TA – Capítulo 291

Todos Estão Esperando

Franz entendia completamente. Quando estava em condições precárias de saúde, muitas vezes ele ainda se colocava no limite ainda mais perigosamente só porque a paixão e a inspiração não podiam ser desperdiçadas naquele momento.

Portanto, Franz assentiu com um sorriso sincero.

— Eu entendo, Sr. Evans. Vou dar o meu melhor para ajudá-lo. Quando ouvi pela primeira vez o quarto movimento da sinfonia, o movimento do coral, fiquei totalmente chocado com sua beleza e a ideia de adicionar um coral em uma sinfonia é uma grande inovação! É um grande prazer fazer parte disso ajudando você a completar esta obra-prima. Vai ser uma das coisas mais memoráveis ​​da minha vida.

Para encaixar o verso longo, evitar as partes que eram desrespeitosas a Deus e manter sua beleza linguística original, Lucien e Franz haviam gasto muito tempo e refletido bastante.

Franz era um músico muito dedicado e um grande fã de Lucien. Diante de seu ídolo, Franz elogiou o movimento com grande entusiasmo.

Lucien tossiu muito e depois perguntou de uma forma empolgada, o que foi um pouco estranho:

— Obrigado, Franz! Agora nosso trabalho está quase pronto! Então, o vocalista e o coral começarão a praticar e nos darão uma opinião. Você acha que é… difícil demais?

Franz balançou a cabeça.

— É difícil, mas eu não diria que é difícil demais. Qualquer mudança tiraria a beleza do movimento. Um grande cantor e um coral deveriam ser capazes de lidar com isso.

— Eu também acho. — Lucien sorriu.

Nesse momento, alguém bateu na porta do cômodo, que então foi gentilmente aberta. Era Victor. Lucien e Franz estavam agora na sala de piano da Associação de Músicos, no quarto andar.

— Sr. Victor, acabamos de terminar nosso trabalho. — Lucien sorriu.

— Eu realmente escolhi uma boa hora para aparecer. Parabéns, Evans. — Victor sorriu. Então, ele deu um passo para o lado e apresentou a outra pessoa que o acompanhava: — Este é o Sr. Fabbrini, um grande cantor. O Sr. Fabbrini é o vocalista do Coral da Catedral de Ouro.

Antes de Ode à Alegria — a Sinfonia Nº 9 em Ré Menor de Ludwig Van Beethoven — estar completa, Lucien pediu a ajuda de Victor para encontrar para ele um grande cantor e um coral.

O Sr. Fabbrini tinha vinte e poucos anos, olhos azuis e cabelos loiros, parecendo um anjo a serviço do Deus da Verdade. Ao contrário da maioria dos homens, Fabbrini usava uma maquiagem leve. Em suas roupas extravagantes, ele passava uma certa beleza feminina.

Lucien não ficou muito surpreso, porque os músicos mais notáveis ​​eram castrati, para não mencionar o cantor do Coral da Catedral de Ouro.

Lucien sorriu.

— Prazer em conhecê-lo, Sr. Fabbrini. Espero que possamos trabalhar bem juntos.

Neste mundo, os castrati eram muito populares. Uma condessa em Gusta amava loucamente sua voz e uma vez começou uma guerra por um deles.

— Sr. Evans, eu vou me encontrar com o coral e nós estaremos esperando por você lá na sala de percussão. Você não parece muito bem, senhor. Por favor, pegue leve, — disse Fabbrini em sua voz gentil.

Depois que Fabbrini saiu, Lucien começou a tossir bastante, como se seus pulmões fossem sair para fora.

— Você está bem? Ainda não se recuperou, não é? — perguntou Victor preocupado. — Talvez possamos deixar o concerto para depois, até você se sentir melhor.

Lucien balançou a cabeça com firmeza:

— Tudo bem, Sr. Victor. Sou um cavaleiro, então não deve ser um problema.

Talvez por Lucien ser um cavaleiro, Victor ficasse realmente mais tranquilo, então ele concordou.

— Nós dois somos músicos, então eu entendo. Mas como seu professor, eu ainda acho que pedir uma visita médica seja necessário.

— Eu vou. Obrigado, Sr. Victor. — Lucien estava confiante de que poderia enganar um médico e fazer com que o médico acreditasse que, embora a lesão não pudesse ser curada em pouco tempo, não seria um risco para sua vida.

Depois de mais de uma semana, no meio do Mês das Flores. Na sala de percussão no quinto andar da Associação de Músicos.

— Quantas vezes eu tenho que te dizer, Fabbrini?! — Lucien fingiu que estava um pouco fora da casinha: — Por que você continua cometendo erros nessa parte?

Fabbrini olhou para o rosto pálido de Lucien e explicou apressadamente, com lágrimas nos olhos:

— Sr. Evans… Essa parte é deveras desafiadora… Eu preciso… preciso de mais prática…

— Mas nós praticamos um monte! — Lucien agitou os braços.

