LdM – Capítulo 149

Dica

Klein olhou para o sério Dunn Smith e sorriu de repente.

— Capitão, eu compreendi uma coisa ontem.

— E o que é? — Dunn repetiu a pergunta em um tom sério. Ele se recostou e descruzou os braços.

Klein lembrou o roteiro que havia preparado.

— Ao concluir minhas experiências passadas, percebi que os nomes das poções de Sequência englobam todo um conjunto de princípios que podem nos ajudar a obter controle sobre elas, um conjunto de princípios que nos permitem evitar os impactos negativos. Quando fazemos as coisas de acordo com esse conjunto de princípios, parecemos nos tornar parte do job correspondente.

— Da mesma forma, esses conjuntos de princípios estão ocultos. Eles não são informados diretamente a você. Tudo o que podemos fazer é tirar conclusões do job correspondente, pouco a pouco, e ajustar nosso entendimento com base nos diferentes feedbacks que recebermos.

— Portanto, quando me tornei um verdadeiro Vidente no Clube de Divinação e obtive meu conjunto de princípios de Vidente, as ilusões auditivas e visuais que me atormentavam desapareceram.

— E é isso o que eu compreendi.

Depois de terminar sua narração, Klein suspirou. Ele disse tudo o que precisava dizer, além de mencionar explicitamente o termo “atuação”.

Ai ai, espero que o Capitão não conte à Igreja que eu já desenvolvi essas ideias quando lhe perguntarem. Isso colocaria muito mais atenção em mim… Há também o fator da relação entre o caminho Vidente e a família Antigonus. Isso pode eventualmente causar problemas. Mas o Capitão também passou por todos os tipos de situações e é uma pessoa experiente e inteligente. Uma vez que entenda o “método de atuação”, definitivamente notará que a Igreja está ocultando informações relevantes. Ele saberá o que deve e o que não deve dizer… — Klein tinha muitos pensamentos complicados.

Mas ele rapidamente tomou uma decisão e tinha um plano.

Se o Capitão ainda não conseguir compreender o “método de atuação” ou o sentido do encobrimento da Igreja, eu lhe ensinarei diretamente antes de enviar a solicitação especial!

Sim, eu vou obsevá-lo primeiro e determinar o que ele sabe…

Dunn ouviu a descrição de Klein em silêncio, seus olhos cinzentos se tornando ainda mais profundos.

Ele ficou em silêncio por quase vinte segundos enquanto massageava as têmporas antes de pegar o cachimbo e respirar fundo.

Depois de cheirá-lo, ele pegou uma caixa de fósforos, aparentemente esquecendo as regras dos Falcões Noturnos.

A fumaça branca subiu pelo ar e Dunn fechou os olhos, parecendo apreciar o cheiro de tabaco.

Depois de um tempo, ele abriu os olhos e sorriu para Klein.

— Me desculpe, esqueci que você não fuma.

— Fumar faz mal à saúde — respondeu Klein com seriedade.

Dunn pensou com o cachimbo na mão.

— Parece que também compreendi algo.

Não Capitão, você não compreendeu nada! Apenas não vagueie pelos meus sonhos com muita frequência! — Klein não falou e, em vez disso, deu um sorriso amigável.

— Talvez não demore muito para que você me entregue a solicitação especial… — disse Dunn a Klein, meio brincando, enquanto dava uma tragada profunda no tabaco e hortelã.

Posso entregá-la amanhã? — perguntou Klein internamente. Ele pegou o relógio de bolso e olhou as horas.

— Capitão, tenho que ir à Velho Neil. As lições de misticismo de hoje vão começar em breve.

— Tudo bem. — Dunn observou Klein sair, com o cachimbo ainda na mão.

Depois de fechar a porta do escritório do Capitão, Klein caminhou animadamente em direção aos degraus que levavam ao porão. Ele viu dois estranhos, um homem e uma mulher, quando passou pelo escritório do recepcionista.

Os novos funcionários… — pensou Klein antes de acrescentar interiormente: 

Em dois dias, definitivamente nesta semana, entregarei minha solicitação ao Capitão!

Então vou passar por uma série de inspeções e me tornar um Palhaço de Sequência 8!

Ao longo da silenciosa passagem subterrânea, Klein se virou para o arsenal e abriu a porta da sala de guarda.

— O que aconteceu com você? — Klein ficou chocado ao ver Velho Neil.

Velho Neil parecia desanimado, seu rosto estava pálido. Ele bocejava constantemente enquanto dizia:

— Ultimamente estou um pouco constipado. Noite passada tentei magia ritualística que pode resolver tais problemas. No final… Não dormi bem a noite toda. Tive que ir ao banheiro várias vezes e, por fim, quase adormeci no vaso sanitário.

Bem, o problema da constipação foi resolvido… — Klein quase riu, vendo que não era um problema sério, mas ele se controlou e perguntou:

— Você está se sentindo melhor agora?

Ao mesmo tempo, sua preocupação o fez bater duas vezes seus molares esquerdos. Ele usou sua Visão Espiritual para observar a aura da saúde do Velho Neil.

Existem algumas trevas e impurezas nas cores amarela do sistema digestivo e laranja dos rins, mas não é nada sério e está dentro de uma faixa aceitável… — Klein deu um suspiro de alívio.

— Estou bem agora. Peguei um remédio para diarréia com Frye. — Velho Neil bocejou como um viciado em drogas. — Auto-estudo para a lição sobrenatural de hoje. Restam apenas dois ou três dias de conteúdo de qualquer maneira.

— Tudo bem — respondeu Klein educadamente. — Eu poderia ajudá-lo a guardar o arsenal e estudar aqui. Que tal você ir descansar na sala de descanso?

