MdG – Volume 2 – Capítulo 11 (Parte 3 de 4)

A chuva tinha parado, mas o céu permanecia carregado de nuvens.

A carruagem ribombava por uma estrada que seguia retamente como uma flecha pela planície no interior da fronteira, do leste ao oeste.

Alguns iam para comércio. Outros, para ver seus familiares. Outros ainda, para fugir deles.

Alguns como pioneiros. Alguns eram do tipo tristonhos que deviam estar indo para o exílio.

Como era tão frequente em carruagens compartilhadas, expressões de alegria e tristeza se misturavam livremente.

Entre essas expressões, alguns poderiam ter notado alguns companheiros de viagem cuja aparência falava de um trabalho recente e finalmente terminado. Nenhum, no entanto, teria sido capaz, provavelmente, de adivinhar de que aventura provinha esses poucos.

Não fazia diferença para ninguém mesmo.

Extermínio de dragão poderia ter sido interessante, mas isso era apenas coisas de lendas, e ninguém iria supor que eles tivessem sido atacados por um dragão.

Eis como o trabalho de se aventurar era muitas vezes.

— Mm… Ahh! Isso foi divertido…!

Alta-Elfa Arqueira se estirava para longe da bagagem que ela estivera encostada, tentando aliviar seus ombros rígidos. Suas orelhas longas se levantaram felizmente, e ela tinha uma expressão relaxada.

Anão Xamã, que estava sentado de pernas cruzadas e descansando o queixo na mão, disse irritado:

— Mesmo na parte em que você estava sendo assediada por goblins e chorando como um bebê?

— Bem, nós ganhamos a luta, não? E aqui estamos nós. E temos uma recompensa para aproveitar! — Ela ergueu um saco de couro na palma de sua mão. O peso dele vinha das peças de ouro lotada dentro.

Não que a recompensa importasse muito para ela. Era apenas um bônus.

— Devo confessar que sinto uma pontada de arrependimento sobre aquele espelho Portal — disse Lagarto Sacerdote, com sua cauda enrolada no chão. Ele lambeu o nariz com a língua enquanto folheava algum tipo de caderno. Antes de terem afundado o espelho, ele havia tomado tantas notas sobre suas propriedades únicas quanto pôde. — Mas nós recolhemos informações valiosas, acabamos com uma heresia e fizemos ações valorosas. Estou bem mais que satisfeito.

— Não ouvirá nenhuma queixa de mim enquanto esse ouro me der uma boa refeição!

— Vocês anões… sempre pensando com o estômago.

— Bem, ele é a maior parte de nós, afinal!

A réplica entre a arqueira e o xamã foi animada como sempre.

Nas proximidades, Sacerdotisa estava sentada e os observava alegremente.

Já acabou? Eu acho…

Ela se perguntava quem tinha usado o Portal para invocar a ameaça goblin… Mas essa era outra história, uma que não tinha nada a ver com a aventura que ela e os outros tinham acabado de terminar.

— ……

Ela olhou para o lado.

Ele estava lá, espremido entre a bagagem e a cortina, ainda com sua espada e sua cabeça com o capacete virado para o chão.

Pouco depois da carruagem ter deixado a cidade da água, ele havia começado a adormecer.

— …Ah, bem.

Sacerdotisa riu e pegou um cobertor fino da sua bolsa.

Ele realmente se machucaria por tirar a armadura e capacete, pelo menos quando estivesse descansando?

Ela envolveu gentilmente o cobertor em volta dos seus ombros, depois se sentou ao lado dele silenciosamente. Ela cruzou a mão e as colocou nos joelhos, esticando suas costas, e colocou seu cajado de monge ao lado.

Verdade: Ele era Matador de Goblins. Então, não havia nada a se fazer.

Enquanto os goblins fossem seus inimigos, ele não abaixaria a guarda nem por um momento.

Foi por isso que ela não tinha tentado lhe perguntar nada. Quando ele havia voltado de fazer o seu relatório a Donzela da Espada, ele só tinha dito “está feito”.

E isso foi o suficiente. Agora que tudo havia acabado, ela tinha de deixá-lo descansar.

— Oh?

Ela reparou que ele estava segurando outra coisa além da sua espada.

Uma gaiola pequena; o canário.

O pássaro, como seu dono, estava dormindo, com os olhos fechados e empoleirado em um galho.

Parecia que ele estava alimentando e cuidando devidamente do animal. Tanta atenção para fazer o que era certo, parecia muito ele.

— Me pergunto se ele já o deu um nome.

Ela o conhecia. Ele iria cuidar diligentemente do pássaro e provavelmente nunca parou para pensar que ele precisaria de um nome.

