PA – Capítulo 120

Uma Entrada Deslumbrante

 

 

— Snif… Snif…

O choro baixinho de uma mulher podia ser ouvido de um beco ao dobrar uma esquina. Embora parecesse que ela estivesse tentando se controlar, a noite estava silenciosa, então era fácil ouvir o choro. Os sons ecoavam cada vez mais longe, até que não eram nada mais do que um murmúrio que desaparecia na escuridão.

Um pouco mais ao longe, sob o brilho alaranjado dos postes na rua, duas sombras silenciosas apareceram.

— Irmão Gong, ela deve estar logo à frente, — um homem magro olhou para o cartão em suas mãos e sussurrou suavemente para outro homem escondido sob um manto longo.

— Não me diga que é a chorona?

Embora essa fosse uma pergunta retórica, o homem parecia muito confiante. Acelerou o ritmo e caminhou para o beco. Alguém havia coberto o único poste de luz no beco com um casaco, e a luz mal passava pelo tecido. No beco mal iluminado, uma mulher estava sentada no chão, soluçando espasmodicamente com suas costas apoiadas em uma máquina de vendas. Quando o cara de capuz apareceu, ela ficou chocada. Levantou-se, tentando correr, mas parou, como se lembrasse de algo. Ela se virou e perguntou com uma voz trêmula:

— Você é o Sr. Toni?

O encapuzado concordou com a cabeça e silenciosamente se aproximou. Olhou para a máquina de venda automática e depois para a mulher. A mulher abaixou a cabeça, envergonhada, cerrando os punhos. Havia muitas bolinhas pequenas e brilhantes no chão, jogadas ao seus pés. Haviam dezenas delas e eram, de fato, chicletes anti-radiação.

Toni cerrou os olhos enquanto olhava para a pequena mulher à sua frente. Ele riu baixinho antes de usar a mão para limpar as manchas açucaradas em seu rosto. Usando uma voz grave, falou de forma gentil:

— Não adianta chorar sobre o leite derramado. Comer todos esses chicletes não vai mudar nada… Olha só que bagunça você causou.

Suas ações repentinas fizeram a mulher congelar, mas ela rapidamente relaxou quando ele removeu a mão calmamente. No momento em que ela baixou a guarda, lágrimas rolaram de seus olhos. Ela cobriu a boca enquanto soluçava.

— Eu… eu realmente não sei o que fazer…

Toni baixou o capuz lentamente, revelando um rosto bonito e atraente. O reflexo avermelhado dos doces no chão realçava seu belo queixo. Seus olhos maquiados estavam excepcionalmente brilhantes e reconfortantes. A mulher olhou para ele e ficou momentaneamente um pouco atordoada. Então, timidamente enxugou as lágrimas no rosto.

Era raro ver um homem tão bonito e atraente no Jardim do Éden. Mais importante, seu olhar era tão caloroso e sincero que ela se sentiu segura só de olhar para essa pessoa. Ele não se parecia nem um pouco com os outros homens daqui. Quando os moradores do Éden olhavam para ela, arrepios se espalhavam pelo seu corpo imediatamente.

Ela quase se esqueceu que o homem que ela estava vendo era alguém de quem a maioria das pessoas teria medo, já que era um contrabandista de itens especiais.

— Qual o seu nome? — Toni perguntou amigavelmente, provavelmente com a intenção de acalmá-la.

— Eu sou Xueqin.

Essa mulher chamada Xueqin tinha vinte e poucos anos. Embora estivesse em um estado lastimável, seu rosto era muito bonito. Ela se recompôs antes de voltar sua atenção para o homem magro, olhando para ele com desconforto.

— Este é meu parceiro, Lei Ming. Você não precisa se preocupar. — Toni sorriu. As linhas de riso ao lado de sua boca eram muito bonitas.

