MdG – Volume 1 – Capítulo 12 (Parte 2 de 2)

Como é que isso aconteceu?!

O senhor goblin corria tão rápido que estava quase tropeçando. Assim que ele percebeu que não existia chance de vitória, ele fugiu do campo de batalha. Atrás de si, ele podia ouvir armas tilintando, gritos e os sons de magias reverberando.

Alguns desses gritos pareciam ser de aventureiros. Mas a maioria era de goblins.

Isso deveria ser um ataque surpresa para estabelecer uma posição na área. E, no entanto…

Nós é que tomamos! Então, como é que isso aconteceu?!

Sua horda estava perdida. Com suas forças em cheque, não valia a pena rondar por perto.

Contanto que ele sobrevivesse, isso era tudo o que importava.

Ele voltaria para o ninho, usaria as mulheres capturadas lá para construir suas tropas.

Tal como antes.

O senhor goblin era um andarilho, o sobrevivente solitário de um ninho destruído por aventureiros. Agora, ele vivia só para matar aventureiros.

Não é tão difícil.

Sua primeira vítima tinha sido a mulher que o poupara “porque ele era apenas uma criança”. Ela se tornou comida para ele assim que virou as costas.

Ele aprendeu então que, se você atingisse um aventureiro com força suficiente na cabeça com uma pedra, eles se tornariam bastante flexíveis. Quando ele descobriu que uma clava era ainda mais eficaz, ele a usou. Então, ele aprendeu a usar armas e vestir armadura. Da forma como os aventureiros formavam seus grupos, ele apercebia as melhores formas de liderar uma horda.

Seus longos dias vagueando, haviam treinado seu corpo e mente até que ele fosse um desafio até mesmo para um guerreiro humano.

Isso seria o mesmo.

Sob as duas luas, o senhor se afastava da batalha e corria por sua vida.

Através da grama, levantando a terra, em direção a floresta. Dentro da floresta. Havia uma caverna. Seu ninho.

Ele havia falhado. Mas, enquanto vivesse, haveria outra chance.

Ele aprenderia e reabasteceria suas tropas, e da próxima vez seria melhor. Da próxima vez…

— Eu sabia que você viria aqui.

Uma voz calma, fria e quase mecânica o pegou. Irrefletidamente, o senhor goblin parou onde estava. Ele preparou o machado de guerra que segurava na mão.

Seus olhos podiam distinguir a figura parada diante dele no escuro. Era um aventureiro com armadura de couro barata e um capacete de aço. Um escudo pequeno estava preso em seu braço esquerdo, e na mão direita, uma espada quase longa demais para se empunhar. Ele estava salpicado com sangue de matança, de pé em uma poça nauseante.

— Tolo. Vejo que ambos usamos nossos exércitos como iscas.

O senhor podia falar a língua comum, apesar d’ele a desprezar. Ele não sabia quem era esse aventureiro. Mas estava muito claro o que tinha acontecido.

— Sua casa não existe mais.

— ORGRRRRRR!!

O senhor deu um grito ensurdecedor e avançou em Matador de Goblins. O senhor levou o seu machado para baixo em um arco, o que significava dividir o crânio do aventureiro, mas Matador de Goblins bloqueou o golpe com seu escudo. Houve um barulho de metal se partindo.

Matador de Goblins balançou bem o escudo e empurrou de lado o machado, então deu um impulso perspicaz com a espada.

— Hrm! — murmurou ele.

A ponta da sua espada atingiu o senhor no peito, mas só fez um som seco. O goblin estava usando um peitoral de placas.

Matador de Goblins era imperturbável, mas se congelou por um segundo, e naquele momento, o machado veio a ele de lado.

Uma decisão instantânea. Ele se atirou para o lado, rolando para evitar o golpe. Ele se ergueu de joelho, ofegante.

— …

Matador de Goblins se levantou e girou sua espada lentamente na mão, segurando o escudo diante de si.

