OPV – Volume 1 – Capítulo Quatro (Parte 12 de 12)

— Maria…

— Sim, eu sei.

Eles se entreolharam e assentiram. Então, ambos fecharam as mãos em punhos e me bateram na minha cabeça. Não doeu. Foi apenas uma batida suave.

— Não. Agora pare de agir como um bebê.

— Sanguinário está certo. Seja razoável.

Depois que eles me disseram com tanta gentileza, eu não pude conter minha tristeza insuportável mais. Chorei, lágrimas fluindo como rios pelas minhas bochechas. Meu rosto se encolheu e mal pude ver através das lágrimas. Eu soluçava, de novo e de novo.

Quando foi a última vez que chorei assim? Os sentimentos que eu estava cheio não saíam mais como palavras.

— Hahah, eu acho que essa é a primeira coisa paternal que fiz em eras.

— Will não precisava de muita atenção, não é?

Eles riram juntos.

— Vamos lá, Will. — Sanguinário virou para mim. — Nós faríamos qualquer coisa por você, você sabe disso. Mas vamos lá. Há algumas coisas que você simplesmente não faz. Como você vai continuar sem nós? Vou te dizer como: você vai encontrar um caminho. Nós humanos às vezes perdemos coisas que achamos que não podemos viver sem. Mas o que você descobrirá é que não morremos tão facilmente, contanto que continuemos comendo e dormindo. E também encontramos coisas novas que são importantes para nós.

Sanguinário me puxou para perto dele e, pela primeira vez desde que eu era bebê, ele me abraçou. Como esperado, foi um abraço sem um toque de calor, nada além de ossos duros e buracos que deixavam o ar frio passar. Ele bagunçou meu cabelo da mesma maneira que fazia desde que eu era criança. Essa sensação absolutamente desconfortável me tirou lágrimas novamente.

— Quando você chegar lá, faça um monte de bons amigos, pegue algumas garotas bonitas e se divirta.

— Sanguinário, — Maria disse em voz arrastada e amedrontadora, — você não deve encorajá-lo a ser infiel. Will, seja sempre fiel no amor e no casamento! Bom, gracioso, esse homem… — Maria franziu o cenho para ele.

— Oh, e Will, — ela continuou, — você fez um juramento forte ao deus da chama e conseguiu executar o deicídio. Estes são os atos de um herói lendário. Você tem um destino turbulento à sua frente. — Maria estava sentada perfeitamente na posição vertical enquanto falava. Suas palavras eram solenes, como uma sacerdotisa entregando uma mensagem dos deuses. — Haverá momentos em que você sofrerá uma perda. Haverá momentos em que você será culpado injustamente. Você pode ser traído por aqueles que ajuda, o bem que faz pode ser esquecido, e você pode perder o que construiu e ficar sem nada além de inimigos.

Sua atmosfera séria rapidamente se suavizou. Ela acenou para mim e me segurou firme.

— Ame as pessoas de qualquer maneira. Faça o bem de qualquer maneira. Não tenha medo da perda. Crie, não destrua. Onde há pecado, conceda perdão; onde há desespero, esperança; onde há tristeza, alegria. E proteja os fracos de todos os tipos de violência. Assim como você desafiou esse deus imortal por nossa causa.

Ela provavelmente entendeu que esse seria nosso último abraço.

— Will, William, meu filho. Meu querido filho, querido filho de Sanguinário. — Eu podia sentir seus braços tremendo enquanto ela me segurava. Os meus também estavam. — Que a proteção dos bons deuses e dos espíritos de coragem esteja sempre com você.

O rosto de Maria de repente pareceu borrado e dobrou para mim. Não foi por causa das lágrimas. Provavelmente era o corpo espectral dela, separando-se do físico. Eu agora via a forma esbelta de uma mulher parada ali, com cabelo loiro luxuriante e olhos verde-esmeralda abatidos. Ela tinha a aparência de uma mãe graciosa e gentil.

— Escute, — Sanguinário disse. — Sempre siga em frente e tenha confiança no resultado. Tudo que um homem precisa é determinação, e ele pode fazer qualquer coisa. Você tem o hábito de mergulhar em pensamentos profundos. Não deixe que você pare de se mexer.

A forma de Sanguinário começou a parecer turva, como visão dupla também. Eu agora via cabelos ruivos como um leão. Olhos afiados, condizentes com um guerreiro. Um corpo musculoso bem esculpido. Ele tinha a aparência de um pai selvagem e alegre.

Gravei suas aparências e as palavras que eles me deram em meu coração. Eu tinha certeza de que nunca os esqueceria. Eles brilhariam em minha vida como a chama de Gracefeel.

Ficamos assim em silêncio por um tempo.

Alguém atrás de nós limpou a garganta. Eu me virei para ver Gus. Quatro copos e uma cara garrafa de licor que ele trouxe de algum lugar estavam levitando na frente dele. A visão dele flutuando por conta própria, parecendo completamente fora de lugar, era de alguma forma hilário. Todos nós rachamos de rir.

Depois disso, todos nós bebemos juntos. O primeiro licor que bebi como parte de um grupo tinha uma fragrância suave e força suficiente para queimar minha garganta. Eu nunca esquecerei isso.

Naquela noite, guiados pela tocha divina que era o lampião de Gracefeel, meus pais retornaram ao samsara.

Erudhir
"Se olhar ao redor e não souber quem é o alvo, então o alvo é você."

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!