OPV – V2 – Capítulo 21

Veleiro Branco era uma cidade rica. As pessoas que andavam pelas ruas estavam vestindo roupas tingidas de todos os tipos de cores, e eu pude ver certas tendências em seus penteados e acessórios.

Em resumo, entenda isso, tendências existiam aqui! Eles tinham tempo e dinheiro para pensar em moda! Só esse fato era chocante para mim.

De fato, meu primeiro choque ocorreu antes disso, quando entrei na cidade. Não havia nenhum tipo de check-in e nem pedágio a pagar para passar pelo portão da cidade. Tinha subconscientemente assumido que haveria esse tipo de coisa com base no que sabia sobre cidades medievais, e eu estava preparado para ficar esperando, mas eles simplesmente nos deixaram entrar.

— Essa é uma das políticas de Vossa Excelência Ethel. Ele é quem governa esta cidade — Tonio me explicou.

Um grande volume de mercadorias estava sendo enviado a esta cidade através da rota marítima para o norte, e se espalhando para o resto de Southmark pelas rotas terrestres e hidrovias, como se fossem vasos sanguíneos. Como havia uma quantidade tão impressionante de tráfego, parar tudo no portão da cidade seria uma fórmula para o caos e, de fato, criaria um foco de contrabando.

Assim, Vossa Excelência Ethel trouxe o dinheiro necessário para administrar a cidade, impondo taxas para atracar os navios nos cais, taxas de aluguel por espaço no mercado, impostos sobre as empresas que se instalavam na cidade e evitar interferir nos movimentos de pessoas, bens e dinheiro, tanto quanto possível. Essa foi a direção que ele tomou, pelo menos para Veleiro Branco, Tonio me disse.

Estou um pouco impressionado. Eu não era tão versado em economia, mas tive a impressão de que essa era uma política bastante progressista, de mente aberta e liberal.

A maneira como as pessoas falam sobre Duque Ethelbald parece bem merecida, pensei enquanto andava pela cidade. 

— Hum? O que é aquilo?

Algum tipo de objetos semelhantes a pilares estavam alinhados ao longo da estrada. Cada um tinha algo como um… guarda-chuva no topo…?

— Uh, essas são luzes da rua. 

— Luzes da rua?!

O quê?!

— Você não sabia o que era? Meu Deus, Will, atualize-se! Eles têm a Palavra de Luz gravada neles. Os aprendizes da Academia de Sábios aparecem à noite e os acendem. Os aprendizes praticam mana de ligação com Sinais, e as pessoas da cidade também recebem luz durante a noite, então isso é bastante útil.

— Exatamente. É um bom treinamento para os feiticeiros aprendizes, e um caminho para ganhar um pouco de dinheiro também. Da mesma forma, — Tonio disse apontando para um grande edifício à nossa frente, — essa é outra grande fonte de renda para os feiticeiros em treinamento. Afinal, faz uso frequente das Palavras de Calor e Purificação.

— Isso é…?

— Hehe… — Abelha me deu outra risada travessa. — Aposto que você sabe o que é isso, — ela disse, girando no local apenas para ser engraçada. — Você adivinhou, é balnea!

— Balnea…?

— Hum? Está acontecendo alguma coisa, Will? Tem algo de errado?

Espera, eu conhecia essa palavra! Isso não é um banheiro público?! Eu poderia tomar um banho lá?!

— Vamos! — Falei sem pensar duas vezes. Os outros três pareciam surpresos.

Para resumir uma longa história, meu primeiro banho em algum tempo foi uma experiência maravilhosa.

Afinal, considerando o período de tempo, eu honestamente considerava a possibilidade de a água estar suja, sem higiene e com todos os tipos de doenças, mas a Palavra de Purificação estava fazendo seu trabalho, e a água estava cristalina. O problema de precisar de uma quantidade imensa de combustível para manter a temperatura foi resolvido pela Palavra de Calor. Maravilhoso. Estou me repetindo, mas foi maravilhoso.

Não era como os banheiros de estilo japonês com os quais eu estava familiarizado, em vez disso, havia um banho quente semelhante a uma sauna e uma piscina de água fria, mas, mesmo assim, era incrível. O cansaço da viagem que se acumulou em todos os músculos do meu corpo derreteu no calor e desapareceu quando relaxei. Foi um momento de felicidade.

Depois de sair do banho público, senti como se uma camada inteira tivesse saído do meu corpo como a casca de um ovo cozido. Meu corpo estava quentinho e a brisa estava boa contra ele. Mesmo na estrada, eu estava me mantendo limpo com a Palavra de Purificação, mas um banho adequado era outra coisa.

Nós três matamos o tempo na área aberta do lado de fora da casa de banho, e depois de um tempo… 

— LA LA LA… ♪ — Abelha saiu segurando as coisas que havia deixado com os proprietários da casa de banho. Ela estava cantando uma música para si mesma e estava claramente de muito bom humor. — É muito bom tomar banho todos os dias de vez em quando, — ela disse. 

— Absolutamente.

— Não vou negar, mas eu não gosto muito de lugares lotados assim. — Menel havia atraído muita atenção por causa de sua beleza e pelo fato de ser raro ver um meio-elfo em primeiro lugar. Normalmente ele podia contornar isso usando um capuz ou algo assim, mas não havia como se esconder assim em uma casa de banho.

Nesse exato momento, ele estava com o capuz firmemente sobre os olhos com uma expressão azeda no rosto, então decidimos nos apressar e mudar de local. 

— Que tal comer algo em uma taberna e depois… — Abelha disse.

— Qual é o próximo?

— Sugiro que vamos a um templo — Tonio disse. — Will é um clérigo, então imagino que ele queira visitá-los.

— Oh! — Eu disse. Tive minha atenção atraída em tantas direções diferentes que quase esqueci. Eu tinha que fazer contato com um templo estabelecido. Eu era tecnicamente um clérigo adequado, concedido à proteção de um deus, então esperava que eles arranjassem tempo para mim, mas tinha minhas dúvidas.

Nós quatro caminhamos juntos para uma taberna e tivemos algo para comer. Fiquei muito surpreso quando vi o cozimento deles usando arroz. Parecia ser o que eu conhecia como arroz Indica, provavelmente cultivado em campo seco. Eles primeiro fritam legumes com óleo e, apropriadamente para um porto, uma seleção de frutos do mar, incluindo camarão, marisco e peixe branco em uma panela rasa de fundo plano, depois adicionam arroz e água e cozinham tudo juntos.

O arroz absorveu bem os sabores do peixe e o prato foi salgado com perfeição. Eu poderia comer essas coisas o dia todo. O vinho diluído que foi servido tinha um ótimo sabor também.

Isso era civilização. Essa era a única coisa que eu conseguia descrever. Esse era o gosto da civilização.

Tonio e Abelha estavam debatendo a refeição.

— Isso tem um gosto muito bom, o que acha?

— Hmm. — Ela não parecia totalmente convencida. — Eu preferiria se fosse menos fervido.

Para esses dois, um vendedor ambulante e uma trovadora, essa cidade era a base das operações. Eles provavelmente estavam relativamente acostumados a isso.

Quanto a Menel e eu, a conversa não era exatamente o que nos importava naquele momento, então pulamos isso totalmente a favor de devorarmos o que estava à nossa frente. E quando terminamos, nós dois pedimos mais.

A civilização era realmente uma coisa maravilhosa!

Erudhir
"Se olhar ao redor e não souber quem é o alvo, então o alvo é você."

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!