LdM – Capítulo 153

Estabelecendo a Fundação

Uma mandíbula larga e única, cabelos em um coque como o de um cavaleiro antigo, olhos com a intenção de um sorriso gelado… — Xio Derecha estava meio sentada de maneira desleixada no sofá enquanto examinava o retrato que Audrey havia entregado a ela.

Em seus olhos, o homem poderia muito bem ser uma pilha de dinheiro vivo e ambulante.

Depois de memorizar a aparência do grande pirata Qilangos, ela leu a descrição escrita na parte inferior da página:

“Cabelo castanho, olhos verdes escuros.”

“O retrato só pode ser usado como referência geral, pois o alvo possui a capacidade de se transformar em outra pessoa. Não se sabe quanto tempo ele pode manter a transformação.”

O retrato pode ser usado apenas como referência… O alvo possui a capacidade de se transformar em outra pessoa… Apenas como referência, se transforma em outra pessoa… Então por que gastei tanto tempo memorizando suas características faciais? — Xio exibia um olhar atordoado, como se fosse a primeira vez que testemunhava as más intenções que o mundo tinha por ela.

Ela olhou para cima e viu Fors Wall caída languidamente em um sofá em sua frente. Ela parecia estar murmurando para si mesma:

— Não há como procurar por essa pessoa. Não sabemos como ele é. Tudo o que sabemos é que ele não é de Backlund. Há muitos estrangeiros que entram em Backlund todos os dias.

Fors tentou se sentar, mas falhou mesmo depois de três tentativas.

— Eu sou apenas uma Aprendiz, não um Árbitro… — Ela fez beicinho enquanto colocava a mão no apoio de braço do sofá, conseguindo finalmente se levantar com sucesso.

— Essa dama acha que somos profetas? — brincou Fors.

Xio estava prestes a responder quando percebeu que ainda havia notas de rodapé as quais ainda não havia lido.

Ela as recitou suavemente:

— As formas sugeridas de procura são as seguintes:

— 1. Qilangos tem um objeto maligno com ele, que precisa devorar a carne, o sangue e a alma de uma pessoa viva a cada dois dias. Pode-se considerar procurar mendigos desaparecidos.

— 2. Pesquise as informações de Qilangos minuciosamente e crie um perfil de seus hobbies e comportamentos particulares.

— 3. Os traços faciais de uma pessoa podem mudar, mas enquanto não receber nenhum treinamento especial, geralmente agirá como ele mesmo, como as coisas que prefere comer, seu jeito de andar, ações que costuma realizar e muitos outros detalhes.

Fors assentiu enquanto ouvia.

— Audrey não é a adolescente inocente e ingênua que os rumores sugerem. Ela tem um coração meticuloso e um senso calmo de observação.

— É mesmo? — perguntou Xio, duvidosa. Ela não esperava uma resposta, e mudou o tópico ao sugerir:

— Eu ficarei encarregada de coletar as informações. Você pode estabelecer os hobbies e as características únicas daquela pilha de libras de ouro… digo, do almirante?

Fors abriu os olhos e sacudiu a caixa de aço que continha seus cigarros.

— Como você pode suportar fazer isso? Como você aguenta que uma autora delicada e sensível faça tal pesquisa, análise e dedução?

Xio lançou um olhar para sua boa amiga enquanto exalava um ar de autoridade sem perceber.

— Há um parágrafo interessante sobre dedução no seu livro Vila Montanha Tempestuosa.

Fors colocou os ombros para trás e abaixou a cabeça, olhou para a mesa de café e disse:

— Você sabe quanto do meu cabelo eu arranquei, quanto sono perdi, apenas para aquele parágrafo?

Ela rapidamente levantou a cabeça e olhou para Xio Derecha, depois abaixou a cabeça mais uma vez e resmungou:

— A vida é curta. Há muitas coisas que precisamos fazer, por que devemos perder nosso tempo com tarefas domésticas desinteressantes?

Isso é bem razoável… — Xio quase concordou. Ela lutou muito para manter sua autoridade como Árbitro.

— Então você tem outras maneiras de resolver esse problema? — Ela suprimiu a voz, fazendo sua voz infantil parecer mais profunda.

Fors pensou por quase vinte segundos antes de olhar para ela de repente.

— Podemos contratar um profissional! Depois que você terminar de coletar as informações sobre o Contra-Almirante Furacão, podemos apagar o nome e entregar a um excelente detetive, para pedirmos então que ele faça a consolidação e a dedução. Tudo o que precisamos fazer é pagar uma taxa!

Por que não pensei nisso… — A mente de Xio ficou em branco. Fors e Xio se entreolharam sem dizer nada.

Quando a atmosfera ficou estranha, ela pigarreou.

— Faremos então de acordo com sua sugestão.

Depois de dizer isso, ela acrescentou rapidamente:

— A taxa é por sua conta!

Rua Howes, Clube de Divinação.

— Boa tarde, Sr. Moretti. — A bonita recepcionista, Angelica, olhou para Klein surpresa. — Você raramente vem às sextas-feiras.

Exausto de procurar a casa com a chaminé vermelha, Klein sorriu e disse:

— O destino nunca se repete indefinidamente. Sempre nos traz algumas surpresas.

Ele estava na área e o tempo da carruagem que havia alugado expirou; assim, ele veio tomar uma xícara de chá preto e descansar um pouco.