Fabbrini respirou fundo e disse:

— Ainda não é suficiente, senhor. Por favor, me dê mais algum tempo, ou talvez você possa alterar essa parte para deixa-la mais simples.

— De jeito nenhum! Isso está perfeito, e eu nunca vou permitir que seja arruinado! Fabbrini, apenas se esforce mais. Eu acredito que você pode fazer isso! Nós podemos adiar o show por alguns dias enquanto… — Lucien começou a tossir feio. E ele se agachou ao lado do palco.

Franz apressadamente deu uma mão a Lucien. Fabbrini também o consolou:

— Vou me esforçar mais, Sr. Evans. Não vou decepcionar você.

No final desse ensaio, quando desceu do palco, Fabbrini, com sua camisa preta bordada com fios dourados, de alguma forma olhou de volta para o palco, como se ainda pudesse ver o Sr. Lucien ali, agindo loucamente, mas cheio de paixão.

— Talvez, naquela época, o Sr. Evans já soubesse o que aconteceria, e por isso ele foi tão insistente e rigoroso, o que não era de modo algum como as pessoas falavam sobre ele, como sendo educado e gentil. — Alguns anos depois, Fabbrini comentou sobre o que lembrava de Evans ao preparar o concerto. — Ele era tão dedicado, tão trabalhador, e tão louco… como se estivesse tentando fazer explodir toda a energia e brilho remanescentes em sua vida para não ter qualquer tipo de remorso. Eu fui abençoado por Deus, então tive a sorte de conhecer o Sr. Evans naquela época e de terminar a sinfonia com ele. Eu vi, como o músico brilhante que ele era, sua grande paixão pela música, e sua devoção a Deus.

Glinton, o comerciante que Lucien conheceu na cidade de Massawa, partiu para o norte depois de deixar Aalto.

No Reino de Siracusa, ele vendeu todos os seus pertences e depois comprou alguns de Siracusa, pronto para partir para a fortaleza no norte do Ducado Violeta.

Esta manhã, quando estava tomando seu café da manhã caprichado, uma olhada no periódico de repente o fez parar de cortar o brisket em seu prato. Ele não podia acreditar em seus olhos, e checou algumas vezes para garantir.

Ele ficou muito surpreso, mas também um pouco chateado. Ele não esperava que o Sr. Evans voltasse assim que ele tivesse saído de Aalto.

— Vinte e seis do Mês das Flores… no Salão dos Salmos… o concerto de retorno… — Glinton murmurou para si mesmo. Ele se perguntou se deveria passar dezesseis dias voltando para Aalto. Naquele momento, já era dia quinze.

Baixando a faca e o garfo, ele deu alguns passos para trás e para frente. Então, ele finalmente tomou uma decisão. Ele tinha perdido o primeiro concerto de Evans, então não havia chance de perder o segundo, sem mencionar o fato de que Evans acabara de voltar de sua viagem de três anos.

Glinton decidiu partir naquele momento e deixar a mercadoria com seu mordomo. Ele não iria sentado em uma carruagem, mas cavalgaria com vários guardas. Se fosse rápido o bastante, onze dias provavelmente seriam suficientes. Por conhecer alguns nobres, Glinton estava confiante de que deveria conseguir um ingresso. Pelo menos, ele deveria tentar.

Quando Glinton chegou a Aalto, já era dia vinte e oito de maio, treze dias mais tarde. Ele não ficou chateado, porque ouviu que o concerto tinha sido adiado para primeiro de junho. Sem descansar, Glinton foi diretamente para o Salão dos Salmos.

— O que? Esgotado? Mas… mas ainda há quatro dias! — Glinton ficou bem chateado: — Eu conheço o Cavaleiro Mitch da Família Hayne e… — ele começou a listar toda a sua notável influência.

O homem sentado na bilheteria apontou para os muitos cidadãos ao redor deles e disse:

— Sinto muito, senhor. Os ingressos estão esgotados. Simplesmente tem gente demais ansiando pelo concerto, e até onde eu sei, nem o Cavaleiro Mitch conseguiu um ingresso.

Glinton ficou muito desanimado. Olhando para trás, ele viu uma multidão de pessoas nos arredores do Salão dos Salmos.

Em uma esquina, um jornalista da Aalto Semanal escreveu rapidamente o que viu em seu caderno:

“Exceto pelo Festival de Música de Aalto, nunca vimos um concerto como este, que possa atrair tantas pessoas até Aalto, como se tivessem esquecido que os ingressos do Salão dos Salmos não são geralmente para as pessoas comuns… Lucien Evans tornou-se um ídolo por quem toda a cidade ou mesmo todo o ducado é fanático… Isso se tornou um fenômeno. Talvez devêssemos criar uma nova palavra para isso…”

Vermillion
Primeiro de seu nome, Nascido do Caos, o Que a Tudo Lê, Spymaster nas horas vagas, Father of Fakes, Professor de Inglês, Um dos Três, Editor do Qidian, Tradutor de TA, Soberania e DNG, Marido Raiz.

4 Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!