OPV – V2 – Prólogo

O céu nublado era fino o suficiente para permitir que o sol do oeste penetrasse, mas mesmo com a cabeça inclinada em direção a ele, não pude sentir seu calor. Eu não achava que precisava me preocupar com o congelamento, mas o frio entorpecedor do ar era difícil de ignorar.

O clima desta área raramente tinha neve, mesmo quando estava frio. Quando nevasse, no máximo haveria uma camada fina no solo. Eu sabia disso quando estava no templo. Mesmo agora estava “apenas” congelando, e não havia sinal algum de que a neve estava chegando.

Puxei minha capa ao meu redor e me concentrei em colocar um pé na frente do outro. Eu estava andando na terra ao lado de uma estrada de paralelepípedos. Andar na estrada seria perigoso. Ela já havia se deteriorado com a idade e estava cheia de buracos. Eu provavelmente iria tropeçar a menos que fosse muito cuidadoso.

— Ugh… Muito frio. — Minha respiração saiu como uma névoa branca.

Partir no inverno, pensei, foi um péssimo movimento do ponto de vista do senso comum.

Eu, William G. Sanguimari, deixei o templo apenas alguns dias depois daquela batalha final com o deus da morte, onde lutei para defender as almas dos meus pais. Aquela batalha final foi no dia do solstício de inverno. Ou seja, no meio do inverno.

Para ser honesto, até pensei que não seria uma coisa muito sábia, mas se eu tivesse passado o inverno naquele aconchegante templo esperando pela primavera, depois de ter feito sepulturas para Maria e Sanguinário e lhes dado um funeral, iria querer ficar ali para sempre. Eu protegeria seus túmulos e convenceria Gus a deixar-me viver minha vida como o protetor do selo que por muito tempo manteve o Rei Supremo dos demônios aprisionado naquela cidade. Era uma ideia atraente, quase irresistível, embora soubesse que estava errado. No entanto, o ato de me esconder e ser estragado pela gentil tolerância da minha família seria o mesmo da minha vida anterior. Se eu parasse de me mover, se não agisse, poderia dizer que essa ideia cresceria mais e mais dentro de mim. Então eu não podia hesitar. Tive que acreditar em mim mesmo e dar um passo adiante.

Dito isso, eu estava tendo certeza de que não ia cair e morrer à beira da estrada no tempo frio. Se o pior acontecesse, estava mesmo pensando em me virar e voltar para o templo por enquanto. Gus provavelmente riria de mim depois da maneira excessivamente dramática como saí, mas não havia necessidade de me sentir mal por voltar atrás. Eu só podia pensar nisso como reconhecimento e partir novamente na primavera, tendo verificado o estado das estradas e os lugares que poderiam ser usados para acampar. Mesmo isso seria um uso muito melhor do tempo do que apenas sentar e não fazer nada. Então eu fazia pequenos intervalos de vez em quando, acampava quando a noite caía, e todo o tempo restante eu andava, apenas andava, com meu equipamento nas costas, suportando o frio.

Eu já tive vários encontros com demônios. Aquela cidade dos mortos era onde o Rei Supremo estava selado, e alguns deles provavelmente estavam vigiando a cidade. Não era surpresa eles me atacarem. Um humano saiu daquela cidade, então eles obviamente queriam me capturar e me fazer abrir o bico. Mas eles não eram páreos para mim. Fui treinado por Sanguinário, Maria e Gus.

Sofri vários ataques surpresa por demônios estranhos e deformados que eram uma mistura de animais e humanos, mas senti-os chegando, antecipando-os e, com a ajuda da minha lança, Lua Pálida, sistematicamente os converti em pó. Foi a minha primeira vez lutando contra demônios que não eram mortos-vivos, mas eles não me deram nenhum problema real. Eu os despachei rapidamente e sem hesitação, assim como Sanguinário e Gus me ensinaram a fazer. Lutei com um deus imortal; demônios sem nome não tirariam o melhor de mim agora. Quanto à cidade dos mortos, Gus me contou que ele estaria fortalecendo suas defesas com uma grande magia chamada Labirinto de Nevoeiro, então provavelmente não havia necessidade de se preocupar com isso.

Minha jornada aparentemente interminável ocasionalmente me levava a passar por alguns prédios de pedra arruinados de vários tamanhos. Provavelmente, eles já foram estações ou locais de descanso ao longo da rodovia. Muitos deles desmoronaram ou foram queimados ou destruídos, vítimas de uma antiga guerra. Mas ainda havia alguns remanescentes que mantiveram grande parte de sua estrutura original e prometeram tornar o acampamento daquela noite um pouco menos trabalhoso.