Além disso, isso serviria como os toques finais da fundação. Com a nova “experiência” no Clube de Divinação, ele logicamente mencionaria o pedido a Dunn Smith.

— Suas palavras são sempre tão filosóficas — elogiou Angélica.

Klein pensou por um momento antes de dizer, ponderando:

— Talvez eu não venha ao Clube de Divinação com muita frequência no futuro, então você não precisa mais me recomendar a outras pessoas.

Ele já havia digerido sua poção, então precisava avançar em direção a um novo objetivo!

— Por quê? — perguntou Angélica em choque e perplexidade. — Você já estabeleceu seu nome no clube. A maioria das pessoas sabe que suas divinações são muito precisas e milagrosas. Na verdade, estávamos pensando em fazer você vir aos domingos como palestrante.

Se eu recebesse uma libra por cada divinação que realizasse, continuaria fazendo isso, independentemente de quão cansado estivesse… Além disso, ainda tenho que investigar as casas com chaminés vermelhas e encontrar o culpado o mais rápido possível… — Klein sorriu calorosamente.

—Madame, não me convença a ficar; este é o arranjo do destino.

— Não vou parar de vir ao Clube de Divinação por completo, mas minhas visitas se tornarão menos frequentes. Ainda pagarei as taxas de associação em dia.

Posso ser reembolsado por isso de qualquer maneira… Virei ocasionalmente para monitorar o local… — acrescentou Klein em seu coração.

— Que pena. Espero que você esteja no clube quando eu precisar de ajuda. — Angélica suspirou.

Ela percebeu que isso não era tão surpreendente quanto imaginava após o susto inicial ter passado.

Talvez um vidente milagroso que ainda respeite o destino não seja alguém que possa ser retido por um simples clube em Tingen… Angélica sorriu, como se estivesse pensando em alguma coisa.

— Chá preto de Sibe?

— Sim. — Klein retribuiu um sorriso.

Ele ficou cerca de vinte minutos no clube, passando o tempo descansando e tomando seu chá preto antes de sair. Ele pegou uma carruagem pública de volta à rua Narciso.

Ao entrar em casa, ele abriu a caixa de correio por hábito e viu que havia uma carta colocada lá dentro não havia muito tempo.

Klein abriu a carta e percebeu que era do Sr. Azik.

“… Vou para Cidade de Morse no domingo e voltarei na quarta-feira.”

A maioria dos cidadãos da Cidade de Morse acredita na Deusa… Ele está indo para lá no domingo, o que significa que, de acordo com o nível usual de eficiência, os Falcões Noturnos só receberiam as informações na terça ou quarta-feira. Eu conseguirei fazer isso… Em pensar que o Sr. Azik se lembraria do meu pedido… Espero que ele se lembre de não fazer isso pessoalmente. Convocar um espírito e fazer algo assustador seria suficiente… — Klein assentiu levemente e então liberou sua espiritualidade, queimando a carta com atrito.

Ele sacudiu a mão, transformando as chamas em cinzas, permitindo que caíssem lentamente no chão.

Sábado à tarde. Klein estava usando seu blusão preto e chapéu, com a bengala na mão enquanto entrava lentamente na Companhia de Segurança Blackthorn.

Depois de cumprimentar Rozanne, ele olhou para a divisória e notou que o escritório do Capitão estava aberto. Ele intencionalmente falou mais alto:

— Ontem, vi uma garota que se parecia com você no Clube de Divinação.

— Sério? — perguntou Rozanne, seu interesse despertado.

Klein assentiu sem sinceridade. — Sim, de fato, pensei que ela fosse sua irmã.

— Sinto muito ter que decepcioná-lo, mas não tenho irmãs, nem primas — Rozanne riu. — Você se lembra do nome dela?

— Não, por que lembraria o nome dela? — Klein sorriu. — Olhar para ela era exatamente como olhar para você.

— Posso considerar isso como um elogio? — Rozanne era uma garota tagarela que nunca precisou de outras pessoas para iniciar uma conversa, e perguntou por sua própria vontade:

— Klein, eu diria que você está ganhando bastante com o Clube de Divinação? Como um verdadeiro Vidente, suas habilidades estão muito além daqueles que consideram isso um hobby.

Ainda seríamos bons colegas se você não mencionasse isso… — Klein tossiu.

— Um Vidente precisa respeitar o destino. Não podemos usar a divinação para pedir privilégios anormais.

— Você está deduzindo sua própria máxima para um Vidente? — perguntou Rozanne por curiosidade.

— Sim — respondeu Klein francamente.

Depois de uma breve conversa, Klein se despediu de Rozanne, pegou seu chapéu e caminhou em direção à divisória.

Toc! Toc! Toc!

Ele olhou para Dunn Smith, que estava bebendo seu café, e bateu na porta aberta.

— Entre, por favor. — Dunn olhou para Klein e ajustou sua postura imediatamente.

Klein já havia sondado o Capitão nos últimos dois dias. Ele confirmou que Dunn Smith não havia mencionado sobre o “método de atuação” enquanto experimentava, e também era claro que ele era bastante cauteloso com os superiores da Igreja.

Assim, ele fechou a porta, sentou-se em frente a Dunn e disse com uma expressão séria, mas um pouco animada:

— Capitão, acredito que compreendi completamente a poção Vidente. Desejo fazer uma solicitação especial.

3 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!