Quando eles voltassem para a cidade fronteiriça, quando ele acordasse, ela teria que ter certeza de perguntar.

Ela poderia quase escutar: Canário é bom o suficiente.

— Hee-hee.

Ela estendeu a mão, com cuidado para não acordar ele ou o pássaro. Com seus dedos finos, ela pegou uma pena que o pássaro havia deixado cair. Ela a pegou silenciosamente entre as barras da gaiola, a examinando na luz que se infiltrava através da cortina.

Ela brilhava com um verde-claro pálido. Bem gentilmente, ela a colocou em uma fresta em seu capacete.

A pena verde-pálida parecia combinar estranhamente com o elmo sujo, mas ela não se importou.

Ele não iria se preocupar com esse pequeno toque de ostentação.

— Você trabalhou duro, Matador de Goblins, senhor.

— Quando chegarmos em casa…

De repente, uma voz escapou do capacete.

Sacerdotisa piscou várias vezes, depois contraiu os lábios e disse: — Vamos. Se você está acordado, então diga.

— Acabei de acordar. — A sua voz, quando ele se sentou lentamente, tinha um toque mais suave que o habitual.

Sacerdotisa acreditou que ele estava dormindo, mas ela resmungou: — Não posso perceber sob esse capacete.

— Entendi.

Matador de Goblins pegou um cantil da sua bolsa e bebeu uma golada, depois duas.

Como de costume, ele bebeu pela viseira do seu capacete, sugerindo que ele estava a ignorando.

Ou talvez ele não entenderia se eu na verdade não o dissesse para tirar essa coisa.

Ele olhou para Sacerdotisa, que tinha colocado o dedo na boca pensando, e disse:

— Quando chegarmos em casa… — As mesmas palavras de antes. — Tem uma coisa que quero testar.

— O que é?

— Uma sobremesa gelada.

— Ah… — disse Sacerdotisa, com um sorriso. Lagarto Sacerdote respondeu imediatamente:

— Uma sobremesa gelada! Eu poderia porventura o acompanhar na degustação dessa coisa?

— Se você quiser um pouco, não me importo — disse Matador de Goblins e, depois de um tempo pensando, acrescentou: — É feito com leite.

— Oh-ho! Doce néctar!

Sua cauda se desenrolou e bateu em êxtase contra o chão da carruagem, provocando um olhar de interesse do cocheiro pela cortina.

— D-desculpa, nada de mais aqui. Sinto muito por isso! — Sacerdotisa curvou rapidamente a cabeça para ele e exortou seus companheiros a se acalmarem.

Ela pôs as mãos em seu peito e deu um suspiro. Graças aos céus eles não foram avisados para sair da carruagem.

Ignorando-a totalmente, Anão Xamã deu uma risada ressonante e bateu na barriga.

— Ho, Corta-barba! Planejando ter uma refeição e não convidar o anão?

— Eu deveria?

— Certamente acho que sim!

Matador de Goblins virou seu capacete para o nada e fez um som silencioso, depois assentiu.

— Nesse caso, por favor, se junte a nós.


KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

12 Comentários

  1. Muito bacana o site, eu li em 1 semana, todo o Arifureta e MdG, nao conhecia o 3lobos, eu vi alguem comentar em outra scan, e vim conferir, muito bem traduzido os textos, da ate vontade de ler, ate por isso rushei ambos, dificil encontrar light novels para ler tbm, so tem as webs, ou eu nao conheco as scans mesmo kkkk, mas so queria dizer isto, muito bom site e tradutores, parabens ai =D e gostei muito desses dois!

    1. Opa, seja bem-vindo à alcatéia!

      Coincidentemente, tanto Arifureta quanto Matador de Goblins são light novels e traduzidas por mim. Fico profundamente contente que tenha gostado da leitura!

      E sim, é um pouco mais complicado achar light novels traduzidas, ao contrário de web novels, que tem aos montes por ai. Um dos motivos é pelo fato da web novel — na maioria das vezes — serem postadas de graça em sites no Japão, já light novel é a sua versão em livro, que passou por uma editora — teve um tratamento — e como tal, é paga.

      1. Sim sim, mas muito bom seu trabalho ai, eh dificil tbm encontrar qualquer coisa bem traduzida mesmo, geralmente eh um google translate ou algo meio boca, mas o seu esta perfeito, depois vou escolher outra obra aqui do site para ler, esta qualidade eh muito boa.

        1. Dê uma chance para as outras novels do site. Temos chinesas, coreanas e até mesmo brasileiras! Tenho certeza que a tradução dos camaradas aqui da equipe não vai te decepcionar não.

  2. Está ficando mais interessante, estão desenvolvendo mais a personalidade do MdG.

    E obrigado pela tradução ^^

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!