PA – Capítulo 132

A Paisagem Aqui Está Errada

 

 

— Como é que minha dedução poderia estar tão errada? — Sanji ficou perplexa quando viu seus arredores. Ela congelou no local por um longo tempo. Tinha certeza de que levaria apenas dez minutos para percorrer a circunferência da torre. Se a porta já era tão espessa, era impossível que o espaço interior fosse tão grande…

No entanto, Sanji estava espantada diante da paisagem.

Uma brisa suave passou por seus ouvidos como um duende dançando, brincando com seus cabelos. Ela podia sentir que estava em solo macio e arável, mesmo com as botas. Havia uma atmosfera de primavera ao redor dela. A grama luxuriante cobria as colinas ondulantes em frente, enquanto flores silvestres pontilhavam o cenário como estrelas cintilantes no céu noturno. Uma floresta verdejante atravessava as colinas, desaparecendo no horizonte.

Sanji mal deu dois passos para a frente antes de pular e rolar pelos campos floridos, incapaz de resistir ao desejo. Ela se sentia como se fosse um cordeirinho recém-nascido e como se sempre tivesse pertencido a esta terra e aquele dia na primavera. Ela podia sentir a grama fresca pinicando sua pele enquanto deitava sobre várias margaridas brancas. Ela abriu os olhos e olhou para o céu acima dela. De repente, seu corpo ficou gelado.

Ela viu um céu azul com nuvens brancas fofas. Era um belo dia ensolarado. Sanji estreitou os olhos enquanto olhava para o sol bem acima dela. Sua mente ficou completamente vazia, porque se lembrava que era perto do meio da noite quando entrou na torre negra.

De onde veio o sol?

O forte aroma de grama no ar e a sensação da brisa fresca soprando em seu rosto deixaram claro que isso não era uma ilusão. Sanji se sentou rapidamente e tentou se lembrar de cada detalhe antes de abrir os olhos.

Antes de ver a luz brilhante, não sentiu qualquer brisa ou cheiro de nada. O lugar era simplesmente escuro como breu. Sanji se levantou e examinou a beleza ao seu redor enquanto murmurava.

— Isso é… um Glitch?

Ela sabia que não estava errada. Essa era a mesma experiência que teve nos dois Glitches anteriores — era como se tivesse entrado em uma dimensão diferente.

Se é um Glitch, por que está na torre? Será que Glitches podem ser criadas por pessoas?

Ela franziu a testa e ativou [Um brilho no céu], encostando numa pequena flor amarela com um dedo. Quando a habilidade evoluiu, Sanji descobriu que poderia ativar as duas versões diferentes: a primeira versão era a original e a segunda versão era a mais sinistra [Censura Mosaico]. Não dava para negar que era uma habilidade conveniente. Assim que encostou na flor, ela imediatamente saiu do chão e voou para o céu. Se transformou em um ponto brilhante no céu e houve um som parecido com um “plim”.

Sanji se endireitou e estava tão chocada que não conseguiu mostrar uma única expressão em seu rosto. Se houvesse um teto acima dela, não seria capaz de usar essa habilidade. Logicamente falando, se ainda estivesse na torre negra, não conseguiria mandar a flor pelos ares.

Isso significava que o Glitch não existia na mesma dimensão original, mas sim era um portal para outra dimensão, em um plano diferente. Da mesma forma que a existência de um número infinito de novos mundos, isso também era um mistério.

Depois que chegou a essa conclusão, sentiu um arrepio se espalhar pelo seu corpo. Ela se virou e correu na direção de onde tinha vindo. No entanto, assim como esperava, não encontrou nenhum tipo de saída mesmo depois de correr por quase dez minutos. Só viu colinas, florestas e um lago…

— É por isso que as pessoas desaparecem! — Sanji massageou o rosto ansiosamente. Sua felicidade anterior havia desaparecido e ela desejava poder voltar 30 minutos no tempo e dar uns tapas nela mesma.

