PA – Capítulo 137

Sorvete Napolitano (3)

 

 

Se a pessoa que capturou a Cinderela não é o príncipe, quem é ele?

Essa era a pergunta na cabeça de Sanji quando deu um passo para trás e bateu na mesa de jantar de Emma.

Demorou alguns milésimos de segundo antes de processar o som da chuva e dos cachorros latindo. Rapidamente olhou ao redor, percebendo onde estava. A cabana estava mal iluminada, mas Sanji podia ver Chapeuzinho Vermelho escondida atrás de Emma. A menina assustada, agarrava as roupas de sua avó com as duas mãos enquanto olhava para Sanji.

O interior da cabana era iluminado por uma luz forte toda vez que um raio relampejava pelo céu, ao mesmo tempo, a faca na mão de Emma foi revelada.

Mesmo sabendo que era inútil, Sanji se defendeu.

— Eu não sou um lobisomem…

No entanto, Emma nem sequer olhou para ela. Em vez disso, segurou a faca firmemente com as mãos trêmulas e gritou para os homens do lado de fora:

— Aqui! Ela deve ser o lobisomem. Por favor, pense em uma maneira de nos salvar!

Sanji suspirou. Nem sabia como era a aparência de um lobisomem, e não tinha como julgar quem estava mentindo. Não era tão difícil para ela incapacitar ou matar a todos, ironicamente, essa era a razão pela qual Sanji não se atreveu a agir precipitadamente. Além disso, não sabia quais seriam as consequências no glitch se os personagens da história morressem…

Mesmo com o barulho da chuva, Sanji entendeu pelos gritos dos caçadores do lado de fora que o plano deles era invadir a casa. Se entrassem, a situação se tornaria ainda mais complicada. Sanji caminhou para o lado da porta e mostrou um sorriso amargo para a cautelosa Emma e Chapeuzinho Vermelho.

— Eu não sou um lobisomem e não sei quem é o verdadeiro. Mas eu não vou estar longe. Se vocês estiverem em perigo, é só pedir ajuda. — Sanji não sabia a quem exatamente deveria direcionar essas palavras, mas abriu a porta logo depois de dizer aquilo. Um dos caçadores que estava encostado na porta caiu dentro chalé quando a porta abriu. Antes que os homens pudessem pegar suas armas, ela jogou o caçador de lado e correu para fora como um leopardo. Derrubando os homens e cachorros vindo em sua direção e desaparecendo na chuva em poucos segundos.

O caçador que se levantou do chão queria continuar a persegui-la, mas quais as chances disso?

Os homens correram atrás de Sanji, se recusando a desistir. No entanto, não conseguiam enxergar direito em uma floresta à noite, muito menos na forte chuva. Não tiveram escolha a não ser retornar ao chalé de Emma depois de perseguir por uma curta distância.

Quando Emma viu os caçadores, deixou a faca cair. O barulho de metal batendo no chão soou enquanto Emma abraçava a Chapeuzinho Vermelho com força. Com mais pessoas ao redor, Emma e Chapeuzinho Vermelho ficaram menos assustadas. Depois que se acalmou, Emma acendeu as velas e rapidamente serviu água aos homens. Trouxe toalhas para se secarem e agradeceu profusamente. Neste ponto, porém, os cães ainda latiam.

— Eu acho que eles não vão se acalmar tão cedo, — Ive murmurou e então saiu para acalmar os cães de caça. Enquanto os cachorros ainda latiam de vez em quando, o grupo de pessoas já havia concordado com a discussão deles que a mulher na roupa estranha era o lobisomem.

Chapeuzinho Vermelho mordeu os lábios enquanto observava cada uma das pessoas ao seu redor com cuidado. Percebendo que era realmente tarde, Link levantou-se primeiro.

— Vamos embora agora. Por favor, tenha cuidado.

— Sim, — Emma desviou os olhos e acompanhou os homens até o lado de fora. — Eu sou muito grata por sua ajuda hoje.

O cachorro de Ive ainda estava inquieto, mas parou de latir depois de um puxão na coleira. Os caçadores saíram com seus cães e logo suas figuras desapareceram na chuva como se fossem algumas pinceladas de aquarela em uma pintura.

Emma observou enquanto eles se distanciaram e fechou a porta. Quando se virou, viu os brilhantes olhos negros de Chapeuzinho Vermelho olhando para ela. Em um instante, sentiu o cabelo arrepiar.

— Vovózinha, — Chapeuzinho Vermelho chamou-a suavemente. Na cabana, que retornara ao silêncio e à escuridão, Emma não conseguia ver a expressão da neta.

—O que… o que foi, querida? — Emma não sabia por que sua voz tremia. Sob a escuridão, Chapeuzinho Vermelho deu um passo em direção a avó. Emma inconscientemente recuou para a janela.

— Eu quero te perguntar uma coisa, — a voz de Chapeuzinho Vermelho soou um pouco estranha.

Emma lançou um rápido olhar para a faca no chão enquanto se lembrava de como os cachorros ainda latiam.

— Querida, venha aqui para falar comigo. Vovó quer ver seu rosto. — Emma reuniu coragem e sorriu para a garota.

Inesperadamente, Chapeuzinho Vermelho concordou obedientemente e caminhou em direção à janela. A luz dos relâmpagos revelou o rosto normal de Chapeuzinho Vermelho. Embora estivesse um pouco pálido, definitivamente não era o rosto de um lobisomem. Emma suspirou aliviada enquanto silenciosamente se culpava por suspeitar de sua neta.