Velho Neil imediatamente endireitou as costas, os olhos brilhando ao responder:

— Rapaz, você certamente é o mais gentil Falcão Noturno, depois de Frye!

— Deixo o arsenal em suas mãos!

Ele pegou a almofada que havia usado para ajoelhar e saiu correndo da sala de guarda como um tufão, deixando Klein ali sozinho, atordoado.

A Companhia de Segurança Blackthorn aceitou uma missão extra pela manhã. A tarefa envolvia escoltar um comerciante rico até o porto para um acordo. Leonard e Kenley a concluíram com facilidade, ganhando remuneração extra, para a inveja de Klein.

Ele passou o dia aprendendo sobre misticismo, praticando tiro e sendo torturado pelo instrutor Gawain, que parecia ter sido agitado por alguma coisa.

— Huff… huff… — Klein ofegou por ar. Ele só recuperou a capacidade de tomar um banho e se trocar depois de algum tempo.

Ele continuou trabalhando depois de sair da casa de Gawain. Ele gastou dois soli em uma carruagem e investigou as outras dez casas com chaminés vermelhas.

A expressão de Klein ficou muito grave quando a última casa com chaminé vermelha deixou seu campo de visão.

A casa com chaminé vermelha que vi na minha divinação não está na lista de casas com uma mudança recente nos inquilinos… Se for esse o caso, isso acaba de se tornar problemático. Imagino quanto tempo eu precisaria para investigar cerca de 1600 casas… Ai ai. Não posso pedir ajuda para algo assim. Afinal, só eu teria o senso de familiaridade da minha espiritualidade quando vir o objetivo…

Não desanime, não desista! Continuarei a investigação sempre que tiver tempo livre. Vou tentar terminar dentro de três meses, não, dois meses! Quem sabe, a casa pode ser encontrada na investigação de amanhã!

Organizarei o material quando voltar e planejarei uma rota de acordo com a distância dos setores!

Klein se motivou, banindo seus sentimentos de depressão.

Agora que havia tomado uma decisão, planejava instruir o motorista a virar em direção à rua Narciso. No entanto, ele de repente percebeu que estava em algum lugar perto de onde o Sr. Azik morava.

Antes do Sr. Azik sair de férias, ele escreveu para me dizer que voltaria esta semana, mas não especificou a data exata. Já que estou no caminho, deixarei um recado para ele. Além disso, aluguei esta carruagem por uma hora com dois soli, e o tempo está quase acabando. Vou parar na casa do Sr. Azik e depois pegar uma carruagem pública… — Klein tomou uma decisão rapidamente.

Quatro minutos depois, ele desceu da carruagem e chegou do lado de fora da casa do Sr. Azik.

As casas aqui eram obviamente de melhor qualidade do que as da rua Narciso, mas não tão boas quanto as da rua Howes. Havia um pedaço de grama na frente da casa e um pequeno jardim nos fundos.

Ding! Dong! Ding! Dong!

Klein puxou a corda do lado de fora da porta e tocou a campainha dentro da casa.

Alguns momentos depois, ele ouviu passos de dentro antes que a porta se abrisse.

Os traços faciais e a pele bronzeada de Azik apareceram diante de Klein. Como estava em casa, ele estava vestido apenas com uma camisa branca simples, um colete marrom e calça combinando.

— Klein? Eu estava prestes a escrever para você — cumprimentou Azik, entusiasmado. — Cheguei em casa ontem à noite.

Klein olhou para a pequena verruga perto da orelha direita de Azik.

— Sr. Azik, achei uma pista sobre seu passado.

— Sério? — Azik ficou animado instantaneamente. A tristeza que tinha em seus olhos diminuiu.

— Vamos conversar la dentro. — Klein olhou em volta.

Azik assentiu rapidamente. Ele se moveu para o lado e permitiu que Klein entrasse, depois trancou a porta e guiou Klein até uma sala de visitas no primeiro andar. Eles então se sentaram no macio sofá.

— Que pistas você encontrou? — Ele perguntou impacientemente.

Como não esperava encontrar Azik hoje, Klein organizou suas palavras.

— Recebi uma missão recentemente e tive que lidar com um espectro na cidade de Lamud.

— Lamud… — Azik repetiu o termo suavemente, suas sobrancelhas franzidas.

Klein observou sua expressão e diminuiu o tom de voz.

— No processo de lidar com o espectro, descobrimos algo e, então, conduzimos uma investigação dentro da cidade…

— Um morador da cidade estava na posse de um retrato do primeiro Barão Lamud, o qual ele tentou me vender. Pedi para ver o retrato por curiosidade e descobri que a pessoa desenhada tinha traços faciais que se assemelhavam aos seus, tirando os cabelos. Ele tinha até a mesma verruga perto da orelha, com a posição e tamanho semelhantes.

— Sob meu interrogatório, o homem me disse que o retrato tinha cerca de quarenta anos, mas a pessoa no retrato definitivamente veio do castelo abandonado. Era uma réplica do antigo retrato escavado no castelo.

— Você deve saber que pessoas como nós, com habilidades únicas, podem mais ou menos dizer se alguém está mentindo, e essa minha intuição me disse que o homem estava dizendo a verdade.

Azik se inclinou para a frente enquanto ouvia Klein. Ele cruzou os braços e permaneceu em silêncio por um tempo.

Cinco minutos depois, ele exalou.

— Sua descrição não me fez lembrar de nada. Talvez eu devesse visitar o castelo abandonado. Você pode me levar até lá?

— Seria uma honra — respondeu Klein. — Mas tenho que ir para casa primeiro. Não quero que meus irmãos se preocupem.

— Sem problema. — Azik se levantou.

1 Comentário

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!