LdM – Capítulo 103

Fazendo o que o Coração Quer

Ele mora na rua Howes, 19?

Enquanto memorizava o endereço, Klein notou uma informação importante.

Sim, Welch morava na rua Howes. O Clube de Divinação fica na rua Howes. Este comerciante de tecidos chamado Sirius Arapis também mora na rua Howes… Pelo que parece, não é estranho que Welch conheça Hanass Vincent. Eles podem até ter se conhecido através de Sirius Arapis…

De repente, Klein sentiu que havia conectado as pistas e seus pensamentos ficaram claros.

Ele estava inicialmente confuso sobre como Welch havia se familiarizado com Hanass Vincent, já que esse filho de banqueiro não era particularmente interessado em misticismo. Para ele, dinheiro era mais importante do que divinações. Mas agora, Klein sentiu que tinha uma ideia de como eles se conheceram.

De acordo com as descrições de várias revistas, os residentes de classe média e os ricos deveriam visitar seus vizinhos da mesma classe social para formar um círculo social que seja benéfico. Da mesma forma, Welch e o comerciante de tecidos, Sirius, tiveram a motivação e a oportunidade de se tornar amigos, pois ambos moravam na rua Howes…

Não é difícil entender como Sirius conhecia Hanass Vincent, que regularmente frequentava o Clube de Divinação na rua Howes. Talvez tenham se conhecido por coincidência, ou talvez Hanass o tivesse ajudado. De qualquer forma, isso possibilitou que os dois, que frequentemente se encontravam na mesma área, se aproximassem um do outro…

Hanass Vincent queria vender seus livros antigos, então Sirius o apresentou a Welch, que era um estudante do departamento de História…

No sonho de Hanass, havia a figura do suposto deus do mal, o “Verdadeiro Criador”. Ele também conhecia o formato adequado de encantamentos. Isso prova que ele estava bem fundo no reino do misticismo. A possibilidade de ter sido membro de alguma organização secreta não pode ser descartada.

Também não posso descartar a possibilidade dele ter se juntado a alguma organização secreta sob a influência de Sirius.

Com idéias fluindo com tanta facilidade, Klein percebeu que as informações que o homem havia deixado para trás tinham um certo nível de credibilidade, mesmo sem usar métodos de divinação.

Mesmo que ele não se chame Sirius Arapis, nem trabalhe como comerciante de tecidos, e não more na rua Howes 19, ele definitivamente reside na Rua Howes ou, pelo menos, em algum lugar próximo!

Enquanto essas idéias passavam por sua mente, Klein visualizou os registros dos empréstimos novamente com essa nova linha de pensamento.

A última vez que ele foi à biblioteca Deweyville foi no sábado passado, um dia antes da festa de aniversário de Selena, que também ocorreu um dia antes da morte de Hanass Vincent. Já se passaram vários dias desde então, mas ele ainda não retornou o que pegou emprestado.

De acordo com registros anteriores, se apenas pegasse emprestado duas publicações, geralmente as devolveria no dia seguinte.

Isso poderia significar que ele sabia da morte de Hanass e estava assustado a ponto de não ousar mais vir à Biblioteca Deweyville?

Sim, ele começou pegando emprestado vários livros de história e diários não relacionados até especificar o que precisava, o que é muito semelhante ao que eu havia lido…

Isso significa que não havia ninguém o ensinando. Não havia um Professor Associado Sênior do departamento de história de uma universidade. Ele fez isso completamente por tentativa e erro.

O que um alvo chocado faria? Duas possibilidades. Primeira, se tivesse todas as informações necessárias, iria direto para o pico principal da cordilheira de Hornacis. Segunda, se ainda não tivesse informações, ele se esconderia e observaria a situação. Só voltaria a aparecer se tivesse certeza de que a morte de Hanass não o implicaria de forma alguma.

Tendo chegado a essa conclusão, Klein fechou os registros dos empréstimos e os devolveu aos bibliotecários. Ele então tirou o retrato e perguntou se alguém tinha visto o homem. Infelizmente, muitas pessoas pegavam livros emprestados todos os dias, e os bibliotecários não se lembravam de todos.