Olhando como havia instalações como esta disponíveis, pensei que Maria, Gus e Sanguinário deviam ter vivido em uma civilização bastante avançada enquanto estavam vivos. O antigo Império Romano veio à mente de memórias da minha vida passada.

— O que atualmente me colocaria na queda da Roma antiga… Não, depois disso. Exceto que fomos invadidos por demônios e não por bárbaros…

Pelo que pude imaginar com base na história do meu mundo anterior, não parecia provável que as coisas fossem muito boas. Eu gostava de história e coisas assim, o suficiente para não engolir toda a conversa sobre Roma sendo civilizada e a Idade Média sendo uma espécie de “Idade das Trevas”, mas mesmo assim…

— Faz alguns séculos desde então, e as pessoas ainda não voltaram aqui… Isso não pode ser um bom sinal… Pode?

Eu estava falando comigo mesmo de novo. Isto era o que andar por conta própria por tanto tempo faz com você, aparentemente. Para não ficar entediado, também cantava para mim mesmo, mas mesmo com duas músicas de mundos diferentes para cantar, estava ficando sem material. Já tinha me cansado da paisagem por aqui também, mas olhei em volta novamente só por causa disso.

À direita e a uma distância razoável da estrada principal, havia um rio bastante impressionante que devia ter algumas centenas de metros de largura. A área perto dele era uma extensão de arbustos esparsos. Eu poderia imaginar que, quando o clima esquentasse, esses arbustos ficariam mais altos, dificultando muito a visão. A razão pela qual não havia grandes árvores ao longo do rio era, provavelmente, que elas continuavam sendo inundadas sempre que o rio subia, de modo que não podiam crescer ininterruptamente.

Olhando para além do rio, havia outra extensão de floresta. Árvores cobriam toda a área. Era o mesmo à minha esquerda: quase tudo era árvores. Era uma floresta completamente virgem, escura e silenciosa, e permeada por uma atmosfera que parecia… Eu não sei, proibida, como se exigisse meu respeito. Se eu vagasse descuidadamente para dentro dela, eu estaria constantemente tropeçando e seria forçado a desacelerar, e se perdesse meu senso de direção, literalmente não haveria como voltar. Então, estava evitando isso por enquanto, só entrando quando precisava procurar por lenha para o acampamento, e mesmo assim, apenas até onde eu precisava. Tive a sorte de ter esta estrada ao lado de uma fonte de água; não havia razão para tornar as coisas difíceis para mim. Eu só precisava seguir o caminho.

Andei mais um pouco e o sol começou a se pôr. A estrada estava me levando até uma colina, e eu não sabia como era a situação. Andei em silêncio.

Quando finalmente a paisagem apareceu, minha respiração parou.

— Uau…

As ruínas de uma vasta cidade de pedra foram iluminadas pelo brilho do sol poente. Ruas de incontáveis casas se espalhavam de maneira circular pelas duas margens do grande rio. A julgar pela forma como ainda havia vestígios de suportes, uma grande ponte parecia ter ligado os dois lados da cidade. Eu podia ver instalações como um porto fluvial e armazéns. Este provavelmente seria um lugar bastante próspero onde os comerciantes se reuniam com seus bens.

Mas agora, tudo isso foi terrivelmente destruído e reduzido a ruínas.

O muro que rodeava a cidade estava lamentavelmente quebrado em vários lugares, e o escurecimento ainda visível nas casas sugeria que elas foram queimadas, provavelmente atingidas por flechas em chamas. Eu também podia ver crateras profundas em forma de tigela em vários lugares. Deve ter sido um feitiço muito grande que eles usaram para causar isso. E finalmente, a água do rio tinha inundado as estruturas destruídas e a cidade estava parcialmente submersa.

Prosperidade e ruína. A grandeza da realização humana e a falta de coração do conflito. O fluxo do tempo e a impermanência de todas as coisas. Essa visão tornou tudo mais real.

Eu fiquei na colina por um tempo e depois, seguindo a estrada à minha frente com meus olhos…

— Aghhh…

A jusante, o grande rio tinha bifurcado em vários ramos, talvez a destruição da cidade ou um açude houvesse mudado o fluxo, e um desses galhos engoliu completamente a estrada que eu deveria seguir.

Eu coloquei minha mão na testa e suspirei profundamente.

— O terreno mudou…

Bem, é claro que um rio ainda não será o mesmo depois de duzentos anos. Sim. Não tinha nada que eu pudesse fazer sobre isso.

… E agora?

Passei aquela noite na cidade arruinada, fazendo oração da Tocha Divina para que as almas vagando aqui pudessem ir. As almas perdidas seguiram sua chama como vaga-lumes e voltaram para o céu noturno. Juntamente com as sombras da cidade destruída oscilando à luz da fogueira, eles produziram uma cena muito fantástica.

