LdM – Capítulo 70

A chegada do 2-049

Clip-clop, clip-clop.

Os cavalos aumentaram seus passos e as rodas começaram a girar a reboque. Apesar de ter ativado sua Visão Espiritual e se virado na esperança de observar a refinada e doce dama, Klein não pode realizar seu desejo. Tudo o que seus olhos refletiram foram figuras marrons passando rapidamente ao lado de fora da carruagem.

Enquanto isso, os passageiros da parada já haviam embarcado na carruagem, e sua porta foi fechada com força à medida que se afastava gradualmente.

Dentro da carruagem, vinte a trinta pessoas permaneciam próximas umas das outras, seus campos de energia se sobrepondo e protegendo um ao outro, consequentemente sendo uma explosão de cores na visão de Klein, dificultando a sua diferenciação.

Ele balançou a cabeça em silêncio e levantou o dedo para tocar sua glabela e desativar sua Visão Espiritual.

Para ele, era simplesmente uma ajuda que poderia oferecer se a situação permitisse. No entanto, se ele perdesse a chance, e a situação não fosse apropriadamente clara, não adiantaria levar a questão adiante e atrasar seus próprios assuntos.

Klein voltou para sua casa na movimentada rua Narciso enquanto era banhado pelo luar Carmesim. Entrando na casa, ele viu Melissa sentada ao lado da mesa de jantar; ela estava ocupada fazendo o dever de casa sob uma lâmpada a gás brilhante.

Ela mordeu a caneta-tinteiro e franziu a testa, parecendo imersa em pensamentos.

— Onde está Benson? — perguntou Klein casualmente.

— Ah … — Melissa então olhou para ele. Ela demorou alguns segundos antes de dizer:

— Ele disse que andou por alguns bairros hoje e estava coberto de suor. Ele está tomando um bom e relaxante banho.

— Tudo bem. — Klein riu. De repente, percebeu que ela estava usando um vestido que ele nunca tinha visto antes.

Era inteiramente bege e possuía belos engageantes nas mangas, e a gola e as bordas da parte de cima do vestido eram adornados com finos babados. Mas apesar disso, era um design bastante simples, do tipo que era usado como roupa casual diária, o que acentuava bastante a juventude de uma adolescente de dezesseis ou dezessete anos.

— Vestido novo? — perguntou Klein com um sorriso.

Foi uma compra que ele e Benson insistiram.

Melissa respondeu afirmativamente.

— Eu acabei de receber de volta da Sra. Rochelle. Eu estava pensando que, já que tenho que lavá-lo de qualquer maneira, eu poderia experimentá-lo antes.

Klein ficou bastante intrigado quando ouviu isso.

— Senhora Rochelle?

Ela não era nossa ex-vizinha?

Melissa acenou com a cabeça e explicou com toda a seriedade:

— A Sra. Rochelle é na verdade uma costureira, mas teve muito azar, e leva uma vida muito dura. Ela não teve escolha senão costurar e consertar roupas para os outros em casa. Eu sabia que ela é muito habilidosa e o preço que ela propôs é mais barato do que em uma loja de roupas femininas. Além disso, é feito sob medida então se adapta muito bem à minha figura, portanto eu encomendei uma nova saia com ela. Custou somente nove soli e cinco centavos e levou apenas alguns dias para ficar pronto. Um vestido de estilo semelhante custaria uma libra e meia na loja de departamentos Harrods!

Que menina frugal… Mana, sei que pelo menos metade do motivo se deve à sua compaixão pela sra. Rochelle… — Klein não reprovou Melissa por decidir as coisas por si mesma. Em vez disso, ele disse com um sorriso:

— Quando você foi ao Harrods?

Isso ficava na rua Howes, perto do Clube de Divinação. Era um lugar onde a classe média fazia compras.

— … — Melissa ficou momentaneamente sem palavras. Demorou um bom tempo até que ela dissesse:

— Foi a Selena e a Elizabeth, elas insistiram para que eu as acompanhasse. Na verdade, bem, eu acho engrenagens mais interessantes. Gosto de lugares com vapor e maquinaria.

— Faz muito bem para uma jovem garota ocasionalmente fazer compras em uma loja de departamentos. — Klein riu ao consolar sua irmã.

Depois de alguma conversa fiada, ele caminhou rapidamente para o segundo andar, esperando lavar os vários odores repulsivos do bar.