— Tudo bem, obrigado pelo seu tempo. — Klein guardou seus documentos de identificação e seu distintivo.

Ele não tinha intenção de continuar a investigação sozinho. Isso não era apenas perigoso, mas também problemático. Ele planejava ir para à rua Zouteland mais uma vez e entregar o caso ao Capitão e seus companheiros de equipe. Ele então planejou ir para casa e preparar sua sopa de rabada para seus irmãos antes de seguir para o mundo acima da neblina cinzenta e divinar o paradeiro e a condição do alvo.

— Oficial, mais alguma coisa? — um bibliotecário perguntou com honestidade enquanto soltava um suspiro de alívio.

Klein assentiu levemente e respondeu:

— Não, voltarei se houver novas pistas.

Ele segurou a bengala preta com a mão esquerda e caminhou até a porta.

Nesse momento, ele viu um homem entrar na biblioteca com a cabeça baixa. Ele estava vestido com um sobretudo, sua lapela alta.

Quando passaram um pelo outro, Klein viu de relance as sobrancelhas grossas e bagunçadas e o par de olhos azul-acinzentados!

Essas eram coisas que a lapela alta não conseguia esconder!

Sirius? Sirius Arapis? Uma coincidência? — Klein congelou. Ele não esperava encontrar o alvo aqui!

Que tipo de sorte é essa!?

Não foi coincidência demais?

Ele avaliou sua condição física e sentiu seus músculos doloridos. Então, ele agiu como se nada tivesse acontecido e continuou caminhando em direção à porta.

Bem, temos que seguir o que nosso coração nos diz! Segurança em primeiro lugar!

Não importa se eu perder essa oportunidade, desde que Sirius ainda esteja em Tingen!

Nesse momento, o homem de sobretudo chegou ao balcão e estava entregando os periódicos a um dos bibliotecários.

— É um retorno — disse ele com um tom suave e abafado.

O bibliotecário recebeu os periódicos causalmente e, quando o viu, de repente congelou.

Ele subconscientemente olhou para cima e seu corpo não pôde deixar de tremer.

— Algum problema? — perguntou o homem em voz profunda.

Sua pergunta pareceu uma faísca acendendo um fusível, fazendo com que o bibliotecário perdesse instantaneamente seu autocontrole. Ele correu para o lado e gritou:

— Oficial!

— O criminoso está aqui!

Nesse momento, Klein, que não havia saído do prédio, amaldiçoou loucamente em seu coração.

Ele instintivamente sacou o revólver do coldre com a mão direita.

O homem congelou por um momento antes de virar e começar a correr.

Mas não em direção à porta. Em vez disso, ele escapou na direção da janela ao lado, como se quisesse quebrar o vidro e pular para a rua.

Klein, agitado, virou a cabeça para ver a cena quando sentiu uma calma repentina.

Ele percebeu que, apesar de ter medo, seu alvo tinha mais medo que ele!

O homem deve ser incapaz de determinar minhas habilidades em uma situação tão abrupta. Ele não sabe a extensão de minhas habilidades e, assim, instintivamente evitará um confronto direto e procurará outras maneiras de escapar! — Confiante em sua análise, Klein levantou o revólver e apertou o gatilho.

Naquele momento, o homem de sobretudo rolou bruscamente no chão, na tentativa de evitar a bala.

Depois disso, ele se apoiou no chão com a mão direita e se lançou no ar em direção à janela.

Click!

O primeiro tiro de Klein estava vazio.

Mas isso era algo que ele já esperava. Ele aproveitou a incapacidade de Sirius de se esquivar no ar para mirar em seu torso e apertou o gatilho.

Bang!

As balas balas anti-demonio de prata rasgaram o ar e penetraram direto nas costas de Sirius.

Crash!

O vidro quebrou e Sirius voou pela janela, deixando gotas de sangue nos fragmentos de vidro cristalino e no peitoril da janela.

Klein não tinha mais medo agora que o alvo estava ferido. Ele correu e pulou pela janela com a ajuda de uma cadeira.

