TA – Capítulo 292

O Luar no Coração de Todos

Vendo a multidão, Glinton ficou muito chateado. Não era algo justo que os nobres e pastores importantes tivessem sido convidados diretamente para o concerto sem ter que comprar um ingresso.

Ao se virar, Glinton viu o grandioso Salão dos Salmos. Pela primeira vez, sentiu a frieza implícita em sua aparência magnífica. Este lugar nunca foi direcionado aos seguidores devotados, mas apenas para os nobres e pastores do alto escalão.

Glinton murmurou para si mesmo:

— Nem todos os cordeiros são iguais…

Quando a maioria das pessoas estava saindo amplamente decepcionadas, um cavalo negro avançou rapidamente até o local e aos poucos parou na frente deles. Então, o cavaleiro montado disse em voz alta:

— Atenção todos os civis! Sua Alteza, a Princesa Natasha, Duquesa Violeta, acredita que a música não deve pertencer apenas aos nobres, mas sim a todos. Portanto, Sua Alteza decidiu oferecer apoio às suas próprias custas e ativar os círculos divinos para o concerto de retorno do Sr. Lucien Evans na praça municipal, para que todos possam apreciar sua magnífica música aqui, na cidade da música!

A multidão de repente ficou quieta, e então pessoas se encheram de alegria começaram a aplaudir como loucas.

— Sua Alteza é maravilhosa!

— Deus abençoe a Alteza!

— Viva Sua Alteza! Viva a Duquesa Violeta!

Entre as pessoas, Glinton também ficou muito animado e vibrou junto com eles. Ele ficou feliz por ter tomado a decisão certa de voltar a Aalto.

O primeiro dia de junho foi um dia feliz, pelo menos para as pessoas em Aalto.

Depois de receber o grão-duque, a princesa, o sr. Christopher, o presidente Othello e o sr. Victor, Lucien agora se preparava nos bastidores cercado por Franz, Graça, Fabbrini e alguns dos instrumentistas com quem ele estava familiarizado.

Lucien escolheu a banda que já trabalhou com ele antes, mas o instrumentalista não era mais o Sr. Rhine.

Um pouco longe de Lucien estavam outros instrumentistas, castrati e crianças do coral.

— Sr. Evans, já posso imaginar o grande choque que a sinfonia trará para a plateia. Mal posso esperar para subir no palco. Deus nos abençoe. É a música mais empolgante que já vi… Acho que vou acabar com lágrimas nos olhos… — disse Fabbrini, empolgado antes da apresentação.

Naquela noite, Fabbrini estava usando uma gravata-borboleta vermelha e seus lábios estavam vermelhos como fogo.

A sinfonia da qual Fabbrini falava era chamada Ode à Alegria, de Lucien Evans. À medida que os vários ensaios iam ficando cada vez melhores, o coração de Fabbrini ficava cheio de admiração.

Ouvindo o comentário dele, Graça olhou para Lucien cheia de curiosidade, perguntando:

— É assim tão impressionante? Será que Ode à Alegria pode ser melhor que a Sinfonia do Destino?

— Elas são diferentes. As pessoas podem ter opiniões diferentes. Mas eu acho que é uma música ótima. — Lucien sorriu, como se estivesse comentando sobre a música de outra pessoa.

Franz soltou um longo suspiro e disse:

— Na verdade, eu estava bastante preocupado que a Sinfonia em Mi Menor não seria aceita pela maioria dos músicos e críticos, embora eu goste bastante dela, especialmente o início do segundo movimento. O que eu digo é que… a estrutura é avançada demais para ser compreendida. Agora, porém, já que temos o Ode à Alegria como o final, vai ficar tudo bem.

— A música vem do coração da pessoa e a estrutura é apenas uma ferramenta, — explicou Lucien. — Quando a ferramenta começar a se tornar um fardo, temos que ser corajosos para nos livrar dela e encontrar uma nova.

Lucien estava falando sobre a transição da música clássica para a música romântica.

De fato, em comparação com a maioria das obras musicais do período final do Romantismo, a Sinfonia do Novo Mundo de Antonín Dvořák, renomeada por Lucien como Sinfonia do País Novo, ainda estava próxima da música clássica tradicional. Afinal, Antonín Dvořák havia sido profundamente influenciado pela música clássica.

Ouvindo as palavras de Lucien, Franz assentiu, pensativo. Talvez ele estivesse refletindo sobre sua própria composição.

O violoncelista, Thomas, também comentou:

— Acho que o Sinfonia do País Novo é um ótimo trabalho. Embora possa receber alguns comentários negativos, acredito que qualquer um que realmente entenda de música e aprecie a beleza das composições conseguirá ver o grande valor dela. Eu digo que o tempo irá provar que Ode à Alegria e a Sinfonia do País Novo são obras-primas. Você tem o meu maior respeito por causa da sua coragem na inspiração e revolução, Sr. Evans.

Thomas era muito sincero e acreditava que o concerto seria o maior sucesso de todos os tempos. Ele também via o quanto iria se beneficiar com esse concerto. Depois de tocar com o Sr. Victor e Evans, a banda que Thomas estava agora já era a melhor com exceção da do palácio, e também a mais cara.

— Obrigado a todos pelos comentários encorajadores, mas ainda temos que ver como será depois do concerto. — Lucien sorriu: — Está na hora. Vamos. — Depois de dar alguns passos, Lucien acrescentou com emoção: — Nas quatro horas seguintes, vamos esquecer de tudo e viver apenas pela música!

— Viver pela música! — Todos os instrumentistas, membros da banda e cantores responderam em voz alta.

Lucien ajeitou sua gravata borboleta e pegou a batuta. Neste momento, porém, ele de repente começou a tossir feio.