Quando estava prestes a voltar ao seu quarto para trocar de roupa, de repente ouviu sons vindos do banheiro próximo da sacada.

Alguns segundos depois, Benson saiu enquanto secava sua linha capilar que recuava gradualmente com o tempo.

— Como foi? Você elogiou o vestido novo de Melissa? — Ele olhou para Klein e perguntou com um sorriso.

— Eu acho que esqueci. Tudo o que fiz foi perguntar onde foi feito… — Klein pensou por um momento no que havia dito.

Benson imediatamente gargalhou e balançou a cabeça.

— Que impróprio de um irmão mais velho. Quando Melissa recebeu o vestido, ela não pode suportar deixá-lo de lado. Depois de correr para cozinhar e lavar a louça, ela imediatamente colocou o vestido e se recusou a tirá-lo desde então.

…Ela não planejava se trocar depois do banho? Ela poderia aproveitar para lavar e engomar as roupas… — Klein subconscientemente refutou a explicação que Melissa havia dado.

— Tsk. — Benson suspirou. — Tem feito um calor escaldante nos últimos dias. Ela estava ocupada na cozinha por um longo tempo, eu acredito que se sentiria muito melhor fazendo seu dever de casa depois de um banho.

Concordo… — Klein ficou subitamente iluminado quando deu um sorriso significativo ao irmão.

Então é esse o tipo de pessoa que você é, Melissa… Não há nada de errado com uma garota cuidando de sua aparência. Não há necessidade de encontrar desculpas … — Os cantos de sua boca se curvaram quando ele balançou a cabeça suavemente antes de entrar em seu quarto.

Enquanto tomava banho, Klein ouviu batidas no andar de baixo, imediatamente se perguntando quem poderia ser.

O trabalhador encarregado de coletar moedas para o medidor de gás não vem apenas uma vez a cada duas semanas?

Poderia ser a Sra. Shaud da porta ao lado? Não pode ser… Dizem que esta senhora cumpre estritamente a etiqueta da classe média. Ela não iria visitar em um horário inadequado.

Em sua perplexidade, Klein enxugou o corpo, e vestindo uma velha e confortável camisa e um par de calças, desceu as escadas.

Ele deu uma olhada na área, mas não notou ninguém estranho, então perguntou:

— Alguém bateu na porta?

Benson, que estava lendo os jornais casualmente, disse com um sorriso:

— Foi Bitsch Mountbatten, um dos policiais encarregados da rua Cruz de Ferro. Ele perguntou se havíamos encontrado um garoto de dezoito ou dezenove anos de rosto redondo. Heh, ele até nos deu um esboço para tentar identificá-lo. Infelizmente, nenhum de nós o viu, ou teríamos recebido uma recompensa. E você?

— Não. — Klein tinha uma ideia geral do que estava acontecendo.

Instigador Tris havia escapado com sucesso do Bar do Dragão Maligno no porto, e havia fugido para algum lugar próximo da rua Cruz de Ferro e da rua Narciso; portanto, a polícia estava fazendo visitas de porta em porta.

E para ir tão longe, ficou claro que a operação de pegar o Instigador tinha falhado completamente!

Klein não se incomodou com a situação. Ele ainda não havia começado o treinamento de combate e tinha apenas um domínio básico de tiro, então considerar lidar com um “Assassino” natural era simplesmente usar sua vida como uma piada.

Ele não dormiu bem naquela noite, preocupado de que o Instigador iria se infiltrar em sua casa para se esconder, causando outro massacre.

Felizmente, a rua Narciso permaneceu quieta a noite inteira, com os raios solares matinais dispersando toda a neblina.

Um Klein relaxado vestiu seu traje formal, colocou sua cartola, e, segurando a bengala, foi até a rua Zouteland. Ele então cumprimentou Rozanne no salão de recepção.

— Bom dia, Klein — respondeu Rozanne animadamente. Ela reprimiu sua voz e disse: — Ouvi dizer que a enorme operação da noite passada falhou?

— A operação para pegar o Instigador Tris? — perguntou Klein, curioso.

