MdG – Volume 4 – Capítulo 4 (Parte 2 de 5)

Eles não tinham feito nada para ele, e todo esse balançar de lança não mudaria isso. Ele se esquivou do batedor que lhe deu um golpe com a tigela, e se afastou.

Pfft! Eles eram criaturas repugnantemente violentas. Eles apenas deveriam ir em frente e morrer.

Ainda mal com a amargura, ele chegou ao caminho lateral que se estendia perto da entrada. Era uma rota de emboscada que os goblins cavaram, sendo familiares como eram com a terra e o solo. Aventureiros, ou seja lá como se chamavam, nunca pareciam achar que poderiam ser atacados por trás.

Havia, é claro, rochas nas proximidades para se esconder por trás, e era uma delas que o sentinela se aproximava agora.

Tudo isso, todo mundo.

Ele odiava, odiava, odiava tudo.

Ele odiava a função de sentinela.

Ele odiava ter nada além de uma lança.

Ele odiava os batedores por intimidá-lo.

Ele até odiava o chefe retardado, que não tinha nada além do tamanho para falar. Ele mesmo daria um chefe melhor que aquele idiota!

Ele poderia ter todas as aventureiras e aldeãs que quisesse, só para si.

Ele poderia fazer os guardas e batedores fazer todas as coisas desagradáveis e irritantes. Ele apenas berraria ordens do fundo do buraco e se empanturraria de comida e fêmeas.

Hmm. Chefe parecia ser um bom trabalho.

Ele ficou completamente absorvido no que para ele parecia uma possibilidade realista, quando objetivamente era pura fantasia.

Como é que ele assassinaria o chefe que unira a horda? Como é que o humilde triunfa sobre o forte?

Ele concebeu um plano que não tinha dúvida que teria sucesso. Então ele se levantou lentamente da sombra da rocha.

Mas…

— GORB…?

De repente, seus ouvidos nada aguçados captaram o som de passos ousados.

Eles estavam se aproximando rapidamente. Ele se escondeu apressadamente atrás da rocha, depois espiou cuidadosamente, só com os olhos aparecendo.

Um aventureiro!

Não havia erro. Apenas um aventureiro andaria pelo seu ninho com uma tocha na mão.

E sozinho, ainda por cima. O cheiro era difícil de descobrir. Ele esperava que fosse uma mulher. Mas mesmo que fosse um macho, eles ainda poderiam comer.

O goblin lambeu os beiços, babando horrivelmente, sem se incomodar em esconder a cobiça surgindo.

Ele iria atacar, acabar com o aventureiro, dilacerar, se divertir. Maldito aventureiro. Maldito aventureiro!

Mas enquanto se escondia, pronto para saltar com a lança na mão, um pouco de bom senso permaneceu com ele.

Sua presa estava sozinha. Mesmo assim, goblins eram fracos. Aventureiros eram estúpidos, mas eram fortes. Mesmo que o goblin emboscasse o aventureiro aqui e agora, não significaria nada se ele mesmo morresse.

Ele poderia gritar para convocar seus companheiros, mas ele ainda seria o primeiro a morrer.

Ele poderia se infiltrar em silêncio para lhes dizer, mas havia batedores no caminho. Eles receberiam todo o crédito.

O que devo fazer?

O goblin ficou ali, com a lança na mão, pensando o máximo que podia.

Ele não queria morrer. Ele queria tirar algum proveito disso. O que fazer, o que fazer?

Talvez eu devesse correr.

Ele balançou rapidamente a cabeça. Não, isso não funcionaria. Se o aventureiro descobrisse que ele tinha corrido, bateria nele até não restar nada. E se seus companheiros salvassem o dia, aquele que correu não ganharia nada. Sem acasalar, sem comida. Ele só iria ser capaz de assistir enquanto todos os outros se divertiam na frente dele.

Ele não podia suportar. Então ele decidiu esperar pelo momento.

Ele prendeu a respiração, cauteloso para não fazer nenhum barulho, enquanto seguia o aventureiro lentamente, ah, bem devagar.

Por fim, seu momento chegou.

— GOROBOR!!

— GROB! GROBORB!!

O aventureiro chegou onde os batedores estavam tomando seu vinho.

No momento em que chegou, ele jogou a tocha de sua mão esquerda bem no meio do grupo.

— GORB?!

— GRBBBROG?! GROBOOBR!

O vinho e o fogo se espalharam. Alimentando-se do álcool, a chama da tocha se intensificou.

Goblins eram sem dúvida capazes de ver no escuro, mas sua visão ainda ficou prejudicada pela fumaça.

Um gritou, outro entrou em pânico e o último simplesmente não sabia o que estava acontecendo. Cada um dos três batedores teve uma reação diferente, mas todos eles ainda estavam tentando entender a situação enquanto o aventureiro agia.

— GROB?!

Um corpo surgiu batendo com um escudo pequeno.

O alvo, que teve a infelicidade de estar de costas, tropeçou de cara no fogo.

— Quarto. — murmurou o aventureiro, pisando em cheio em cima do goblin que se contorcia de agonia das queimaduras.

— GRBBBR…

— GROBROB!!

Os dois restantes prenderam a respiração. Mesmo assim, eles pegaram as armas para atacar o invasor enlouquecido.

Mas já era tarde demais.

A mão direita do aventureiro se moveu rapidamente quando ele arremessou sua espada; ela esmagou os dentes de um dos batedores quando o perfurou pela boca.

— GOOBR?!

— Cinco.

O aventureiro nem sequer olhou para o goblin ajoelhado e se contorcendo com o cérebro saindo por trás da cabeça.

Em vez disso, o aventureiro transferiu seu peso para o goblin debaixo de seu pé, quebrando sua coluna e se lançando para frente enquanto seu braço esquerdo se aproximava do último batedor.

— GBBOORB?!

A borda afiada do escudo cortou o rosto do goblin. Um jato de sangue pintou a parede.

O goblin jogou a arma de lado para pressionar as mãos em seu nariz e cavidade ocular rompidas, mas…

— São seis.

O aventureiro pegou a lança do batedor, que caiu aos seus pés, e perfurou o coração da criatura com ela.

O último batedor logo deixou de fazer nada além de se contorcer e não passava mais do que um saco de sangue cuspindo entranhas.

O aventureiro largou a lança de lado como se fosse uma porcaria e suspirou.

Então ele se aproximou indiferentemente do corpo, pisou nele e agarrou a espada sobressaindo de sua garganta.

Eles eram estúpidos.

Se esse goblin não estivesse esperando atrás, observando sua chance, ele nunca teria sabido.

KakaSplatT
☦ Death To The World ☦

6 Comentários

  1. Eu sou um cara que sempre joguei RPGs desde 2001 2002, e sempre teve goblins e orcs neles, nunca senti raiva deles kkk mas essa obra me fez ter um odio enorme, espero que este da lanca sofra mais la na frente!

  2. Obrigado pelo capítulo.

    Que alívio o Goblin Slayer ter aparecido, agora mate todos eles! Principalmente o da lança!

  3. É incrível que este capítulo tenha 5 partes sendo que o Matador de Goblins apareceu na segunda hauahuahuahaua

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!