Lei acenou com a cabeça apressadamente como sinal de reconhecimento. Como estava bem longe deles, a luz das balas anti-radiação não conseguia nem alcançá-lo — ele se sentiu bastante aliviado por causa disso, e rapidamente escondeu a mão esquerda que estava coberta de sangue.

— Sr. Gong, eu saí em segredo da casa do meu marido, então não posso ficar aqui muito tempo… — Xueqin não sabia o motivo, mas se sentia um pouco inferior diante de Toni. Ela segurou a gola com força, tentando esconder as contusões no peito, — Ouvi dizer que você tem algo que poderia me ajudar. É verdade?

Toni assentiu.

— Quando você descobriu sua condição? Como isso aconteceu?

Xueqin estremeceu quando ouviu as perguntas. Diante de alguém como Toni, não queria mentir — ela virou a cabeça como se a ação pudesse suprimir as lembranças que inundavam sua mente.

— Uma vez… eu fiquei inconsciente por meio mês. Quando acordei, não conseguia me mover. Então tive que ficar na cama por muito tempo para me recuperar, durante esse período, eu não comi nenhum chiclete… mas depois que minhas feridas sararam, não havia nada de errado com o meu corpo. Eu tinha ficado bem mais saudável, então não pensei muito sobre isso… — O tom dela mudou de repente, — até que percebi…

Toni tinha uma expressão que parecia demonstrar sua pena enquanto rapidamente acariciou suavemente o ombro dela e a confortou.

— Isso não é algo sério. Você não precisa ter medo. — Quando percebeu que ela estava se acalmando, casualmente pegou algo preto. Ele percorreu as têmporas dela com o item.

— Beep. — Um número neon apareceu no dispositivo. Xueqin enxugou as lágrimas enquanto ficava cada vez mais confusa.

Toni suspirou quando viu o número.

— Seu Valor Potencial de Crescimento é 177, você realmente evoluiu, — disse ele, lamentando.

Xueqin soluçou alto quando ouviu o número associado apenas com pós-humanos e rapidamente se forçou a parar. Ser uma mulher no Jardim do Éden já era ruim o suficiente — a única coisa pior do que isso provavelmente era se tornar uma pós-humana.

Toni suspirou novamente quando tirou uma esponja amarela do bolso. A colocou em sua mão e explicou como ela deveria usá-la:

— Lembre-se, contanto que você tenha isso com você, nem suas habilidades nem você continuarão evoluindo. No entanto, quando ficar pesado, você tem que espremer o líquido…

Agarrando o pedaço de [Esponja Estilizada Exclusiva da Lulu], Xueqin acenou com a cabeça agradecendo profusamente. Ela colocou cuidadosamente a esponja no bolso. Percebendo que já estava na rua há bastante tempo, deu uma profunda reverência a Toni antes de sussurrar:

— Adeus. Se eu não voltar agora, meu sogro podem descobrir que eu saí no meio da noite. Obrigada, Sr. Gong.

Mesmo que não tivesse sido nada mais do que uma troca, o comportamento gentil de Toni foi um grande conforto para ela. Até fez com que ela sentisse que poderia continuar em frente, não importando as dificuldades que enfrentaria se apenas pensasse no que aconteceu nessa noite.

Depois que ele a viu enxugando as lágrimas e desaparecendo no beco escuro, Toni pegou um relógio de pulso que todos os moradores do Jardim do Éden possuíam e ativou sua tela. Lei olhou para ele sem expressão.

— Irmão Gong, quando foi que você…

Toni o ignorou e puxou o capuz para esconder seu rosto bonito.

— Você ligou para o Departamento Nacional de Polícia, agora estamos conectando você a… — o som mecânico do relógio de pulso reverberou pelas paredes do beco.

Huh? — Lei estava tão chocado que não conseguia nem sentir a consistência pegajosa de sangue em sua mão.

— Olá morador 49384, como posso ajudá-lo? — Um homem de meia-idade com um rosto despreocupado apareceu na tela projetada.