— Sim! — Rozanne assentiu pesadamente. Ela lançou um olhar para a divisória e disse:

— Aparentemente, um informante dos Punidores a Mandatado descobriu o Instigador no porto… Eles estavam planejando esperar por Beyonders adicionais e outro esquadrão de Operações Especiais da polícia chegar antes de começar a operação de imediato, sem alarmar os cidadãos normais. Infelizmente, esse Instigador foi extremamente perspicaz, e saiu do cerco quando notou algo de errado, escapando com sucesso como resultado.

— Nesses momentos, eles precisam de um Beyonder com habilidades de rastreamento, como eu. — Klein fez uma piada.

— Não houve falta de rastreadores na ocasião. — A voz de Dunn Smith soou de repente.

Rozanne virou a cabeça abruptamente e viu o capitão usando seu blusão preto. Ele estava olhando diretamente para ela com seus profundos olhos cinzentos enquanto se apoiava na estrutura da divisória.

Ela rapidamente levantou as mãos para cobrir a boca e então sacudiu a cabeça incessantemente, expressando sua falsa inocência.

Dunn voltou o olhar para Klein e, depois de pensar um pouco, disse:

— Havia um total de seis Beyonders dos Punidores a Mandatado, da Consciência Coletiva das Máquinas e de nós, Falcões Noturnos. Rastreamos Tris, que estava ferido, na rua de baixo da rua Cruz de Ferro, até sua residência temporária; mas as pistas terminaram aí. Seja por métodos Beyonder ou investigações comuns, nada funcionou. Era como se ele tivesse evaporado no ar, desaparecendo completamente.

— Você precisa da minha ajuda com divinação? — perguntou Klein, pensativo.

Dunn sacudiu a cabeça suavemente.

— A Consciência Coletiva das Máquinas tinha um Espreitador de Mistérios. Ele é um Sênior Beyonder tão habilidoso quanto Velho Neil. Eu até suspeito que ele já esteja na Sequência 8, só não sei qual é o nome da poção correspondente.

— A herança da Ordem Teosófica deve ter até hoje algo de especial sobre isso. — consolou Klein.

Durante o resto da manhã, ele continuou com seu currículo de misticismo, leu as informações e documentos históricos e praticou várias técnicas como sempre.

Com a hora do almoço se aproximando, a mente de Klein começou a divagar.

Alguns minutos depois, ele guardou os documentos depois de ouvir a convocação de seu estômago.

Naquele momento, Dunn Smith entrou no escritório dos funcionários. Ele disse de maneira profunda, mas suave:

— Klein, siga-me até o Portão Chanis. O Artefato Selado 2-049 chegou. A operação subsequente pode exigir sua percepção sobre esse caderno.

— … Tudo bem — Klein se levantou e respondeu.

Seus pensamentos ficaram confusos quando ele imaginou como o Artefato Selado seria ou se a operação seria perigosa.

No meio do tenso silêncio, ele seguiu Dunn pelas escadas e entrou no túnel.

Depois de ir direto ao cruzamento, Dunn parou de repente e virou a cabeça, dizendo severamente:

— Faça esse movimento comigo. Continue fazendo isso e absolutamente não pare. Lembre-se, absolutamente não pare. Isso é para sua própria segurança!

Enquanto falava, Dunn inclinou o braço e depois o estendeu, e continuou repetindo essa ação sem parar.

Klein olhou para a demonstração do capitão de maneira aturdida. De repente, iluminado, ele perguntou:

— Isso tem a ver com a singularidade do Artefato Selado?

— Sim — assentiu Dunn com seriedade anormal. — Repetir essa ação nos permitirá descobrir imediatamente se alguma coisa acontecer com você. Salvar você rapidamente não resultará em nenhum perigo ou risco de vida.

— Okay. — Klein não mais hesitou quando começou a ação repetida de dobrar e estender o braço.

— Se o seu braço está dolorido, use o outro — acrescentou Dunn.

O artefato Selado “2-049” com certeza é estranho… Qual o significado dessa ação? Parece muito perigoso… — Esses pensamentos passaram pela sua mente enquanto ele olhava solenemente para o capitão.

— Tudo bem.

Ele tinha muitas perguntas em mente, mas já que o Portão Chanis estava à vista, ele não tinha escolha senão suportar.

Além disso, com minha credencial de segurança, provavelmente não vou saber dos detalhes. Só posso fazer o que me é pedido… — Klein exalou enquanto seguia o Capitão Dunn até a sala dos guardas do lado de fora do Portão Chanis.

2 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!