OPV – V2 – Capítulo 26

— Estamos muito dispersos como resultado das políticas de expansão do Rei anterior. Não podemos sequer fornecer proteção adequada a todas as aldeias que estão sob nossa governança. Espero que você possa entender o que estou dizendo.

Eu entendi, e o que ele havia deixado por dizer também. Sob tais circunstâncias, ele não podia poupar tropas para assentamentos independentes na fronteira, que nem pagavam impostos ao Reino Fértil nem estavam sob sua égide. Se o fizesse, enfrentaria reação das aldeias que faziam parte dela. Ele não podia retirar suas forças daqueles que pagavam e entregá-las àqueles que não pagavam um centavo. Em termos de capacidade, era tecnicamente possível, mas praticamente falando, impossível sem dúvida.

— Nesse caso… — Descobri o que precisava. Agora, vamos para a conversa real. — Vossa Excelência poderia me dar permissão para organizar aventureiros e contratar mercenários para caçar os demônios?

Eu estava pensando nisso há algum tempo. Não havia como eu sair sozinho e caçar o grande número de demônios que corriam desenfreados na Floresta das Bestas. E se eu não pudesse fazer isso sozinho, teria que gastar dinheiro para contratar pessoas e aumentar meus números.

Mas no momento em que perguntei, vi a têmpora do Duque de Southmark se contorcer. Ele silenciosamente trouxe as mãos para os olhos e esfregou as têmporas novamente e então, lentamente, voltou seu olhar para mim.

— William, você entende o significado do que você acabou de me perguntar? — Ele me encarou intensamente.

O clima dentro da sala começou a mudar lentamente.

— Eu entendo a magnitude do que estou pedindo. 

— E ainda assim você solicita?

— Sim.

O Duque olhou para mim por um longo tempo. Eu senti como se tivesse acabado de aprender o verdadeiro significado da frase “olhos poderosos”. Só esse olhar seria mais do que suficiente para fazer uma pessoa de temperamento fraco tremer e retirar suas opiniões. Mas eu tinha meu juramento a cumprir.

— Eu imploro que você considere quantas aldeias serão colocadas em perigo, quantas pessoas perderão suas vidas em meio à fome, sofrimento e violência.

— Mas salvá-los seria uma façanha tão grande que nem os deuses conseguiriam. — Nós nos entreolhamos, sem recuar.

O duque foi o primeiro a desviar o olhar. Então deu de ombros. 

— Que sorte ruim, — ele murmurou. — Isso seria muito mais fácil se você simplesmente fosse um homem sem reputação.

— Simpatizo plenamente, Vossa Excelência. Dito isto, se eu não tivesse matado o wyvern, talvez não tivesse recebido uma audiência.

O duque levou as mãos aos olhos e esfregou as têmporas novamente. Provavelmente era um tique.

 — Basta. No entanto… — Ele ficou em silêncio.

O Matador de Wyvern já estava começando a agir indesejavelmente.

Era exatamente como ele dissera: se eu fosse apenas um homem comum que não suportava ver as áreas de fronteira em tal estado e queria reunir algumas pessoas às custas particulares e fazer uma pequena caça aos demônios, isso estaria de boa. Ele provavelmente seria capaz de ignorar. A realidade era que este mundo estava cheio de raças más e contratar aventureiros porque o senhor não podia responder rápido o suficiente não era incomum, de modo que estaria dentro dos limites da aceitabilidade.

Mas eu não era outro senão o herói conhecido como Matador de Wyvern, que além disso estava sendo confundido por ter um passado nobre; e eu estava declarando minha intenção de reunir forças que poderiam servir como exército privado e operar na Floresta das Bestas, uma área para a qual o poder do senhor não se estendia atualmente.

O que é perigoso nisso, você pergunta? Só que existem tantos riscos em potencial empilhados um sobre o outro nesse cenário que é impossível listar todos. Por exemplo, poderia me tornar o líder de um movimento rebelde. Posso estar agindo no interesse de outro país. Poderia exagerar e acabar provocando as bestas da floresta e as raças más.

Portanto, o curso de ação prudente era óbvio.

— Devo considerar a possibilidade de matá-lo. — De repente, o duque pareceu muito mais intimidador. 

— Isso é assustador. Como você vai dizer que eu morri?

— Vou deixar você com sua dignidade, pelo menos, eu prometo. Que tal isso: você de repente começou a tossir sangue, presumivelmente envenenado de sua batalha contra o wyvern. Tentamos tratá-lo, mas infelizmente acabou falecendo.

Os guardas solenes em pé atrás do irmão do Rei se mexeram um pouco. No momento em que ele deu a ordem, eu tinha certeza de que aqueles dois chutariam a mesa e me atacariam.