Levantei cedo na manhã seguinte e orei ao deus da chama. Eu peguei um pouco de água e usei uma Palavra para purificá-la antes de beber. Então usei a bênção para criar pão sagrado e comi com um pouco da minha carne seca.

Eu fiquei intrigado sobre o que fazer a respeito da estrada por um tempo, mas na verdade não havia nenhuma escolha real a ser feita. Não tinha nada para me ajudar a atravessar o rio, então decidi seguir seu ramo mais externo a jusante.

O chão começou a ficar sujo de lama; provavelmente tinha algo a ver com o rio se dividindo em muitos pequenos ramos. A floresta ao meu redor estava ficando cada vez mais opressiva.

Seria um erro se aventurar muito mais longe do rio do que onde eu ainda podia ouvir fluindo. Decidi que, se tivesse o azar de me perder na floresta, renunciaria a qualquer outro plano e me concentraria apenas em encontrar o rio e seguir rio acima. Eu seria capaz de voltar ao templo dessa maneira no pior dos casos.

Quantos dias se passou desde que saí do templo? O fato de eu não ter falado com ninguém por dias estava me deixando muito solitário e vazio. Orei enquanto caminhava, oferecendo essa solidão, esse vazio, em dedicação ao meu deus.

Tudo estava quieto.

Eu já estava começando a ficar sem carne seca e outra comida preservada que trouxe comigo. Escusado será dizer que havia um limite para a quantidade de comida que eu poderia carregar. Se esta fosse uma jornada comum, tenho certeza de que teria acabado de reabastecer meus estoques conforme necessário, comprando comida de uma loja ou de uma casa, conforme as circunstâncias exigissem. Mas o primeiro objetivo desta jornada era encontrar uma moradia como essa, portanto, o reabastecimento no caminho claramente não seria possível. Estava começando a experimentar em primeira mão porque montanhistas que subiam montanhas inexploradas eram tão insistentes em sua comida ser leve e rica em calorias.

Meio-dia havia passado algum tempo atrás. Parecia que seria outro dia sem descobrir sinais de pessoas. Se eu não tivesse aprendido a produzir pão sagrado com bênçãos como Maria, o próprio ato de deixar o templo e buscar a habitação humana poderia ser fisicamente impossível, devido ao raio de quão longe eu podia viajar. Senti outra onda de apreciação pelo deus da chama e uma obrigação de expressá-la. Por um tempo, mergulhei em oração.

De repente, ouvi alguma coisa. Um farfalhar alto. Algo correndo pelas moitas da floresta a uma velocidade furiosa.

Agora eu estava totalmente alerta. Joguei fora o revestimento de couro da Lua Pálida e mantive a lança pronta. Eu estava começando a me perguntar se era outro ataque de demônio quando um grande javali me atacou.

Não só era um pouco maior que um javali comum, algo parecia ter deixado ele muito agitado. Seus olhos estavam vermelhos e espumava pela boca. Suas presas afiadas e curvas vieram até as minhas coxas.

Enquanto meu cérebro estava inutilmente me lembrando que ser esfaqueado na artéria femoral não era motivo de riso, meus músculos, treinados por Sanguinário, estavam se movendo por conta própria. Evitei o ataque do javali e enfiei minha lança perto de onde suas pernas dianteiras encontravam seu corpo e onde ficavam seus órgãos mais vitais: seu coração e pulmões. Senti a lâmina perfurar sua pele e, assim que percebi que a lâmina havia penetrado fundo o suficiente, puxei-a de volta para evitar que ela fosse arrancada de minhas mãos. O ímpeto do javali o levou para frente e caiu de cabeça em uma árvore. Cambaleou por um tempo, depois vomitou sangue, desmoronou e parou de respirar.

Parecia que eu tinha conseguido uma boa estocada em seus principais órgãos. Mas eu sabia não subestimar a resistência dos animais selvagens. Você poderia se aproximar deles pensando que eles estavam mortos, só para de repente entrarem em um frenesi. Era possível acabar gravemente ferido dessa maneira.

Eu assisti por um momento, e quando comecei a considerar o uso de Lua Pálida para esfaquear uma última vez à distância para ter certeza que estava definitivamente morto, notei algo. Presa na lateral do javali em frente ao local onde esfaqueei, havia uma flecha de penas brancas.

— O quê?

Antes que meus pensamentos pudessem chegar ao significado disso, ouvi o som de arbustos farfalhando novamente atrás de mim. Eu me mexi. Entre as árvores, sombreadas por galhos, havia a figura de uma pessoa.

Erudhir
"Se olhar ao redor e não souber quem é o alvo, então o alvo é você."

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!