de intervir com raiva.

É uma mentira tão ruim que insulta a inteligência dele e de seus colegas!

É melhor fingir estar mentalmente doente do que fingir ser um amnésico!

— Estou falando a verdade — respondeu Klein francamente, olhando nos olhos de Mountbatten e dos inspetores.

Realmente, não podia ser mais verdade.

— Talvez esteja — disse o inspector policial de olhos cinzas.

O quê? Ele realmente acreditou? Klein se surpreendeu.

O inspetor de olhos cinzas sorriu e disse:

— Uma especialista virá em dois dias e, acredite em mim, ela deve ser capaz de ajudá-lo a lembrar de suas memórias perdidas.

Especialista? Me ajudar a lembrar minhas memórias? No campo da psicologia? Klein franziu a testa.

Hey, e se suas memórias da Terra fossem expostas? — de repente, sentiu como “facepalming” em si mesmo.

O jovem inspetor policial devolveu suas anotações e examinou a mesa e o quarto. Felizmente, ele se concentrou nos livros em vez de levantar a chaleira.

— Bem, Sr. Klein, obrigado pela sua cooperação. Aconselhamos que não saia de Tingen nos próximos dias. Se for necessário, por favor notifique o inspetor Mountbatten, ou se tornará um fugitivo — avisou o inspetor de olhos cinzas.

Só isso? É tudo por hoje? Nenhuma outra pergunta com investigações mais profundas? Ou me levar de volta à delegacia de polícia para me torturar por informações? — Klein estava perdido.

No entanto, ele também queria resolver a estranha reviravolta de eventos provocada por Welch. Então ele assentiu.

— Isso não será um problema.

Os inspetores saíram do quarto um a um, e o jovem no final deu um tapinha no ombro de Klein.

— É muito bom. Que sorte.

— O quê? — O rosto de Klein estava confuso.

O inspetor de polícia de olhos verdes com temperamento de poeta sorriu e disse:

— Em geral, a norma é que todas as partes envolvidas morram em tal evento. Estamos muito contentes e felizes por você ainda estar vivo.

Depois disso, ele saiu do quarto e fechou a porta atrás dele de maneira bem-educada.

A norma é que todos morram juntos? Muito feliz por eu ainda estar vivo? Contente que ainda estou vivo?

Nesta tarde de junho, Klein estava todo arrepiado.

3 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!