Essa era a área que ficava atrás do térreo da Biblioteca Deweyville. Uma fileira de árvores isolava um campo verde exuberante.

Sirius, ferido, estava correndo para o lado, na tentativa de entrar em um pequeno beco entre dois prédios. Não tendo praticado tiro em alvos em movimento, Klein não ousou atirar às cegas. Ele só pôde carregar sua bengala em uma mão e a arma na outra enquanto perseguia o homem de sobretudo preto.

Tap! Tap! Tap!

Ele seguiu o rastro de sangue no chão e tentou diminuir a distância.

Com um beco sem saída chegando, a velocidade de Sirius se tornou cada vez mais lenta. Klein, que estava esperando uma oportunidade para capturá-lo, subitamente sentiu um pouco de medo, pressentindo como se o homem à sua frente não fosse humano, mas um lobo ou um tigre com perigos terríveis.

Este foi um instinto que ele teve como Vidente, e também um aviso dado a ele por sua espiritualidade!

Klein diminuiu a velocidade imediatamente, seus olhos examinando o sangue no chão.

Comparado ao sangue que havia visto antes, o sangue de Sirius agora estava preto!

Nesse momento, um vento violento o pressionou. O rosto de Sirius estava refletido nos olhos de Klein.

Sobrancelhas grossas e bagunçadas. Olhos azuis acinzentados. Múltiplas verrugas salientes. Uma boca aberta com duas fileiras de dentes brancos.

Sirius estava lançando um contra-ataque neste momento!

Isso tornou o rosto refletido nos olhos de Klein mais visível. Ele podia até sentir um fedor extremamente podre!

Sirius saltou uma distância de sete ou oito metros, muito mais do que qualquer ser humano normal conseguiria. Mas como Klein parou de persegui-lo bem a tempo, ainda havia uma distância de quase dez metros entre eles.

Quando a distância foi reduzida a dois metros, a saliva pegajosa causada pela baba e as verrugas densas e repugnantes formaram uma cena angustiante que deixou os nervos de Klein tensos.

Sem pensar, ele aproveitou a oportunidade da imobilidade temporária causada pelo salto de Sirius para levantar a mão direita. Ele disparou sem parar, permitindo que as balas atingissem a cabeça do alvo.

Bang! Bang! Bang! Bang!

Atirar a uma distância tão curta permitiu que as balas anti-demônio de prata perfurassem a cabeça de Sirius. Sangue espirrou para todos os lados quando seu rosto ficou cada vez mais mutilado, até que ele cambaleou para trás.

Klein esvaziou as balas de seu revólver em um instante. Ele subconscientemente queria dar alguns passos para trás, a fim de confirmar os resultados da batalha.

Mas, nesse momento, Sirius deu a Klein o choque de sua vida, tentando ao máximo se endireitar. Klein levantou abruptamente a bengala na mão esquerda.

Smack!

A robusta bengala preta incrustada com prata atingiu o pescoço de Sirius, deixando uma marca vermelha escura.

Smack! Smack! Smack!

Klein agiu por instinto, golpeando seu oponente até Sirius cair tropeçando no chão.

Huff! Puff! Huff!

Klein se sustentou com a bengala e respirou fundo. Seus olhos fixos no alvo, com medo de que Sirius subitamente voltasse à vida.

Naquele momento, a cabeça de Sirius tinha sido basicamente esmagada, e as verrugas gradualmente retrocederam. Seu corpo parou de se mover após algumas convulsões.

Klein não teve pressa de examinar o cadáver. Em vez disso, jogou a bengala para o lado e pegou as balas anti-demônio que possuía e recarregou o revólver.

Depois de fazer isso, ele se recompôs e lutou contra o nojo, se ajoelhando para vasculhar os bolsos do sobretudo de Sirius.

8 Comentários

    1. Ele fugiu, o cara deu um salto de 7 metros, levou tiros na cabeça e ainda tava de mexendo. Poha, se não for pra matar

        1. Pra mim ele agiu certo, incapacitou ele de fugir, viu que ele se tornou algo não humano e não correu o risco de morrer.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!