Antes que pudesse se acalmar, Chapeuzinho Vermelho fez uma pergunta que congelou seu cérebro:

— Vovó, quantos caçadores vieram nos ajudar agora?

Emma pensou sobre isso, e sentiu que seu frio devia ter obscurecido seu julgamento.

— Havia três, três homens! — Quando disse isso, de repente percebeu que havia algo errado. Não era um grande número, mas não sabia por que estava hesitando.

— Link, Ive e Richard… certo? — Chapeuzinho Vermelho continuou.

— Sim, sim… — Emma não conseguia lembrar de mais ninguém. — Qual é o problema?

— Mas quatro pessoas saíram da nossa casa. — Chapeuzinho Vermelho pressionou o dedo branco contra a janela fria.

— Huh… quem é esse?

A mesma pergunta que surgiu na mente de Emma foi cuspida por Link alguns momentos depois.

Como todos queriam voltar para suas casas rapidamente para tirar as roupas molhadas, os caçadores audaciosos e experientes decidiram caminhar pela floresta, da mesma maneira que Sanji. O atalho que tomaram era apenas uma pequena trilha estreita que naturalmente se formou ao longo dos anos. A floresta densa e a chuva dificultavam muito a visão, e eles caminharam por algum tempo em silêncio. A fraca visibilidade também foi a razão pela qual os caçadores não conseguiram identificar imediatamente o que estava errado. Link se virou para olhar para trás casualmente e de repente percebeu que algo estava errado.

Eu não era tão alto assim…

Mas havia apenas três deles na floresta, incluindo aquela figura alta. Sendo um caçador com 20 anos de experiência, Link rapidamente puxou Richard para o seu lado e puxou sua espada agilmente.

— Quem é você? Onde está o Ive?

Essa pessoa é o lobisomem?

A pessoa alta parou e respondeu:

— Huh? Eu sou Richard. Ive não é esse ao seu lado?

Isso mesmo, Richard também era alto.

Antes de se sentir aliviado, a mão coberta de calos e áspera de Link sentiu uma sensação espinhosa como picadas de agulhas.

Depois disso, sua memória ficou turva…

A única coisa que conseguia se lembrar era de brandir sua espada com todas as suas forças, assustado. Então, ouviu a voz assustada de Richard, o barulho da chuva torrencial, o choque entre duas figuras altas e sentiu a dor intensa quando algo perfurou seu estômago…

Link perdeu a consciência por algum tempo até que a chuva fria e forte o acordou novamente. Até então, só tinha uma vaga lembrança do que acabara de acontecer. Viu o cadáver de Richard por perto. Apesar da chuva forte, ainda havia um forte cheiro de sangue no ar. O cadáver estava intacto e não parecia que o lobisomem se alimentou dele.

Mas se o objetivo do lobisomem não é nos comer, por que nos atacou?

Link não tinha energia para pensar em uma razão. Com o instinto primitivo de seu corpo para sobreviver, se arrastou lentamente em direção ao caminho do lado de fora da floresta. Era uma rota principal para a cidade para que as pessoas viessem de vez em quando. Se pudesse alcançá-lo, sua chance de sobreviver melhoraria. Enquanto se arrastava no chão, as folhas caídas no chão da floresta, as pedras e a lama contaminaram sua ferida e cavaram sua carne. Apenas quando Link estava prestes a desmaiar, um grito repentino de uma criança perfurou a noite chuvosa.

Sanji estava no topo de uma árvore do outro lado da floresta quando ouviu o grito. Seu corpo ficou tenso. Era a voz do Chapeuzinho Vermelho. Sanji deslizou pela árvore e correu em direção ao chalé de Emma.

Como não se atreveu a prejudicar qualquer um dos personagens e não se atreveu a chegar muito perto, ela ficou agachada em uma árvore. Estava ouvindo atentamente por qualquer movimento para a cabana, mas desde que os homens e cachorros barulhentos foram embora, o lugar estava em silêncio. Tudo o que podia ouvir era o som da chuva.

A distância de onde estava até a cabana não era nada para Sanji. Ela viu a cabana em questão de dez segundos. O lugar estava totalmente escuro e a porta estava escancarada. Chapeuzinho Vermelho gritou novamente.

— Vovó!

Droga. O lobisomem deve estar escondido dentro da cabana.

Sanji amaldiçoou interiormente. Estava chegando ao chalé quando sua visão ficou turva. Os pingos de chuva que atacaram sua pele durante todo esse tempo pararam de repente.

Lila ficou um pouco surpresa ao ver Sanji. A mesma ainda estava correndo e estava prestes a bater na mesa de jantar. Ela rapidamente torceu o corpo e se conteve. Foi só então que percebeu que suas roupas estavam mais uma vez secas e confortáveis. Lila ainda segurava uma taça na mão cheia de líquido transparente. A julgar pelo seu rosto avermelhado, definitivamente era vinho.

— O que você está fazendo? Você é tão esquisita. — Lila beliscou Sanji brincando. — Você já está aqui há alguns dias, mas eu ainda não te entendo… Ei, você ouviu mesmo o que eu disse agora?

Sanji acalmou seu coração acelerado e olhou para a generosa refeição sobre a mesa.

— Eu não ouvi direito. O que você estava falando? — perguntou um pouco rudemente.

Estranhamente, Lila não estava brava com Sanji e sempre era amigável com ela.

— Oh meu Deus! Eu te disse que meu marido me deu todas as chaves dos quartos neste castelo, mas ele não me permite abrir a porta no final do corredor do segundo andar. O que você acha que tem naquele quarto?

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.

1 Comentário

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!