— GRRRR…

O senhor fez um som de desgosto e agarrou seu machado de guerra com as duas mãos.

O abismo entre a força e armamento deles era imenso.

Suas feridas de antes. O mês se recuperando. Ele precisou desse tempo para se curar, e mesmo assim…

Matador de Goblins estava perfeitamente ciente de que suas habilidades haviam diminuído. No entanto, não seria um problema. Ele não deixaria ser um problema. Havia um goblin na frente dele. Era tudo o que ele precisava.

— …!

Matador de Goblins se lançou como uma flecha sobre o adversário.

Ele se moveu em uma postura baixa; com a mão esquerda, ele agarrou um punhado de grama, a cortou e jogou no senhor goblin.

No segundo que o senhor tomou para dispersar com a mão a nuvem de grama, Matador de Goblins impulsionou sua espada.

Sangue voou, e um grito.

— GARUARAARARAA?! — O senhor brandiu seu machado de guerra em frenesi, sangrando pela testa. Antes que um observador pudesse ter estalado a língua, um ataque conectou em Matador de Goblins.

Ele se sentiu flutuando no ar, e depois aterrissou dolorosamente no chão.

— Oof! Ugh… — As suas costas se encontraram com o chão duro, forçando o ar de seus pulmões. Ele viu que seu escudo quase fora dividido ao meio.

Suas habilidades podem ter enferrujado, mas seus músculos ainda se lembravam de seu papel. O escudo que ele levantou instintivamente salvou sua vida de novo.

— Eles não são bons em ataques frontais… — murmurou ele, se levantando, se apoiado em sua espada.

— GAROOOO!!

O senhor goblin não perderia sua chance. Ele veio investindo pela grama.

Matador de Goblins deu um pequeno aceno com a cabeça. Ele segurou sua espada no alto, levantou seu escudo surrado e encarou o senhor de cabeça erguida.

Um instante depois, ele correu contra o inimigo.

O machado de guerra do senhor goblin veio assobiando pelo ar. Matador de Goblins manteve seu escudo para encontrá-lo e impulsionou sua espada.

Impacto.

O machado dividiu o escudo em dois e cortou fundo no braço de Matador de Goblins. O aventureiro saiu voando mais uma vez.

Mas, no mesmo momento, sua espada cortou a barriga do goblin, que agora jorrava sangue no campo escuro.

— GAU…

Mas a ferida não era fatal. O senhor franziu a testa furiosamente.

— Ugh, tsc…?! — Matador de Goblins começou a se levantar do chão. Mas ele não aguentava. Ele tentou usar sua espada para se erguer, mas estava quebrada.

— GURRR… — O goblin até parecia aborrecido. Pelo menos, ele teria sua vingança pelas suas tropas caídas. Ele cortaria as mãos e os pés desse homem, o amarraria em uma estaca e o torturaria até a morte. Quando imaginou esse futuro sombrio, o senhor goblin começou a gargalhar, então ele seguiu lentamente até a sua presa.

Ele deu um chute perverso no capacete de Matador de Goblins imóvel.

Silêncio.

O senhor não ficou satisfeito. As presas deveriam se acovardar no momento da morte.

Mas, que seja.

Morte acabaria com isso. Para sempre. Talvez essa noite ele teria de se contentar com isso.

O senhor goblin ergueu o machado de guerra lentamente.

Crac.

No segundo seguinte, o machado foi jogado para trás.

— GAU…?

Ele havia atingido uma raiz de árvore ou algo assim? O senhor olhou para trás com frustração, mas não existia nada lá. As árvores mais próximas estavam um pouco longe.

— GA, RRR…?!

Desta vez, como tentativa de abaixar sua arma, o senhor descobriu que o machado não se movia nada. Não, era seu próprio corpo que não respondia aos seus comandos. Seus ossos rangiam como se algo estivesse pressionado contra ele. Como se estivesse preso entre duas paredes invisíveis.