Não foi fácil se acalmar. Depois de pensar nisso, fez uma conjectura sobre a situação. No passado, alguém devia ter descoberto esse Glitch. Dessa forma, a torre foi construída ao redor para contê-lo. Isso também explica o formato estranho da torre. Depois de entrar pela porta, provavelmente ela estava na passagem entre as duas dimensões durante os poucos segundos de escuridão.

Não era de admirar que não houvesse guardas porque ninguém tinha ideia que havia um Glitch aqui…

— Mas, se os moradores do Jardim do Éden construíram esta torre, por que eles não sabem sobre o Glitch? — Sanji franziu as sobrancelhas e seguiu a trilha na floresta. Ela tentou se lembrar as palavras de Xueqin. — Ela falou que, muitos anos atrás, algumas pessoas também caíram nessa armadilha…

Não fazia sentido que a construção da torre tivesse sido apagada da história, já que o Jardim do Éden só tinha sido estabelecido há 50 ou 60 anos. Como esses registros estavam também presos dentro do vidro, era altamente improvável que desaparecessem.

Com esses pensamentos, Sanji sentiu uma familiar dúvida novamente. Anteriormente, suas dúvidas e perguntas pareciam ser adequadamente respondidas por Xueqin. Agora, porém, tudo parecia errado de novo.

Independentemente disso, sua principal prioridade naquele momento era encontrar a saída. Sanji caminhou por algum tempo e de repente parou. Ela ouviu uma música suave por perto. Alguém estava cantarolando uma música estranha e rapidamente se aproximava dela. Sanji não podia ver quem era ou de onde estava vindo, já que a floresta era muito densa, mas poderia dizer que era uma mulher.

Parecia alegre e despreocupada.

Sanji se sentiu um pouco tensa e rapidamente ativou sua [Censura Mosaico]. Prendeu a respiração e ouviu os passos que gradualmente se aproximavam. A voz indistinta também estava ficando mais clara. A voz alegre parecia sugerir que a dona era bem jovem. A certa distância, havia um pequeno caminho estreito que poderia facilmente passar despercebido. Levava para onde Sanji estava e agora ela podia ver uma pessoa.

Por um minuto inteiro, Sanji realmente duvidou do que via.

Isso está errado, não é?

Porém, não conseguia pensar em outra explicação neste momento. Apenas uma possibilidade surgiu em sua mente. Sanji saiu de trás de uma árvore. Quando saiu, não pôde deixar de se sentir um pouco atordoada — sentiu que deveria ter ficado louca depois de entrar nesse Glitch.

A menina no caminho ficou definitivamente assustada quando viu uma pessoa saindo de trás de uma árvore. Tão assustada que quase derrubou a cesta. A garrafa de vinho em sua cesta caiu, mas Sanji avançou e a segurou antes que caísse no chão.

Sanji rapidamente entregou a garrafa de vinho para a menina, que segurou a garrafa com firmeza e colocou-a cuidadosamente em sua cesta com um pouco de medo no rosto.

— Obrigada. Você também está usando o atalho pela floresta? — A garotinha perguntou, havia um sorriso em seu rosto claro e sardento.

— Hmm, si-sim. — Sanji respondeu gaguejando. Viu que a menina havia colocado a garrafa de vinho em sua cesta, que também continha um bolo. A capa de veludo vermelho da menina era extremamente chamativa.

— Sua capa é linda, realmente combina com você… — Sanji disse, testando a reação da garota.

A garotinha sorriu.

— Sim, eu realmente gosto dela, então todo mundo me chama de Chapeuzinho Vermelho.

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.

3 Comentários

  1. Quem tem medo do lobo mau? Do lobo mau, do lobo mau? Acho que ela é o caçador e precisa matar o lobo antes que ele devore a vovozinha e a chapeuzinho!
    (Sim a música é dos três porquinhos, fds)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!