PA – Capítulo 140

O “Felizes para sempre” de Cinderela

 

 

Falando francamente, apesar da bizarrice deste Glitch, essa era a primeira vez que Sanji testemunhou “mágica”.

O grito estridente de Lila ainda estava em sua mente. Essa já era a segunda personagem principal em perigo. Sanji tentou se recompor. Mesmo que não tivesse ideia se funcionaria, ficou imóvel na sombra e fez o possível para diminuir a respiração e o batimento cardíaco, esperando que ninguém a visse.

O guarda do lado de fora do quarto da Cinderela estava desmaiado deitado no chão. Pela rachadura na porta, Sanji viu que havia uma figura flutuante e brilhante entre ela e Cinderela.

A pessoa usava um manto cinza e tinha uma corcunda alta como uma carapaça de tartaruga. As mechas de cabelo cinzento, encaracolado e bagunçado pendiam de seus ombros para suas costas. A pele enrugada sob o manto não estava em melhor estado do que o cabelo da pessoa. As asas transparentes da fada pareciam duas asas deformadas de uma mosca. Mesmo se a pessoa tivesse todas as características de uma fada, Sanji não acreditava que essa pessoa fosse a “fada madrinha” da história.

Como sua visão estava bloqueada por essa figura, não conseguia ver a expressão de Cinderela. A imagem de Lila desapareceu da mente de Sanji como uma pessoa se afogando e, finalmente, Sanji se acalmou. Virou as orelhas em direção à porta para ouvir as palavras de Cinderela.

— Eu… eu sei. Mas a pessoa que me capturou e me trouxe para este palácio não é o príncipe…

— Querida, não se preocupe desnecessariamente, — falou a figura flutuante. Sanji ficou chocada com a voz. Era a voz de um homem idoso. Mesmo que parecesse velho, havia um tom levemente obsequioso, — Nosso acordo inicial era que você estaria com o príncipe. Já que você já pagou sua parte no acordo, o resultado não mudaria…

Quando ele disse isso, pareceu se lembrar de algo e começou a rir como uma garotinha. O homem idoso levantou uma das mãos e limpou as unhas compridas e grisalhas.

— Claro, seu desejo era deixar seu estilo de vida anterior e ficar com o príncipe. Não se preocupe. Não quebro minhas promessas. Embora possa haver algumas reviravoltas, seu desejo se tornará realidade muito em breve.

— Obrigada. Muito obrigada! — Cinderela finalmente ficou aliviada depois que ouviu uma promessa tão direta do homem e deu um suspiro forte de alívio, como se um pesado fardo tivesse sido retirado de seus ombros. — Os eventos atuais são muito estranhos, então me assustou um pouco. Oh, isso mesmo. Você veio ao palácio procurar por mim?

O velho riu de novo.

— Há um jovem patético que quer uma quantidade incrível de riqueza. Estou aqui para fazer um acordo com ele.

— Ele é uma pessoa deste palácio?

Quando ouviu o quão cautelosa Cinderela estava quando falou, Sanji deu um passo para trás. Ela não se importava se fosse vista como uma pessoa que julgava um livro pela capa, mas não conseguia confiar no velho fado padrinho. Se quisesse saber por que o mordomo e aquele estranho sequestraram Cinderela, não poderia simplesmente perguntar a eles por si mesma?

Quase sem som, se afastou rapidamente e com agilidade. Em pouco tempo, Sanji virou em um corredor e ficou a alguma distância da sala. Assim, quando ouviu a idosa fada falando novamente, não ouviu o que ele disse claramente.

— Oh! Não é isso, querida. É por causa da cor da… dele que é estranha, então ele trabalha no circo entretendo as pessoas. Ele é muito mais lamentável do que você…

Sanji parou.

O que dele tem a cor estranha?

Seu coração disparou quando um pensamento vago se formou em sua mente. A voz levemente surpresa de Cinderela pareceu confirmar sua dúvida.

— Hã? Então, há realmente uma pessoa com uma barba natural dessa cor?

Barba Azul! Deve ser ele!

Ela ouviu a Fada murmurando algo como:

— Algumas… esposas… — Sanji de repente teve uma eureca. Sentiu que finalmente encontrou algum tipo de lógica nesse Glitch. O Barba Azul devia ter feito algum tipo de acordo com o “Fado Madrinho” nesse palácio onde Cinderela estava. Depois disso, se tornou um homem rico e se casou com Lila, o que leva a aquela história…

Ele devia ter matado Lila e oferecido ao rei o espelho dela. Portanto, na história da Cinderela, algo também deve afetar o futuro. Se Sanji conseguisse encontrar o Barba Azul e matá-lo, então Lila seria salva! Quando Sanji pensou nessa lógica, se sentiu muito aliviada. A conversa na sala continuou quando viu um raio de luz nas proximidades. Rapidamente pegou o soldado que ainda estava dormindo e se escondeu com ele em um canto. Duas atendentes passaram por ela em fila indiana. Uma delas carregava um prato e a outra uma luz de vela. Quando pararam na porta, o quarto de Cinderela subitamente ficou quieto. Depois de alguns segundos, a voz incerta de Cinderela soou da sala.

— Quem… quem está aí fora?

— Recebemos ordens do mordomo-mor para trazer o seu jantar, senhorita Ella — uma das atendentes respondeu cordialmente.

O nome verdadeiro da Cinderela era Ella. Para zombar dela, suas irmãs lhe deram o apelido Cinderela, que também significava garota cinzenta. Cinderela soou emocional quando ouviu seu nome depois de tanto tempo. Ela fungou quando disse:

— Ok. Obrigada.