— GA, GAO…?!

Os olhos do senhor viraram para frente e para trás; ele nem sequer conseguia se mexer.

O que estava…? O que estava acontecendo…?!

— Ó Mãe Terra, abundante em misericórdia, pelo poder da terra conceda segurança para nós que somos fracos…

A resposta à sua pergunta veio na forma de uma voz miraculosamente clara entoando uma oração.

Uma jovem bela saiu do bosque nas proximidades. Suor pairava em sua testa, e em suas mãos trêmulas estava um cajado de monge.

Uma sacerdotisa jovem rezando fervorosamente para a Mãe Terra.

Isso é culpa dela!

— GAAAAUUAUAUAUAUAAA!!

O senhor goblin uivou todas as ameaças vis que conhecia. Ele arrancaria seus membros e a faria comê-los! Não, ele a perfuraria com uma estaca tão fundo pelo rabo que sairia pela boca! Ele quebraria seus dedos em pedacinhos pequenos um a um, queimaria o seu rosto até que ninguém a reconhecesse…

Ela parecia tão frágil. Certamente, um pouco de intimidação era tudo o que seria necessário para assustá-la…

— …!

Mas ele estava errado.

Rosto pálido, mordendo os lábios, Sacerdotisa ainda segurava seu cajado trêmulo.

O senhor começou a se preocupar.

— GA… RO…?

Talvez essa garota não fosse bem o que parecia.

Mudança de tática então. O senhor pôs sua expressão mais lamentável e implorou por perdão. Ele jamais faria tal coisa novamente. Ele esteve errado, muito errado. Ele viveria discretamente na floresta, nunca mais veria uma aldeia humana de novo. “Por favor, perdoe. Por favor”.

Ele balbuciava com sua versão patética da língua comum. Se fosse possível, ele teria se jogado a seus pés.

Não seria a primeira vez que ele teria convencido um aventureiro a poupar sua vida por meio de uma demonstração de arrependimento.

A primeira vez foi a muito antes dele ter se tornado um senhor; de fato, ele ainda era uma criança. Se pensarmos bem, esse aventureiro também fora uma mulher. “Tudo bem” dissera ela, “mas nunca deve fazer esse tipo de coisa de novo”. Ele concordou avidamente. E depois, claro, a matou assim que ela se virou.

Ele tomou o deleite sombrio da memória daquela mulher implorando por ajuda enquanto ele a esfaqueava até a morte. Ela havia pensado que era forte.

Se ele pudesse viver agora, ainda haveria tempo para tramar sua vingança.

E antes de tudo, eu levarei essa garota!

— Como se eu o deixasse. — Uma voz fria ecoou, o apanhando.

— GA, RR…?!

A voz emitiu frio pelas suas veias como um vento das entranhas da terra.

Matador de Goblins ficou de pé lentamente.

Seu braço esquerdo pingava sangue. Na mão esquerda, ele segurava o escudo fendido. Na direita, sua espada quebrada.

Ele andou ousadamente em direção ao senhor goblin. Ele empurrou a espada no lado do pescoço do goblin paralisado.

— GA… GO…?!

A arma quebrada não podia cortar ou perfurar.

Mas ela poderia esmagar. A criatura algaraviava sem sentido enquanto a lâmina pressionava a sua traqueia.

— Um senhor? Ridículo. — O senhor tentou desesperadamente se esforçar.

— Você é um goblin.

O goblin abriu a boca, lutando por ar.

— Apenas um goblin…

Mas ele não podia fazer nada.

— …imundo e inútil.

O rosto do senhor mudou de cor, e sua língua se estendeu para fora. Saliva espumava para a beira da boca; seus olhos rolaram para cima.

— E eu…

Quando o senhor sentiu sua consciência indo embora, uma questão surgiu em sua mente sumindo.

O quê? O que é você?

— …sou Matador de Goblins!