Provavelmente eu poderia me defender desses dois, mas pensei ter sentido soldados escondidos em salas escondidas à esquerda e à direita, que provavelmente tentariam me cortar em pedaços. Também teria que me preocupar com projéteis. O próprio duque também parecia bastante habilidoso. E se ele ordenasse, os guardas iriam em defesa enquanto ele se retirasse, então seria difícil levá-lo como refém…

Caso isso se transformasse em uma batalha, eu me pego pensando em como seria o resultado, mas a verdade era que não havia realmente sentido em pensar nisso. Mesmo se eu pudesse matar todos nesta mansão, seria o meu fim social. Nunca foi uma opção.

— Oh? — Os olhos do duque voltaram-se para Menel. — Oh meu Deus… que assustador. — Ele fez um grande show encolhendo os ombros. Pensando se algo tivesse acontecido, virei-me para olhar para trás, mas só vi Menel parado ali, sem expressão.

— O quê? — Ele disse.

— Eu pensei… Não importa.

Hum. O que é que foi isso? Eu não podia continuar olhando para Menel, então voltei para o duque.

Eu posso feito isso a mim mesmo, mas, mesmo assim, as coisas não estavam indo em uma boa direção. Eu tinha que superar essa situação. Minhas mãos estavam ficando úmidas debaixo da mesa. Eu não tinha confiança de que isso iria funcionar…

— Vossa Excelência. 

— O quê?

— Se o sal da terra perde seu sabor, com o que salgará?

— Hmm? — O duque considerou minha pergunta repentina com suspeita.

Eu continuei. 

— Se todos os portadores da tocha mundial permanecerem sob a luz do dia, em que suas tochas brilharão?

Ele não disse nada. Olhei em seus olhos afiados. Encontrei seu olhar. Não desviei o meu, não vacilei. Ele olhou diretamente para ele.

— Fui presenteado com uma porção da luz de Gracefeel, deus da chama. — Disse olhando em seus olhos.

— Acredito que aqueles que carregam a tocha de Gracefeel devem dar o primeiro passo na escuridão, à frente de todos os outros. Eles devem iluminar as pessoas que sofrem no escuro e mostrar o caminho para aqueles que o seguiriam. Acredito que essa seja minha missão.

Encare o que está à sua frente. Apele para ele com palavras do coração. Esse era o único caminho, e o caminho certo. Afeto e truques claramente seriam contraproducentes contra esse homem.

— Então eu imploro. Você pode me dar algum tipo de permissão para minhas atividades? — Levantei-me da cadeira, ajoelhei-me e abaixei a cabeça em uma profunda reverência. Eu não estava sendo inteligente ou astuto. Só estava sendo completamente honesto com ele. Pode ser ingênuo, mas pensei que, se você fosse fazer um pedido irracional a alguém, deveria ser honesto.

O duque ficou calado.

— William, — ele disse, depois de uma longa pausa. — Em quase todos os casos, esse caminho leva ao desespero. Raramente levará ao resultado que você deseja e, mesmo que isso aconteça, você estará pagando um preço alto por isso.

Ouvindo essas palavras, levantei minha cabeça lentamente e sorri para Vossa Excelência. Eu sei disso, pensei. Mas tudo o mesmo…

— O problema é que tenho alguns negócios desesperados, — comentei. 

— Ah? Que tipo de negócio?

— Bem, eu simplesmente não gostei da sua atitude, então eu estava pensando em chutar sua bunda até receber a aprovação, — eu disse, dando de ombros.

O duque pareceu um pouco surpreso com a minha resposta por um momento… e então ele começou a rir. 

— Hahahah! Chutando minha bunda, hein. Eu gosto disso. Hah hah hah!

Tudo acabou bem. O duque estava segurando seus lados e batendo na mesa. Havia até lágrimas em seus olhos.

— Haha. Sim… Esse foi um bom lembrete. Você é, afinal, um clérigo, que até exerce a oração do Santuário. Sem mencionar o bom amigo que você tem!

— Hã? Uhh…

— Hum? Você não percebeu? No instante em que mencionei matá-lo, aquele meio elfo atrás de você teve a coragem de me lançar um olhar assassino. Aqueles eram os olhos de um soldado pronto para morrer por sua causa. Ele estava preparado para matar todos aqui e lutar para protegê-lo! Mais impressionante, mais impressionante… — O duque riu.

Eu lentamente me virei para olhar Menel.

— I… Isso é uma brincadeira! Eu estava apenas… me preparando, imaginando que ele me mataria também, só isso… Droga, pare de sorrir como um idiota!

Não sabia disso, mas isso piorou ainda mais o humor de Menel.

De repente, de algum lugar no corredor, ouvi uma corrida de passos e muitos gritos.

Erudhir
"Se olhar ao redor e não souber quem é o alvo, então o alvo é você."

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!