Quando elas abriram a porta, Sanji espiou e viu que Cinderela estava sozinha. Se procurasse pelo Barba Azul agora, talvez encontraria a fada. Mesmo que suas habilidades de combate tivessem melhorado significativamente, não queria correr o risco de lutar contra magia. Se fosse transformada em um rato, seria tarde demais para se arrepender. Depois de considerar suas opções, decidiu atacar o mordomo-mor.

Embora o palácio não fosse grande, não era tão fácil vasculhar todos os níveis e todos os cômodos. O estranho nesse palácio era que todos os aposentos e salões estavam cobertos por cortinas negras. Embora tivessem proporcionado a Sanji ótimos esconderijos, também criaram uma atmosfera sombria. Seguindo os corredores cobertos de preto, Sanji chegou a um dos portões laterais.

Uma voz severa, que Sanji ouvira uma vez na casa de Cinderela, veio de trás das grandes portas dupla. Embora a voz fosse quase inaudível, definitivamente pertencia ao mordomo-mor. Sanji deixou os guardas na porta inconscientes e caminhou suavemente até as portas. Levantou as cortinas e pressionou suas orelhas contra a porta.

— Príncipe Cedric, todos nós sentimos muito pela sua perda. — A voz do mordomo era profunda e sonora como se ele também estivesse em profunda tristeza e estivesse controlando suas emoções, — Mas agora que o príncipe herdeiro está morto, o futuro do nosso reino depende de você…

— Mas meu irmão não merecia morrer assim! — um jovem falou com uma intensidade contundente, que quebrou o pesado silêncio. Era uma voz que faria qualquer um recuar. Depois que disse isso, parecia incapaz de continuar. O mordomo rapidamente consolou-o com algumas palavras.

Controlando sua natureza impaciente, Sanji esperou um pouco mais. O príncipe Cedric pareceu recuperar a compostura e falou de novo:

— O caixão está pronto?

— Está quase pronto. Nós não achamos que a moça seria tão pequena. O primeiro era muito grande, então eles tiveram que fazer alguns ajustes…

— Você não é consciencioso demais? O tamanho de tais coisas não importa…

O príncipe Cedric, com os olhos avermelhados, nem terminara a sentença quando foi interrompido por um choque súbito. Antes que pudesse ver o que havia acontecido, havia sido derrubado forçadamente. De repente, sentiu alguém agarrar seu pescoço com força e nem teve tempo de gritar de surpresa antes de se ver incapaz de respirar.

Demorou alguns segundos até que o mordomo percebesse a sequência de eventos que se desenrolaram diante dele. Ele recuou nervosamente e tirou um sabre decorativo na parede. Antes que gritasse, a estranha mulher que atacara o príncipe avisou com uma voz fria.

— Não ouse fazer qualquer barulho! Se o fizer, vou estrangulá-lo até a morte.

O mordomo assentiu, meio atordoado.

— Na sua conversa, você disse que estava preparando um caixão para uma mulher pequena. Quem é ela? Ela está morta? — Sanji usou seus braços para manter preso o príncipe que estava resistindo. Ele era um homem alto e magro, com cabelos finos. Metade do rosto dele estava coberto por veias salientes agora, mas sua expressão teimosa mostrava que ele preferia morrer a deixar a mulher estrangulá-lo do jeito que ela queria.

— Por favor, seja mais gentil, — disse o mordomo, bem antes de segurar o sabre com mais força e responder. — O caixão é para Cinderela!

Embora ela já tivesse antecipado a resposta, a expressão de Sanji mudou um pouco enquanto ela se espantava com a situação.

— Aquela mulher é uma grande pecadora em nosso reino! — O mordomo-mor parecia ter esquecido o príncipe Cedric, cujo rosto agora estava completamente vermelho, e lágrimas escorriam por seus olhos como se ele tivesse se lembrado de algo. — Príncipe Peter, o príncipe herdeiro que logo assumiria o reino, passou todo o tempo pensando naquela mulher depois que a conheceu… Até partiu em uma jornada pelo reino procurando por ela. No final… no final… ele encontrou um terrível destino…

Sanji foi atraída pelo que o outro havia falado e acidentalmente afrouxou seu aperto. Uma vez que Cedric sentiu o ar jorrando para os pulmões, ele gritou:

— Meu irmão viajou na chuva à noite só para vê-la mais cedo. No final, foi mordido por uma fera! Não importa como, eu vou enterrá-la com ele! — O rosto de Cedric ficou vermelho de fúria, acompanhado por uma ligeira coloração esverdeada. A falta temporária de oxigênio também fez com que os olhos dele saltassem levemente, fazendo com que parecesse ainda mais deturpado.

Uma noite chuvosa… uma fera…

— Me conte todos os detalhes… — Sanji tinha uma expressão terrível em seu rosto quando apertou o pescoço de Cedric e o mesmo soltou um gemido abafado.

O mordomo respondeu rapidamente:

— O Príncipe Peter viu um homem ferido na beira da estrada. Ele foi emboscado quando tentou ajudar o homem! Havia outro caçador morto estripado ao lado de seu cadáver…

Deve ser…

Ela finalmente conseguiu conectar as três histórias. Sanji pensou no que tinha vivenciado. Se esse fosse o caso, a história de Chapeuzinho Vermelho vinha primeiro, depois disso era a história de Cinderela e, por último, era a de Lila…

Este era um grande desenvolvimento. Sanji exalou e estava prestes a soltar o príncipe quando viu um móvel familiar.

— Eu tenho uma segunda pergunta. Quem trouxe esse espelho aqui? — Sanji perguntou secamente. Ela não tinha dúvida, esse era o espelho de Lila.

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.

2 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!