Os olhos da criatura permaneceram rolados para trás da cabeça. O goblin que seria rei espasmou uma, duas vezes e morreu. Houve um longo silêncio.

— Essa é uma… cabeça de goblin…

A espada de Matador de Goblins caiu de sua mão bem enquanto suas palavras saíam de seus lábios. Depois ele caiu para frente como se suas cordas tivessem sido cortadas.

Sacerdotisa jogou seu cajado de lado, correu em frente e o pegou. — Matador de Goblins, senhor! — Ele era bastante pesado para seus braços finos, coberto de couro, metal, lama e sangue.

Um momento depois, o milagre Proteção desvaneceu, e o corpo do senhor goblin se colapsou próximo a Matador de Goblins. Sacerdotisa não olhou para ele, mas sim para as feridas de Matador de Goblins. Havia um corte profundo no seu braço esquerdo. Na pior das hipóteses, poderia chegar até o osso.

— Por favor… não faça essas tolices…

— …Argh…

Ela soltou um gemido de sua mente enquanto pressionava suas mãos na ferida, ignorando o sangue que manchava suas mãos.

— Ó Mãe Terra, abundante em misericórdia, coloque tua venerada mão sobre as feridas do teu filho…

A oração era discreta, obstinada e sincera.

O que aconteceu naquela primeira aventura…? Eu quero que nunca aconteça de novo…

A Mãe Terra ouviu graciosamente sua súplica e tocou o braço de Matador de Goblins com seu dedo iluminado. Foi assim que Sacerdotisa usou seu milagre remanescente.

Ele lhe dissera que distrairia o senhor goblin enquanto ela usava Proteção.

Ela já não estava perturbada com a ideia de usar dois milagres Proteção em conjunto, não para proteger seu alvo, mas para prendê-lo. Mas ela não havia adicionado o terceiro milagre Proteção como ele instruiu.

Talvez tenha sido uma revelação que a impediu de esgotar seus milagres. Pois se ela tivesse, a vida desse homem — esse homem estranho, teimoso e sério — teria acabado aqui.

— …Deuses. Eu já te disse…

— Matador de Goblins, senhor!

Com a voz bruta que a alcançou, ela respondeu com lágrimas nos olhos.

— …Tolice não é o que ganha batalhas.

Matador de Goblins se sentou penosamente. Sacerdotisa o ajudou o melhor que pôde, o apoiando sob seus braços. Ele era quase pesado demais para apoiar. Agora, ela tentou ajudá-lo a se pôr de pé. Esforçando-se para o agarrar com seus braços esbeltos e bonitos, Sacerdotisa o apoiou no ombro e se levantou.

— Você pode… dizer isso…

— …

— …Mas acho que… precisa ter mais cuidado…!

— É?

Ela ficou em silêncio.

— …Me desculpe.

Fungando e soluçando, Sacerdotisa balançou a cabeça veementemente.

Passo por passo lacrimosos, ela começou a andar para a frente devagar e seguramente.

Tomando o cuidado para tirar o máximo de peso sobre ela quanto pudesse, Matador de Goblins disse calmamente: — Foi porque eu confio em você.

Sacerdotisa sorriu através das lágrimas que escorriam pelas suas bochechas. — …Você realmente não tem jeito, não é?

Ela pensou em seus companheiros que haviam morrido em sua primeira aventura juntos. Ela pensou nos aventureiros que estavam sangrando e morrendo nesse momento. Ela pensou nos goblins que foram mortos. Ela pensou no senhor goblin que morreu na sua frente.

Enquanto todas essas coisas rodavam em sua mente, ela tomou consciência do peso do homem apoiado nela. Era tudo o que ela podia fazer para mantê-lo com seu corpo exausto.

Ela avançava com um passo penoso de cada vez, mal se movendo. Os sons da batalha estavam longe, e as luzes da cidade ainda mais.

Mas, a cada passo, seu coração se alegrava.

 

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

7 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!