— Sr. Evans?! Você está bem?

Lucien pigarreou, em seguida, acenou com a mão.

— Eu estou bem. Faz um tempo que estou assim. Tá tudo bem. Deixe a banda ir em frente para se preparar primeiro.

— Você tem certeza, Sr. Evans? — Thomas não saiu junto com a banda, mas perguntou novamente, preocupado.

Lucien pegou uma pequena garrafa de poção rosada e bebeu inteira. Então, seu rosto não pareceu tão pálido. Ele disse a Thomas:

— Eu tenho essas poções. Não se preocupe.

Vendo que Lucien ainda era capaz de falar fluentemente, Thomas ficou aliviado. Em seguida, ele saiu dos bastidores para se preparar.

Depois que Thomas saiu, Fabbrini perguntou gentilmente:

— Sr. Evans… Isso… não parece uma poção simples para aliviar a tosse. Uma poção não funciona tão rápido.

Como o vocalista do coro da Igreja, ele entendia mais do que a maioria das pessoas.

Lucien parecia totalmente renovado e disse a Fabbrini com um sorriso:

— É um pouco mais forte para conseguir o melhor de mim nas quatro horas seguintes. Está tudo bem. Vou descansar bastante depois do concerto.

Então, Lucien agarrou a batuta e saiu dos bastidores de uma maneira elegante, deixando os outros para trás com uma postura ereta e impositiva.

Fabbrini não disse nada por um tempo. O sorriso determinado de Evans ainda permanecia em sua mente.

Na praça municipal, quando as pessoas viram Lucien caminhando para o centro do palco no Salão dos Salmos, começaram a aplaudir, e então os aplausos se tornaram cada vez mais altos. Não importava se o Sr. Lucien Evans podia ouvi-los ou não, todas as pessoas estavam expressando sua alegria e entusiasmo. Eles estavam dando as boas-vindas ao músico talentoso e jovem e também mostrando sua gratidão à generosidade de Sua Alteza.

Na história de Aalto, nunca houve um concerto como aquele, que pudesse receber tantos aplausos calorosos antes mesmo de começar!

Glinton estava agora de pé ao longo da margem da praça. Olhando para a tela de cristal, ele sentiu alegria e ficou muito satisfeito. Finalmente, ele conseguiu estar ali apreciando a performance ao vivo do Sr. Evans com seus próprios ouvidos e olhos.

O repertório já estava disponível: o concerto começaria com a famosa Sinfonia do Destino, seguida de um solo de piano de Luar e Patética. Em seguida, o Sr. Lucien Evans iria mostrar suas habilidades tocando de improviso. Então seria a nova Sinfonia do País Novo, e mais tarde Ode à Alegria e a Sinfonia em Mi Menor serviriam como o final do concerto.

Quando as primeiras notas musicais já familiares apareceram, a melodia despertou a todos. Eles ficaram muito quietos, esperando pelo banquete musical que se aproximava.

Depois de Sinfonia do Destino, Christopher sorriu para Victor e disse:

— Após esses três anos, a condução de Evans está ainda melhor. Ele costumava ser um pouco maluco demais quando conduzia, mas agora sabe onde deixar as emoções fluírem e quando contê-las. Suas características pessoais ainda estão lá, e isso permite uma melhor condução e sentido para a sinfonia.

A regência de Lucien não era mais tão inexperiente, estando mais madura. Agora, sua condução correspondia à grandeza da sinfonia.

— Ele não cansa de trabalhar duro. — Victor também tinha muita consideração por seu próprio aluno. — Entre as muitas vezes que a Sinfonia do Destino foi tocada, o poder dela só teve o impacto esperado quando Lucien a conduziu.

Uma pausa de dez minutos, e a banda havia deixado o palco, que em sua amplitude possuía apenas um piano preto e Lucien, também de preto.

O círculo do poder divino se focou em Lucien, cobrindo-o com uma camada luminosa suave.

Sentado em frente ao piano, Lucien fechou os olhos. Ele sabia que esse concerto era uma despedida para as pessoas que gostavam dele. Para ter certeza de que seus parentes e amigos estavam seguros, e sabendo que, mais cedo ou mais tarde, seu nome seria colocado na Lista de Purificação, ele teria que deixar o jovem músico morrer, e dizer adeus aos palcos.

Ele não sabia que tipo de escolhas seu tio Joel, tia Alisa, John e Iven fariam, e também não tinha certeza se um dia ainda se encontraria com Victor, Elena e todos os seus amigos novamente. Não tinha ideia se sequer conseguiria voltar para Aalto sem se esconder cautelosamente…

Talvez… talvez depois de se tornar um feiticeiro de alto nível, Lucien pudesse observá-los de longe…

Uma tristeza enorme tomou o coração de Lucien e suas mãos imediatamente pressionaram as teclas. Uma melodia pacífica e gentil fluía como um riacho no Salão dos Salmos, e trouxe todos de volta ao lago que brilhava sob o luar, como em um sonho.

As pessoas imergiram na paz e tranquilidade e estavam desfrutando cada segundo daquela doçura sincera, graciosidade e também tristeza.

Sob a doçura da melodia, eles de alguma forma se sentiam tristes.

Felícia notou que Elena, que estava sentada ao lado dela, enxugou as lágrimas no canto do olho e murmurou:

— Eu não sei por que, mas… eu sinto vontade de chorar…

Vermillion
Primeiro de seu nome, Nascido do Caos, o Que a Tudo Lê, Spymaster nas horas vagas, Father of Fakes, Professor de Inglês, Um dos Três, Editor do Qidian, Tradutor de TA, Soberania e DNG, Marido Raiz.

1 Comentário

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
error: O conteúdo deste site está protegido!