— Hum, eu gostaria de fazer uma denúncia. — A voz de Toni havia mudado e perdido seu timbre gentil e agradável de antes. — Eu acho que a mulher que está na mesma rua que nós é uma mutante. Talvez ela tenha se infiltrado na cidade há muito tempo…

O homem de meia-idade de repente ficou interessado, e seu rosto parecia maior na tela.

— Por favor, me forneça o nome dela e mais informações!

— O nome dela é Xueqin, 21 anos. Ela está vestindo uma jaqueta preta. Eu a vi comendo um punhado de chicletes anti-radiação na rua Sadema e andando para o oeste…

— Certo, ela está indo para o oeste, né? Quanto tempo passou desde a última vez que você a viu? Certo, entendido. Morador 49384, você foi de grande ajuda para a nossa segurança nacional. Obrigado por sua contribuição para o Jardim do Éden. Mandaremos homens para pegá-la agora!

Lei ficou aturdido. Ele não conseguiu reagir mesmo depois que Toni desligou a tela, esmagou o relógio de pulso e o jogou em um vaso próximo.

— Mas… por quê?

Um sorriso apareceu nos belos lábios de Toni enquanto olhava para Lei com seus olhos cristalinos.

— Mesmo que seja um desperdício, eu preciso que ela seja capturada.

Antes de Lei pudesse perguntar o motivo, novamente, Toni já tinha começado a andar, explicando:

— Eu não sei como eles lidam com essas coisas normalmente, mas se encontrarem uma mutante durante este período com o Torneio de Ano Novo Lunar, logicamente falando, eles iriam apresentá-la ao Comitê de Torneio… Eu não sei onde o Comitê é localizado, então eu preciso de alguém para mostrar o caminho.

— Mas… Mas ela pode morrer!

Lei sentiu que devia estar assustado demais para pensar normalmente, pois se encontrava inconscientemente seguindo atrás de Toni, embora não aprovasse a ação daquele homem.

— Quem pode evitar a morte? — A voz gentil de Toni era como uma brisa primaveril, — Considerando seu estilo de vida atual, a morte pode ser uma benção.

Lei parou de falar, mas bufou enquanto andava expressando suas emoções complicadas. Os dois homens eram pós-humanos com altos níveis de Aprimoramento Físico, então se moviam muito rapidamente.

Chegaram à entrada do Departamento Nacional de Polícia em pouco tempo. Eles se esconderam e esperaram por alguns minutos. Toni ouviu atentamente e de repente sorriu com prazer.

— Dê-me o olho.

Lei entregou o olho que estava segurando.

Depois que duas equipes de soldados totalmente armados entraram e saíram do prédio algumas vezes. A equipe do Departamento Nacional de Polícia finalmente carregou uma mulher inconsciente para fora e a enviou para outro lugar. Seu corpo estava pendurado sobre um dos ombros do soldado enquanto o vento despenteava seu cabelo. Sua pele estava coberta de hematomas roxos e ela quase não era reconhecível.

Lei não conseguiu evitar fechar os olhos ao vê-la, mas Toni parecia totalmente indiferente quando deu um toque em Lei e seguiu os homens. O fato de poderem contrabandear itens do Jardim do Éden era prova suficiente de que esses homens eram bem capazes — eles seguiram os soldados sem que ninguém os detectasse e se viram diante da arena.

— Oh, então o comitê trabalha lá em cima? — Toni murmurou para si mesmo, notando que a luz de um pequeno prédio ao lado da arena do torneio estava acesa. Depois que os soldados foram embora, ele levou Lei para a entrada lateral da arena. Depois de colocar o olho na frente de um sensor biométrico, uma luz verde percorreu o olho e uma projeção em 3D da cabeça de um homem apareceu e os cumprimentou.

— Bem-vindo. Tenha um ótimo dia no trabalho… — A porta se abriu sem fazer barulho.

Toni entrou na sala diante dele com uma expressão tranquila. Só então, o grito de uma mulher atravessou a escuridão silenciosa dentro da arena.

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!